terça-feira, 15 de junho de 2010

Osh


Quando Francisco José Viegas, em 1998, no seu romance "Um crime na Exposição", associou o Quirguistão (ou Quirguízia) ao tema da morte, estava, com certeza, muito longe de pensar nas inúmeras vítimas resultantes da guerra civil que agora devasta aquele pobre país da Ásia Central.

A geografia estratégica desenhada na região por José Estaline comporta algumas verdadeiras perfídias de separação étnica, com bolsas de isolamento em países vizinhos que são verdadeiras bombas ao retardador e que configuram hoje a triste herança que a defunta União Soviética deixou na Ásia Central. Há hoje dois "países" no Quirguistão e a zona de Osh, ao sul, não por acaso aquela onde se refugiou o ex-presidente Bakiev, quando há semanas foi afastado do poder no norte, em Bishkek, mantém um conhecido potencial de turbulência entre os quirguizes e os uzbeques. Osh está praticamente na fronteira entre o Quirguistão e o Uzbequistão, em cujo vale de Fergana tiveram já lugar, há anos, incidentes étnicos e religiosos da maior gravidade. A possibilidade de uma conflito entre os dois Estados ou uma tentativa secessionista não estão excluídos.

Há uns anos, andei em trabalho por essas zonas e hoje pergunto-me o que será feito das pessoas que, com grande dedicação, animavam a "clínica legal" criada em Osh, onde assisti a um magnífico esforço de popularização da justiça e do direito, numa iniciativa da comunidade internacional em que tanta esperança se colocava. E, com alguma nostalgia, também me interrogo sobre o destino do belo "bazar" da cidade (na foto), que, por mo terem descrito como um dos mais animados da Ásia Central, insisti em visitar. Da alegria natural daquela população simples, que a "descolonização" apressada de Moscovo deixou nas mãos dos ex-aparatchiks convertidos em novos líderes "democráticos", deve hoje restar muito pouco, depois das quase duas centenas de mortos que se espalham pela cidade.

3 comentários:

Botanitchesky Per disse...

O bazzar de Osh está actualmente bem, aberto todos os dias, e recomenda-se. Para espanto de muitos, continuam-se a vender melões, melancias, bolos e tudo mais em tamanhos dignos de fenomenos do entrocamento.

Anónimo disse...

Osh
Perfídias de separação étnica...
Tema da morte
Geografia estratégica
Com bolsas de isolamento
Verdadeiras bombas ao retardador
Triste herança
"Descolonização" apressada
Deixou nas mãos
Centenas de mortos
Que se espalham pela cidade.

Adaptado de FSC em 2010
Isabel Seixas

O bazzar de Osh está actualmente bem(Como é possivel... Mas que é bonito é...)

A sra. Maria minha amiga tem razão Falamos de barriga cheia

João Antelmo disse...

Poder-se-á chamar ao ex-Presidente Bakiev "o Feiticeiro de Osh"?