domingo, 5 de novembro de 2017

Ouvir

Por dá cá aquela palha, os partidos chamam os governantes ao parlamento, para os “ouvir”. Tudo bem: o governo é responsável perante o parlamento. Só que os governantes não vão lá para serem “ouvidos”. Os deputados estão “desertos” de saberem o que eles pensam. O que os deputados pretendem é utilizá-los como os “compères” são usados no teatro de revista para dar as deixas aos “artistas”. Tendo os ministros como “punching ball” constitucional, os deputados arranjam ali um belo pretexto para ensaiarem tiradas perante as câmaras. Nenhum deputado ficará convencido pelo que algum ministro ali lhes diga. E, claro, nenhum ministro mudará minimamente de opinião pelo que lhe arengou um deputado. E, também entre si, os deputados não gerarão nenhum acordo ou consenso potenciados pela presença falante de um governante. Aos deputados, só interessam as luzes, a ribalta, os tempos de antena, os melhores “soundbites” que conseguirem arranjar para promoverem os seus argumentos, que um dia os poderá, quem sabe?, levar ao governo. Os ministros, esses, tentarão sair dali tão ilesos quanto possível, até à altura de serem chamados de novo, a pretexto de um qualquer novo episódio. É um teatro, o teatro da democracia. Se bem pensarmos, esta encenação faz parte daquele que é, apesar de tudo, o melhor dos regimes que se conhecem.

2 comentários:

Joaquim de Freitas disse...

A Commedia dell’arte, claro, onde cada um faz o seu « show » …mas também é certo que não é o trabalho de fundo que permite de passar perante as câmaras da TV e de se “mostrar” ao povo, ao seu povo! E se o espectáculo é interpretado por actores talentosos, os media também acham nisso matéria interessante, particularmente quando um deputado “derrama o leite” …e chora sobre o leite derramado!

E são poucos aqueles que se preocupam com a imagem que dão, que não está em adequação com a seriedade que deveriam demonstrar. Os papalvos entretanto terão esquecido para as próximas eleições…

Anónimo disse...

Em sentido oposto, a ministra da Educação de Santana Lopes que achava não "ser interessante ir ao Parlamento, sei lá"😄...