terça-feira, 21 de novembro de 2017

As bilhas



Imagino que haja pessoas, em especial senhoras, que vão detestar esta historieta. Mas ela, à sua maneira, ilustra um Portugal de um outro tempo que, até como exemplo negativo, vale a pena registar. Eram esses anos 1971/73, em que eu era funcionário da Caixa Geral de Depósitos. 

A pausa do almoço era entre as 12.30 e as 14.00 horas. Comia-se pelas tascas do Bairro Alto ou de Santa Catarina e, no final, aguardava-se a abertura da “porta grande”, impreterivelmente às duas horas, para iniciar o período da tarde. Nesses minutos que antecediam o nosso regresso ao trabalho em dias de sol, encostava-me, com alguns colegas, à parede fronteira à Caixa, entre a antiga Bijou do Calhariz e a estimável Tabacaria Martins, sob a placa antiga de mármore que refere as suas qualidades. 

Num dos dias iniciais desse meu primeiro emprego, vi surgir dos lados do Loreto a figura de um homem com um sorriso aberto, um ar que me pareceu um tanto atoleimado. Dirigiu-se ao nosso grupo e, pelo modo como foi recebido, logo percebi que era objeto de algum gozo entre os seus r meus camaradas de profissão. 

“Então, ó Meireles, como é que correu a jornada?”, ouvi da parte de um deles. O Meireles (o nome aqui não importa), respondeu: “Razoável! Razoável! Uma meia dúzia”. Nesse instante, a “porta grande”, no passeio em frente, abriu-se e todos nos precipitámos para ela. Fiquei sem saber o que diabo era a “jornada” do homem. 

Esqueci o assunto mas, dias depois, a cena repetiu-se: lá vi o tal Meireles juntar-se a nós, também sobre a hora de abertura da porta. Desta vez, a expressão usada por ele foi outra: “Quatro bilhas! Não foi mau!”. E toda a gente riu. 

Pela escadaria, a caminho da minha sala de trabalho, perguntei a um amigo o que era, afinal, aquela “contabilidade” de “bilhas”: “O Meireles é um pateta, um tarado sexual. Há anos que tem como diversão, à hora de almoço, passear pelo Camões e pelo Chiado e apalpar o rabo a senhoras, vindo depois para aqui anunciar quantas “bilhas” conseguiu fazer...”. Fiquei siderado. Que grande besta! Mas, pronto, era assim mesmo! 

O Meireles, ou lá como se chamava, correspondia a um modelo de javardo que, embora extremo, passava entre nós com alguma tolerância, e até algum divertimento por parte de quem, afinal, acedia ao seu convívio, na Lisboa desse tempo. 

Várias vezes, ao longo deste quase meio século, me tenho perguntado se o tal Meireles, ou lá como ele se chamava, não terá, algumas vezes, recebido, de algumas senhoras que molestava, um par de bem merecidos estalos. 

Lembrei-me deste episódio nesta altura em que uma reação bem saudável parece emergir na sociedade internacional (e na portuguesa, por arrasto) quanto ao respeito devido à dignidade das mulheres, posta então em causa por figuras do jaez do Meireles, ou lá como ele se chamava.

6 comentários:

Anónimo disse...

"Meireles" gabarolas, não passam disso mesmo!

O verdadeiro javardo, faz pela calada.

Não quer testemunhas, só as vitimas sabem!

Joaquim de Freitas disse...

Existe um « Meireles » à cabeça do Estado mais poderoso do planeta, grande defensor dos “Valores Ocidentais, que disse : -


"Quand on est une star, elles nous laissent faire. On fait tout ce qu'on veut", ajoute Donald Trump, ce qui inclut, selon lui, la possibilité de les "attraper" par le sexe.

Anónimo disse...

Ao ver o nome de "Tabacaria Martins", que conheço bem, veio-me à memória esses tempos da década de 70. Era nas tabacarias, algumas, que se passavam momentos de lazer. Por ali se sabiam as últimas notícias. Lembro-me de algumas figuras desses tempos que diariamente faziam uma pausa na "sua" tabacaria. Era como que uma dependência...

Luís Lavoura disse...

uma reação bem saudável parece emergir na sociedade internacional (e na portuguesa, por arrasto)

Não me parece de forma nenhuma aceitável tratar a sociedade americana, com as suas peculiaridades e taras, como "sociedade internacional". A sociedade americana é a americana, as outras são diferentes.

Também não vejo arrasto nenhum da sociedade americana para as restantes.

Anónimo disse...

um cadeau para o anónimo das 12:30

Cruz na porta da tabacaria!
Quem morreu? O próprio Alves? Dou
Ao diabo o bem-estar que trazia.
Desde ontem a cidade mudou.

Quem era? Ora, era quem eu via.
Todos os dias o via. Estou
Agora sem essa monotonia.
Desde ontem a cidade mudou.

Ele era o dono da tabacaria.
Um ponto de referência de quem sou
Eu passava ali de noite e de dia.
Desde ontem a cidade mudou.

Meu coração tem pouca alegria,
E isto diz que é morte aquilo onde estou.
Horror fechado da tabacaria!
Desde ontem a cidade mudou.

Mas ao menos a ele alguém o via,
Ele era fixo, eu, o que vou,
Se morrer, não falto, e ninguém diria.
Desde ontem a cidade mudou.

AC

Manuel Tomaz disse...

Ao anónimo das 22h50:
De como as "bilhas" tornearam para o Grande Pessoa. Ainda bem!