quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Deus não dorme





Conheço Mário Mesquita há muitos anos, desde as mesas da Granfina, nos idos de 70. Por esses tempos, procurei-o um dia no “República”, onde ele era jornalista, para tentar “plantar” uma notícia sobre uma movimentação para-sindical na Caixa Geral de Depósitos, onde eu trabalhava. A Censura não deixou passar. Semanas após o 25 de abril, foi ele quem teve a iniciativa de destacar, no mesmo “República”, um trecho de um discurso que eu havia feito num juramento de bandeira na unidade militar onde estava colocado, em que fiz uma forte crítica ao MFA, “pela esquerda”, que me levou a ser chamado a uma reprimenda ao Estado-Maior do Exército. 

Mário Mesquita e eu nem sempre navegámos simultaneamente em idênticas marés, mas tenho a certeza de que sempre andámos pelas mesmas águas. Também nunca fomos íntimos e ele é, dentre a “ínclita geração” de estudantes açoreanos aportada a Lisboa e com a qual tive o gosto de conviver - a de Medeiros Ferreira, Jaime Gama ou Eduardo Paz Ferreira, entre outros e outras - aquele com quem sempre mantive uma maior “cerimónia” pessoal - vá-se lá saber porquê! 

Isso facilita a que hoje possa dizer que é com grande satisfação que vejo o seu nome eleito para a ERC, o regulador da Comunicação Social. Se a Assembleia da República queria indiscutível competência, seriedade e independência, não podia ter escolhido melhor. Quase que me apetecia fazer uma ironia e repetir o título de um seu célebre editorial no “Diário da Notícias”, também há já com muitos anos, que causou mossa e fez história: “Deus não dorme”.

3 comentários:

Anónimo disse...

Famosa a sua polémica, de rara qualidade literária, com Almeida Santos. Indiscutível escolha de facto.

Anónimo disse...

Aos nativos dos Açores dá-se o nome de açorianos (com "i").

dinis manuel alves disse...

Parabéns ao Prof. Mário Mesquita.