quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Lusofonias

A convite da Sociedade de Geografia, fiz hoje uma palestra sobre os problemas com que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa se defronta para o seu pleno desenvolvimento. Era este o tema que me havia sido proposto e entendi segui-lo à letra. 

Imagino que, no auditório, muitos tivessem ficado algo chocados quando elenquei, sem subterfúgios e com total frontalidade, cerca de três dezenas de razões pelas quais, a meu ver, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa é o que hoje é - e, infelizmente, não é mais do que isso.

Acho que, de quando em vez, faz falta um pouco de verdade, crua e dura, nesse muito complexo e contraditório mundo de quantos se exprimem em língua portuguesa. É que há por ali sentimentos ambivalentes e realidades bem curiosas.

Imediatamente antes de fazer a palestra da Sociedade de Geografia, tinha estado numa reunião em que alguém contou que visitava Angola no dia em que se realizava um Sporting-Benfica. Essa pessoa disse do seu espanto (e do seu agrado, já agora), ao ouvir numa rádio luandense uma referência ao jogo, em que designava o prélio como o “dérbi da Segunda Circular” - com a absoluta certeza, por parte do radialista, de estar a ser plenamente entendido pelos seus ouvintes locais.

Não pude deixar de lembrar-me, naquele momento, de um timorense que conheci em Nova Iorque, que nunca visitara Portugal, e que me disse que um dia gostaria de conhecer ”a segunda ponte do Feijó”, lugar até onde chegavam as filas de trânsito nas manhãs lisboetas, que a rádio lhe reportava nas tardes do seu Timor natal.

3 comentários:

Anónimo disse...

Não sou adepto de futebol mas lembro, com imenso gosto, o comentário que o guarda furibundo do aeroporto de Luanda, depois de inspecionar de trás para a frente o meu passaporte, me disse abrindo finalmente um sorriso bem simpático:- vamos ganhar! Quem ia ganhar? Portugal no campeonato da Europa cuja final se jogava nesse princípio de noite.
João Vieira

Anónimo disse...

A CPLP nem um parque de estacionamento de jeito tem quanto mais.

Tenha pena que mantenha a sua opinião sobre o acordo ortográfico, (ainda outro dia aqui escreveu que um dos seus defeitos era ser teimoso...) e fico contente com a frustração que o tema lhe causa . A harmonização da escrita não é com certeza o que faz a força quer da commenwealth ou da francofonia (de qualquer modo, em França, a quantidade de jovens a escrever conjugar um verbo é cada vez menor...). Para lhe dar mais ânimo na sua posição veja, se não teve oportunidade ainda de o fazer, o seguinte vídeo de RAP com Gregório Duvivier

https://www.youtube.com/watch?v=Lw6kJfFQnHw

cumprimentos

Portugalredecouvertes disse...


penso que a força dos país que se juntam, estará nos seus afectos e nos seus afetos :)))