quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Tribo peninsular

A cena passa-se nas Nações Unidas, nos anos 80. Foi-me contada, há dias, por um dos  ilustres protagonistas. À luz das convenções mais contemporâneas, pode haver quem a considere "politicamente incorreta". Mas eu arrisco.

Um grupo de trabalho sobre questões africanas suspende os trabalhos por uns minutos. Dois diplomatas, um espanhol e um português, trocam graças e, num presumível "portuñol", demonstram uma cumplicidade que surpreende alguns circunstantes.

Um dos diplomatas africanos, oriundo de um país fortemente dividido por conflitos étnicos, pergunta: 

- Os espanhóis e os portugueses, sendo vizinhos, não têm conflitos?

- Já os tivemos, e bem fortes, no passado. Mas isso já lá vai - responde o português.

- Sabes, nós, no fundo, pertencemos à mesma tribo - adianta o espanhol.

- Ah! São da mesma tribo! Assim já percebo porque é que vocês se dão tão bem! - conclui o africano.

6 comentários:

O PSICOALPINISTA disse...

"A carta de Alforria"

mpereiradecastro disse...

" en plein dans le mille " BRAVO! Audácia, sim," nós estamos a pedir "!
Um ANO NOVO FELIZ para o Embaixador da minha_nossa Terra.
mpereiradecastro

Cunha Ribeiro disse...

Não me importava neste momento de ser espanhol. "Es que se vivia mejor! Mucho mejor! E entonces el gasoil... e los salarios..."

Anónimo disse...

Essa componente tribal da convivência entre os portugueses e os espanhóis está muito bem vista.

E concordo com o Cunha Ribeiro porque "los salarios de nuestros hermanos son muy buenos"... :)

Isabel BP

patricio branco disse...

situação hoje comum, não utilizar certas palavras ou termos em certas circunstancias com determinadas conotações: tribo (melhor grupo social, clã), indígena (originário),cego(invisual), preto (negro ou africano), raça (etnia), colónia (hoje termo apenas histórico, no sentido de dominio territorial, as colónias que existem, e ainda são muitas, já não se chamam oficialmente assim), etc.
Entre portugal e espanha podemos em principio amenamente dizer que pertencemos à mesma tribo sem receio de ofender e se alguem de fora pergunta qual é a conversa o problema não é do espanhol nem do português...

Margarida disse...

Esta história é deliciosa; fez muito bem em revelá-la.