domingo, 13 de maio de 2012

Viagens

Leio hoje anunciado, pelo que deve ser verdade...

No dia 15 de julho, com os meus colegas diplomatas Marcello Mathias e António Monteiro, vou falar em Coimbra, na Quinta das Lágrimas, no Festival das Artes, sobre "As viagens dos portugueses, cinco séculos depois - Ásia, Brasil, África".

O convite partiu do nosso comum amigo José Miguel Júdice e da Fundação Inês de Castro. Esperamos que esta "troika" viajante possa trazer um saldo positivo para a conversa.

6 comentários:

Isabel Seixas disse...

“A Viagem dos Portugueses 5 séculos depois: Ásia, Brasil, África”

Era então o Portugal de então a quinta das lágrimas, no cais de embarque mulheres carpiam(algumas com amadorismo logo sinceras) invadidas pela provável mudança de estado civil ou orfandade de filhos...

os homens, esses, ativavam a ousadia máxima apimentada pelo deslumbramento dos descobrimentos e pelo estatuto que isso lhes dava na altura... Para além da Pica(ponto interessante a ser explorado ou a titular um livro ou artigo).

Os governantes imunes à desfaçatez do seu governo...
"Naquele tempo, ai hoje, haviam de ir para testemunhar o que custava, andar a espetar as quinas em terrenos feitos baldios por falta de escrituras, algures nas margens do mar, sujeitos a serem descompostos"...
Supervisavam comodamente de camarote os súbditos...

Ai como adoraria ouvir a versão contemporânea...Até para ver as comunalidades.
Mas e as portagens?
E ainda tinha que vir para chaves noite dentro, mesmo verão...
Na, vou aguardar que o Sr. se digne publicar aqui algum excerto.
É a vida.

patricio branco disse...

fernão mendes pinto viajou mas como aventureiro.
Serpa pinto, capelo e ivens não viajaram, exploraram.
Camões viajou a goa, macau e moçambique. eça de queiroz viajou ao egipto e eua.
o infante d. pedro de portugal, o das 7 partidas, viajou muito. vasco da gama e p a cabral não viajaram, navegaram e descobriram rotas e caminhos.
na verdade não sei se somos um país de viajantes. pelo menos à maneira de marco polo. de navegantes, descobridores e exploradores somos sem duvida.

Portas & Travessas.SA disse...

Acabar o 1º de Dezembro, dia da nossa independência, face a Castela, coisa que os "catalanes" nos admiram e muito - independência que eles não conseguiram.

Será que temos um ou mais "Vasconcelos" no Governo?.

O Miguel Portas, em tudo o mais, era Português, como eu e como milhões.

Ao Escrever esta mensagem até as lágrimas me banham os olhos.

Não vale tudo

gherkin disse...

Os votos do maior sucesso para esta notável "troika" cultural. E, para aqueles que lá não vão estar, esperamos uma resenhaneste obrigatório espaço.~
Abraço
Gilberto Ferraz

Anónimo disse...

Pois.

Gosto muito dos "catalanes".

O azar nosso foi a sorte deles.

A hesitação filipina criou o país que temos, em termos de governação claro.

Guilherme.

Anónimo disse...

Continuamos por aí... Ásia, Brasil, África. A História repete-se. Aguarda-se o seu contributo, para acrescentarmos a visão do diplomata. Pelo que me toca tenho mais a vivência de familiares, de amigos e de mim própria num pragmatismo mais quotidiano da utilidade das nossas idas e vindas, sem a preocupação do enquadramento sócio-político e cultural. Disso fico à espera, neste espaço.