domingo, 15 de março de 2015

Memorabilia diplomatica (VI) - O último


O gabinete não era grande. Para além, do seu titular, com jeito, cabiam sentadas umas quatro pessoas, para além dos que ficavam encostados, de pé, no vão da janela ou na moldura da porta de entrada, ou de quantos só assomavam por escassos minutos. Era um fim de tarde, nos anos 80, naquela representação diplomática portuguesa, numa capital europeia.

Eu estava por ali de passagem, ido de Lisboa para uma reunião. Com o colega em casa de quem me alojava mantinha-me por ali à conversa, nesse que era gabinete de um outro diplomata.
 
O dono do gabinete, com quem eu tinha uma relação distante, era conhecido por ser uma das pessoas que mais tarde saía das instalações. Era uma figura muito loquaz, com um humor cortante, algo ácido, muito radical nas opiniões. Era um homem inteligente e não deixava de ser divertido. Porém, a partir de uma certa altura, pelo menos para mim, senti por ali algo indefinido de desagradável: sempre que alguém abandonava o gabinete era mimoseado por ele com comentários depreciativos, do género "esta também tem a mania que é esperta!" ou "este tipo é um parvo e ainda nunca ninguém lho disse". Alguns dos que ficavam riam-se, numa partilha cobarde da crítica, nas costas do ausente. Outros, como era o meu caso, que mal conhecia a maioria dos visitantes, faziam um sorriso amarelo, onde abafavam o incómodo.

O tempo ia correndo, comigo "morto" por sair dali. Mas fui ficando, porque dependia da boleia do colega que me aboletava, com quem tinha um jantar, cuja hora se aproximava. A certo passo, no gabinete, para além do seu titular, ficámos só eu e o meu amigo. Ousei dizer: "se calhar, temos de ir andando..." Vi que o meu amigo se apressou a aproveitar a sugestão. Despedimo-nos do agora solitário mal-dizente e saímos. No elevador, comentei:

- Desculpa ter apressado a conversa, mas já creio que estamos já em cima da hora do restaurante.

O meu amigo retorquiu:

- Fizeste bem, mas não podíamos sair mais cedo.

Não percebi, mas ele explicou:

- Eu, daquele gabinete, sou sempre o último a sair. É a única garantia de que ele, logo de seguida, não vai dizer mal de mim a quem por lá ficar...

1 comentário:

Isabel Seixas disse...

num mundo de Narcísicos
espelhos e bolas de cristal
fazem-se de valor juízos
sem valor nenhum em tribunal


mas quem mal dos outros fala
mal de si há de ouvir falar
a má língua não abala
a quem não se deixa abalar...