segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Aniversário

É um amigo que conheço há muito. Faz anos hoje. Há minutos, telefonei, a felicitá-lo.

Agradeceu, comentando: "Meu caro, só damos conta de que envelhecemos quando o preço das velas começa a ser superior ao do bolo de aniversário".

Boa "malha"!

13 comentários:

Anónimo disse...

Por acaso eu conto os anos e situo-me sempre neles.

Gostei da sua lufada de juventude. Mas atenção, a juventude não gosta que utilizem as suas expressões.

Helena Sacadura Cabral disse...

Só há uma solução: comprar duas velas e compor a idade com elas!

Anónimo disse...

Só para pensar, em vez da celebração da vida, nestes dias menos alegres.
Ouvi, de alguém com 83 anos, dizer que não percebia como continuavam a festejar os aniversários quando estes nos aproximam do fim da vida...

patricio branco disse...

tentando contá-las vejo cerca de 30 velas no bolo

margarida disse...

Muitos parabéns ao amigo! Aniversários de nascimento são sempre dias especiais, mesmo que o aniversariante resmungue (e, a partir de certa altura, resmunga sempre, sem entender a bênção de 'cumprir' mais um ano...).
O dito é castiço, mas a realidade é que as velas de aniversário, em geral, são oferecidas na aquisição do doce e são duas, apenas duas, para pena minha, que adoro aquela visão sublime do bolo todo iluminado..., e o desafio de apagar, com um só sopro, todas as velas de uma só vez (após ter formulado um desejo, claro, que isto de racionalidades, em certas circunstâncias, valem o que valem).
Adoro aniversários! Mesmo quando resmungo e faço por ignorar, é um dia... diferente.
Agora lembro muito o poema de Pessoa. Mas não devia.
Devia voltar ao espírito daquele em que o passei na Eurodisney com a minha mãe (e não há tantos anos como isso), em que nos divertimos imenso, e ela ainda mais do que eu!
'Mistérios' da alucinação...
Ou a perfeita suspensão da descrença.
Faz uma falta tremenda, às vezes, o lado, digamos, 'infantil'...

Julia Macias-Valet disse...

Cara Helena, os homens nunca perceberam nada de Economia Doméstica...

Isabel Seixas disse...

Se não for bucólica a expressão para traduzir o somatório dos anos é bem gira.

As velinhas compram-se às dúzias e os bolos nem precisam de cobertura numa situação dessas, portanto dá ela por ela...

Agora é bem provável que acopolado ao IMI surjam os impostos por comemoração de aniversário...

Anónimo disse...

Com que então caiu na asneira
De fazer na quarta feira
Cinquenta e… , que tolo!
Ainda se os desfizesse…
Mas fazê-los não parece
De quem tem muito miolo!

Não sei quem foi que me disse
Que fez a mesma tolice
Aqui o ano passado…
Agora o que vem, aposto,
Como lhe tomou o gosto,
Que faz o mesmo. Coitado!

Não faça tal; porque os anos
Que nos trazem? Desenganos
Que fazem a gente velho:
Faça outra coisa; que, em suma,
Não fazer coisa nenhuma,
Também não lhe aconselho.

Mas anos, não caia nessa!
Olhe que a gente começa
Às vezes por brincadeira,
Mas depois se se habitua,
Já não tem vontade sua,
E fá-los queira ou não queira!

João de Deus

Helena Sacadura Cabral disse...

Ó Julinha se o Gaspar fosse mulher outro galo cantaria!

patricio branco disse...

curioso o poema jocoso de joão de deus sobre fazer anos

Julia Macias-Valet disse...

A Angela que o diga dear Milady, a Angela que o diga...

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Senhor Embaixador,

A frase é fantástica , adorei

Anónimo disse...

É sempre bom lembrar, a citação do Manuel da Fonseca "isto de estar vivo ainda um dia acaba mal".