sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Procópio

No ano passado, tínhamos perdido o Raul Solnado. Este ano, vai-nos faltar o Jorge Fagundes. Nestas coisas da morte, apetece dizer "é a vida", utilizando a expressão de um certo engenheiro.

Talvez por isso mesmo, hoje, no restaurante da Ordem dos Engenheiros, lá estaremos muitos, no jantar de amigos em que a tertúlia da "mesa dois" do bar "Procópio" se junta, anualmente, numa rotina que, desde há seis anos, eu teimo em não deixar cair. E a que espero chegar a tempo.

Começámos há seis anos na "Marítima de Xabregas" (como contraponto a uns "pontos" que antes se haviam ajuntado, de gravata liberal, lá p'ró Beato), passámos pelo "Manel" do parque Mayer (para ver in loco o andamento das obras do Frank Gehry), demos uma de "finaços" no "Vírgula", até que este se finou (por obra e graça dos sábios administradores da nossa estiva) e, agora, vamos mudar para o restaurante de uma estimável corporação. Mas todos acabamos, cedo ou tarde, no "Procópio".

Olá, Alice!

9 comentários:

Helena Sacadura Cabral disse...

Ainda ontem falei com a Alice e me ri com ela a lembrar os tempos que já lá vão e que, felizmente para ela e para mim, já não voltam!
Deve ter tido as orelhas quentes Senhor Embaixador...

Jose Martins disse...

Senhor Embaixador,
"É a vida" e nela estamos se acordarmos vivos.
.
Mas se acordarmos sem pio que importa a morte se o cemitério está juncado de flores.
.
Mas valeu a pena sermos vivos e actores no palco da vida.
.
Saudações de Banguecoque
José Martins

Anónimo disse...

Está bem
Se um dia o tempo me der tempo, vou lá.

Hum ...Sugere-me

Pão da alma
Espiritual
É pão de mistura

1/2 Kg de farinha triga
1/2 Kg de farinha centeia
1 colher de sopa rasa de sal Kg
20 Gr. de fermento de padeiro
Água morna 1/2 litro

Bater a farinha com os restantes ingredientes até a massa se descolar das mãos.

Vai a levedar na masseira 1 hora, aconchegadinho com um pano imaculado (limpo não precisa ser branco)"junto à pele" e depois um cobertor.

Corta-se a massa em dois com o cortador de massa, amassa-se mais uma vez e moldam-se duas bolinhas assim redondinhas, com leveza e delicadeza, vai a levedar novamente cerca de meia hora.

Vai a cozer em forno a lenha, previamente aquecido até a moldura de pedra da porta do forno estar tão quente que aparente uma cor branca...

Se não tiverem forno a lenha cozam no do fogão a 200º sensivelmente 3 quartos de hora.

Come-se seco... Hum ...
Com manteiga, queijo , azeite e açúcar e compotas caseiras...Por exemplo.

É muito Bom com presunto de Chaves
Ok... Eu arranjo...
Boas festas
Isabel Seixas

Oh Júlia Nem pense que me esqueci dos pasteis ... A seu Tempo.

Helena Oneto disse...

O mínimo que lhe desejo é bom apetite aos felizardos convivas do festim de logo à noite!
Fico-me, por cà, a babar-me de inveja!

Helena
Bienvenue à Paris!

Anónimo disse...

O que acho piada é que, em tempos que já lá vão, também frequentei, regularmente, o Procópio (até andei por lá a namorar, á noite) mas depois deixei de lá ir, por razões várias, designadamente por ter, simplesmente, desistido de viver em Lisboa. Gosto, bastante, de Lisboa, mas seria absolutamente incapaz de viver na grande urbe! Prefiro usufrui-la.
Curiosamente, aqui há uns tempos, passei por lá, e achei piada. O Procópio é hoje uma (resistente) “instituição”.
P.Rufino

Anónimo disse...

Por lá a namorar, á noite...

A sério?!(P. Rufino)

Aí está o cariz afetivo que os bares quando são "Bons" emanam
Ainda me falta ir lá ver algumas coisas em Lisboa.
Isabel Seixas

Anónimo disse...

Pois é Isabel Seixas! Na altura, tentava convencer quem acabou pouco convencida. Hoje somos bons amigos. Ela, hoje, uma excelente médica, aquilo que, curiosamente, quis, em jovem, ser, mas a vida levou-me por outros caminhos!
Um sincero Feliz Natal para si, Isabel Seixas!
P.Rufino

Anónimo disse...

É
Mas os caminhos ideais nem sempre são os idealizados, e os percorridos são a nossa história, pessoalmente assumo-os como a única hipótese comprovada e quando desaguam na amizade... Que mais poderemos desejar!? Senão a afetividade livre sem amarras ou prisões relacionais...

Obrigada a sério P. Rufino. os seus desejos para mim retribuo em dobro para Si
Isabel Seixas

"Ela, hoje, uma excelente médica"
Que bonito e romântico...Hum...
Não sei não.

Gil disse...

É curioso como, para algumas pessoas, a distância que vai de Xabregas ao Beato parece muito mais curta do que o trajecto inverso.
Tenho a certeza que não é o caso para os seus convivas de sábado.