2.12.10

Futebol

Foi pena que Portugal e a Espanha não tivessem obtido ganho de causa na sua candidatura à realização conjunta do Mundial de futebol. A posição consistente dos dois países no "ranking" mundial justificaria essa escolha e, tudo o prova, teria sido um fator com impacto positivo para a economia - por muito que os arautos do pessimismo e da descrença tenham, por antecipação, anunciado as tragédias que por aí vinham com uma eventual vitória.

Há, no entanto, dois pontos que - agora pode dizer-se - nunca me agradaram muito neste projeto. 

O primeiro era o flagrante desequilíbrio aceite pela autoridades federativas portuguesas na distribuição dos jogos entre os estádios de ambos os países.

O segundo - e admito ser um preciosismo da minha parte - foram as referências feitas à "candidatura ibérica".

"Ibéria" é um conceito que, na minha perspetiva, não rima nunca com a singularização política dos dois Estados que habitam a península. Não é por acaso que esse é o nome da principal companhia aérea espanhola.

A polémica do dia

Pronto! Com a decisão australiana sobre o tenista sérvio está criado um folhetim com todos os ingredientes: vedetas, política, teorias da co...