domingo, 2 de agosto de 2015

Função pública

Em 1979, o governo chefiado por Maria de Lourdes Pintasilgo publicou uma legislação, idêntica à que era já aplicada por muitos outros países, que permitia que os funcionários públicos que fossem cônjuges de pessoal português destacado para missões oficiais internacionais pudessem acompanhá-los, mantendo o vínculo profissional, continuando a descontar para a Caixa Geral de Aposentações, tendo como valor de referência o último salário auferido. Assim se evitava terem de optar por uma simples licença sem vencimento, para poderem acompanhar o marido ou a mulher. Não obstante suspender qualquer progressão na carreira, com perda de promoções e cargos de chefia, o que tinha natural impacto no montante da pensão no momento da aposentação, o mecanismo legal permitia manter o vínculo básico, não prejudicando nem onerando minimamente a globalidade do sistema. Quando o destacamento era suspenso ou terminava, o cônjuge funcionário regressava ao seu serviço de origem ou, de acordo com o interesse do Estado, era reafetado a outras funções.

O dispositivo funcionou sem problemas por mais de 35 anos. Evitou a separação de casais, facilitou a educação dos filhos num ambiente normal, contribuiu para a estabilidade e harmonia familiar. Foi aplicado a centenas de pessoas, não só aos diplomatas como a muitas outras profissões. Não prejudicava ninguém, não concedia nenhum privilégio indevido, garantia um mínimo de direitos.

Dizem-me agora que, há dias, os funcionários no ativo que estão nesta situação foram informados que, por uma subreptícia mudança na legislação introduzida em 2014, o decreto-lei de 1979 fora revogado. Muitos haviam entretanto descontado debalde durante cerca de um ano. No caso do Ministério dos Negócios Estrangeiros, está por conhecer-se o que eventualmente terá feito para tentar evitar este arbítrio ou estará a fazer para o remediar.

A garagem da Varina


Cada vez mais, a facilidade de estacionamento é um fator de valorização de um restaurante, quando pensamos em escolher um local para comer. A densificação do tráfego tornou algumas zonas de Lisboa locais "iníveis", isto é, onde verdadeiramente se não pode ir de carro.

(Já estou a ver os críticos: "Este tipo é um burguês, quer parar o carro à porta dos restaurantes!" Ao que respondo: "Claro que quero! Se puder!". Faço parte de quantos, com todo o orgulho, cuidam em preservar, com todo o gosto, a sua "zona de conforto").

Os parques e o estacionamento de rua estão caríssimos e já tenho visto a "fatura" do parqueamento corresponder a bem mais de 10% do custo de uma refeição. Essa é uma das razões (a outra é o desagradável mas indispensável controlo etílico) pelas quais muita gente usa hoje taxi (ou Uber, que é bem mais agradável) para ir comer fora. Esse é também o preço do comodismo.

Os bairros históricos são, neste particular, um bom exemplo do que afirmo. Recordo-me dos tempos em que se conseguia um lugar para estacionar no Bairro Alto, ou até em Alfama ou no Castelo.

A historieta que passo a contar tem a ver com a Madragoa, um bairro onde hoje também é muito difícil estacionar. Por anos, ali pelo Quelhas ou pela velha Emissora, em baixo na Esperança ou pelas Trinas, conseguia-se sempre um lugar. Hoje, nem o meu Smart tem sorte!

Por ali fica um dos meus restaurantes de culto, a "Varina da Madragoa". Criado após o regresso de África do celebrado Francisco Queirós, figura inesquecível que viria a marcar uma época de Lisboa com o seu "Sua Excelência", a "Varina" passou depois, durante muitos anos, para as mãos do meu amigo António Oliveira.

As décadas de 70 e 80 foram o período dourado do restaurante. Meia Lisboa parava então por ali. Dada a proximidade do parlamento, os políticos eram imensos aos almoços. (A saudável concorrência era a antiga "Travessa", chamada "as belgas" pelos "habitués", o que tinha a ver com a nacionalidade da Vivianne, mas nada com a da Sofia). José Saramago e Isabel da Nóbrega eram clientes fiéis aos almoços de domingo (a "Varina" ainda hoje tem a inestimável qualidade de abrir todo o domingo). Até Cavaco por lá passou, levado por Eurico de Melo, como as paredes atestam. O êxito levou então o Oliveira - que hoje vive placidamente a sua reforma num simpático lugar da "outra banda" - a abrir, quase ao lado, a "Mercearia" e, mais tarde, a "Carvoaria". Na "Varina" me despedi dos amigos quando fui para Oslo, em 1979, e para Nova Iorque, em 2001. Aí comemorei o meu meio século e fiz muitas jantaradas de amigos e família, às vezes "fechando" mesmo a casa. Na vizinha "Mercearia" disse adeus aos próximos antes de partir para Londres, em 1990.

A "Carvoaria" desapareceu cedo. A "Mercearia" durou mais. Mudou entretanto de dono e de nome, chama-se hoje "Osteria", é um "conceito" (esta moda terminológica diverte-me) diferente, com uns petiscos italianos bem simpáticos e basta gente nova a dar alegria ao espaço e ao bairro.

A "Varina" lá continua, com a eterna simpatia do meu amigo Veiga no serviço às mesas, às vezes com clara dificuldade para, sozinho, aguentar as salas, noutras (vou ser sincero) para justificar algum evidente declínio de uma cozinha que, sem nunca ter sido soberba, chegou a ser bastante recomendável e agora, com frequência, tem falhas. A relação qualidade/preço continua, no entanto, aceitável.

Uma noite, já há muitos anos, andei bastante tempo até conseguir um local para estacionar perto da "Varina". Abri o guarda-vento do restaurante, que estava praticamente cheio. O Oliveira recebeu-me com um sorriso, lá do fundo. Fui avançando por entre as mesas e, à distância, lancei-lhe: "Foi um inferno para conseguir estacionar! Tem de pedir aos seus clientes para apertarem melhor os carros na vossa garagem". E, discretamente, pisquei-lhe o olho! O Oliveira não se "descoseu". E respondeu: "Aquilo é sempre difícil. Também são só oito lugares..." Recordo os olhares surpreendidos de vários dos presentes, entre os quais o meu saudoso amigo Eduardo Azevedo Soares. Afinal, a "Varina" tinha garagem e eles não sabiam! Prolongámos a graça por uns minutos mais, até tudo se desfazer em risos.

Até hoje, ainda tenho "saudades" da garagem da "Varina"! 

sábado, 1 de agosto de 2015

Propaganda


Edson Athayde, na senda de um grupo de brasileiros que fizeram muito bem ao mercado publicitário português nos anos 90, desenhou, com grande êxito, a campanha do PS de Guterres para as eleições legislativas. Mas isso foi há 20 anos.

Athayde é um criativo inteligente (deduzo eu, que nunca falei com ele) e culto. O seu livro "A publicidade segundo o meu tio Olavo" é muito divertido pelo que trouxe para férias (como faz parte de algumas dezenas de volumes, não sei se o chegarei a reler). 

O DN relata hoje que, para os lados do Rato, andam em polvorosa com a ineficácia da campanha de "outdoors" inventada por Athayde. Já tinha notado a mediocridade desses cartazes. Há um, em que uma jovem surge a tirar a cortina a um horizonte onde desponta um sol, que parece copiado do céu dos livros de Religião & Moral do meu tempo de liceu. Como mensagem, é mais que pífio.

Mas posso imaginar que a campanha de Athayde se confronte também com um problema doutrinário. Que mensagem quer o PS fazer passar? Conclamar a ira das "massas" contra as safadezas do governo, passando a ideia de que, chegado a S. Bento, "vai tudo raso"? Ou transmitir uma mensagem de alternativa tranquila, a qual, por seu turno, pode "ajudar à festa" de esquecimento das patifarias cometidas nos últimos quatro anos?

Não está fácil a vida para António Costa. Mas Athayde não está a ajudar.

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Conversas no Pereira (1)

- Bons olhos te vejam! Então já vieste?

- Não, pá! Só venho amanhã...

Sampaio



Em tempo de democracia, a presença portuguesa nas instituções internacionais deve muito aos socialistas. Mário Soares foi, e ainda é, a cara respeitada do Portugal democrático. António Guterres deixou uma marca impressiva na Europa, seguida de uma prestação excecional como Alto Comissário para os Refugiados. António Vitorino permanece a memória da excelência portuguesa na Comissão Europeia. Vitor Constâncio assume-se como um prestigiado vice-presidente do BCE.

Jorge Sampaio recebeu, há dias, o prémio Nelson Mandela, destinado a galardoar, de cinco em cinco anos, figuras que se destacam na promoção dos valores da paz e da solidariedade à escala global.

Desde que deixou a presidência da República, em 2006, cargo que exerceu com uma elevação e uma dignidade excecionais, o antigo secretário-geral do PS foi chamado a importantes responsabilidades no quadro das Nações Unidas, inicialmente como representante do secretário-geral da ONU na luta contra a Tuberculose, mais tarde como Alto Representante para Diálogo das Civilizações. Ainda mais recentemente, Sampaio tem-se mobilizado em favor dos estudantes sírios, afetados pela tragédia que atravessa o seu país.

Pertenço a uma geração que se habituou a ter Jorge Sampaio como referente ético na ação cívica, muito para além da conflitualidade que a espuma dos dias introduz na política doméstica. Da luta académica à defesa dos presos políticos, da mobilização democrática durante a ditadura ao empenhamento institucional em democracia, passando pela experiência governativa e autárquica, em tudo Jorge Sampaio deixou sempre uma marca indelével. Nele me habituei a admirar a capacidade de diálogo e de compromisso, o sentido de equilíbrio, a palavra culta e informada, o respeito absoluto pelos outros, a permanente intransigência perante a mesquinhez e a intriga, uma seriedade à prova de bala - sinais que fazem hoje parte da imagem de marca deste grande homem e português de bem.

Há dias, olhando os presentes na sessão de homenagem que a Fundação Calouste Gulbenkian lhe dedicou, ficou muito clara a transversalidade da admiração e respeito que suscita no país.

É muito bom, para Portugal, poder contar com figuras da estatura de Jorge Sampaio, que honram a imagem do país à escala internacional. E não se estranhará que os socialistas tenham um especial orgulho de poder contar com ele entre os melhores da sua família política.

(Artigo que hoje publico no "Acção Socialista Digital")

Inês Rosa

Em circunstâncias trágicas, desapareceu agora a Inês Rosa. Conhecemo-nos em janeiro de 1986, na então Direção-Geral das Comunidades Europeias, nesse início da aventura europeia. Voltaríamos a trabalhar juntos uma década mais tarde. A sua vida profissional passou depois por diferentes desafios, onde a sua imagem se firmou e prestigiou. Era muito competente, e recordo que pensava bem a Europa e os nossos interesses dentro dela.

A Inês era uma mulher suave, elegante, com um andar inconfundível, uma voz doce. Vimo-nos a última vez em Paris, há mais de cinco anos.

Para a família da Inês, em especial para o seu irmão José, deixo um abraço sentido.

A Volta

 
Esperávamos, ansiosos, a chegada dos ciclistas, lá por Vila Real. Um pouco antes, nessa charneira dos anos 50 e 60, em que quase não havia transístores, alguém teria espalhado: "Já passaram no Alto de Espinho!". Esse era o separador mágico dos que estavam "p"ra cá do Marão", bem no topo das dezenas de curvas que começavam a nascer lá de baixo, em Amarante, contadas a partir do Largo do Arquinho. Imaginávamos então a descida infrene pela Boavista, Campeã e Arrabães, a derradeira subida desde a Ponte do Cabril, sob aquele calor transmontano dos "três meses de inferno".
 
Foi um tempo em que o ciclismo "eram" os clubes de futebol. Fora destes, havia, claro, outras vedetas, de Alves Barbosa a Ribeiro da Silva. Contudo, a nossa clubite congénita prevalecia sobre essas figuras, pelo que as camisolas de cor verde, encarnada (não se dizia vermelho, porque a censura cortava) ou azul eram por nós saudadas, à chegada, com um fervor que nos ligava diretamente a Alvalade, à Luz ou às Antas.
 
Nessa cidade que aqui recordo, onde nada ou quase nada se passava, a Volta era um acontecimento. As equipas distribuíam-se pelas pensões locais, as mais ricas iam para o Hotel Tocaio.
 
Desmontada a meta onde, horas antes, nos apinháramos para ver a chegada da caravana suada, o espetáculo passava então para a Avenida Carvalho Araújo, convertida num parque caótico de "carros de apoio", cheios de rodas com um reluzir metálico, de veículos da organização com papelada colada, os passeios subvertidos por hordas de estranhos, de identificação pendurada ao peito, o que lhes conferia uma dignidade mítica.
 
De chanatos arejados, numa mais do que duvidosa elegância, cheirando aos óleos da massagem pós-competição, os nossos "heróis" passeavam-se, impantes, ou jaziam refastelados em cadeiras de esplanadas, da Gomes ao Camposana, passando pela Brasileira.
 
Às vezes, viamo-los confraternizar com os jornalistas "da Volta". É que ali estavam, à nossa vista, o Aurélio Márcio, o Carlos Miranda, o Artur Agostinho, o Amadeu José de Freitas, o Manuel Dias, o Nuno Braz - nossos "íntimos" de "A Bola", do "Record", de "O Mundo Desportivo", do "Norte Desportivo" ou da "Emissora".
 
Ah! A cidade tinha um ciclista! Chamava-se Firmino Claudino. Emérito bilharista no "Excelsior", durante o ano arranjava e alugava bicicletas junto à estação. O Firmino às vezes corria a Volta, outras vezes não. Raramente chegava ao fim. Em qualquer caso, as etapas em Vila Real eram para ele momentos de glória, ao ser visto de braço dado com os companheiros famosos, como que a mostrar à terra: "Veem? Eu sou um deles!". Nesse dia, era.
 
(Artigo que hoje publico no JN)

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Apanhado!

Recebi há minutos um mail: "Apanhei-te! Hoje, pela primeira vez, em seis anos e tal, não publicaste nenhum post".
 
Imagino o gozo desse meu amigo, um exegeta deste blogue, quase desde a sua fundação, a "apanhar-me" nesta gravíssima falta.
 
Pois ele está enganado. Saiu um post na quinta-feira! Já o estou a imaginar, roído de certeza, a espiolhar o blogue. Vai encontrar um post na quinta-feira. Qual? Este... Quando é que foi publicado? Sei lá!

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Varoufakis


Depois da sua saída de ministro das Finanças da Grécia, Varoufakis tem estado muito ativo no seu blogue, como se pode ver aqui.
 
Aí defende a sua ação e insere interessantes textos, dos quais é legítimo inferir a diversidade de opiniões que hoje atravessa o Syriza - o que também não é indiferente para a negociação com as entidades europeias e para o próprio curso político interno na Grécia.
 
Varoufakis permanece assim como uma figura curiosa no cenário político grego, muito para além da proeminência institucional que, nos últimos meses, acabou por ter.
 
Há dias, numa conversa na Gulbenkian, quando alguém falava dos públicos que assistiam regularmente às iniciativas culturais da Fundação, Eduardo Lourenço saiu-se com esta:
 
- Querem encher o grande auditório? Tragam o Varoufakis! A sala fica logo a transbordar de mulheres...

terça-feira, 28 de julho de 2015

O retrato de Cavaco

 
A questão surgiu, há dias, num ambiente onde pontuavam algumas figuras das artes: quem será o eleito para pintar o retrato de Cavaco Silva, que integrará a galeria onde, em Belém, se acolhem os óleos que consagram a imagem dos antigos presidente?

Não podendo dizer-se que os presidentes se medem pelos retratos, a escolha do pintor tem frequentemente algum significado. Por isso, a pergunta, no tocante a Cavaco Silva, é pertinente: que artista emprestará o seu pincel à figura do ocupante que sairá de Belém em 2016?

Columbano Bordalo Pinheiro imortalizou Manuel de Arriaga, Teófilo Braga e Manuel Teixeira Gomes, figuras da cultura de quem era amigo. O retratismo da ditadura deu tempo a que Henrique Medina pintasse Carmona e Américo Tomaz, mas também que regredisse até à Primeira República e fizesse o retrato de Canto e Castro e Sidónio Pais - curiosamente, um chefe de Estado com tendências autoritárias e um presidente da República... monárquico. Mas também pintou António José de Almeida. Ainda na mesma escola, Malta foi responsável por Craveiro Lopes. Um nome menos sonante pintou Bernardino Machado (Martinho da Fonseca).

Com a Revolução de abril, Spínola escolheu Jacinto Luis, um amigo da casa. Costa Gomes escolheu Joaquim Rebocho e não foi feliz. Eanes optou por Luís Pinto Coelho, num estilo artístico social abastado, que ia bem com o ar do tempo e angulou ainda mais a rigidez do general. Soares rompeu o rigor figurativo e escolheu a heterodoxia alegre de Pomar. Sampaio colocou-se nas mãos prestigiadas e imaginativas de Paula Rego e deu no que deu.

E Cavaco? Quem o imortalizará?

ps - a obra que ilustra este texto é de Magaly Gouveia. Não é a pintura oficial.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Errata

Há semanas, escrevi por aqui um post intitulado "Notas para dois amigos". Nele comentava a saída de Augusto Santos Silva da TVI, numa decisão que me parecia ser da responsabilidade de Sérgio Figueiredo, que tem a seu cargo a informação daquela estação televisiva. Na "nota" que endereçava ao Sérgio eu adiantava: "Sei que as coisas às vezes são mais complexas do que parecem. Por isso, por não conhecer os detalhes da decisão, imagino que eles possam eventualmente ser mais esclarecedores do que aquilo que já veio a público. Mas, para já, e antes que esses possíveis factos sejam conhecidos, apenas me posso pronunciar sobre os resultados." E concluía que esses resultados afetavam o pluralismo da comunicação social televisiva. Não o dizia, mas queria com isso significar que a saída de Santos Silva do seu comentário da TVI vinha agravar o flagrante desequilíbrio do panorama do comentário político "residente" nas televisões portuguesas, o qual, no caso dos canais de sinal aberto, não é sequer desequilíbrio, é o total predomínio de uma só linha partidária - a que está no poder.

Sérgio Figueiredo veio hoje a terreiro - e só posso lamentar que o não tenha feito mais cedo - esclarecer, num longo mas elucidativo artigo publicado no "Diário de Notícias", não ter havido qualquer discriminação política na decisão. O que escreve no artigo convence-me, pelo que o assunto fica para mim muito claro: Sérgio Figueiredo não foi responsável por qualquer "saneamento" de Santos Silva e este terá feito uma leitura dos factos que não colam com a realidade objetiva dos mesmos. Muito embora eu tivesse feito o "disclaimer" que acima deixei reproduzido, acho que devo um pedido de desculpas ao Sérgio pela precipitação da minha conclusão sobre o assunto.

Regras

Num artigo que o "Diário de Notícias" hoje publica", o editor do "Financial Times", Wolfgang Münchau, explica, com uma simplicidade que só está ao alcance de quem pensa muito bem, a incongruência de algumas regras europeias. Neste caso, o articulista dedica-se à questão das contradições entre jurisprudências, muito em especial à utilização que delas é feita pelos mais poderosos atores do teatro comunitário. Sem utilizar a expressão, Münchau - uma figura que esteve Portugal em 2013, a convite da Fundação Francisco Manuel dos Santos - acaba por concluir que as regras europeias, no seu aparente rigor, podem ser, em alguns casos, "à vontade do freguês".

O normativo comunitário existe para dar segurança jurídica à complexa máquina da União, para garantir que há um referencial de regras a respeitar. Mas todos nos demos conta de que essas regras existem para servir uma realidade, no quadro da qual foram estabelecidas. E que a realidade pode mudae. Não são "direito natural", são acordos, contratos, entendimentos entre vários países para, à luz das circunstâncias existentes, otimizar o funcionamento da máquina. Por exemplo, se as regras do euro fossem assim tão "automáticas" que sentido tinha o senhor Draghi poder dizer, com o efeito de "bomba atómica" que teve, a frase de que faria "whatever it takes" para salvar a moeda única? E não ficámos nós, por toda esta Europa germanizada na moeda, a aguardar com ansiedade da decisão do tribunal de Karlsruhe, a corte constitucional alemã, sobre algumas medidas do BCE?

Se deduziram que este post é sobre o Tratado Orçamental, acertaram.

domingo, 26 de julho de 2015

E então, o Chico Cereja...


Nos últimos fins de semana, vilarrealizei os meus dias. 

No primeiro, em Vila Real propriamente dita, numa imersão nas corridas, com o cheiro a gasolina e a pneus que faz a alegria regular dos "garotos da Bila", pontuada por covilhetes e cristas-de-galo. 

Nos dois fins de semana seguintes, já pelo Sul, o cenário foram fartas comidas e longas e divertidas conversas, com grupos diferentes de amigos, que têm em comum saberem de cor o trajeto entre a Albenina e o Cabo da Bila, terem conhecido o Bertelo e o Pincha, o Digníssimo e a Bichoqueira, e saberem de cor a sequência das casas da rua Direita, da Capela Nova ao Óscar.

A Vila Real de hoje está magnífica, diferente, para melhor. Lembrar o passado sem nostalgias é a melhor forma de celebrá-la.

sábado, 25 de julho de 2015

Mesa Dois

 
Elegia para a Mesa Dois do Procópio*

"Não mais, amigos, já não existe
À roda da Dois a alegre companhia..."
Assim clamava, emocionado, o ancião.
Era quarta à noite. Do velho triste
Uma lágrima a alva barba humedecia,
Fazia tremer-lhe a voz a emoção.
 
"Lá nasceram poemas e amores,
Se reformou a Pátria, surgiram filosofias;
Esgrimiram-se epigramas, brilharam teses,
E litros de whiskey, de gin e de licores
Fluíam entre névoas de fumo. Alegrias
Quase sempre; tristeza às vezes, 
 
Mas sempre o cintilar da amizade."
Calou-se melancólico e um suspiro
Agitou-lhe o peito venerando. Amargurado,
O senhor Luís rasgou, com gravidade,
O velho letreiro, qual histórico papiro,
Onde se lia a palavra "Reservado".
 
Ao balcão, a Alice esconde a comoção.
É a crise, claro, o euro, o mercado
Tem muita força o que tem que ser.
Um bando adolescente e trapalhão 
Já desgasta o veludo avermelhado.
A mesa Dois acaba de se render.
 
Jamais o Procópio escapará à dor,
Terá a sua natureza amputada.
Mas é assim: o tempo tudo arrasa.
Afasta-se, solene, o provecto orador.
O cajado nodoso ajuda-o na jornada
Em direcção ao Restelo, onde é a sua casa.

23/Julho/2015
 
* Texto da autoria de António Dias, reagindo a uma "circular" do autor deste blogue, há dias enviada aos utentes da "Mesa Dois" do Bar Procópio, apelando ao reforço da sua presença mais regular no "escritório".

sexta-feira, 24 de julho de 2015

"Governo de Portugal"


A legislatura que agora termina foi dominada por uma coligação pouco comum: entre uma maioria escolhida por um país em estado de necessidade e um grupo de instituições internacionais mandatadas pelos respetivos credores para impor um imperativo "take it or leave it". A maioria colocou com visível gosto a sua assinatura no programa de ajustamento, determinado a um Governo que negociara em situação de fragilidade extrema, um pacote drástico de medidas em que declarou que se revia e que, não raramente, considerou mesmo recuado face àquilo que eram ao seus reais propósitos. Em algumas áreas, o zelo da nova governação, exercido perante um país aturdido, atingiu proporções que chegou a surpreender os delegados dos credores, como está hoje documentado.
 
Para essa troika, deve ter sido um cenário de sonho vir a encontrar por cá, recém-eleito com confortável margem, um Governo que só por facilidade logística se sentava no outro lado da mesa. Ela que vinha de uma experiência com uma Irlanda que lhe havia batido com sucesso o pé em questões como a baixa do IRC, ou de uma Grécia que, não obstante ter conseguido obter cada vez melhores condições, dizia num dia uma coisa e fazia outra depois. Que sossego não terá sido, para os "homens de cinzento" aportar a um país tutelado por um Executivo complacente, "mais papista do que o papa"!
 
Não é comum, na história dos povos, assistir-se à ascensão, à tutela de um Estado, de um Governo que, movido por uma agenda ideológica contra esse mesmo Estado, cuida criteriosamente em desarticulá-lo, para melhor poder demonstrar a ineficiência do que pretende enfraquecer. Já menos incomum é a aplicação num país de receitas desenhadas no exterior, executadas por atores internos colaborantes; em algum passado, casos houve que ficaram marcados por algum desapreço na memória coletiva do Mundo.
 
O Governo desta atípica coligação chega agora ao fim. Os resultados são o que são: na dívida que aumentou, no desemprego que provocou, nas falências que originou, na emigração que promoveu, nas clivagens internas que potenciou - público versus privado, ativos versus reformados, novos contra velhos. O Governo vive sob a glória dos juros conjunturais de S. Draghi, o país permanece classificado de "lixo" pelas agências de notação, mas ostenta um sincrónico défice virtuoso, construído por vagas de impostos e pela degradação acentuada dos serviços públicos. Um coisa é indiscutível: cumpriu, com lealdade, as funções que lhe foram confiadas. Na lapela, mantiveram o pin do seu "Governo de Portugal". Não fosse dar-se o caso de se terem esquecido.
 
(Artigo que hoje publico no "Jornal de Notícias")

quarta-feira, 22 de julho de 2015

O núcleo

Há na Europa um erro muito comum de leitura: pensar que o projeto comunitário tem uma determinada matriz e que a sua evolução mais não é do que uma simples derivada no tempo dessa estrutura original. Quem assim perspetiva a Europa não entende que todos os alargamentos mudaram qualitativa e diferenciadamente a União, que o fim dos desafios da Guerra Fria alterou os termos de referência do projeto, que a própria densidade progressiva das políticas comunitárias introduziu uma dinâmica que hoje só recorre ao Tratado de Roma por mera afetividade histórica.
 
Não é a primeira vez, nem será a última, que surge no seio da União um tropismo nostálgico de regresso aos “fundadores”. Recordo dessa “ameaça” ter sido colocada nos anos 90, no auge de negociações institucionais. É uma confissão de desespero perante o curso de um projeto que escapa ao controlo de quem se habituou a não ver contestado o seu poder, de quem vive convencido de que a legitimidade do nome “Europa” pertence a uns predestinados da História, que benevolamente se dispuseram a abrir o seu modelo a outros, numa generosidade a que todos devemos estar gratos.
 
O “núcleo duro” da Europa, por muito que alguns não gostem, pertence hoje a todos quantos, com voluntarismo e sacrifício, jogaram o seu destino e vontade no projeto comum. Não devemos rigorosamente a ninguém a nossa posição europeia, “pagamos” os fundos comunitários com a abertura económica das nossas fronteiras e com a presença de empresas de outros Estados que deles livremente beneficiam e os repatriam, com a estabilidade política e social que induzimos no continente e que ajudamos a projetar num mundo que conhecemos como outros não conhecem, contribuimos hoje com a mão-de-obra qualificada que “cedemos” à Europa desenvolvida, sem que ela tivesse de custear a sua formação.
 
Estamos hoje na União Europeia e no euro por mérito próprio e importa recordar que nunca estivemos, nem estamos, sós no incumprimento dos objetivos macroeconómicos dos tratados que assinamos, mesmo antes da crise. A autoridade dos “fundadores” seria mais evidente se todos eles cumprissem rigorosamente esses mesmos tratados – e nenhum o faz, sabiam? As verdadeiras lideranças afirmam-se pelo exemplo, pela prática da solidariedade, pela generosidade perante as grandes dificuldades, não pela arrogância e jactância de deslocados discursos de “grandeur”.

(Texto que hoje publiquei a convite da Acção Socialista on-line)

Albino dos Reis


Há dias, Jaime Gama, numa das suas charlas na net com Jaime Nogueira Pinto, disse que está a ser preparada uma edição das cartas de Albino dos Reis a Salazar. É uma excelente notícia! Há muitos anos, o José Stichini Vilela havia-me falado dessas cartas e do interesse da família em as editar. Perguntou-me mesmo se eu seria "candidato" à tarefa. Disse-lhe logo que não, porque tenho por muito claro o meu "princípio de Peter" em matéria histórica. Agora, as cartas parecem estar em muito boas mãos, como confirmou Gama.

Como já tenho escrito por aqui, entendo da maior importância a recolha de tudo quanto possa clarificar as redes pessoais durante o Estado Novo, para se entenderem melhor as motivações de certas decisões e o ambiente que marcou determinados períodos. Nas democracias, a abertura dos agentes políticos  e o acompanhamento mediático que a liberdade permite tornam o escrutínio mais fácil e objetivo. Já nas ditaduras, o hermetismo do processo político e a construção propagandística e artificial da mensagem publicitada levam, com grande frequência, a que se cristalizem visões distorcidas. Por essa razão, nesse contexto, as memórias e a epistolografia são um auxiliar precioso para romper com a opacidade do processo histórico.

Albino dos Reis foi uma figura curiosa na constelação de personalidades do Estado Novo. Líder local durante a Primeira República, onde foi deputado em setores conservadores ligados a Cunha Leal, foi Bissaya Barrteto quem o aproximou de Salazar. Este passou a tê-lo como um confidente que era ouvido sobre o pessoal político a escolher, numa linha de utilidade comparável a Supico Pinto, Mário de Figueiredo ou Soares da Fonseca. Integrava assim um núcleo de personalidades de ambição limitada e fidelidade ilimitada, categoria política muito do agrado do ditador.

A lista nacional de deputados posta a votos após a promulgação da Constituição de 1933 tem Albino dos Reis à cabeça. Alguma aura liberal que sempre o acompanhou, a que se somava um forte rumor da ligação à Maçonaria, não o impediu de ser ministro do Interior num período de feroz repressão, precisamente por altura da criação da Polícia de Defesa Política e Social, antecessora de todas as polícias políticas repressivas que entre nós se sucederam. Desempenharia ainda o cargo de presidente do Supremo Tribunal Administrativo e, mais tarde, da Assembleia Nacional, sendo substituído em 1961 por Mário de Figueiredo, numa disputa que significou uma vitória da ala mais conservadora do regime.

Das figuras mais próximas de Salazar, Albino dos Reis é talvez aquela que fez uma transição mais suave para Marcelo Caetano. Caetano emerge como novo chefe do governo, designado pelo presidente da República, na sequência de um Conselho de Estado em que Albino dos Reis defendeu a substituição imediata do ditador doente, sendo conhecida a sua preferência pela solução adoptada. Segundo José Silva Pinto, num artigo que li algures, deve-se a Albino dos Reis a indicação de Melo e Castro para presidente da Comissão Política da União Nacional, gesto que não é de somenos, atento o "abanão" que esta figura provocou nas escolhas mais polémicas de Caetano, até ser afastado.

Conto agora uma pequena história pessoal. 

Numa tarde de 1970, na sala de estar do Hotel Suíço-Atlântico, junto ao Palácio Foz, fui levado por um tio, que era deputado da União Nacional (aliás, não havia deputados de outros "partidos"...) na recém-eleita primeira Assembleia Nacional da era Marcelo Caetano, para junto de um grupo de deputados, instalados naquele hotel. Entre todos preponderava, com evidência, Albino dos Reis, do alto dos seus então 82 anos. Recordo duas outras figuras no grupo: Camilo de Mendonça, um "marcelista" notório que havia sido o primeiro presidente da RTP, que me parecia apenas de visita ao hotel, e um loquaz deputado de Aveiro, Homem Ferreira, que me pareceu ser um discípulo de Albino dos Reis.

A minha cooptação pontual para a conversa (não me recordo de ter dito rigorosamente nada) era um tanto estranha. Eu tinha 22 anos e devia ter ido visitar o meu tio. No outono do ano anterior, havia colaborado ativa e publicamente na campanha da oposição democrática em Vila Real, onde o meu tio fora cabeça de lista da União Nacional (a Ação Nacional Popular só nasceria mais tarde). Por essa altura, fizera já parte de uma lista associativa universitária cuja "homologação" fora recusada pelo governo. Porém, esse meu familiar e grande amigo, embora opositor político, tinha a plena certeza de que podia confiar na minha discrição e, pelo que também vim a constatar, na minha (falta de) memória. É que se me recordo muito nitidamente que Albino dos Reis, durante aquela hora, contou algumas histórias passadas com Salazar, que mobilizaram a atenção de todos, a verdade é que não fixei um único desses episódios: ou porque fossem anódinos ou porque a minha curiosidade estava centrada mais na coreografia do momento do que no "script" da conversa.

Chamo finalmente a atenção para a foto que aqui deixo. Ela tem um pormenor interessante. Foi tirada em 3 de outubro de 1969, 23 dias antes das "eleições legislativas" para a Assembleia Nacional, num contexto que desconheço. À direita está Albino dos Reis e, ao seu lado, surge António Ferreira Gomes, o bispo do Porto a quem Salazar (que, à época, ainda estava vivo) proibira, a partir de 1958, a entrada no país e a quem Caetano autorizara o regresso em julho desse ano. Ambos brindam a alguma coisa. A que seria?

terça-feira, 21 de julho de 2015

Diplomacia ardente

O dia de ontem foi cheio de especulações sobre contactos de negócios luso-brasileiros, tendo o presidente Lula da Silva no centro da polémica. Como dizia, há pouco, na televisão, um colega e grande amigo, o embaixador brasileiro em Lisboa, Mário Vilalva, um destes dias vamos ter de nos entender, de uma vez por todas, sobre o que é tráfico de influências e sobre o que é diplomacia económica. É que a confusão está um pouco instalada e já me interrogo sobre se diligências que, ao longo de décadas, fiz - e sugeri a políticos, de todas as cores, que fizessem, em nome do país - em favor de dezenas de empresas portuguesas, podem agora vir a ser tipificadas negativamente. Tratou-se de apresentar empresários, de relevar a qualidade do trabalho das nossas empresas, que queriam exportar ou concorriam a concursos. Não há diplomata que o não tenha feito, por iniciativa própria ou obedecendo a instruções. E, que eu saiba, nunca nenhum de nós recebeu um tostão por isso. Nem tinha de o receber, porque essa era (e é) a nossa função.

A propósito de Lula e das suas relações com José Sócrates, recordei-me de uma historieta num dia de 2006, em que convidei o presidente brasileiro, com vários ministros, para jantar na embaixada portuguesa em Brasília, com o primeiro-ministro José Sócrates e alguns membros do governo português que o acompanhavam na sua primeira deslocação oficial ao Brasil.
 
Lula da Silva chegou um pouco tenso o jantar. Por esses dias, as relações entre o Brasil e a Bolívia estavam a atravessar um mau momento e o Itamaraty fazia os possíveis e os impossíveis para acalmar as iras públicas do presidente Evo Morales. Pelos curtos comentários que me fez sobre as relações com La Paz, enquanto nos encaminhávamos ao encontro de Sócrates, as coisas estavam ainda muito complicadas.

O jantar, contudo, correu muito bem, com excelente ambiente. Lula quase parecia ter esquecido o dia complicado que tivera. A deslocação de José Sócrates ao Brasil tinha permitido resolver vários dossiês no âmbito bilateral, em especial na área do comércio. Muitas vezes, a simples realização de uma visita oficial, para além do cerimonial dos acordos, cria um "momentum" em que coisas que se arrastavam por meses ou anos acabam por se decidir em poucas horas. Resolvi desta forma, ao longo da minha vida profissional, grandes e pequenos berbicachos.

Lula estava muito bem disposto, no final da refeição. Contrariamente à caricatura que dele se faz, nessa noite bebeu muito pouco, embora se tivesse pronunciado de forma elogiosa sobre os vinhos branco e tinto, ambos do Douro, que lhe fiz servir. Quando chegou a altura dos brindes e lhe propus, como ao resto dos convidados, um cálice de Porto, olhou para a mulher, que estava do outro lado da mesa, entre o primeiro-ministro português e eu próprio, e inquiriu, em tom de graça:

- Dona Marisa autoriza que eu beba uma Adega Velha, da garrafeira aqui do nosso embaixador?

Ainda antes que a senhora anuísse, interroguei com os olhos um dos fantásticos empregados da embaixada que serviam à mesa. O Romário, um mineiro da Pedra Azul que conhecia a minha reserva de álcoois como ninguém, fez-me um sinal negativo com a cabeça. Foi nesse instante que vi desaparecer, quase em passo de corrida por uma das escadarias por onde se acede à sala de jantar, o outro empregado da residência, o José. Hesitei em dizer ao presidente que, tanto quanto me lembrava, não tinha Adega Velha, mas que me responsabilizava pela qualidade de uma outra aguardente de grande qualidade, creio que umas reservas da Ferreirinha e da CR&F, que guardava para os convidados especiais. (Depois de uma vida a "dar o fígado pela pátria", há muito que não ouso tocar nesse tipo de bebidas).

Fiz bem. Não passaram cinco minutos e vi o José descer, com um tabuleiro de prata, acompanhada de um cálice de cristal, a longilínea garrafa da Adega Velha. Afinal, existia! Lula serviu-se, fez algumas loas ao álcool e, pouco depois, o jantar terminou. 

Despedidos os convidados, instalado José Sócrates e comitiva no hotel, regressei à residência. Impecáveis nos seus casacos brancos com botões dourados com o escudo português, já perto da meia-noite, o José e o Romário aguardavam-me. Agradeci-lhes o magnífico trabalho e comentei com ambos:

- Então sempre havia Adega Velha! Não me lembrava de que tínhamos cá daquela aguardente. O Romário tinha-me feito sinal de que não havia.

No brilho jovial daquela cara boa de negro do Piauí, o branco dos dentes sorridentes do José rimava já com alguns cabelos brancos daquele que foi, ao longo de toda a minha carreira, o mais dedicado exemplo de servidor estrangeiro do Estado português que alguma vez encontrei. E ouvi-o dizer:

- Senhor embaixador. Na residência não havia, mas eu dei um pulo a minha casa e tinha ainda lá uma garrafa de Adega Velha que me tinha sido dada pelo embaixador António Franco.

A casa onde vivia o José era colada ao muro da nossa residência. Apercebendo-se do desejo do presidente e do meu problema, colocou à disposição uma garrafa da aguardente oferecida pelo meu antecessor.

Que saudades que eu tenho desse "dream team" de funcionários de que Portugal tinha o privilégio de dispor em Brasília!

O Portugal de Leste


Há dias, numa conversa com alguém com responsabilidades políticas, fui surpreendido pelo raciocínio de que "o interior é hoje um mito", de que "com as acessibilidades agora existentes, em menos de duas horas qualquer pessoa se desloca das zonas de fronteira até ao litoral e vice-versa", pelo que é "um imenso erro estar a despejar dinheiro em áreas onde ninguém quer viver".

A regionalização é um tema divisivo na sociedade portuguesa e eu próprio nunca me senti muito seguro sobre a bondade da criação de um modelo organizativo que implica novas e dispendiosas estruturas, cuja relação custo-eficácia está ainda por estabelecer. Mas tenho de reconhecer que o preço da "não regionalização"é hoje também muito elevado, no que isso significa em termos de expressão da vontade e interesses de certas regiões do país.

Foi A.H. de Oliveira Marques quem fez notar que, já desde antes da criação da nacionalidade, se estabeleceram no território do que é hoje Portugal redes viárias que vieram a favorecer a divisão vertical do país. Com os séculos, foi-se criando cada vez mais no país um "muro", em termos de desenvolvimento, que hoje separa o "Portugal de Leste" do litoral desenvolvido. Um tanto surpreendentemente, a democracia e a integração europeia não contribuíram para contrariar esta realidade, que também não foi alterada, como se esperava, pela cooperação transfronteiriça.

Quando passei pelo governo assisti, com algum espanto, à explanação de propostas estratégicas que tinham no seu centro modelos de desenvolvimento exclusivamente assentes no litoral, na criação de uma espécie de "metrópole" ao longo da costa, concentradora das atenções, dos recursos e, naturalmente, de pessoas. O interior, se não era "só paisagem", não ficava muito longe disso.

O modelo das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional hoje existentes é uma aberração que favorece o prolongamento desta discriminação, que traz consequências trágicas em termos de ordenamento do território.

Que tem a zona industrial do Porto a ver com a desertificação do nordeste transmontano, qual é a similitude de abordagem das questões que afetam Aveiro e Coimbra com as zonas fronteiriças das Beiras? Não estará a região transmontana muito mais próxima, em matéria de interesses, da Beira interior (ou mesmo, no limite, do Alentejo oriental)? Precisamente porque hoje existe uma multiplicidade de evidentes interesses comuns, não seria de estabelecer uma Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Interior Norte e Centro, amputando para tal as duas CCDR dessas áreas?

Mais difícil do que lutar contra interesses instalados é combater mentalidades enquistadas em modelos mentais que alguns se obstinam em não abandonar. É preciso lutar para derrubar o “muro” que separa internamente o nosso território, é necessário lutar pelo "Portugal de Leste" e, de uma vez por todas, caminhar para a unificação do país.

(Artigo que hoje publico no "Diário Económico")

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Os gostos da Sara


Sara Carbonero diz que gosta do Porto. Uhf! Ainda bem! Como espanhola, já troca o "vê" pelo "bê" desde nascença, o que é meio caminho andado. Ficamos agora à espera que anuncie a "O Jogo" que gosta de tripas. Esse será um teste importante. É que Pinto da Costa faz das tripas obrigação. Depois, com o tempo, talvez se vá cansando do "Pedro Lemos" e da "Casa de Chá" e, um dia, ouse um copo-de-três de verde tinto na "Adega do Olho" ou uma sandocha pingona de unto na "Badalhoca", lá para Ramalde. Restam as "francesinhas"! Aquelas bombas de colesterol, na "Cufra" ou no "Galiza", são o ponto de apuramento final para quem quer ser visto como "portista" de conta bancária. Ah! e o "carago", claro! Aí sim, estará "em casa" e já pode ir para o Porto Canal ou até para o Monte da Virgem, se não houver uma qualquer incompatibilidade à vista. E, então, até o Casillas poderá dar-se ao luxo de alguns dos seus conhecidos frangos, tal como o Baía andou anos a virá-los pelas Antas, até que o Felipão o mandou descansar para a Cantareira, onde o Chico Fininho também acabava os dias.

Pousada


Há uns meses, fui convidado por um amigo estrangeiro a jantar na sua casa na rua António Maria Cardoso, em Lisboa. Sabia que era um apartamento novo e, durante alguns dias, andei um pouco angustiado, não fosse dar-se o caso de ser no edifício onde estivera instalada a PIDE. Não era, era em frente.

Não faço parte dos muitos cidadãos que foram perseguidos pela polícia política da ditadura, pelo que a minha relação com aquele sinistro edifício é apenas emocional. Só por uma vez lá entrei, como já aqui contei. Nem por isso, porém, um jantar por ali deixaria de ser incómodo para mim.

Hoje, estive na nova Pousada que o grupo Pestana instalou no edifício que, até há anos, foi o Ministério da Administração Interna, na rua do Arsenal, esquina com a rua do Ouro. Mesmo em frente, em 1908, o rei dom Carlos e o príncipe Luís Filipe morreram sob as balas de Alfredo Costa e Manuel Buíça, que também dali saíriam cadáveres. 

O edifício, antes de ser do MAI, foi do Ministério do Interior da ditadura, por onde passou, durante décadas, a tutela da repressão e do arbítrio. Ao passear no seu interior, não tive a mesma sensação que as salas do que foi da PIDE me provocariam. Mas nem por isso deixei de pensar que por ali circularam, em busca de instruções para as suas patifarias, Silva Pais ou Barbieri Cardoso, recebidos por Santos Júnior ou Gonçalves Rapazote. 

Ter muita memória, o que é diferente de ter boa memória, não deixa de ser um peso.

Um bocadinho ao lado

Portugal ganhou ontem um campeonato qualquer de "futebol de praia". De há uns anos para cá, especializámo-nos em coisas "um bocadinho ao lado" daquilo que realmente importa. Somos um êxito em matéria de sucedâneos. Lembro-me que o país rejubilou, em tempos, com uma dupla, cujo nome esqueci, que ganhava numa coisa chamada "voleibol de praia". Até então, nunca ninguém tinha ouvido falar dessa modalidade arenosa, mas, com a ajuda da dupla, a pátria pareceu nunca se ter importado com outra coisa que não fosse o "voleibol de praia". Depois, num instante, a tal dupla desapareceu do mapa, e logo o voleibol de praia se esfumou no nevoeiro da nossa atualidade. Voltaram a ouvir falar do "voleibol de praia"? Há dois ou três anos, lembro-me de uns maganos quaisquer que andavam numa espécie de barco e ganharam umas medalhitas. O país embandeirou em arco, a gesta marítima do burgo parecia ter renascido. Depois, uma tarde, os dois rapazolas parece que se zangaram. Nunca mais se falou da modalidade, que naufragou em definitivo na nossa memória afetiva. Entretanto, surgiu o "futsal". No meu tempo, chamava-se "futebol de salão" (joguei nos "campeonatos corporativos", defendendo mediocremente as cores e a baliza da Caixa Geral de Depósitos). Distraí-me uns anitos e logo passei a ouvir falar do modernaço "futsal". E o "futsal", que quando era "futebol de salão" não interessava a uma mosca, passou então a desporto de primeira. Só me recordo que havia por lá um Madjer, que eu pensava ter sido uma reconversão, para versão de jogo de bolso, do argelino do calcanhar (que deu a taça Toyota ao Porto, que, a partir daí se acha campeão planetário), mas afinal não era o mesmo. Há semanas, numas imagens num pavilhão qualquer, vi um cavalheiro que dizem que é presidente do meu clube, protestar, com voz grossa, para ser levado a sério, contra uma arbitragem num jogo de "futsal", contra uma equipa de bairro ou de província - já me esqueci! Então agora perdemos tempo a lamentar ou a comemorar vitórias em "futsal"? Mas onde é que chegámos?! Um destes dias, estamos a mobilizar foguetes e matracas para um Sporting-Benfica em berlinde ou matraquilhos! 

Esta vitória em "futebol de praia" preocupa-me! Se a Merkel ouve dizer que ganhámos alguma coisa na praia, deve desconfiar que não fazemos outra coisa nas horas de trabalho senão trabalhar para o bronze (já que, para o ouro, a coisa fia mais fino). E daí, talvez não se preocupe muito: é que nos jogos a sério, no futebol que realmente importa, confirma-se a frase célebre de Gary Lineker, segundo a qual "o futebol são onze contra onze e, no final, ganha a Alemanha". E nós, na praia...

domingo, 19 de julho de 2015

Piresinos

Alguma Europa só agora acorda para as práticas xenófobas do governo húngaro, dirigido por Viktor Orban, que se somam a iniciativas legislativas que colocam em causa a separação de poderes no país e dão aso à perspetiva de eternização no poder do partido aí dominante. Orban está agora envolvido na polémica construção de um muro entre o seu país e a Sérvia, para travar os fluxos de imigrantes. A evolução da Hungria para uma espécie de "democratura", uma coisa a meio caminho entre a democracia e a ditadura - como hoje existe na Rússia e alguns temem que a Turquia se possa tornar -, é uma realidade muito evidente. A Europa, que tão zelosa se mostra a julgar a democraticidade do resto do mundo, no seu processo de relações externas, faria bem se olhasse com maior atenção para estas derivas que ocorrem no seu seio e cuidasse em lhes pôr cobro. Mas, neste caso, como no fechar de olhos às graves situações que envolvem as minorias russas nos países bálticos, Bruxelas prova que tem dois pesos e duas medidas e, em particular, um grande incómodo quando se trata de aferir se os seus Estados membros cumprem aquilo a que se comprometem pelos tratados.

Há uns tempos, numa sondagem feita na Hungria, país onde o populismo xenófobo está em crescendo, estimulado pelo próprio governo, foi colocada uma questão sobre o modo como os interrogados apreciavam a possibilidade de facilitar a imigração de pessoas vindas de Pirese. Dois terços dos inquiridos reconheceram os piresinos como uma etnia criadora de dificuldades e cuja imigração no país seria indesejável. O curioso é que "Pirese" foi um nome inventado e os "piresinos" não existem... Mas estes detalhes são irrelevantes para mentalidades já marcadas pela discriminação étnica.

sábado, 18 de julho de 2015

Fukuyama

Com grande segurança, o economista Francis Kukuyama defende hoje no "Expresso" que "a Europa consegue sobreviver a uma saída grega".

Fukuyama é conhecido pela célebre teoria do "fim da História" que, nos anos 90, prenunciava um mundo tendencialmente democrático e sem tensões extremas.

Eu também gostava de acreditar em gambozinos

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Diplomacia


Quando ocorre uma guerra, costuma dizer-se que a diplomacia falhou. Quando "não ocorre" uma guerra, graças à ação da diplomacia, ninguém põe a crédito desta os mortos, os sofrimentos e os prejuízos que se pouparam. A diplomacia é a arte discreta de tentar fazer pontes, compromissos, de fazer "não acontecerem" as guerras ou outros conflitos de monta. Assim, é difícil ser elogiada pelo que (de mal) não aconteceu...

Porque uma ação diplomática foi titulada a um nível elevado, o caso do entendimento conseguido com o Irão, que envolveu a generalidade da comunidade internacional - mas, essencialmente, os EUA, a França, o Reino Unido, a Alemanha e a UE -, ela acabou por dar um inusitado relevo ao papel da negociação e da diplomacia. E, pelo menos nos tempos mais próximos, terá evitado ações militares que, em certos momentos, pareceram iminentes.

Recordando: o Irão tinha enveredado por um programa de enriquecimento de urânio que foi considerado prelúdio para a construção de uma bomba atómica. Teerão argumentava que o objetivo era civil; o mundo suspeitava que a finalidade era militar. A relutância iraniana em permitir uma fiscalização por parte da Agência Internacional de Energia Atómica adensou as suspeitas e acabou por levar à imposição de duras sanções económicas. O braço-de-ferro prosseguiu por muitos anos e, finalmente, o Irão cedeu e as sanções vão agora ser levantadas, persistindo ainda algumas limitações à importação de armas convencionais pelo país. Esta é uma vitória da persistência, do diálogo, da não-cedência ao tropismo jingoísta de alguns. É uma vitória do bom-senso.

Os Estados Unidos são um poder estranho. Na sua ciclotimia externa, hesitam entre um unilateralismo arrogante, frequentemente agressivo, e a busca de compromissos  abrangentes. Na matriz de todas as suas intervenções está a preeminência absoluta do seu interesse nacional (o que é natural), sempre identificado como sendo o indiscutível interesse da comunidade “do bem” (o que, frequentemente, é bastante duvidoso). Com o seu antigo poder colonial, Washington terá aprendido que “não tem amigos, tem interesses”. Com o tempo, tem vindo a entender que, às vezes, é do seu interesse ter amigos...

Esta operação diplomática de sucesso dos EUA no Médio Oriente não vai nunca redimir o imenso erro do Iraque, que todos estamos ainda hoje a pagar, a começar pelo próprio Iraque. Mas é, com toda a certeza, o produto das “lessons learned” nesse cenário, confirmando a velha máxima de que os Estados Unidos acabam sempre por encontrar a melhor solução, mas só depois de terem experimentado todas as outras...

(Artigo que hoje publico no "Jornal de Notícias")

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Em 2015, como será?


Epicur


É um novo tempo de uma revista criada, há já muito anos, por Alfredo Saramago. Foi hoje lançada a nova "Epicur", dirigida por Mário Rui de Castro e Filipa Melo, que passa a sair cada quadrimestre, com uma edição especial no Natal.

O autor deste blogue contribui, em cada edição da nova Epicur, com uma crónica de apreciação de um restaurante. Nesta edição de Verão, o artigo dá conta das impressões de uma visita ao "Casas do Bragal", em Coimbra. Pode ler o texto aqui.

Com o óbvio "disclaimer" de quem faz parte do grupo de colaboradores, devo dizer que considero que a nova revista está excelente, com uma apresentação gráfica de imensa qualidade. E só posso desejar um grande sucesso a esta renovada fase de uma publicação que, de há muito, criou já um lugar de prestígio na imprensa portuguesa.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

... para além da Grécia

Há mais mundo para além da Grécia, felizmente. E há boas notícias no cenário internacional sobre a difícil questão nuclear iraniana. 

Depois de uma longa negociação liderada pelos EUA, com apoio da França, Reino Unido e Alemanha (e a União Europeia), terá sido possível chegar a um acordo com o governo de Teerão, que vai permitir o levantamento das sanções que esmagam, desde há vários anos, a economia do país. Em troca, o Irão aceita uma monotorização muito rigorosa do seu processo de enriquecimento de urânio, mantendo-se ainda alguns condicionamentos importante em matéria do seu equipamento militar.

Quem sabe mesmo se, com este passo, Washington não poderá ter aberto caminho a uma relação de novo tipo com o Irão, em moldes que lhe permitam ter nele um parceiro para a luta contra o Estado Islâmico, que o EUA já devem ter entendido ser hoje a grande ameaça à estabilidade na região (e não só). À coragem e determinação de Obama correspondeu também uma evolução sensível da parte iraniana, que procura convencer o mundo de que os seus propósitos sempre foram e são pacíficos - o que nunca foi a convicção generalizada da comunidade internacional, como é bem sabido sabe. O enriquecimento de urânio para fins não militares é permitido, sob regras conhecidas e internacionalmente aceites.

Quem se opõe a este acordo, que consagra uma forte vitória da diplomacia sobre a linguagem bélica? Naturalmente, a Arábia Saudita, que vê no Irão shiita uma ameaça muito forte ao proselitismo sunita que lidera na região. Depois, com o apoio de setores americanos hostis ao presidente, Israel surge como um dos mais ferozes detratores deste entendimento, porque não acredita que o mecanismo de fiscalização posto no terreno venha a ser suficientemente eficaz para impedir o Irão de ter a arma nuclear. Naturalmente, Israel tem, nesta matéria, particular "autoridade": toda a gente sabe que possui a arma nuclear, não sendo talvez por acaso que se opõe a qualquer operação de fiscalização da Agência Internacional de Energia Atómica no seu território...

A questão nuclear iraniana foi, ao longo da última década, um tema central nas preocupações das instâncias internacionais. Recordo-me que, quando era embaixador em Paris, o tema estava constantemente sobre a mesa das conversas com os meus colegas da UE e do Quai d'Orsay. Nesses tempos, pelo cruzamento das informações recebidas dos diversos serviços de "intelligence", íamos estabelecendo um calendário de aproximação do Irão ao fabrico efetivo da bomba, tentando perceber então se Washington ia ou não dar "luz verde" a Tel-Aviv para um "preemptive strike". Esperemos que esse cenário esteja agora definitivamente afastado, porque, no estado em que está o Médio Oriente, seria álcool sobre o fogo!

Uma última nota sobre as sanções aplicadas ao Irão, com o apoio muito alargado da comunidade internacional - Russia e China incluídas, ou não fossem estes dois países detentores da arma nuclear e, por isso, muito pouco interessados em alargar a "concorrência" na matéria. Para notar que estas sanções funcionaram e foram realmente efetivas.

Há cerca de dois anos, numa deslocação a Istambul, tive uma conversa casual com um médico iraniano que viajava com a família. Fiz-lhe algumas perguntas sobre os equilíbrios internos do regime e, em particular, sobre o efeito das sanções. Recordo a tristeza com que me disse, mais ou menos isto: "No passado, nós vínhamos à Turquia e sentíamos que estávamos a visitar um país bem mais pobre do que o nosso. Desde há alguns anos, as coisas inverteram-se: os turcos vivem muito melhor do que os iranianos e é muito claro que, para além disso ser o resultado de algumas opções internas erradas, as sanções contribuíram muito para o empobrecimento brutal por que o meu país hoje passa. Mas há exceções: a classe política não é excessivamente afetada pelas sanções, continua a ter os seus privilégios e mordomias. Mas o povo, infelizmente, sofre muito com o condicionamento internacional em torno do Irão".

O modo como os iranianos saudaram ontem o acordo obtido em Viena leva-me a crer que o meu interlocutor iraniano deve também estar feliz. Até eu estou, porque não é todos os dias que a diplomacia tem um êxito claro. Além de que é excelente que haja boas notícias na vida internacional.

"Opinion drivers"


Fico sempre muito curioso com a seleção dos entrevistados que os jornalistas portugueses fazem quando se deslocam a certos países estrangeiros. A ninguém passa pela cabeça que, em Paris, Washington ou Londres, um episódico correspondente português pare no meio de uma rua para ouvir um cidadão sobre uma questão de política interna. Porém, em territórios mais "exóticos", como agora é a Grécia, já é vulgar assistir a essa estranha amostragem, através da qual o sentimento do país é medido por dois ou três cidadãos que se disponibilizam para dar a sua opinião. Penso sempre se, como português, me sentiria representado por uns fulanos entrevistados ao acaso no Rossio ou no Cais do Sodré... 

Há, contudo, um "grau zero" na recolha deste tipo de opiniões de "populares": são os taxistas. Quando vejo um jornalista citar a opinião de um taxista, mudo logo de canal ou mudo de página num jornal. Porquê? Porque me lembro logo dos nossos... 

terça-feira, 14 de julho de 2015

Vive la France!

Depois das bravatas iniciais, para alemão ver, as vozes governamentais portuguesas foram moderarando a sua hostilidade pública contra a Grécia, confiando em que os gregos se encarregariam, eles mesmos, de cavar a sua própria cova. No que quase acertaram... É hoje claro que o Portugal oficial era, de há muito, bastante favorável à saída da Grécia do euro. 

O governo português foi dizendo o contrário, claro, aliás como todos os que, pela Europa, partilhavam a mesma ideia. Até que aconteceu o referendo grego. Aí, com a cambalhota de Tsipras, a quem não se viam artes de fazer o contrário daquilo para que fora votado, alguns Estados acharam ter encontrado o pretexto ideal para pôr a Grécia "com dono". O argumento da "perda de confiança" caiu como sopa no mel no Eurogrupo e, daí, foi transportado politicamente para os "adultos" (como diz Christine Largarde). Parecia descoberto um motivo natural para a "eurolândia" se livrar da Grécia, para "purificar" o euro e regressar à "pax germânica". Berlim aí se encarregaria de proteger os seus "länder" ibéricos, tremidos nas eleições que se avizinham. 

Porém, enganaram-se numa coisa: a Grécia tudo faria para continuar no euro. Mesmo um "hara-kiri". Mesmo que isso implicasse cair no ridículo negocial e ter de aceitar condições muito mais duras do que as que, sob a indignação maioritária do país, tinha acabado de recusar com estrondo. Imagino que, para cabeças nórdicas, nada disso fizesse sentido. Até para nós, confessemos, não fazia muito... 

Mas a Grécia vive noutro mundo! E, para além das suas erráticas táticas, terá tido um sobressalto estratégico e percebeu que (1) uma certa Europa estava, de facto, fortemente predisposta a afastá-la do euro e (2) que isso corresponderia à sua irrecuperável periferização e agravamento de empobrecimento, para além de que (3) era dessa mesma Europa que, a bem ou a mal, poderia surgir o financiamento para a sua sustentação, depois da trágica experiência partilhada com as receitas do FMI. Porém, esta obstinação grega, aliás num registo algo masoquista, não teria servido de muito se não encontrasse eco em quem tem ainda, sabe-se lá por quanto tempo, a possibilidade de levantar a voz à Alemanha.

Assim, seria graças à teimosia da França, aliás por razões que foram muito para além da mera "salvação" da Grécia, que Berlim foi impedida de levar a sua avante e criar condições para uma saída imediata do país da zona euro. Digo "imediata", porque é evidente que nada está ainda "perdido" para quantos acreditam que uma purga do euro é a solução ideal para o futuro. Isso aliás pode observar-se lendo a esperança raivosa que é alimentada por algumas "viúvas do Grexit" na nossa imprensa, no dia de hoje. 

Dia de hoje que é o "14 juillet", a data nacional francesa. Dia em que, também por isto, apetece dizer: "Vive la France!"

Retsina


Ontem, falei aqui de "retsina", um vinho branco grego.

Há quase quatro décadas, fui pela primeira vez a Atenas. Ia de Benghazi, na Líbia, onde tinha estado em trabalho. Recordo-me que era novembro, o tempo não esteve muito pelos ajustes e, no termo da minha breve escapada turística no fim de semana, a capital grega foi atingida por uma forte tempestade, com algumas vítimas na cidade. Mas a primeira noite ainda havia dado para um jantar na "Plaka", o "Bairro Alto" ateniense.

Para acompanhar a refeição, o empregado do restaurante, a quem eu solicitara meia garrafa de vinho branco, perguntou-me se eu queria experimentar "retsina". Quando a garrafa veio, depois de provar, queixei-me que o vinho não estava em condições. Ele levou a garrafa e trouxe outra. Voltei a provar e voltei a queixar-me. Nessa altura, o rapaz inquiriu se eu já antes tinha provado "retsina". Disse que não. Ao que ele me explicou que "aquele" era o sabor de "retsina"... Para quem não conhece, trata-se de um cheiro e paladar intenso, com similitude com resina. Há quem goste, claro!

Voltei à Grécia várias vezes. Cuidei sempre em evitar a "retsina". Numa dessas vezes, numa taberna de Corfu, Georgios Papandreou (um bom amigo e também um dos mais impopulares políticos gregos, nos tempos que hoje correm), a quem confessei a minha fobia, insistiu que eu experimentasse de novo a bebida. Creio que foi a acompanhar uma salada de queijo "feta". E, há que convir, não me soube tão mal como da primeira vez. Mas não o suficiente para tentar uma terceira... Há bons vinhos brancos na Grécia!

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Na História!

Com modéstia, o nosso primeiro-ministro revelou há poucas horas ter sido ele quem gizou a fórmula que permitiu "fechar" o acordo com a Grécia! Há momentos em que um país se arreda da vulgaridade e deixa a sua marca nas tábuas da História universal! São instantes raros, daqueles que apontam caminhos ao mundo, que definem lideranças excecionais. Como disse Herman José no clássico "Bamos lá cambada!", "os portugueses já provaram muitas vezes saberem ser bons fregueses das grandes ocasiões". São instantes de génio, Bojadores, Tordesilhas, Aljubarrotas. Há horas, foi Bruxelas. A Europa estava num impasse, Merkel coçava os punhos do saia-e-casaco, Hollande já só sonhava em ter um capacete para a moto igual ao de Varoufakis, Tsipras fazia as contas a quantas colunas do Partenon teria de passar a patacos. Foi então que deste canto ibérico surgiu, serena, forte, decisiva, a sugestão redentora. Afinal, Portugal, tido por crítico reticente da atitude helénica, dava uma mediterrânica mão a Atenas. E, desta vez, não era Fernando Santos! Terá havido um silêncio respeitoso, contam-nos. Seguido de um aplauso entusiástico! Tusk, por uma vez, nem olhou para Berlim, à espera de instruções, Juncker, rápido, pressentiu o golpe de génio e pediu uma rodada comemorativa. Os copos tilintaram. A glória lusitana, a "trouvaille", o desenrascanço foi brindado. Seria um Porto, um vintage, uma reserva à altura? Quando o líquido chegou à boca sedenta dos líderes houve, contudo, esgares menos agradados. Afinal, era "retsina"!

O preço

Alguns haverá que, mesmo contra toda a evidência, irão nas próximas horas afirmar, com um ar aparentemente convicto, que o primeiro-ministro grego teve em Bruxelas uma "importante vitória". Esses mesmos recusar-se-ão, com toda a certeza, a reconhecer que a Grécia cedeu em toda a linha e acabou por aceitar um cenário de capitulação e verdadeira humilhação. Mas também tenho a certeza de que irão procurar descortinar, em dois ou três pontos deste compromisso, vestígios dessa "vitória" de Tsipras. Quem não quer ver, nunca verá.

Não quero ser sádico, mas acho impossível não lembrar os termos de referência na base dos quais o Syriza ganhou as eleições em janeiro: recusa, em absoluto, de um novo resgate e fim das medidas de austeridade. E quero também recordar, porque isso é importante perante observadores teimosos, que a diplomacia europeia do primeiro-ministro grego teve perante si, à mesa negocial, cenários de compromisso bem melhores, rejeitados com base numa estratégia que se revelou inconsequente e - digamos isto com todas as letras - altamente lesiva dos interesses da Grécia. A simpatia que a tragédia  do governo grego nos possa merecer não deve iludir-nos ao ponto de nos tornar cegos perante a realidade dos factos.

Dito isto, que fique bem claro que acho absolutamente inaceitável, contrária ao espírito europeu, a chantagem a que o governo de Atenas foi submetida, num ultimato que revela deprezo pela dignidade de um povo e pela consideração mínima que um governo eleito deve merecer por parte dos seus "parceiros" - e tenho cada vez mais dúvidas que o conceito de "parceiros" possa continuar a ser usado nas presentes circunstâncias. Uma certa Europa morreu hoje rm Bruxelas e tenho muitas dúvidas que ainda possa vir a ser recuperada.

Três notas finais.

Desde logo, para a Alemanha, que se prestou a um papel que vai marcar muito, e de forma negativa, a sua imagem na Europa. Angela Merkel revelou incapacidade de liderança e um seguidismo pouco prestigiante perante as pulsões anti-gregas da sua própria opinião pública. Por detrás de Berlim, surgiram ainda alguns comparsas em registo semelhante, incapazes de fazer perceber aos seus países que há mais Europa para além deste caso grego.

Depois, a França e François Hollande. Tendo embora um caso nacional próprio a cuidar, o que nunca terá deixado de estar presente na sua atitude, mostraram que sabem ver a política para além da espuma dos cifrões. Um belo momento para o presidente francês e, também, para o seu experiente ministro das Finanças, Michel Sapin.

Finalmente, Passos Coelho. Saudemos, com sinceridade, o seu silêncio e contenção nos últimos dias. Este acabou por ser, "malgré lui", ser o mais glorioso tempo da sua "política europeia", nos últimos quatro anos.

domingo, 12 de julho de 2015

Raul

Ontem, alguém pediu que eu recordasse esta historieta. Ela aí vai.

Foi há bastante tempo, diria mesmo que há bem mais de duas décadas. Eu estava sentado na "mesa dois" do bar Procópio, creio que numa noite de fim de semana. A certa altura, entrou na porta o Raul Solnado. 

O Raul era um dos "titulares" históricos da vetusta tertúlia da mesa, pelo que tinha sempre nela o seu lugar cativo. A "mesa dois", ou a "Dois", para os iniciados, que tem cinco lugares "regulamentares", chega a conseguir acomodar, por um milagre multiplicador, com a ajuda de uns bancos suplementares, quase uma dúzia de convivas.

Da "Dois", saudei com um gesto o Raul, chamando-o para a mesa. O Raul permanecia ainda junto à porta, retido por alguém. De repente, ouvi-o atravessar a sala com uma pergunta que me era dirigida:

- Ó Francisco, chegou a falar com ela?

Olhei-o nos olhos e percebi onde ele queria chegar. Respondi que sim, mas acrescentei: "Mas ela disse que não dava o material antes de falar consigo. E que você tinha ficado de lhe telefonar!"

O Raul reagiu, indignado: "Eu?! Ela devia era ter falado com o tipo do Porto! Mas, não senhor! Sabe com quem ela falou? Com o homem dos laminados, imagine!"

"O dos laminados?!", reagi eu com surpresa. "O que esteve preso?" O Raul confirmou que era essa mesma pessoa. E acrescentou que a mulher do tipo do Porto - "aquele careca de Custóias, você lembra-se!" - tinha sido vista num hotel da Figueira "imagine lá você com quem!: com o tipo das tintas, o homem de Sintra". "Não me diga!", reagi eu, caído das nuvens com a surpreendente revelação. "Digo! Mas não conte nada a ninguém! Prometa-me!"

Com a história a começar a tomar contornos já um tanto pícaros, o bar tinha silenciado um pouco, embora ninguém estivesse a perceber patavina da conversa, a começar pelos meus colegas de mesa.

Quando finalmente se sentou, já servido pelo Juvenal, o Raul e eu fomos intimados a revelar que história era aquela, quem eram as figuras daquela trama complicada, que só nós os dois conseguíamos seguir. 

Foi então que caímos ambos em fortes gargalhadas. Era tudo inventado! Aquele diálogo de "malucos" fora sendo "enchido" por nós os dois, cada um criando uma nova "deixa" para o outro, a partir da primeira pergunta do Raul. 

Umas semanas depois, tentámos reeditar o episódio, com uma "sequela", mas a graça original já tinha desaparecido.

Prometi ontem, a uma testemunha presencial da cena, reproduzi-la aqui. 

sábado, 11 de julho de 2015

Tulipas, moinhos & cheques

O primeiro-ministro holandês deu mostras, há dois dias, de grande relutância em aceitar um acordo sobre a questão grega. Os Países Baixos, em matéria de dinheiros, não brincam em serviço e, manifestamente, corre-lhes nas veias um sangue de cifrões. Sei o que é discutir questões financeiras com os colegas holandeses, aliás gente sempre muito bem preparada, altamente qualificada e que sabe como levar a água ao seu moinho - água e moinhos, como é sabido, não faltam na Holanda...

Algures no primeiro semestre de 1996, durante a presidência italiana da União Europeia, os quatro responsáveis governamentais pelos Assuntos Europeus que, simultaneamente, eram os negociadores-chefes dos seus países no trabalho de negociação do Tratado de Amesterdão, foram convidados pelo ministro francês Michel Barnier para um jantar no esplendoroso Palazzo Farnese, onde está instalada a embaixada francesa em Roma. Era na véspera de uma reunião da Conferência intergovernamental para a discussão do novo tratado.

(Uma curiosidade: a França paga à Itália o equivalente a um franco antigo pelo aluguer do palácio romano Farnese e, em compensação, o Estado italiano "despende" o equivalente a uma lira, pela utilização, como embaixada em Paris, do deslumbrante Hôtel de la Rochefoucauld-Doudeauville, com a mais bela escadaria de mármore que alguma vez vi. Já ouvi franceses a dizerem que foi um "mau negócio", porque a lira se desvalorizou muito face ao franco...)

Além do anfitrião, o ministro francês para os Assuntos europeus, estiveram no jantar os secretários de Estado dos Assuntos europeus da Suécia e dos Países Baixos, respetivamente Gunnar Lund e Michiel Patijn, e eu próprio. Todos havíamos estado presentes nas reuniões do "grupo de reflexão" que, durante 1995, fez sugestões para a revisão do Tratado de Maastricht, o que havia criado entre nós uma certa cumplicidade pessoal.

O jantar, além de algum "small talk", era de trabalho, pelo que cada um suscitou as prioridades do seu país para a discussão que então se iniciava. Para o que aqui nos interessa, gostava de dizer que, entre vários outros pontos, insisti bastante na necessidade de uma Carta da Cidadania Europeia, a ser apensa ao tratado, a fim de destacar o valor acrescentado que, para cada cidadão, a pertença à União representava, a somar à sua própria cidadania nacional. O meu colega holandês foi aquele que me pareceu o menos entusiasmado com a ideia.

Acabado o jantar, eu e ele regressámos ao hotel onde, casualmente, ambos nos alojávamos, perto da Piazza Navone - o Raphael, coberto de exótica vegetação. Tomámos uma cerveja e eu, insistente, tentei convencê-lo da bondade da minha ideia sobre a Carta de Cidadania. Michiel Patijn, numa frase curta, sintetizou então as "prioridades" do seu país para o novo tratado: "Francisco, para nós, a Europa significa dinheiro!" Não podia ser mais esclarecedor.

Agora, ao ouvir o chefe do governo holandês, veio-me à memória a frase.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

As questões do Brasil

Para um observador exterior, a crise política profunda que atravessa o Brasil tem alguns aspetos incompreensíveis.

Por muitos meses, vimos o povo na rua clamando por melhores serviços públicos, contra certas mordomias, contra a corrupção e o desvio de verbas de empresas públicas, pelo fim das comissões cobradas em determinados contratos, etc. Essa luta deu passos em frente, com uma atuação firme do poder judiciário, que está a "limpar a casa" e a provocar um terramoto em alguns conluios históricos entre a política e os meios económicos.

Porém, numa análise mais fina, os últimos dias mostram que uma tensão entre a presidente e o congresso de deputados tem agora como origem próxima duas questões essenciais: a não facilitação, por parte de alguns ministérios, em matéria de abertura de cargos para as clientelas partidárias e as dificuldades encontradas por alguns deputados para financiarem as suas "emendas" legislativas, isto é, o seu quinhão de utilização do orçamento para favorecerem as suas clientelas políticas próprias.

Nem por um segundo o sentimento público brasileiro surge a interrogar-se sobre a legitimidade destas duas práticas, as quais, em si, constituem fontes de discricionariedade e arbítrio: no primeiro caso, de escandaloso aparelhamento partidário da máquina pública e, no segundo, de alimentação da rede do verdadeiro "polvo" que é o financiamento do "envelope" de iniciativas dos deputados, para garantirem os seus votos futuros.

Ninguém - mas ninguém! - surge na imprensa brasileira ou no discurso político a denunciar estas duas práticas. Porquê? Porque elas fazem parte da matriz "patrimonialista" do regime, beneficiam o conjunto de partidos da "base governista" (embora com desequilíbrios entre si, que estão na origem dos atuais confrontos políticos interinstitucionais) e são, até ver, um "fact of life".

Quando acordará o Brasil para o absurdo democrático destas práticas? Tenho pena não ter podido estar ontem na conferência que o antigo presidente Fernando Henrique Cardoso proferiu na Gulbenkian. Gostava de ter podido fazer-lhe esta pergunta.