quinta-feira, 21 de setembro de 2017

A Madonna da nossa imprensa

Continua o deslumbramento, foleiro e medíocre, na nossa comunicação social, em torno da visita "clandestina" de Madonna à "very typical" Disneylândia humana por onde agora decidiu passear as suas crianças.

A Catalunha e nós


A questão catalã não tem surgido como um tema relevante para os portugueses. Por opção em favor da autodeterminação, mas também por algum anti-espanholismo, certos setores nacionais manifestam simpatia pelo independentismo catalão. Há ainda uma gratidão pelo facto de, em 1640, a concentração das atenções madrilenas no conflito com Barcelona ter permitido à aristocracia portuguesa, descontente com o modo como Castela tinha começado a tratá-la, passar a re-titular a plena soberania de Lisboa sobre o nosso território europeu e colónias. E, vamos ser claros!, há também por aí muito quem, íntima ou abertamente, pense que um cenário de “balcanização” da Espanha poderia ser útil a Portugal. Uma agenda onde, curiosamente, se junta gente da extrema-direita à extrema-esquerda, passando por alguns moderados úteis à ideia.

Uma independência serena da Catalunha não constituiria uma tragédia para Portugal. Teria, no entanto, duas consequências óbvias: Lisboa passaria a ser, em termos de importância, a terceira capital da península ibérica e haveria um inevitável efeito-dominó sobre o complexo sistema autonómico do país aqui ao lado. Para uns, a primeira circunstância é irrelevante, porque outros valores mais altos se alevantam na sua análise; para outros, para os que gostam de “muitas Espanhas” (como alguns gostavam de duas Alemanhas, lembram-se?), esse seria mesmo o cenário ideal. E seria mesmo?

Caso mais bicudo se tornaria uma independência catalã obtida “a pulso”, depois de um conflito mais ou menos grave com Madrid. A estabilidade dos nossos vizinhos (neste caso, do nosso único vizinho) é uma questão que nos não pode ser indiferente. Ver uma Espanha convulsa e tensa não seria uma boa notícia, no nosso principal parceiro comercial, de cujo crescimento em estabilidade somos “free riders”. 

Dito isto, e quanto a nós, Portugal, por ora, o que fazer? Oficialmente, rigorosamente nada. Apenas aguardar. Compete-nos aceitar a resultante final deste complexo debate, qualquer que ela seja. Não se peça a Lisboa para tomar uma posição: nem a favor do anti-independentismo de Madrid, nem simpatizando com a secessão catalã. A seu tempo, e perante cada passo que por lá vier a ser dado, Portugal decidirá o que tiver (se tiver) que fazer.

E na Europa? É simples. Se e quando a Catalunha vier a ser independente e pedir adesão à UE, Portugal deverá analisar o assunto à luz dos seus méritos próprio. Como nos outros casos.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

"Excuse me?!"

Fui hoje almoçar ao Penha Longa Hotel, entre Cascais e Sintra. Estacionei o carro no parque e dirigi-me ao edifício principal. À porta, devidamente fardado, estava um funcionário, um rapaz de cerca de vinte anos. Perguntei-lhe: "Pode dizer-me onde é o restaurante, por favor!". A resposta, numa pronúncia "arranhada" deixou-me siderado: "Não falo português"! 

Mirei o tipo com um olhar translúcido, de furibundo que fiquei, virei-lhe as costas, já a caminho do balcão, onde uma senhora gentil me deu a indicação pretendida. Nem lhe referi o facto, porque estava com pressa.

Fiquei portanto saber que, no meu país, há pelo menos um hotel que contrata pessoal estrangeiro que, não apenas não fala português, como, pelos vistos, tem carta de alforria para o dizer alto e bom som.

Uma coisa é haver algum pessoal estrangeiro contratado que ainda não fala bem o português, mas que faz um esforço para falar. Outra coisa é ter alguém numa portaria de um hotel a dizê-lo ostensivamente, como se isso não estivesse sequer nos seus objetivos e obrigações profissionais. Acho isto verdadeiramente escandaloso!

Em tempo: falam-me da hipótese de se tratar de um estagiário. Nesse caso, não deveria estar na portaria

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Armando Trigo de Abreu

O Armando Trigo de Abreu, que foi ontem a enterrar, tinha uns bons anos mais do que eu. Por tantos amigos que tínhamos em comum, pelos ideais que partilhávamos e pela excelente relação pessoal que de há muito mantínhamos, acho que sempre nos vivos na mesma faixa geracional - a que esteve presente nas lutas académicas contra a ditadura, a que exultou com o 25 de abril e participou politicamente no quadro democrático. 

Ligo muito o Armando ao José Mariano Gago, mas também a Manuel Heitor - esse núcleo que deu à ciência em Portugal um impulso sem paralelo, com o efeito notável no reforço do país nesse domínio.

É mais um que se vai, desta nossa "colheita" que fez abril, que ajudou a reforçar a democracia, a sonhar uma sociedade diferente. A sua serenidade discreta, o seu permanente sorriso e a sua simpatia deixarão de andar por aí. 

"Abril e outras transições"

José Cutileiro acaba de publicar um pequeno livro de recordações da sua vida, onde, com a graça e a imensa inteligência que são as dele, reflete um pouco sobre o mundo e o país. 

Disse um "pequeno livro" porque não passa das 128 páginas, dimensão editorial que, no passado, nos habituámos a ser a regra dos utilíssimos "Que sais-je?", que ainda hoje enchem as estantes de muitos de nós. 

E também escrevi "recordações", e não memórias, no seu sentido clássico, porque Cutileiro deliberadamente não pretendeu atribuir essa dimensão a este volume - e quanto ganharíamos se isso tivesse acontecido! 

José Cutileiro é um homem de grande cultura, sagaz observador, cruel caraterizador dos homens e das situações, pouco propenso a ter paciência para gente assim-assim. Há nele, e ele assume-o, um elitismo estrangeirado que transparece a espaços, e esse pano de fundo ajuda-nos a perceber melhor o porquê de algumas das suas observações. Ao longo da vida interessante que teve, Cutileiro viu muito, conheceu de perto gente curiosa, alguma com impacto no mundo e no país. Teve então ocasião de comparar imensas figuras, de julgar as suas fraquezas e esporádicas grandezas. E isso anda um pouco por todo o livro.

Como todos os conservadores céticos, José Cutileiro olha o país como se este estivesse condenado a deslizar num inexorável declive (que ele interpreta como um declínio), condenado a um futuro incerto e em cujo desfecho não participa e, com toda a segurança, não muito glorioso, à luz dos seus padrões pessoais. Portugal surge, nestas páginas, povoado por gente cuja ambição é apenas ir sobrevivendo "tant bien que mal", numa existência sujeita à lei do menor esforço, baixada que foi a exigência e a "accountability", graças a lideranças em geral medíocres, que não se elevam muito acima desse padrão.

Dito isto, acho imperdível este livro - que projeta muitas ideias com que não concordo, que parte de muitos pressupostos que não partilho e onde também encontro muitas coisas em que me revejo. 

Mas a inteligência e o brilho não têm "partido", nem têm mesmo que se confrontar necessariamente com um qualquer teste de verdade, porque cada um tem a sua. E a forma de José Cutileiro expressar a sua verdade é feita de argúcia, sarcasmo e ironia, que ele aplica aos episódios que testemunhou, que é visível na seleção dos ditos que anotou, que dão uma cor única aos seus textos.

Este "Abril e outras transições" é uma obra cujo principal defeito é, talvez, ficar a saber a pouco. O que já diz muito, creio, deste pequeno livro que imagino tenha dado algum gozo ao autor escrever. Embora na consciência, que também será a sua, de que fica a dever a si próprio (e a nós, por tabela) um outro trabalho com mais fôlego. Mas posso imaginar que talvez ele não tivesse paciência para o escrever.

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

A falha

Estávamos em 2012. O governo Passos Coelho tinha nomeado uma comissão encarregada de rever o Conceito Estratégico de Defesa Nacional, um documento cuja versão anterior tinha mais de uma década e que era urgente adaptar às novas ameaças e à significativa mudança da conjuntura internacional.

O grupo, algo heterogéneo, era chefiado por esse grande e entusiasmado homem de bem que se chamou Luis Fontoura.

Por ali estiveram, creio, 20 pessoas a quem se pediram reflexões, textos, ideias. Tive o gosto de integrar esse grupo e acho, sem modéstia, que fizemos um excelente trabalho - que aí está para ser lido, na sua versão original ou no modelo, mais sintético, que o governo entendeu adotar. 

Vim de Paris a Lisboa várias vezes para reuniões e tive umas férias "estragadas" com noites de redação de capítulos, a pedido do Luís Fontoura. A Maria Regina de Mongiardim, que trabalhou de perto com o Luis (e a quem o Conceito muito deve, convém dizer), lembra-se, com certeza, de alguns desses episódios.

O Luis Fontoura entendeu, para apoio aos nossos trabalhos, facultar-nos acesso a vários "conceitos estratégicos" de outros países. Foi utilíssimo, porque nos permitiu confrontar metodologias e perspetivas, não obstante se tratar de realidades diversas. 

(Quando elaboramos um Conceito Estratégico, sabemos que ele vai ser tornado público. Redigimo-lo sabendo isso, o que é uma limitação - democrática, eu sei! - terrível. Devo dizer, com toda a franqueza, que teria muito gosto em ajudar a produzir, para o poder político português, qualquer que ele seja, um Conceito Estratégico que eu tivesse a garantia de que nunca seria publicado. Posso garantir que seria muito mais útil ao interesse do país...)

Acho que não cometerei uma indesculpável indiscrição se disser que, numa dessas reuniões, abordámos o Conceito Estratégico espanhol. Lembro-me que intervim, elogiando o texto, tendo nele sublinhado dois ou três aspetos em que me parecia útil refletirmos.

Um dos participantes no grupo, figura avisada e atenta, falou a seguir a mim. Concordou no essencial com o que eu disse, mas acrescentou: "É, de facto, um bom texto. Mas tem uma falha. Os espanhóis iludem, creio que deliberadamente, duas hipóteses de evolução da sua situação interna: a possibilidade da monarquia vir progressivamente a fragilizar-se, sem capacidade de recuperação do seu papel institucional, e a implosão da unidade espanhola".

Bem visto! Tenho-me lembrado disto nestes dias da Catalunha...

domingo, 17 de setembro de 2017

Ainda a Ucrânia

Tenho imensa pena de não saber falar russo. 

(Nos anos 60, ainda andei numas aulas de Jorge Listopad, mas acabei por desistir e oferecer o Linguaphone (lembram-se?) a um colega que ia para Moscovo. Se soubesse, teria aproveitado bem melhor os tempos em que andei pela Ásia Central, depois, várias vezes, pelos Cáucasos. Ter conversas interessantes em inglês de aeroporto não é a melhor solução. Mas chegaria o meu russo, alguma vez, a muito mais do que esse nível?)

Lembrei-me disso ontem, ao tentar perceber de alguns ucranianos, numa noite de alguns copos e muitas conversas sobre a Rússia ("what else?", como diria o Clooney), um pouco mais do sentimento deste país no fio da navalha. 

Este país é hoje dirigido e dominado por quem representa os que detestam abertamente a Rússia, o que, a meu ver, torna totalmente inviável um compromisso com os setores russófilos, maioritários no Leste do país, que a Rússia armou e apoiou militarmente para a secessão "de facto" do Donbass (aproveitando, na passada, para "meter ao bolso" a Crimeia). 

De que lado está a razão, já que a verdade parece clara? O ocidente apoiou um golpe de Estado contra um presidente que era um "homem dos russos", é certo, mas que havia sido eleito com toda a legitimidade. Fez isso para "desequilibrar" a Ucrânia para o "lado de cá", mas só conseguiu mudar o poder em Kiev e levar Putin a um golpe de força - porque era evidente que a Rússia não ia permitir um sobressalto geopolítico. 

A Ucrânia acabou por ficar numa "terra de ninguém", na soleira de uma Nato onde não existe a coragem (e o consenso) para a mandar entrar, e ainda mais longe de uma União Europeia, em que os alargamentos deixaram de ser um tema "sexy" para o projeto.

Não foi cómodo ter de ser realista para os meus (novos) amigos ucranianos, explicando-lhes que a sua entrada para a Nato não traria mais segurança para a aliança (pelo contrário, seria a "importação" pela organização de um complexo conflito) e que as portas da UE parecem entreabertas apenas pelo "politicamente correto" das coisas, mas que tudo será cada vez mais difícil nesse domínio (e a resposta recente à Turquia aí está para o comprovar)

"Mas não podemos ser os únicos donos do nosso próprio futuro, decidindo de que lado queremos estar? Somos eternos reféns da nossa vizinhança com um país mais forte?", perguntava-me um universitário, espírito 1000% ocidental, num perfil antropológico inconfundivelmente de Leste, anti-russo até às raízes dos cabelos. 

Não tive coragem de lhe dizer que, infelizmente, talvez não tivesse esse direito absoluto, tragédia de quem vive nas "grey zones" da geopolítica (a Finlândia do pós-guerra é um bom exemplo). E, claro, também não lhe perguntei o que poderíamos nós responder com sinceridade a um cubano que nos colocasse idêntica questão...

A Ucrânia no Reino Unido...

Teve imensa graça ouvir ontem, aqui na Ucrânia, o "minister for Europe" (?) da senhora Theresa May, um dos cangalheiros do Brexit, apelar à manutenção do interesse ucraniano para ingressar na União Europeia. 

À medida que a sala caçoava do ridículo dessa proposta, por ser titulada por quem estava voluntariamente de saída, o homem, sentindo isso, atrapalhava-se de tal forma que acabou por lhe sair esta pérola: estava seguro de que a Ucrânia, cedo ou tarde, seria benvinda "in the United Kingdom"... 

A sala foi abaixo, claro!

Uma estranha obsessão


Há uma semana, nestas mesmas colunas, deparei com um artigo que configurava um raro e insólito exercício de ódio, que me era pessoalmente dirigido. Escrevo "insólito" porque, não conhecendo o autor do texto, me pareceu estranho que de tão vitriólica peça pudesse exsudar uma acrimónia similar àquela que costuma resultar das tensões pessoais mal resolvidas. 

O texto ecoava, basicamente, um exercício feito dias antes na CMTV. Ficava evidente que essa pessoa, valendo-se das tribunas pagas que lhe estavam abertas nesta casa, destilava um abundante rancor e acrimónia a meu respeito. O porquê dessa atitude permanece um mistério.

Nunca na vida tive o menor problema em confrontar-me com opiniões discordantes. No caso vertente, entendo perfeitamente legítimo que alguém considere menos adequada a minha indigitação para o lugar "pro bono" que eu havia aceitado, como missão de serviço público, no Conselho Geral Independente da RTP. E nunca me mostrei fechado a discutir isso. 

Não se tratou, contudo, de uma crítica serena, substantiva, na urbanidade educada em que estas coisas devem ser debatidas. Foi, como quem leu pôde constatar, uma furiosa diatribe "ad hominem", com graves insinuações de caráter, suspeições conspirativas e até uma malévola incursão por um incontroverso episódio do passado, com mais de quatro décadas.

Adiante. A minha aceitação do convite para uma colaboração benévola com a RTP não teve como objetivo ganhar mais uma linha curricular, que creio óbvio não necessitar, mas corresponder a um amável convite para prestar uma contribuição voluntária de serviço público, área que muito prezo e à qual dediquei mais de quatro décadas da minha vida profissional – sem o menor sacrifício e com imenso gosto. 

Entendi que a experiência diplomática que possuo poderia ser considerada útil na contínua reflexão que deve ser feita sobre o papel da RTP e da RDP na área internacional, em especial junto dos países de língua portuguesa e das nossas comunidades - tendo nomeadamente exercido funções de embaixador em dois países onde elas são das mais relevantes.

Uma palavra quanto à recente opinião do regulador sobre este caso. A ERC expressou uma clara posição atestando o que entende ser a adequação do meu perfil à função para que fui indicado. Entre os três membros da ERC um deles entende, contudo, que pode haver uma incompatibilidade entre a minha colaboração com alguma comunicação social e a pertença ao CGI da RTP. Não é essa a minha opinião e, para mim, trata-se de uma "linha vermelha": não prescindo de ter uma voz pública onde e quando me apetecer.

Satisfez-me muito constatar que houve um ponto não controvertido na reflexão que a ERC fez sobre as minhas eventuais incompatibilidades para o cargo. O regulador entendeu que a minha colaboração profissional com as três empresas portuguesas com maior expressão internacional, no âmbito do aconselhamento estratégico para o investimento, não suscitava a menor dificuldade à assunção daquelas funções. Isso sempre me pareceu óbvio, mas foi importante que ficasse claro.

Pergunto-me, aliás, se não é apenas a espuma dos dias de tensão política que se vivem que transforma isto num desproporcionado “casus belli”. Se, afinal, como disse Shakespeare, não é “much ado about nothing”.

(Artigo hoje publicado no "Correio da Manhã")

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

A verdade das notícias

A ERC decidiu não se pronunciar sobre a minha indigitação para um lugar (não remunerado) no Conselho Geral Independente da RTP, embora deixando algumas notas muito simpáticas sobre a minha adequação às funções.

Convirá deixar claro que a objeção da ERC se prende exclusivamente com a minha recusa em deixar de colaborar em órgãos de imprensa, limitação que não aceito. Aconselho a leitura do comentário do presidente da ERC para melhor se entender isto.

É totalmente falso que a ERC considere haver a menor incompatibilidade com a minha colaboração com empresas privadas, como alguns ainda tentam insinuar. A ERC desconsiderou assim, em absoluto, o argumentário dos subscritores de uma carta que por aí andou.

Repito: para ter o parecer positivo da ERC bastar-me-ia prescindir de colaborar na imprensa. Mas eu não prescindo. Agora e no futuro. Apenas isso!

Causa própria


O que é uma coluna regular num jornal? Um espaço privado ou público? É a vida do autor que aqui interessa ou o modo como ele trata os temas que são relevantes para o leitor, que possam induzir este a manter o seu interesse na publicação, a comprá-la com regularidade, porque um jornal é também um negócio?

Provavelmente, as duas coisas não estarão desligadas. Quem por aqui escreve é uma pessoa, mais ou menos conhecida, com quem, ao longo da leitura regular, o leitor se vai habituando a conviver. Às vezes sob um contraste de opiniões, outras numa aberta cumplicidade de ideias, estabelece-se um vínculo que acarreta consigo uma carga de confiança. Nem sempre quem nos lê concorda connosco, nos lê e nós próprios, mas “sabemos do que a casa gasta”.

Um dia, surge a surpresa. Tal como, numa esquina ou num café nos falam subitamente de alguém em moldes insólitos, também em outro local, numa televisão ou noutro jornal, de súbito ouvimos ou lemos, a propósito da pessoa com quem nos habituámos a conviver através da escrita, coisas menos simpáticas, insinuações, que, no limite, nos abrem espaço à dúvida sobre se, afinal, conhecíamos aquele nosso interlocutor habitual. Para alguns, a reação é o “espera lá! Isto não pode ser assim tão simples!”. Para os adeptos do “não há fumo sem fogo” isso passa logo a ser decisivo. E a dúvida, com naturalidade, fica instalada.

Nesse instante, para estes últimos, a “história” do autor começa ali. Décadas de vida impoluta, a sua honorabilidade, o serviço à comunidade prestado e eventualmente reconhecido, a carreira profissional sem mácula, tudo isso desaparece. Num segundo, tudo se torna despiciendo perante aquele emaranhado súbito de insídias, embrulhadas na testada eficácia do “não é por acaso que”. 

Porque nada é provado e tudo é apenas insinuado, a lógica mais primária deveria questionar: a haver alguma verdade, no todo ou apenas em parte, por que será que não houve consequências - políticas, judiciais, outras? Uns, mais prudentes, pensarão: isto está mal contado, não há aqui contraditório. Outros, porém, sensíveis às apelativas teorias conspirativas, passarão a alimentar, pelo menos, a dúvida. Era esse o efeito pretendido.

Que fazer, perante isto? Nada. A justiça da sociedade moderna não condena a difamação de quem anda na praça pública. O peso das meias verdades é suficientemente poderoso para se impor. Perante todos? Não, perante quem acredita mais em quem difama sem provar do que no alvo casual das insídias. As pessoas acreditam naquilo e em quem querem acreditar, no que lhes conforta os preconceitos, as inseguranças. Esta é a sociedade da dúvida. A calúnia sabe isto. George Bernard Shaw dizia: “não devemos lutar com porcos. Sujamo-nos e, ainda por cima, eles gostam”.

(Artigo hoje publicado no "Jornal de Notícias")

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Kanawa e Strauss

Ontem, vi anunciado na imprensa internacional que a fantástica soprano neo-zelandeza Kiri Ti Kanawa decidiu não voltar a cantar.

Estou agora no aeroporto de Munique, fazendo horas para apanhar um voo para a Ucrânia. E, de repente, tive vontade de dizer, qual Hermano Saraiva: "Foi aqui!"

É que foi exatamente aqui que, em 1987 (ou seria 88? ou 89?), "roughly" há três décadas (e acho que era Outono), na ópera de Munique, pela primeira e única (e, pelos vistos, última) vez na minha vida ouvi ao vivo Kiri Ti Kanawa. Ao seu lado, estava o tenor magistral que foi Alfredo Kraus, que já se foi deste mundo há mais de uma década.

Fui a esse belíssimo espetáculo com Durão Barroso e António Monteiro, depois da audiência em que uma delegação chefiada pelo primeiro, então apenas secretário de Estado do MNE, foi recebido pelo líder da CSU, ala bávara da CDU, Franz-Josef Strauss. Se não se partiu numa das muitas minhas mudanças, ainda deve haver lá por casa uma caneca de louça de cerveja, com a sua assinatura na tampa metálica, que nos foi oferecida nesse dia.

Para o registo ficar completo, falta-me saber a data exata e o que a Kanawa cantou. Será já o tal do "alemão" que me rói a memória musical? Alguém ajuda?

A Leste

Hoje, durmo em Kiev. "Credo!", disse-me à saída de casa uma vizinha que é do tempo dos comunistas "a sério" e se benze só de pensar neles, que isto da Lapa, um bairro onde caí por erro de casting, nunca esteve muito voltado para o "povo unido nunca mais será vencido". Mas não a deixei dizer "Abrenúncio" e "T'arrenego satanás", explicando logo que, por ali, pela Ucrânia onde a seguir ia dormir, já não há nada disso, ou melhor, deve haver alguns "comunas" lá para Donbass, mas agora andam todos muito quedinhos, como se diz na minha terra. A senhora, coitadita, é viúva duas vezes: depois do Almerindo, que já tinha ido há muito, quem lhe tirou o Cavaco tirou-lhe tudo. "Ouvi-o no outro dia! Que bem que esteve! Não é como esse que agora anda aí!", cito, abstendo-me de usar o adjetivo que ouvi e me pareceu menos apropriado para qualificar o supremo magistrado da nação de turno. A vida dá muitas voltas. Mas se alguém, há quarenta anos, me dissesse que eu acabaria num vão de escada da Lapa a tentar fazer perceber a uma velhota do bairro as vantagens de Marcelo ser presidente, teria mandado essa pessoa dar uma imensa volta a um bilhar muito grande e que nem sequer tinha esse nome.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

A Coreia do Norte no "Inferno"


Deixo o breve apontamento que, sobre a situação na Coreia do Norte, fiz ontem no "Inferno", no Canal Q.

Veja aqui

Juncker e o cabo da Roca

O último dirigente europeu que pode ser acusado de não ser amigo de Portugal chama-se Jean-Claude Juncker. Sabe-o quem trabalhou ou trabalha nas coisas europeias sérias, daquelas que estão bastante para além da retórica ou dos "soundbites". 

Puni-lo pelos exemplos geográficos que deu num discurso, numa lógica tão válida como qualquer outra, é sintoma de estranha insegurança, num país que tem História suficiente e uma presença internacional que já não precisa dessas coisas. Ou então revela a tentativa de "armar" ao nacionalismo ferido, o que é quase tão inferior como o primeiro sentimento.

Se querem continuar nos "soundbites", então eu aconselharia uma campanha no sentido de mudar a expressão de De Gaulle "uma Europa do Atlântico aos Urais", consagrando a mais patriótica "uma Europa de Cascais aos Urais"...

Falar à defesa

O ministro da Defesa disse, numa entrevista, uma frase que, tirada do contexto em que foi dita, surge como chocante. Se lermos com cuidado a entrevista, contudo, a frase tem todo o sentido e razoabilidade.

Só que o mundo não é assim. Não tem a racionalidade que o ministro quis imprimir ao seu raciocínio e, além disso, vive hoje numa polarização e num combate político que faz com que haja um "vale tudo" no aproveitamento daquilo que "der jeito".

Perguntar-se-á então: mas se o que o ministro disse afinal estava certo, a culpa é dele ou de quem tresleu o que disse? É de ambos: o ministro deveria ter antecipado o efeito que a sua frase, se isolada, iria ter e quem leu como quis fê-lo por sua conta e risco.

Um dia, António Guterres disse-me uma coisa que, a partir de então, nunca mais esqueci: numa entrevista, a nossa pior frase é sempre o título.

Citação

Citação recebida de um amigo:

"I learned long ago, never to wrestle with a pig. You get dirty, and besides, the pig likes it." - George Bernard Shaw

Interessante e útil.

Catalunha

Não quero ser alarmista mas, sem que haja nada que possamos ou devamos fazer, acho que convirá que Portugal esteja muito atento à evolução da situação em Espanha por virtude da questão catalã.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Já somos crescidos, não?

É revelador de uma imensa falta de maturidade democrática a discussão que está a ter lugar sobre se devem ou não realizar-se jogos de futebol em dia de eleições. Como se alguém deixasse de ir votar por haver um jogo ou outro...

No Reino Unido, todas as eleições têm lugar às quintas-feiras, toda a gente anda na sua vida normal nesse dia e não é por isso que há mais abstenção.

Mesmo o "dia de reflexão" é um atestado de menoridade aos eleitores, que mereceria ser ponderado numa próxima revisão da lei eleitoral. Não faz sentido que se não possa manter a promoção das candidaturas até ao ato eleitoral. Os cidadãos não precisam de ser "protegidos" dos agentes políticos pelo Estado.

E, um destes dias, temos de falar na divulgação das sondagens...

Lisboa


"Isto não parece Itália?" Não quis desiludir o amigo a quem dei boleia do Pátio da Galé, da apresentação da lista autárquica liderada por Fernando Medina, de cuja comissão de honra ambos fazemos parte. Mas não concordei, confesso agora.

Lisboa tem, de facto, uma estranha mediterrâneidade (pode dizer-se assim?), mas é também atlântica e até continental. É uma coisa complexa, uma cidade aberta, imensamente "plástica" - não por artificial mas por adaptável.

Fernando Medina falou em tornar Lisboa na capital europeia da tolerância. Acho bem. Eu gosto de me lembrar do país que existia, até há umas semanas atrás, em que todas as forças políticas no parlamento tinham um discurso não xenófobo, não racista. Temos de recuperar esse país saudável. Pelo voto, claro.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Ainda o Chile


Em 1999, como secretário de Estado, fui ao Chile, a convite do respetivo governo.

Visitei em La Moneda Jose Miguel Insulza, que conhecia da sua visita à Expo, no ano anterior. Era ministro do Interior e presidente da República em exercício. Antes, tinha ido colocar um ramo de cravos vermelhos no túmulo de Allende. Voltaria lá, privadamente, com outro ramo, em 2008.

Para o jantar, o nosso embaixador, Rui Félix Alves, havia convidado alguns deputados. Esse era o tempo em que Pinochet, afastado embora do poder formal, garantia uma espécie de "droit de regard" sobre o poder militar, numa situação que ele mantinha "atada y bien atada", para utilizar a clássica expressão do ditador Franco (embora este último se tivesse iludido sobre a situação que acabaria por se passar em Espanha, depois da sua morte).

Era evidente o embaraço com que os chilenos oficiais, de diversas tendências, à mesa, respondiam às questões que eu lhes colocava sobre, afinal, quem-mandava-em-quem naquela democracia tutelada pelo antigo ditador, em "phasing-out" de influência.

Foi um jantar longo, que recordo muito agradável. No final, ao conduzirmos à porta os nossos convidados, um dos deputados, deixou cair no meu ouvido, em voz baixa, pelo corredor: "Mientras ese hijo de puta esté vivo todo va a ser más difícil". Percebi. O "apreciado" general, contudo, duraria até 2006.

Ironias de um 11 de setembro


Quando se fala de 11 de setembro, são quase sempre os ataques islamistas nos Estados Unidos, em 2001, que vêm de imediato à memória das pessoas. Mas convém nunca esquecer que, anos antes, em 1973, no Chile, nessa mesma data, um golpe de Estado militar, curiosamente feito com a cumplicidade e impulso dos americanos, levou a um número de mortos similar, instituindo um regime sinistro que torturaria e perseguiria dezenas de milhares de cidadãos.

Um dia, em Brasília, o nosso adido de Defesa, Duarte Torrão, organizou na embaixada uma cerimónia comemorativa do dia das Forças Armadas portuguesa. Ao ser apresentado ao seus colegas, notei que o Adido de Defesa chileno se chamava Prats.

Carlos Prats era o nome de um general democrata chileno, que havia antecedido Pinochet como chefe das Forças Armadas e que fora assassinado, com a mulher, em Buenos Aires, em 1974, com uma bomba colocada no seu carro pela DISA, a polícia política do mesmo Pinochet. Curiosamente, havia sido Prats quem havia recomendado o "apolítico" Pinochet, que era seu amigo, a Salvador Allende, para o substituir.

Ao tempo dessa cerimónia em Brasília, o Chile vivia já em plena normalidade democrática. Perguntei a Duarte Torrão se o colega era, por acaso, familiar de Prats. "É filho, mas não me parece ter herdado muito do pai", disse-me, cripticamente, o nosso adido de defesa. A certo passo da função, aproximei-me do militar chileno, creio que coronel, e, sem revelar que sabia da sua ascendência, coloquei-lhe a questão: "É familiar do general Prats?". Confirmou-me que sim. Retorqui que tinha tido uma grande admiração pelo pai dele, o qual, tal como o seu antecessor, o general Schneider, haviam sido assassinados pela extrema-direita. 

Notei que o coronel Prats agradeceu sem um especial entusiasmo e, quando lhe perguntei em que ano tinha entrado para a Academia Militar chilena, para tentar perceber como fora a sua carreira durante o tempo de Pinochet, "saiu de fininho" da conversa. "Eu bem lhe tinha dito!", disse-me, depois, Duarte Torrão. "Este Prats pouco tem a ver com o pai". Fiquei mesmo a pensar quanto teria a ver, afinal, com o regime que lhe matara os progenitores.

Lembrei-me agora desta história, neste 11 de setembro, Há 44 anos, dia por dia, chovia em Santiago.

Setembros


A chuva ronda, já se hesita em ficar nas esplanadas, agradece-se, pelo entrar da noite, como dizem os franceses, "une petite laine". A bem dizer, confessemos ou não, já chegava de verão, de calor, de sol, de suor, de ar condicionado. Setembro rima bem com o estimulante (e saudável?) regresso ao trabalho, com "paletes" de coisas atrasadas para fazer, com as chamadas telefónicas em dívida, com a necessidade de resposta aos emails que foram "caindo" pelas páginas abaixo, com os convites para almoço aos amigos com quem estamos em falta, com muitos jantares "sociais" para retribuir. E com alguns textos para rever, com algumas palestras para preparar. E com algumas atitudes a tomar...

Este é o tempo do conhecido "agora é que é", das clássicas manias de uma qualquer "rentrée", da feitura de intermináveis listas (mais ou menos "moleskinizadas") que padecem sempre de erros de prioridade que acabam por torná-las inúteis, da promessa de não falhar as exposições que por aí vêm (quando, ao final daquela tarde, só vamos pedir sopas e descanso), da vontade de não perder alguns concertos e peças (que nos esqueceremos de reservar), de acabar dezenas de livros que jazem (e jazerão, para a eternidade) na estante, sem deixar de estar atento aos muitos que vão saindo, sempre cada vez mais caros (ou seremos nós que, afinal, ganhamos pouco?).

Relembro sempre o mês de setembro, em toda a minha vida, como um mês peculiar. Eram finais de tarde chuvosos, na adolescência, em Vila Real, quando apressava a saída dos bilhares do Excelsior, depois das "explicações". Poucos anos mais tarde, eram as luzes de Cedofeita a acenderem-se, ao sair de um "martini" no Bissau, comigo ainda convencido de que tinha jeito para vir a ser engenheiro eletrotécnico. Eram também as sete e meia da tarde por um Montecarlo quase deserto, no anoitecer lisboeta, à procura do 21 para os Olivais, com o "Lisboa" debaixo do braço. E lembro muito bem os setembros gelados e escuros, mas muito estimulantes, de Oslo ou de Viena, os setembros que o não eram, em Luanda ou em Brasília, ou a insuperável beleza londrina dos fins de tarde, já bem iluminados, em Knightsbridge, lá por Londres, as cores e os sons inconfundíveis da 2nd avenue, no regresso a casa, em Nova Iorque. Ou, finalmente, o entrar no carro, depois do "apero" e da conversa interessante no Flore, com o sol a declinar e a chuva a ameaçar, no regresso à Noisiel, lá por Paris.

Os setembros, na minha memória, assemelham-se muito à recorrente ilusão dos janeiros, quando, passadas as festas, sempre arregaçamos psicologicamente as mangas, apenas por alguns dias, na miragem fátua de que basta querermos para podermos recomeçar tudo de novo, porque "hoje é o primeiro dia do resto da tua vida", como cantava o Godinho. Podia ser assim, para toda a gente, se acaso nós não fôssemos exatamente os mesmos que éramos na véspera, quaisquer que sejam as datas colocadas à nossa frente. As quais, aliás, se vão reduzindo, dia após dia. O que, não sendo uma tragédia, é, valha a verdade, uma boa chatice. 

Gozemos os setembro, pois!

domingo, 10 de setembro de 2017

O Clube e o senhor Fernando

Há dias, ao passar na avenida Carvalho Araújo, em Vila Real, olhei as varandas, cheias de gente nova, com copos na mão, no edifício que alberga o "Clube" (e que já teve por baixo o "Café Clube"), e pus-me a pensar na cara de espanto que fariam os engravatados sócios do passado, se agora vissem a singular "subversão" que o espaço sofreu. (Há semanas, entrei no "Taurino", em Viana, e pensei o mesmo).

O Clube de Vila Real tem uma existência antiga. (Não confundir com o Sport Club de Vila Real, dedicado a outras "artes"). Faz parte das instituições que, pela província, as elites locais organizavam no passado para convívio e lazer. Na cidade, era o contraponto social da "União Artística", uma bela associação popular que, com sabedoria, tem sabido atravessar os tempos.

O Clube esta instalado entre duas artérias centrais da cidade. Tem uma bela entrada principal por uma escadaria de pedra e (pelo menos no passado) dispunha de uma saída para a Avenida, cujo cheiro a cera fresca está na minha memória olfativa.

Os jogos de cartas (mesmo o jogo "pesado" e clandestino) acabaram, em especial a partir de certa altura, por ser a sua (ainda que inconfessada) atividade dominante, o que lhe prolongou a existência mas corroeu em absoluto o prestígio, deixando de servir os propósitos que tinham levado à sua criação. 

Mas períodos bem áureos houve, em que, no Clube, os bailes, as festas de Carnaval e outros eventos de "sociedade" marcaram a vida da urbe. Tenho fotografias de mim por lá, com três ou quatro anos, mascarado de campino, no seu (mau) bilhar joguei horas a fio, ia ali ver televisão, numa sala de cadeiras alinhadas, quando por minha casa essa modernidade ainda não tinha chegado. E até lá fiz uma leitura dramática, pelo Teatro Universitário do Porto, de "O homem da flor na boca", de Pirandello.

Ia-se também ao Clube pelos jornais, pelas assinaturas de revistas, porque o Clube tinha então para consulta a "Science & Vie", a "Flama", as "Seleções", etc. Mas não "A Bola", o "Record" ou mesmo "O Norte Desportivo", note-se! Embora os homens quase monopolizassem a atividade do clube, recordo períodos em que as mulheres dos sócios "abrilhantavam" algumas ocasiões.

Nesses tempos, quem tomava conta do Clube era o senhor Fernando. Vivia no andar superior e geria o quotidiano da casa, providenciando cafés (imagino que álcoois) e renovando baralhos de cartas. Por décadas, conciliou os egos locais que por ali andavam, "importâncias" que se contrapunham, feitios que se chocavam. Deve ter estado presente em confrontos, até físicos, de que se sabe que o Clube foi cenário.

O senhor Fernando, porém, foi sempre uma pessoa discreta, como se requer a quem tem de organizar um cenário de intensa passagem lúdica de cavalheiros e de outros tantos que tentavam passar por isso.

Na minha adolescência, o clube foi também um ponto de encontro noturno para os filhos dos sócios, em especial no Verão. Mas isso não se fazia sem uma regular tensão com o senhor Fernando, que nos aturou muitos desacatos, que chegou a ter de queixar-se de nós à direção, a qual acomodava depois as coisas com uma conversa discreta connosco, sob a promessa de não fazer chegar o assunto aos nossos pais.

Porque me lembrei hoje do Clube e do senhor Fernando? Porque leio no Facebook que ele faz agora 90 anos, embora estando longe de o parecer, como eu próprio tive ocasião de lho dizer, há semanas. 

Aqui fica o meu abraço amigo de parabéns ao meu amigo senhor Fernando Pinto de Sousa e uma memória pessoal do Clube de que, por muito tempo, foi a alma.

Amanhecer

Abro a imprensa da manhã e sinto-me confortado. 

Se alguém, sem nos conhecer, alimenta contra nós um excitado ódio, isso só prova, "a contrario", que afinal o mundo nos não é indiferente. 

E essa é uma bela sensação, dá serenidade e vontade de continuar em diante. Sem mudar, claro. 

Há assim que gozar os dias porque, como escrevia Ary dos Santos, "agora cheira a setembro, como o outono sabe a vinho". 

Tenham um bom dia! Com este belo sol, estou a tê-lo!

A Europa "chata"


No primeiro semestre de 2000, Portugal teve a seu cargo a presidência da União Europeia. Ao tempo secretário de Estado dos Assuntos europeus, coube-me ser, simultaneamente, o negociador português na Conferência Intergovernamental que durante todo esse ano faria a revisão do Tratado de Amesterdão e, durante esse semestre, conduzir os respetivos trabalhos negociais. Pierre Moscovici, pela França, faria o segundo semestre e concluiria o processo que redundaria no Tratado de Nice.

Pela função de "honest broker" que me competia, enquanto Presidência, fui forçado, nesse período, a mostrar uma relativa neutralidade nas discussões, embora o interesse português nos colocasse naturalmente do lado dos países de menor dimensão populacional, no duro debate pela repartição do poder (em especial, números de votos e de deputados europeus) que estava então no seu auge.

Acabada a presidência portuguesa no final de junho, decidimos propor um diálogo (discreto) apenas entre os dez países de menor dimensão demográfica, com vista a tentar encontrar posições comuns que reforçassem a nossa "luta" contra o cinco "grandes" - Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Espanha. Tinha dúvidas que esta ideia viesse a ser aceite. Porém, ainda que com algumas reticências, o processo avançou. 

A projeção de interesses dentro da União Europeia não se faz necessariamente segundo a linha divisória "grandes/pequenos", porquanto, atento o seu estádio de desenvolvimento, alguns Estados de menor dimensão (como, por exemplo, os países do Benelux - Bélgica, Holanda e Luxemburgo) têm interesses mais próximos dos da Alemanha ou da França do que dos de países mais pobres, como Portugal ou a Grécia. Porém, o facto da França ter tentado ostensivamente promover um "esmagamento" do poder de voto desses países, suscitava-lhes grandes dificuldades de "apresentação" junto dos seus parlamentos e opiniões públicas. Não sem algum custo político, Portugal denunciara desde o início da presidência francesa essa tentativa e colocara mesmo a questão (de início, apenas com a Grécia ao lado) na agenda mediática europeia.

Os "dez" mais pequenos foram assim sensíveis à sugestão portuguesa para nos reunirmos "em segredo" (um segredo de Polichinelo, como é quase tudo na União). Organizei então, nessa segunda metade de 2000, duas reuniões dos negociadores dos "dez" na nossa Representação Permanente em Bruxelas e uma terceira na embaixada portuguesa num pequeno país da União. Outras se seguiram. Mas é desta reunião que quero falar.

Pedi ao nosso embaixador naquela capital para organizar um almoço de trabalho. Modesto, o meu colega disse-me que eu podia ocupar a sala de jantar, sem que ele próprio estivesse presente. Recusei essa sugestão, porquanto me lembrava bem do choque que entre nós provocara um histriónico ministro das Finanças do "cavaquismo", quando, em Washington, por mais de uma vez, tinha "sugerido" ao embaixador para se "ausentar" de almoços que pretendia organizar na nossa embaixada (mas que era o embaixador quem pagava do próprio seu bolso, como acontece com todas as refeições oferecidas nas residências diplomáticas, coisa que a opinião pública desconhece).

O meu colega presidiu assim comigo a esse almoço de trabalho. Foram duas horas muito intensas. A temática era tecnicamente árida, cheia de expressões especializadas, muitas siglas e menções crípticas a debates anteriores (muitos de nós andávamos há vários anos naquelas lides) e documentos que não estavam na mesa. Não era fácil ao embaixador seguir os detalhes da discussão que estávamos a ter. Notei que homem, do meio da mesa, acompanhava o debate como um árbitro de ténis-de-mesa segue um jogo, olhando para um lado e para o outro, com evidente (e compreensível) dificuldade em entender por completo a discussão, em todos os seus pormenores.

Foi, por isso, com dupla gratidão que, no final do almoço, lhe expressei o meu sincero reconhecimento pela sua generosidade. O meu colega, homem cordial e com sentido de humor, disse que tinha tido o maior gosto em ter podido ser útil aos nossos interesses. E acrescentou: "Eu sempre tive curiosidade em perceber estes ambientes negociais multilaterais, de que na minha vida profissional nunca tive a menor experiência. Mas isto, meu caro, deve ser uma imensa chatice! Você diverte-se?"

Rimo-nos os dois. O meu colega não tinha razão. As questões europeias são fascinantes. Mas, de facto, podem parecer, às vezes, de um "outro mundo". E se para ele, diplomata, eram tão estranhas e bizarras, imagine-se o que não serão para o cidadão comum!

sábado, 9 de setembro de 2017

Hóquei (escrevo assim)


Há dias, numa conversa em noite quente, em Ponta Delgada, eu e um amigo que me acompanhava demo-nos conta de que, sem então nos conhecermos, havíamos estado juntos no "galinheiro" do Palácio de Cristal, no Porto, na noite de 4 de maio de 1968, a vibrar com a vitória de Portugal sobre a Espanha, em hóquei em patins, numa final do campeonato do mundo. 

Ele foi um conceituado praticante da modalidade, eu era apenas um aficionado de bancada e de leitura de imprensa desportiva, além de seguidor e sofredor radiofónico regular durante os relatos vivos que Artur Agostinho nos fazia desse mítico pavilhão desportivo de Montreux (onde um dia me senti na obrigação de ir, numa romagem de nostalgia).

Portugal venceu então, nesse outro maio de 1968(!), "a nossa vizinha Espanha" (expressão do jornalismo sem imaginação) por 2-0. 

O que fará com que, nos dias de hoje, o meu entusiasmo com estas finais seja bem menor? 

À hora de almoço de hoje, quando, aos penalties, "nuestros hermanos" (outra banalidade ritual na imprensa) nos derrotaram em mais uma final mundial, desta vez na China, tive pena (claro!), mas isso não afetou o apetite com que continuei a comer o belo bacalhau que o meu amigo João apresenta na sua "Imperial de Campo de Ourique".

Naquele outro tempo, eu conhecia de cor até a composição da equipa espanhola (como tinha sabido outras, no passado). Hoje, não sei o nome de nenhum jogador português. Como diria, com a sua preverbial expressividade, Donald Trump: "sad!"

O bacalhau do "Progresso"


Diz a "Time Out" que o "Progresso", o café portuense entre a praça Carlos Alberto e o largo do Moínho de Vento, sofreu uma nova remodelação, estando agora centrado na área dos comes-e-bebes. De uma das últimas vezes que por lá passei, a especialidade da casa eram panquecas.

O "Progresso" é um marco da riquíssima geografia cultural dos cafés no Porto. Ao tempo em que me passeei pelas engenharias da Universidade do Porto, aquele café não fazia parte dos nossos roteiros de pouso, porquanto na sua frequência se contavam muitos mais professores "graves" do que aqueles que escolhiam o vizinho "Piolho".

O "Progresso" foi, ao que julgo, dos últimos lugares a ceder à invasão do "cimbalino", mantendo um café de saco que se tornou lendário. A razão por que falo de bacalhau no título deste post é porque subsistiu, por décadas, o mito (ou a realidade?) de que o segredo da qualidade do café de saco do "Progresso" advinha dos rabos de bacalhau que eram colocados no interior na bela máquina que ornamentava a sala.

O apelo de Lisboa


Durante várias semanas, no seu imperdível "folhetim" de verão, em que recupera uma tradição vetusta do "Diário de Notícias", Ferreira Fernandes ficcionou a possibilidade da sede das Nações Unidas ser transferida para Lisboa. A trama baseava-se no interesse imobiliário de Trump pelo terreno nova-iorquino da "Turtle Bay", somado à vontade de Macron de dar à ONU uma centralidade europeia. 

Hoje, na sua conta de Twitter, um dos mais conhecidos jornalistas das coisas europeias, Jean Quatremer, "lança" a ideia de transferir as instituições europeias para Portugal, para um "país normal (belo, de clima são, limpo)". Sabemos o "sucesso" que a ideia vai ter, mas não deixa de ter graça ver um "furioso" europeísta - ainda por cima, francês - propagar a excelência da capital portuguesa.

Factor de primeira


Há dias, entrei numa estação de caminho de ferro de uma cidade de província, daquelas onde o comboio passa "quando o rei faz anos". Não se via vivalma. Fui andando pela plataforma até encontrar uma porta aberta. Estava um tipo lá dentro, de t-shirt e jeans, a quem perguntei: "Sabe dizer-me onde posso encontrar o chefe da estação?". (Por razão que não vem ao caso, eu tinha necessidade de falar com o chefe da estação). O homem respondeu-me: "Sou eu". 

Ele deve ter percebido que eu estava à espera de "outra coisa". Claro que já não aguardava um cavalheiro de fato escuro, gola vermelha, com um pau de bandeira enrolado na mão (e apito pendurado do bolso). Mas esperava que fosse alguém vestido de forma identificável para aquele lugar. Mas, se calhar, as coisas hoje são mesmo assim.

O formalismo dos caminhos de ferro é lendário. Um chefe de estação, no passado, era uma figura com algum destaque nas localidades. E a hierarquia da carreira ferroviária era algo de relevante à escala nacional.

O meu pai costumava contar uma história da sua infância, passada em 1918 ou 1919 Perto da casa da minha avó, em Viana do Castelo, vivia um casal. O cavalheiro era funcionário dos caminhos de ferro. Tratava-se de um homem "grave", de fortes bigodaças, que se passeava com a esposa aos finais de tarde, em passo pausado, pelas ruas da cidade. O meu pai ouvira dizer que o homem o homem era "Factor de primeira", um lugar da hierarquia ferroviária. E a designação do cargo impressionava-o. 

Um dia, numa conversa lá por casa, veio à baila uma figura importante da cidade, o governador civil. O seu poder terá sido mencionado, em contraste com o de outro cargo qualquer. O miúdo de oito ou nove anos que era o meu pai, colocou então à minha avó uma questão que, para sempre, ficou para o anedotário sentimental da família: "Um Governador civil manda mais ou menos que um Factor de primeira?"

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

A vizinhança coreana


Em 2003, fui a Seul, a convite da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), co-presidir e intervir numa conferência sobre a possibilidade das chamadas “medidas geradoras de confiança e segurança”, um conceito muito em voga desde a “détente”, virem a ser aplicadas às tensões político-militares que, desde os anos 50, afetam a península coreana.

Logo no primeiro dia, fui convidado para almoçar por um amigo que era assessor diplomático do presidente da Coreia do Sul. Tínhamo-nos conhecido em Nova Iorque, quando ele era chefe de gabinete do presidente da Assembleia Geral da ONU e eu dirigia a respetiva Comissão de Economia e Finanças. Chama-se Ban Ki Moon e foi depois o secretário-geral da ONU que antecedeu António Guterres.

Eu estava longe de ser um especialista naquela área geopolítica, pelo que a interessante conversa com Ban Ki Moon, além de muitas outras coisas, teve a virtualidade de me alertar para a importância de uma realidade que nem sempre é tida em devida conta no conflito coreano: as posições da República da Coreia e dos Estados Unidos não devem ser dadas necessariamente como homólogas. Há fortes divergências táticas e o facto de Seul contar com os EUA como “escudo protetor” face a Pyongyang não garante uma atitude comum nos passos a dar face ao Norte.

Vivia-se, por essa época, o tempo, para alguns esperançoso, dos chamados “Six-Party talks”, um processo de diálogo político envolvendo as duas Coreias, os EUA, a China, a Rússia e o Japão. O futuro viria a revelar que o processo não iria ter qualquer sucesso. 

Ao observar a pressão que a América exerce hoje sobre a China, não pude deixar de lembrar-me também daquilo que um dia, numa outra conferência, dessa vez em Tóquio, ouvi ao presidente de um poderoso “think tank” chinês. Dizia-me ele que o Ocidente era “demasiado simpático” ao considerar que Pequim tinha um forte poder de influência sobre a Coreia do Norte: “A nossa capacidade de influência acaba onde o orgulho dos nossos vizinhos pode ficar ferido. A partir daí é ingerência e isso tem um preço”. É claro que esta não é toda a verdade: a China detestaria ver a peninsula sob um regime hostil e na esfera americana.

Para tornar tudo mais complexo, há também que contar que o Japão não tem as posições americanas face à Coreia do Norte como sacrossantas. Tóquio sabe, da História, que é trágico ficar preso a uma estratégia alheia na relação com a sua periferia. É a única certeza é que os vizinhos estarão sempre nos caminhos do seu futuro.

A Coreia do Norte sabe tudo isto. E sabe bem o que quer: ser um poder nuclear, ter essa arma que equipara, pelo terror que infunde, quem a possui. Não quer ter o destino do Irão, que, por ora, ficou na soleira do poder nuclear. Quer passar a ter acesso a esse “patamar” estratégico (onde estão Israel, a Índia ou o Paquistão), por forma obter um argumento negocial definitivo.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

O dedalzinho


Bateram à porta do meu quarto, no "Beach Hotel", de Tripoli, naquele ano de 1976. Pensei que fosse um dos meus companheiros de viagem. "Sim?!", perguntei. "Podia abrir, por favor?". A voz não era conhecida.

Eu era o representante do MNE num grupo técnico interministerial que o governo português decidira enviar à Líbia, para explorar a possibilidade das nossas empresas de construção civil e obras públicas virem a operar naquele país. A ideia tinha sido suscitada por uma delegação líbia a um congresso do PS português, nesse tempo em que Kadhafi tinha ainda uma imagem aceitável na comunidade internacional, poucos anos decorridos depois do derrube do regime do rei Idriss.

Mas de quem seria a voz? Um português na Líbia? Não era Cartaxo e Trindade, um jornalista que era então o "homem de mão" dos líbios em Lisboa, responsável pela edição portuguesa do Livro Verde de Kadhafi, que já tínhamos cruzado na véspera naquele hotel que, num passado recente, era exclusivamente ocupado pelos americanos, a quem a Líbia tinha dado ordem de partida da base militar próxima.

Abri a porta e vi um homem na casa dos trinta e tal anos, que se me apresentou. Disse-me estar a trabalhar desde há quatro meses na Líbia, numa empresa canadiana, já não recordo o setor. O quarto era pequeno, não o mandei entrar, ficando nós a conversar, em voz baixa, no corredor. Disse-me ter encontrado no hall um dos meus colegas de missão. 

Eu continuava sem perceber a razão pela qual o homem cuidara em saber o número do meu quarto, onde me fora procurar, já bem depois do jantar. A conversa andava "às voltas", quando eu arranjei coragem para dizer algo como isto: "Mas precisa de alguma coisa da minha parte?". Vi que o homem hesitava, olhava em volta, e que baixava ainda mais a voz: "Um dos seus colegas disse-me uma coisa: que o meu amigo trouxe algum alcool".

Fiquei furibundo! Era estritamente proibido levar alcool para a Líbia mas eu, num gesto um tanto inconsciente, tinha decidido levar comigo um pequeno frasco metálico com algum whisky. Era uma quantidade muito pequena e, com alguma reserva, já "cedera" uns "golos" a colegas da delegação. Mas era completamente incrível que um deles tivesse dito isso a um estranho! Percebi logo quem tinha revelado o facto e, inclusivamente, dito ao homem o número do meu quarto. Mas a minha fúria começou a desvanecer-se quando o homem me disse: "Quando mencionei ao seu colega que o alcool era o que mais me faltava aqui, ele disse-me que o meu amigo talvez me pudesse "desenrascar", para "matar saudades". Se me pudesse dar um dedalzinho de alcool, ficava-lhe muito agradecido..."

Mandei entrar o homem para o quarto, dei-lhe duas medidas de whisky, fiquei com a sensação de que uma lágrima lhe correu pelo rosto, mas deve ter sido impressão minha...

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Terceira


Quanta História convoca a ilha Terceira! Por aqui se escreveram páginas gloriosas na luta liberal contra o obscurantismo do "antigo regime". Aqui foram detidos, durante a ditadura, muitos republicanos e anti-salazaristas, alguns envolvidos em bravas tentativas revolucionárias pela liberdade. Aqui estavam, no 25 de abril, por decisão disciplinar, Melo Antunes e Vasco Lourenço, que vieram a ser pilares da Revolução. E por esta ilha ficam também as Lajes, eixo da relação estratégica luso-americana, uma base que também foi palco do triste momento foi a "cimeira" que, em 2003, antecedeu a criminosa invasão do Iraque.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

A Mornaça


Há dias, aqui nos Açores, perguntei uma simpática guia se ela tinha ouvido falar da "Mornaça".

O tempo estava pesado, quente e húmido, qual "Noite de Iguana", embora sem as amenidades do filme. O conceito de "mornaça" é tipicamente açoriano e refere-se a esse ambiente "misty". Com naturalidade, ela julgou que era a isso que eu me estava a referir. Conhecia, claro, a expressão açoreana, mas nunca tinha ouvido falar de um livro de Ferro Alves com esse nome. E era essa a minha questão.

Ferro Alves foi um revolucionário republicano que, enquanto desterrado nos Açores, interveio, em 1931, naquela que pretendia ser uma revolta nacional contra a ditadura, mas que, em termos práticos. acabou por ficar confinada à famosa e frustrada Revolta da Madeira. O livro é de 1935, tem a bela capa da imagem e é hoje uma raridade bibliográfica (tenho um exemplar algures). No fundo, é uma espécie de relato de uma revolução fracassada, tendo como curiosidade principal os telegramas eufóricos, relatando êxitos que não tiveram lugar, com que Ferro Alves debalde procurou "animar as tropas" dos infelizes revoltosos.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Marcello Mathias


Leiam, sem preconceitos, esta excelente entrevista do meu colega embaixador Marcello Duarte Mathias, dada a essa ótima jornalista que é Isabel Lucas.

(Aqui, no meio do Atlântico, só hoje dei pela publicação deste texto, no "Público")

Escrevi "sem preconceitos" porque sei que alguns poderão discordar de algumas das posições deste magnífico escritor e brilhante intelectual. Mas o leitor só ganha em ultrapassar essa limitação.

Marcello Mathias é, na minha opinião, uma das pessoas que atualmente melhor escreve em língua portuguesa. Pensa o país ao seu modo muito pessoal, assume-se como um impenitente pessimista, talvez porque lhe fugiu do futuro sonhado um certo Portugal em que investiu emocionalmente a sua vida, desacreditando hoje também desta Europa que por aí anda. Ambos comungamos de uma certa visão de serviço ao país, bem como da preservação do interesse nacional. É talvez por isso que nos damos bem.

Bela entrevista, caro Marcello!

Açoreana


Ontem, numa vilória dos Açores, senti qualquer coisa de íntimo ao olhar esta placa de companhia de seguros. É que a "Açoreana" diz alguma coisa à minha juventude.

Em Viana do Castelo, no início dos anos 60 do século passado, tinha um tio que era correspondente da "Açoreana". No seu escritório de solicitador encartado, entre outras atividades, fazia-se, nos primeiros dias do mês, a coleta dos pagamentos desses seguros. 

Havia para tal um funcionário que, atrás de um balcão, recolhia o dinheiro e emitia os recibos. Era o "Pêssego", nome posto pelo meu tio e por que ficou conhecido na intimidade jocosa da família, dado que era oriundo da localidade de Pessegueiro, na margem esquerda da Ribeira Lima.

O "Pêssego" era, ao que me lembro, um "senhorito" aperaltado, com uma "gravitas" um tanto irritante, para os seus 18 ou 19 anos. Nunca engraçámos muito um com o outro, mas imagino que algumas culpas possam ter cabido à minha atitude pouco respeitadora do seu esforço para se mostrar precocemente "grave". É que o "Pêssego" falava de forma pausada, afetada mesmo. Mas era muito bem tratado: ao final da sua função diária, ao bater das cinco e meia, subia para a casa da nossa família e tomava um valente lanche preparado pela nossa tia Zé. Sobre se o "Pêssego" mantinha ou não uma paixão secreta pela minha bela prima, filha do seu patrão, a doutrina da memória familiar continua a dividir-se.

Um dia, soube-se que o "Pêssego" adoeceu. Foi coisa sem gravidade e por pouco tempo. Eu estava ali por Viana no meu mês de férias, tinha 13 ou 14 anos, e ao ver o impasse criado pela súbita ausência do empregado, disse da minha disponibilidade para o substituir durante as tardes, nessa "magna" tarefa. Recordo-me da leve hesitação do meu tio em atribuir-me o encargo. Mas, para minha surpresa, talvez para testar o meu sentido juvenil de responsabilidade, lá me foi passada a tarefa de recolher o dinheiro da "Açoreana" e entregar os recibos recebidos da companhia. Ainda hoje lembro o "peso" com que aceitei a tarefa - porque implicava dinheiro vivo e isso era coisa séria - e o zelo com que, por esses escassos dias, me dediquei à função, no escritório do meu tio. Nunca soube se o "Pêssego" apreciou a valorosa substituição.

Há pouco, ao olhar a placa na imagem, senti que a "Açoreana" ainda hoje pode dizer de mim a clássica expressão da senhora Thatcher quando designava um amigo político mais fiel: "He is one of us"! 

domingo, 3 de setembro de 2017

O amor à açoreana


Margarida Vitória Borges de Sousa Jácome Correia (1919-1996) é um nome de uma curiosíssima figura açoreana que publicou um livro de memórias ("confissões") com o título bizarro de "Amores da cadela 'pura' ", assinado sob o nome de Margarida Victória.

Mulher muito bonita e dotada de um temperamento altamente fogoso ("to say the least"), teve uma vida hiper-aventurosa e de luxo, que a levou por diversos lugares mundo e por braços de variados amantes. O escritor Vitorino Nemésio, no final da sua vida, haveria de se render por completo aos encantos da senhora, com a qual se envolveu romanticamente. Foi ela quem inspirou o período erótico da sua escrita na obra "Cadernos da caligraphia", na qual a dama amada surge sob vários e sugestivos nomes.

Ontem, em Ponta Delgada, debalde procurei o livro de Margarida Victória, que tencionava oferecer. "Está esgotado", ouvi em toda a parte. É pena! Os Açores atuais mereciam conhecer esta história de vida.

sábado, 2 de setembro de 2017

Pistoleiro


Há uma figura pitoresca, de poupa armada e ar grave, que tem uma fixação recorrente pela minha pessoa. Talvez porque um dia considerei risíveis as suas pretensões políticas, feitas de uma patusca agenda justicialista - criador de suspeições nunca provadas, assentes em ridículas teorias conspirativas -, o fulano criou-me um ódio persistente que, de quando em vez, renasce nas várias plataformas em que esforçadamente se desdobra, para gáudio dos seus prosélitos, recrutados entre os furibundos comentadores de caixas de comentários. 

Ontem, depois do anúncio da minha indigitação para um cargo "pro bono" na RTP, comentei, já divertido, com um amigo: "Quantas horas demorará o tipo a reagir?" Foram 12 horas! Coitado, está a perder a mão! Como pistoleiro, devia ser mais rápido... 

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

RTP


Foi com grande gosto que aceitei o convite do governo para integrar o Conselho Geral Independente que tem por missão supervisionar o serviço público de televisão e de radiodifusão.

Se a minha indigitação for aprovada pela Assembleia da República, exercerei essa função sem o menor encargo financeiro para o Estado.

Abade de Priscos com tripas?


Ontem, no aeroporto de Lisboa, numa loja com livros (livraria é outra coisa), ouvia-se, bem alto, Toni de Matos. Não sei o que pensavam os estrangeiros daquele estranho « musak » com palavras, por certo o levam à conta de toada melancólica mediterrânica, pelo típico gemido vocálico. Logo a seguir, no altifalante da loja, num « medley » improvável, surgiu Keith Jarret. Como entretanto saí, não esperei para ver se se seguia Quim Barreiros – mas já ninguém se surpreenderia. É que, em matéria de oferta turística, hoje já vale tudo ! 

Somos, de há muito, um país turístico. O Algarve (com a Madeira noutro registo) foi a primeira montra do sol & mar para « camones » e míticas suecas. Por anos, fado, Lisboa e uma vida simplória (« so typical ! »), eram o seu complemento. Com a procura global de cenários alternativos, olhou-se o Douro para além do vinho do Porto. Os saldos da Ryanair revelaram a graça única da capital do Norte. Entretanto, a Costa Vicentina passou também a ser « bem », com os Açores a assumirem-se como a última “descoberta da pólvora”. E há, claro, as novas rotas judaicas, transformadas em maná comercial pela diáspora israelita, com que nos absolvemos das judiarias que lhes fizemos.

O tempo transformou o Algarve num espaço para ressacas de pifos nórdicos e retiro de idosos à cata de sol e impostos baixos. A Europa passou a dar mais atenção a outras zonas de um país de gente acolhedora, com uma invejável rede viária, alimentação excelente e às vezes barata (mas já aprendemos, como o restaurador gatuno da Baixa lisboeta provou!), ruas onde a insegurança não passa em regra do vigaristote de mão-baixa. Não fora a cupidez do patobravismo autarquicamente protegido e a costa portuguesa poderia ser hoje um paraíso quase sem paralelo na Europa.

O turismo é uma imensa riqueza que temos e faz jus à hospitalidade que está no nosso DNA. É muito importante economicamente, abre-nos ao mundo e apenas há que saber regulá-lo com bom senso e bom-gosto, para que, pelo excesso da sua pressão no ambiente urbano, não venha a gerar uma “turismofobia”, como noutros lugares já ocorreu.

E volto ao Toni de Matos (cuja voz muito aprecio, aliás). Sabemos que a oferta ao turista daquilo que é português não pode dispensar o “kitsch"– da guitarra plástica ao azulejo “a fingir”, talvez já “made in China”. Mas, mesmo no “business-friendly” que hoje liberalmente impera, há que tentar evitar o gato-por-lebre que por aí anda. Deixar sem denúncia oficial que nada há de típico no pastel-de-bacalhau com queijo da serra é a porta aberta a que, um destes dias, possa surgir um fabiano pelo Norte a vender que bom, bom é o pudim abade de Priscos lardeado com tripas à moda do Porto...

(Artigo hoje publicado no "Jornal de Notícias")

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Turismo

Ouvir Toni de Matos na FNAC do aeroporto de Lisboa é uma nova e curiosa sensação, neste Portugal 2017. Confesso que se fosse Quim Barreiros ou Toni Carreira, a seguir a Keith Jarrett ou Madonna, era a exatamente a mesma coisa. Já nada nos espanta e tudo espanta o estrangeiro visitante, que nos olha como o seu novo objeto etno-antropológico. O bandido do restaurante gatuno da Baixa vem já incluído no pacote de viagem de quem se prepara psicologicamente, antes de cá chegar, para ser assaltado no 28 dos Prazeres ou que é alvo preferido da "pancada" no bolso dada pelo taxista vígaro do aeroporto. Depois, com um azulejo e uma guitarra de plástico, vendem-lhe como típico o pastel de bacalhau com queijo da serra. E se alguém, no Porto, tiver a ideia de lançar um pudim abade de Priscos lardeado com tripas, aposto que também "marcha". É que, por estes dias, já vale tudo, nesta máquina registadora chamada Portugal. Dias felizes, não é, Mário Centeno?

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Mais valia...


Há quantos anos não vou à Festa do Avante! No seu início, esta "feira popular" dos comunistas portugueses, que copiava o modelo italiano do L'Unità e francês do L'Humanité, convocou a curiosidade de muita gente, muito para além dos comunistas. Havia livros e discos com desconto, arte a preços convidativos e uma oferta de gastronomia regional que, somada aos espetáculos, atraía (e julgo que ainda atrai) pessoas de várias orientações políticas.

Nos primeiros anos a seguir ao 25 de abril a novidade levou-me por lá, a uma meia dúzia de edições. Numa delas fui com o meu amigo Alfredo Magalhães Coelho, um homem cordial, divertido e com imenso sentido de humor. A certo ponto do percurso pelas tasquinhas, pedimos dois copos de vinho, talvez para "olear" duas sandwiches de panado. O "camarada" que nos serviu foi parco na quantidade do líquido, deixando uma boa parte por encher. O Alfredo indignou-se logo:

- Ó camarada. Então aqui também há exploração do homem pelo homem? Então não se enchem os copos? Sabe como se chama a diferença entre o vinho que colocou e o copo cheio?

O homem, coitado, não sabia e ficou atrapalhado. O Alfredo, forte do seu conhecimento de economia marxista, esclareceu:

- É a mais-valia, camarada. Já o grande Marx ensinava. Ora ateste aí a mais-valiazinha que está a faltar!

E lá bebemos nós o copo bem cheio, de um vinho que, afinal, era uma zurrapa. Afinal, mais valia o Alfredo não ter protestado.

Enganos felizes


O erro foi fatal: saí de Ginzo de Limia (os galegos dizem Xinzo) pela estrada errada. Pretendia, na tarde de sábado, ir para Montalegre... e perdi-me! 

Antes, tinha almoçado (muito bem!) no "Costa do Sol", em Vila Pouca de Aguiar, e, à saída, deu-me um "vaipe" de passar por Orense. A cidade, contudo, nessa tarde, estava mais "cerrada" do que o Alcázar de Toledo (não pude, assim, visitar a Tanco, a sua melhor livraria). 

Optei por ir lanchar, ao final da "siesta" espanhola, numa esplanada dessa pérola galega que é Allariz. Em seguida, fui recordar como era a estrada velha para Ginzo, que tantas vezes fiz. E foi então que meti pela direção errada. Fui dar a Bande e aí o "Portugal" que se me oferecia nas placas era já o Lindoso (!) ou a Portela do Homem... Ó diabo! Eu estava já quase no Minho!

Não empaniquei porque tinha gasolina e tempo. Optei por ir pela Portela (ainda encontrei um desvio para Pitões das Júnias, mas o meu espírito David Crockett baixa rapidamente com o sol a pôr-se).

Subi a densa encosta para a Portela do Homem, depois do vale espanhol que se vê na imagem, descendo para o Gerez ainda com luz, com uma paisagem deslumbrante. Fui ainda bem a tempo de jantar na bela varanda do "Hotel Águas do Gerês" - um serviço simples, mas "de primeira", e uma carne tão soberba como a do bife à Marrare que o "Café de S. Bento", aqui em Lisboa, me "deu" na noite de 2ª feira.

Acabado o repasto no Gerês, subi às Cerdeirinhas mas não ousei a estrada de Chaves, nem o percurso pelo Basto, que o GPS recomendava: fui de Braga pelo "défice" (perdão, pelas auto-estradas) até Vila Real, onde cheguei antes da meia-noite. 

Se, à uma e meia da tarde daquele dia, à hora da minha saída de Vila Real, alguém me tivesse sugerido o percurso que acabara de fazer, nem sei o que lhe chamaria... E, no entanto, não saberia o que iria perder.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

De Angola à contracosta política


O antigo primeiro-ministro angolano, Marcolino Moco, não gostou de declarações que proferi sobre Angola e disse-o numa entrevista a "O Sol", em que cita o que eu referi à Lusa, à TSF e ao Jornal de Notícias.

Eu havia notado, à Lusa e TSF, que não me parece correto procurar comparar Angola com modelos políticos europeus ou latino-americanos, dado que o país deve ser avaliado à luz do resto de África. Repetindo o argumento ao JN, fui de opinião que o regime angolano não deve ser posto em paralelo crítico com sólidas democracias existentes noutras geografias, como a Noruega ou a Suíça, mas que, posto lado-a-lado com outros regimes africanos, como a Guiné-Equatorial ou a República Centro-Africana, é uma evidência que a Angola atual compara positivamente.

Marcelino Moco entende que o que eu escrevi me coloca "a falar sempre a favor do regime angolano" e que isso são "bitolas para baixo", tratando os angolanos como "seres inferiores" que "têm de se contentar com qualquer coisa".

Estamos aqui perante perspetivas diferentes. 

Desde logo, eu discordo de Marcolino Moco quando ele fala de "seres inferiores" a propósito de comparar Angola com outros Estados africanos. Há aqui, parece-me, alguma sobranceria assumida face a vizinhos, que não são "qualquer coisa", atitude que não fica bem a alguém que já teve fortes responsabilidades em Angola.

Além disso, eu entendo, errado ou certo, que o regime angolano, saído há 15 anos de uma sangrenta guerra civil, que se sucedeu a uma das mais traumáticas transições coloniais de toda a África, fez uma evolução importante, desde o regime de partido único de inspiração marxista-leninista para um modelo democrático, seguramente ainda muito imperfeito, mas que representa, em si mesmo, um indiscutível avanço. 

Sem ironias, esse foi um "salto" similar ao que o próprio Marcelino Moco efetuou, desde os tempos em que foi primeiro-ministro dessa República Popular de Angola. Recordo-me de como defendia então um regime assumidamente totalitário, tendo evoluído até às posições democráticas em que hoje se revê, que legitimamente assume e que o coloca em oposição aos seus antigos camaradas de ideologia. E os Estados, como Marcolino Moco deve reconhecer, são como as pessoas.

Angola é, goste-se ou não, um regime politicamente em transição, como há muitos pelo mundo - um regime que partiu do totalitarismo para uma abertura democrática. A única questão é saber se essa abertura se fez ou está a fazer de modo correto e a um ritmo razoável, ou se há uma excessiva lentidão e deficiências graves nesse processo. 

Podemos discutir isso, mas, repito, é insensato tentar aplicar a Angola uma matriz de exigência como a que se aplicaria a sólidas democracias, com muitas décadas de cultura democrática. Mais: nem só é insensato pedir isso, como é uma óbvia realidade que Angola está, infelizmente, ainda longe desses países com essa solidez democrática.

Esta minha constatação não absolve ninguém em Angola, ao contrário do que Marcelino Moco e alguns "futungólugos" lusitanos parecem julgar. É que, gostem eles ou não, ainda há em Portugal vozes independentes a olhar para a situação política angolana, que não são nem seguidistas do regime nem estão conquistados pela bondade das oposições.