segunda-feira, 4 de maio de 2015

Bairro Alto


Ontem, domingo, deu-me para ir jantar ao Bairro Alto. A (re)viver em Lisboa desde há mais de dois anos, dei-me conta que o Bairro Alto deixou de ser o local onde, no passado, ia muito frequentemente, a restaurantes e alguns bares. Entrei no bairro ido do Camões e, de repente, "perdi-me"! Eu já não conheço "aquele" Bairro Alto! Andei por ali uma boa meia hora, cheio de curiosidade. Passei por dezenas de restaurantes, tascas e bares cuja existência e nome desconhecia por completo, só de quando em vez ouvi alguém falar português e, mesmo nesse caso, era quase sempre com acento brasileiro. Verdade seja que não me senti minimamente tentado a entrar em nenhum daqueles espaços, que têm o mesmo atrativo para um nativo do que a rua das Portas de Santo Antão (com exceção do Gambrinus e do Solar dos Presuntos) ou a rua Jardim do Regedor. Mas fiquei imensamente satisfeito por ver o bairro cheio de gente, com os restaurantes "à cunha", numa noite quase-chuvosa de domingo, com um ambiente cosmopolita, que nada fica a dever a outras áreas similares por esse mundo fora. O movimento nesta zona de Lisboa, que se prolonga por Santa Catarina, pela Bica e chega ao Cais do Sodré, tem hoje um turismo pujante. E ainda bem! Espreitei o Alfaia, mas já nem tinha os "lombinhos à indiana" na lista afixada na porta. Confirmei que a Tasca do Manel e o vizinho Fidalgo estavam fechados, o mesmo era verdade para o Pap'Açorda e o Casanostra. Idem para a Primavera e o 1° de maio. Não testei o novo registo do BarAlto e o Bota Alta estava de folga. Não me aventurei pela zona longínqua do Cem Maneiras ou para os lados do Farta Brutos. Aqui entre nós, este Bairro Alto, em toda a sua glória turística, é hoje uma ilha estrangeira em Lisboa. E se acho isso bem simpático, vi-me a concluir que o bairro deixou (em definitivo?) de me atrair (dizem-me que há umas lojas giras durante o dia). No fim desta breve incursão, gastronomicamente frustada, decidi ir jantar a outro lado. Ali perto, o SeaMe estava a abarrotar, a Taberna da Rua das Flores nem luz tinha, pelo que acabei na Brasserie de l'Entrecôte, por grande sorte de uma marcação de alguém que faltou à última da hora. Como dizia o Camilo de Oliveira: "isto é que vai uma crise!"

domingo, 3 de maio de 2015

Humilhação

 
Acontece há muitos anos mas, aparentemente, ninguém se preocupa com o espetáculo humilhante dos familiares e amigos dos detidos na Penitenciária de Lisboa, expostos por largos minutos à curiosidade e olhares públicos, como se lhes não bastasse o seu próprio sofrimento de afetividade.

A propósito da ditadura

Alguém, de uma geração bem mais nova, comentava comigo numa conversa o texto que anteontem aqui publiquei, sobre uma pequena e inocente "aventura" num 1º de maio. Para se mostrar surpreendido com a violência e o arbítrio da repressão política nesse tempo da ditadura, agora que está na moda absolvê-la dos crimes e interpretá-la como um tempo de "lei e ordem", em que a "paz social" reinava, onde os portugueses "viviam habitualmente", como gostava de dizer o déspota de Santa Comba. É claro que as perseguições, os presos políticos, as torturas, os assassinatos, os crimes coloniais, somados à condenação do país à miséria de décadas foram, para alguns, apenas "detalhes", como diria Le Pen sobre os campos de concentração nazis.

Às vezes, torna-se difícil explicar aos jovens os arbítrios e os métodos da ditadura. A censura da imprensa, numa era de internet e de circulação livre de informação, é, por exemplo, algo que eles têm dificuldade em imaginar e conceber.

Há semanas, numa palestra pública para um auditório de jovens, dei-lhes três exemplos muito simples, que eu pressentia que ninguém na sala conhecia. E era verdade, todos ficaram surpreendidos. Não posso é garantir se todos ficaram escandalizados.

O primeiro teve a ver com o referendo para aprovação da Constituição de 1933. Ao revelar que as abstenções contaram como votos a favor - porque quem não se opõe é porque está de acordo... - a sala caiu num espanto.

O segundo caso, que muita gente bem adulta ainda hoje desconhece, é que, nos atos eleitorais da ditadura, as pessoas levavam os boletins de voto de casa. As listas (quase sempre só uma, salvo os raros casos em que a oposição se apresentou a voto) eram entregues na residência dos potenciais votantes, pelo correio ou pessoalmente (corri as ruas de Vila Real, em horas mortas, nessa tarefa, pela oposição local, em 1969). À oposição não era dada cópia dos cadernos eleitorais e, não havendo fotocópias à época, era necessário copiar à mão os nomes e moradas de cada um, em escassas horas em que a leitura das listas era permitida. A impressão dos boletins de voto era da responsabilidade dos candidatos, ficando o votante sempre na dúvida sobre se o tipo de papel escolhido era, de facto, o mesmo e se, na hora do escrutínio, ao entregar o seu voto, não podia ficar identificada a sua opção.

Mas a maior surpresa para meus jovens auditores foi a revelação do conceito de "medidas de segurança". Para quem não saiba, o cumprimento de uma pena de prisão por "crime político" podia não significar a saída imediata da prisão. Se as autoridades viessem a considerar que havia um perigo público com o regresso do cidadão à liberdade (e mesmo em certos casos de absolvição!), podiam ser instituídas "medidas de segurança" por um período de dois anos - decisão que era renovável, sem um limite legal, o que teoricamente poderia configurar uma prisão perpétua. Leia-se esta elucidativa peça (decreto-lei 40.550) : "O caráter indefinido do internamento permite dizer àquele que o sofre que nas suas mãos está o merecer a liberdade, o que poderá ser um meio eficaz de estimular no seu espírito reações salutares"...

Era isto o fascismo. Querer branqueá-lo não é apenas uma desonestidade, é um crime. Que a democracia não pune com prisão, mas deve punir com imenso desprezo.

sábado, 2 de maio de 2015

Mota Amaral


Na vida política nacional há uma regra que, se estiverem atentos, ajuda a entender muito do que se passa no seio das formações partidárias, no ano que antecede os atos eleitorais. Essa regra é simples: a menos que se tenha uma estatura nacional que seja difícil abalar (e estamos sempre a falar de um número de casos que nunca excede os dedos de uma mão) ou um sólido apoio regional que as lideranças lisboetas não ousem contestar (o que é também um número limitado), um deputado, nesse tal período que antecede uma nova legislatura, ou mantém uma atitude de grande disciplina face ao líder máximo do partido ou arrisca-se a ficar fora das contas para integrar os futuros grupos parlamentares. Sigo há muito, com imensa curiosidade, o prudente arquivar da heterodoxia de algumas figuras, que se "amansam" e recolhem ao redil partidário dominante quando o sufrágio surge já no horizonte, com o óbvio objetivo de terem garantido o passaporte para o assento na legislatura seguinte, um seguro de vida política por mais alguns anos. E, para alguns, isto já vai há décadas...

Vem isto a propósito de Mota Amaral. Único sobrevivente da "ala liberal" (teria graça elaborar sobre este conceito de "liberal", nos dias que correm) da Assembleia "nacional" da ditadura, com anos de liderança do governo regional açoreano (onde chegou a flirtar com algum perigoso separatismo, pecadilho de que já foi absolvido), Mota Amaral estabilizou-se com grande seriedade e respeitabilidade na democracia, um pouco a exemplo de Adriano Moreira. Tendo sido presidente da Assembleia da República, com o nome a circular em tempos como possível candidato a Belém, revelou sempre um espírito de grande independência. Impoluto na sua vida privada, homem da "Opus Dei" (o seu homólogo da Madeira, Alberto João Jardim, em contraponto, confessava-se saudavelmente da "Copus Night"), Mota Amaral nunca se coibiu de dizer o que pensava e chegou a arriscar processos disciplinares por dissidência no voto. O estatuto nacional nunca o favoreceu excessivamente, o peso regional foi-se erodindo e, agora, vê-se afastado das listas para as próximas eleições legislativas.

Mota Amaral, dá hoje uma entrevista de que o DN faz mal em não ter destacado a frase mais sibilina que nela inserida. Ao ser perguntado se a sua opção religiosa terá contribuído para o seu afastamento, saiu-se com esta pérola: "Não sei se por detrás da cortina me carimbaram por ser do Opus Dei". É que, como Mota Amaral muito bem sabe, é por "detrás da cortina" de ritos persistentes e concorrentes que sempre se aventalam e arquitetam conspirações universais.

O regresso de Dias Loureiro

O amigo destaque dado por Passos Coelho à figura de Dias Loureiro, numa cerimónia em Aguiar da Beira, foi um gesto definidor de uma certa maneira de interpretar a ética política. Custa-me ver o primeiro-ministro do meu país decretar, com uma ligeireza surpreendente e quase irresponsável, a prescrição da saudável quarentena que tem vindo a envolver, na consideração pública, uma das personagens mais emblemáticas das trapalhadas financeiras do passado recente. Alguém que, por essa razão, foi forçado a abandonar o Conselho de Estado, lugar onde tinha sido alcandorado por obra e graça de quem o juízo popular também não deixou que passasse incólume, na ligação a um sinistro instituto bancário, onde prevalecia uma espécie de monopólio partidário. Nem quero crer que tenha sido uma pulsão corporativa a motivação última da fala do dr. Passos Coelho.

Mas mais do que o gesto de estender de mão a Loureiro, o dr. Passos Coelho teve o desplante de o chamar à colação quase como paradigmático de um mundo de negócios que considerou destacável, quase exemplar. Esta absolvição política revela muito de uma certa forma de viver a política, porque põe a nu o referencial que serve de medida a um modo de estar no serviço público. Porquê? Porque nos permite antecipar a potencial complacência que poderá vir a ser assumida face a outros pecadilhos que o futuro vier a revelar. E, se isto é trágico para a democracia portuguesa, é também muito triste para uma classe política cuja regeneração é hoje uma exigência popular.

Todos os partidos - embora uns mais do que outros, como os exemplos confirmam - são suscetíveis de acolher no seu seio figuras que deles se aproveitam, em causa própria, para negociatas e vantagens patrimoniais, à revelia das regras da moral de comportamento. Não há nenhum antídoto eficaz para isto, mas há três regras que me parecem emergir como evidentes.

A primeira, prende-se com a necessidade da assunção de uma filosofia pública de denúncia firme e tipificada de certos comportamentos, da traficância de influências às práticas de corrupção. Esse é um passo essencial para evitar o "vale tudo" e, por essa razão, lamento profundamente que a lei das incompatibilidades dos titulares de cargos públicos não seja bem mais rigorosa do que o que é, em especial no que respeita aos deputados.

A segunda, essencial pelas razões óbvias, é que o comportamento dos agentes políticos em exercício, no poder governativo ou nos principais órgãos dos partidos, seja, em tudo, exemplar, inatacável e sem "telhados de vidro". É difícil encontrar gente assim? Pode ser, mas há. É que, se dermos por adquirido que é possível ter à frente de um Estado figuras cujo exemplo não pode servir de referente aos cidadãos a quem se exige probidade, então é porque já "batemos no fundo". Mas, atenção!, também se dispensam, em absoluto, os "Paulos Morais" que, de sobrolho ético carregado, têm sempre a boca cheia de insinuações e as mãos vazias de provas.

Finalmente, a terceira regra: o fim do relativismo. Julgar a gravidade de um caso pelos casos dos outros é a fórmula saloia, típica de "conversa de taxista", que acaba por alargar o manto da impunidade. Afirmar que "o caso de fulano é grave mas, coitado, não se pode compará-lo com o de beltrano!" é o escape medíocre de quem, ao hierarquizar o mal, absolve e deixa escapar o mal menor para concentrar a sua indignação apenas nos exemplos mais chocantes. Toda a trafulhice económica, desde que com sólidas provas, deve ser fortemente denunciada, independentemente do seu autor ou da cor política de que ele se reivindica. Repito: desde que provado o delito, o "name and shame" dos políticos tem de ser a norma, porque a prevenção e a justiça também se faz através da evidência dos exemplos.

Um político, porque se arrogou o direito de querer representar os outros e o interesse público, não é um cidadão igual aos outros. Pode, como reivindicou um dia para si próprio o dr. Passos Coelho, não ser "perfeito". Mas tem o dever de esforçar-se por sê-lo e, em especial, não tem o direito de, levianamente, apontar como exemplo ao país quem, reconhecidamente, está já muito distante dessa perfeição. 

sexta-feira, 1 de maio de 2015

1º de maio

Vivi o meu primeiro "Primeiro de maio" na segunda metade dos anos 60. Em sítios esconsos da faculdade apareceram colados uns papéis acastanhados com a expressão "Todos ao Rossio no 1º de maio", ou uma coisa assim. Creio que também havia a indicação de uma determinada hora, Com alguns amigos, muito por curiosidade, lá fui. Era um ambiente tenso, cheio de gente que se movia sem destino, olhando uns para os outros, alguns trocando sorrisos cúmplices. Vi-me a tentar perceber quem seriam os "pides" e os PSP à paisana, que sabíamos abundarem. Passaram uns bons minutos sobre a hora anunciada. De súbito, num dos cantos da praça, junto à estação, a caminho dos Restauradores, surgiu um burburinho qualquer, berros e gente a correr. Nos segundos seguintes, detrás no Teatro Nacional, saiu a polícia de choque, parte dela atrás da turbamulta que se agitara, a restante a "limpar" o largo de S. Domingos, em cuja esquina eu estava no momento. Do lado da "Casa da Sorte" criara-se uma outra onda de agitação, que caminhava na minha direção. A Ginjinha foi o meu local de refúgio. "Meu"? Devíamos ser aí uns vinte, alguns encavalitados sobre o mármore húmido do balcão, sem coragem de pedir "uma com elas", porque agora é que iam ser "elas"! Por detrás do balcão, os da casa não ousavam exigir consumo mínimo, tentando olhar o largo por cima de nós... Por maior naturalidade que tentássemos dar ao nosso ar, estar ali era uma coisa estranha. De repente, sair da Ginjinha tornou-se imperativo. Num instante, vi-me separado dos meus amigos, empurrado a caminho da praça da Figueira. Tentei não correr. Não cheguei à praça. Um bando de PSP de bastão, plantado na estratégica esquina traseira da Suíça, não estimulava continuar por esse caminho. Pensei entrar no "Braz & Braz", mas as portas tinham-se fechado. Voltar para trás era impensável, entrar na ruela à esquerda, a caminho do Hotel Mundial, era arriscado. Por alguma razão essa artéria estava deserta. Olhei à volta. O largo de S. Domingos estava pejado de uma boa dezena de polícias. Que podia fazer? Vi uma porta aberta, entrei num prédio e comecei a subir a escada, embora com a angustiante sensação de que estava a ficar cada vez mais encurralado. Ainda me perguntei: "Mas que tenho eu a temer? Não faço parte de nenhum grupo político, não tenho comigo mais do que uma pasta com sebentas". Mas logo me dei conta de que a racionalidade da situação era de difícil perceção por parte de um cívico de bastão de borracha preto com que viesse a cruzar-me. No primeiro andar, ao cimo da escada, abriu-se uma porta. Tive um baque. Era um homem dos seus cinquenta anos (provavelmente era mais novo, mas para mim tinha já alguma idade), com ar de escriturário ou coisa parecida. Ao olhar a ansiedade da minha cara, deve ter percebido tudo. "Venha para aqui. Deixe passar algum tempo. Isto depois acalma", disse, sem um sorriso, com um olhar neutro. Entrei, grato. Era um escritório, creio que de um despachante, mas já não estou seguro. Ainda devo ter balbuciado algumas palavras, mas rapidamente me dei conta de que o ambiente não estava para grandes conversas. Alguns iam, de quando em vez, por um corredor longo, até à janela num compartimento que dava para o Rossio. Achei que o meu estatuto de "asilado" não me dava o direito a partilhar esse "voyeurisme", pelo que me mantive sentado na cadeira que me tinham oferecido (nos dias de hoje, estaria a consultar o iPhone, pela certa). Não sei quanto tempo passou, pareceu-me muito, mas deve ter sido pouco mais de um quarto de hora. O meu hospedeiro, que manifestamente tinha um ascendente na sala, a qual, aliás, dava ares de estar prestes a encerrar, disse-me, a certa altura: "Acho que já pode ir. As coisas acalmaram". Agradeci e vi os outros ocupantes do escritório olharem para mim, com o que me pareceu ser uma completa indiferença. Ou seria outra coisa, não sei. Não houve sequer um sorriso, embora eu quisesse crer que era uma silenciosa cumplicidade. Porventura triste e resignada. A rua, de facto, estava livre. Já só se viam uns PSP em farda normal, de cor cinza. Cheguei ao Martim Moniz onde apanhei o elétrico até ao Chile e, depois, o "dez" para os Olivais. Terei contado a "aventura" em casa? Não sei. Tinha vindo para Lisboa para estudar, não para estas guerras.

Hoje é o "Primeiro de maio". Se calhar, vou beber uma ginjinha ao Rossio.

(Dedico este post, escrito depois da meia noite, ao Afonso Camões. Só ele percebe porquê)

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Sampaio da Nóvoa

Sem surpresas. O lançamento da candidatura de Sampaio da Nóvoa correu bem e não trouxe a menor surpresa. O que é bom e é mau.

O candidato projeta serenidade e seriedade. Com facilidade, sabe-se ao que vem. Pressente-se aquilo a que, se for eleito, será sensível e atento. Fica evidente que, com ele, o país terá em Belém uma referência ética. Sampaio da Nóvoa é, por ora, o candidato de um país ultrajado com o descaso da governação que a (falta de) sorte nos trouxe em rifa. Pretende reconciliar o país com a política, embora para isso percorra a linha muito fina e arriscada do distanciamento dos partidos, que historicamente foi pasto para algumas derivas menos felizes. Mas é um homem que, não sendo ainda íntimo do país, oferece confiança. Falo por mim.

Do que não gostei no lançamento da candidatura? Dos presentes. Ter uma sala cheia de cabelos brancos ou coloridos, de reservistas da política, de "has-been", daqueles a quem as reformas foram cortadas, dos que sofrem as agruras das quebras do Serviço Nacional de Saúde, dos que se escandalizam e penam com as discricionaridades na justiça e no fisco, dos que assistem indignados ao caos na educação, dos que têm familiares desempregados ou emigrados, enfim, dos indignados com as "trapalhadas" - isso é demasiado fácil e não faz (ainda) uma candidatura. Estava ali muito do anti-cavaquismo, da revolta contra as manigâncias dos que se deliciaram para além da "troika", mas isso não chega. Gostava que o lançamento desta candidatura tivesse mobilizado gente mais nova, quadros em faixas etárias ativas, de uma sociedade civil que vá muito para além do (óbvio) serviço público. Enfim, gostava de ter visto Sampaio da Nóvoa mais ao lado do futuro do que de um presente indignado. Como é o meu caso.

Ah! E faltou Eanes, claro. Não é general para essas guerras. Estão lá Soares e Sampaio? Ele não, reservar-se-á para outros momentos. O único ex-presidente que o candidato escolheu como referente moral só emprestará as suas cinco estrelas a ocasiões especiais, onde o palco seja só seu. Mandatário nacional? Patético, mas também sem surpresas.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Varoufakis


Muitos se alegrarão, por essa Europa liberal, com a humilhação sofrida pelo ministro grego das Finanças, ao perder o papel de principal interlocutor do seu país nas negociações com as instituições europeias, embora não tenha ficado muito claro se deixará igualmente de o ser com o FMI. 

Acho triste ir-se por aí, como observo no gozo saloio de alguns comentadores domésticos. Para mim, Varoufakis continua a ser o ministro de um país em dificuldades e em sofrimento, de uma Grécia pela qual tenho o maior respeito e simpatia. A eleição do Siriza e o seu novo governo representam, muito simplesmente, uma escolha eleitoral de desespero por parte de quem se cansou de eleger rotativamente a Nova Democracia e o Pasok, que conduziram o país ao Estado a que chegou. Esses foram, durante muitos anos, os interlocutores privilegiados das instituições europeias - e viram-se os resultados... O eleitorado grego, farto dessa receita, tentou escolher uma outra filosofia, titulada - e é bom que isto se diga, porque poucos o têm feito - por quem tinha e tem as mãos limpas das negociatas que arruinaram o seu país.

Mas voltemos a Varoufakis. Ele arriscou muito e cometeu alguns erros graves, o principal dos quais terá sido o de não saber medir, com prudência, até onde a sua "coreografia" poderia acabar por prejudicar a própria capacidade negocial do seu país. É verdade que os seus colegas no Eurogrupo não facilitaram as coisas, isolando-o e conduzindo cada vez mais a uma radicalização da sua atitude. Na reunião de Riga parece que se terá passado o "point of no return". Mas um negociador tem de ter "nervos de aço" e não se deixar arrastar pelas provocações alheias, também sabendo medir até onde pode levar as suas.

No terreno diplomático, as pessoas representam um país ou uma instituição, assumindo a cara dos seus interesses. A experiência internacional ensina que é vital conseguir manter um terreno mínimo de entendimento pessoal, mesmo com os nossos maiores adversários e até com aquelas pessoas que somos levados a detestar e mesmo a desprezar. Varoufakis terá descurado essa vertente e, por exemplo, ao faltar ao jantar informal que reuniu os seus colegas, por muito ofendido que pudesse estar (leia-se o seu blogue, onde cita Roosevelt, dizendo que os colegas o "odeiam"), deixou que a dimensão pessoal suplantasse a razão pela qual estava ali: defender os interesses do seu país. Em diplomacia, "engole-se sapos" com muita frequência, e isso não é nada agradável - e sei bem do que falo. Mas, repito, não somos nós quem ali está, é o país que representamos. Não perceber isto e colocar o orgulho à frente do serviço público é um erro muito grave.

Dirão alguns que o "estilo" de Varoufakis fazia parte da sua estratégia negocial. Escrevi por aqui, há pouco tempo, que se acaso a tática negocial titulada pelo ministro grego viesse a ter sucesso eu reveria, com gosto, tudo quando quatro décadas de diplomacia, nomeadamente europeia, me tinham ensinado. Infelizmente, eu não estava enganado, como também me parecia óbvio, e aqui ficou escrito, que se estava a começar a criar um "gap" entre Varoufakis e o seu primeiro-ministro. Por uma razão muito comezinha: pela falta de resultados.

Varoufakis fez o que devia fazer - dirão alguns radicais caseiros, para quem é cómodo ser espetador à distância da tragédia grega. Não é verdade! Não fez o que lhe competia fazer, não obteve resultados e a prova provada é que foi agora substituído numa atividade central daquele que era o seu mandato. Como acontece com todos os diplomatas (e quem negoceia internacionalmente, mesmo sendo político, exerce diplomacia), quem não consegue os objetivos a que se propôs afasta-se de cena e dá lugar a outros, tanto mais que soluções muito diversas só podem ser assumidas por caras novas. 

Mas também posso imaginar que, em certos setores do Syriza, se acaso o compromisso que os novos negociadores vierem a obter for considerado insuficiente ou "recuado", Varoufakis passe a tornar-se um ídolo. Tal como já é um ícone sexual para algumas amigas minhas, sei lá bem porquê! 

terça-feira, 28 de abril de 2015

Memorabilia diplomatica (XXIX) - "Godfather-in-law"


97,7% dos votos é um resultado interessante. Foi quanto o presidente Nazarbayev obteve nas eleições presidenciais no Casaquistão neste domingo, permitindo-lhe prolongar-se até 2020 na chefia do Estado, que detém desde 1989. De assinalar a humildade que demonstrou, ao dizer que seria "antidemocrático" estar a apresentar um resultado menos esmagador, apenas para agradar às democracias ocidentais. Tem razão: seria um insulto à vontade popular tão inequívoca que o elegeu autorizar uma "retocagem" naquela cifra. E até me interrogo: como seria possível fazê-lo, num país que aplica (creio que é o único, mas não estou seguro) um original sistema de voto eletrónico criado pela Bielorrússia, outro bastião da democracia, quantas vezes também tão injustiçado pela comunidade internacional?

Há já algum tempo, estive uns dias no Casaquistão. Essa deslocação foi acompanhada pelo embaixador casaque Rakhat Aliyev, o qual, curiosamente, era nem mais nem menos do que o genro do presidente (neste tipo de países, o acesso à carreira diplomática tem caminhos sobre os quais é ocioso elaborar). Recordo que, entre a capital tradicional, Almati, e a nova capital, a "Brasília" local, Astana, viajámos no luxuosíssimo avião privado da família presidencial do Casaquistão, onde a (então) mulher do meu colega, filha de Nazarbayev, era uma das pessoas mais ricas - o que também é uma coincidência que pode sempre ocorrer, em particular num país tão ricamente marcado pela cultura mercantil da Rota da Seda que por lá passou. Hoje, não obstante as suas flutuações negativas, é o petróleo que continua a encher os cofres locais, públicos e privados. Aqui entre nós, devo dizer que, nunca como naqueles dias no Casaquistão, se me aplicou melhor o rótulo de "esquerda caviar" com que alguns amigos às vezes me mimoseiam, neste caso acompanhando com o magnífico "Snow Queen", um vodka local que, no meu modesto parecer, é um dos melhores do mundo.

Nunca esquecerei a experiência da subida à imensa torre no centro de Astana e a música do hino do país que soava quando, na sala do topo do edifício, colocávamos a nossa mão numa metálica "mão de Nazarbayev". Imagino que, num outro sentido, o meu colega casaque, genro do presidente, terá, alguns meses mais tarde, pressentido também a longa "mão" de Nazarbayev quando teve de se refugiar e entrar na clandestinidade no estrangeiro. É que as relações com o sogro ter-se-ão deteriorado ao ponto do genro correr perigo de vida - seguramente uma preocupação exagerada, embora não tivesse sido entendida como tal pelos serviços secretos ocidentais. A verdade é que para tal zanga não deve ter ajudado nada o facto do meu colega ter decidido publicar um livro que, embora travestido de novela, denunciava, com abundância de pormenores, as atrabiliariedades políticas do sogro. E este, coitado!, é capaz de ter ficado ofendido com o malandro (mas fantástico) título: "Godfather-in-law"*...

*para quem não for muito familiarizado com o inglês diga-se que "godfather" significa "padrinho", remetendo para a mafia, e que o título do livro consegue um trocadilho com "father-in-law", que significa "sogro". Mas, igualmente, a palavra "law" - "lei" - não deixa de poder também surgir propositada.

Diplomacia democrática


A diplomacia portuguesa, em tempos de democracia, tem sido bastante preservada das flutuações e dos ciclos políticos. Salvo casos pontuais, em que a titularidade das Necessidades foi raptada por baixas “vendettas”, a emergência de novos governos não conduz, em geral, à mudança de embaixadores ou de chefias nas Necessidades. Esta salutar prática, que muito nos prestigia perante o mundo, foi inaugurada por Mário Soares em 1974 e muito contribuiu para transformar a política externa numa verdadeira política de Estado, que tradicionalmente se situa para além das clivagens partidárias.
O cumprimento dos mandatos tornou-se, desta forma, uma regra habitual no nosso aparelho diplomático. Contudo, também não é de estranhar, que, chegado o momento em que haja que substituir as chefias que herdaram, os novos governos optem por colocar, em determinados postos mais estratégicos, figuras do quadro diplomático que entendam que melhor podem levar à prática as suas orientações. E, aqui ou ali, alguma proximidade pessoal, ou mesmo política, acaba frequentemente por se refletir nessas escolhas. Nunca esta orientação foi, aliás, posta em causa no passado.

A razão por que trago esta questão a terreiro prende-se com uma situação particular que se vive no Ministério dos Negócios Estrangeiros.
Anuncia-se, neste fim de mandato, um importante movimento de embaixadores, decidido pelo atual ministro. Não conheço, nem me interessa conhecer, as escolhas feitas, mas pergunto-me se não seria “fair” aguardar pelo governo que sairá das eleições de outubro para proceder a tais mudanças, tanto mais que não existe nenhum quadro temporal que obrigue a que essas alterações se façam necessariamente agora. Recordo que, no passado, isso foi feito, tendo o principal partido da oposição sido consultado quando houve lugar a nomeações próximas de atos eleitorais. Este problema, aliás, deveria preocupar o senhor presidente da República, que nesta matéria terá a última palavra.
Mas há ainda uma outra questão, de sentido similar, que me parece também muito preocupante. Ela prende-se com a hipótese deste governo poder ser tentado a intervir na recondução ou substituição de adidos e conselheiros técnicos que estão hoje colocados em missões multilaterais e em certas embaixadas. Trata-se, neste caso, de quadros que não pertencem à carreira diplomática, destacados de diversos departamentos ministeriais. Tomar agora decisões sobre o futuro desses técnicos significa privar os futuros titulares de ministérios de usufruírem da mesma liberdade de escolha dos seus antecessores.
Tenho o ministro Rui Machete por uma personalidade política respeitadora das regras da diplomacia democrática. Espanta-me que queira agora vir a subscrever mudanças de pessoal que sabe que vão repercutir-se fortemente num futuro que, em princípio, já não lhe caberá gerir.

A hipótese de uma alternância política obriga à observância de regras que, nem pelo facto de não estarem escritas, deixam de ser essenciais à convivência democrática. Preservar o equilíbrio e o respeito pelo espaço de afirmação decisória dos opositores faz parte do espírito essencial das instituições. E, já agora, do 25 de abril.
(Artigo que hoje publico no "Diário Económico")

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Cansaço?



- Andas cansado do blogue?

- Por que é que perguntas? Nota-se muito?

- Claro que se nota! Vejo-te mais irritado, colocas coisas antigas, parece que estás cada vez mais sem paciência.

- Talvez tenhas razão. Tenho imenso que fazer e o blogue, em alguns dias, torna-se um pouco pesado.

- Por que não interrompes uns tempos? Ou não diminuis o ritmo? Tem mesmo de ser diário?

- Não tem de ser, mas habituei-me a isso, há mais de seis anos. É quase um vício!

- Pois é, mas há vícios maus, como sabes.

- Vou pensar nisso.

- Pensa mesmo, mas livra-te de suspender o blogue, ouviste?!

(Conversa com um amigo, ontem)

domingo, 26 de abril de 2015

"Evasões"


Nas últimas sextas-feiras de cada mês, escrevo na magnífica revista "Evasões", que é agora distribuída gratuitamente com o "Diário de Notícias" e o "Jornal de Notícias", uma página com apontamentos apreciativos sobre um restaurante. Nela assino como "gastrófilo", que é exatamente aquilo que sou e pretendo continuar a ser - alguém que aprecia uma boa refeição, sem necessariamente se reivindicar da qualificação de especialista na arte gastronómica, que deixo para quem verdadeiramente sabe.

É meu objetivo procurar destacar restaurantes que, não sendo "topo de gama", são excelentes "utilitários" e oferecem uma boa relação qualidade/preço, pelo que o trabalho dos seus proprietários e empregados merece ser sublinhado e apoiado. 

As crónicas podem ser acompanhadas no meu (errático) blogue "Ponto Come".

sábado, 25 de abril de 2015

Dia da Liberdade


Hoje, 25 de abril, dia da Liberdade, libertei-me pela primeira vez da "obrigação" de escrever diariamente neste blogue. Alguma vez havia de ser...*

* A menos que esta nota sirva de post...

sexta-feira, 24 de abril de 2015

O empregado

"Temos uma situação de mais emprego, melhor emprego e menos desemprego" mente um senhor que o Estado emprega como Secretário de Estado para o dito.

Abril no feminino

41 anos depois da Revolução, é muito triste verificar que só 31 mulheres acederem a cargos de ministro em Portugal. Os homens foram 498.

O machismo é uma nódoa neste abril.

Questões incómodas


É dos livros que o comentador dá a sua opinião, na esperança de convencer o leitor. Não é o caso deste texto. Tenho apenas duas questões. Aliás, incómodas.

Nos últimos dias, todos fomos abalados pela tragédia humanitária no Mediterrâneo. Assistimos aos esforços dos dirigentes europeus para montarem uma operação que, simultaneamente, abra as portas da Europa a um número limitado de migrantes que lhe chegam do norte de África, somada a medidas restritivas ao tráfico de pessoas que, praticamente todas as noites e desde há anos, tentam dar às costas do eldorado continental em que vivemos, para atravessar a fronteira da miséria.

De certo modo, é uma decisão “envergonhada”: procura evitar-se a repetição das tragédias mas, no fundo, o que se tenta é pôr cobro à entrada desses migrantes. Como “compensação”, cria-se uma espécie de quota, que sossega as consciências. É esta a solução possível? Haveria outra? Deixar entrar toda a gente? Não sei.

Se olharmos bem para a origem geográfica destas migrações, facilmente concluiremos que é a permissividade da costa da Líbia que hoje as favorece. Naquele país não existe algo a que possamos chamar um Estado, pelo que os cidadãos da África subsaariana que o atravessam têm bem melhores condições do que as que existiam no tempo de Kadhafi para se entregarem às mãos dos traficantes, para as suas sinistras jornadas marítimas. Recordo que fomos “nós”, a Europa, quem liquidou Khadafi.

Daqui decorre a segunda questão, a que também não sei responder.

A rejeição das barbáries de Saddam Hussein sobre o seu povo estiveram por detrás da justificação do seu derrube. Desaparecido o ditador, o Iraque e a região caíram num caos e, centenas de milhares de mortos depois, ali se abriram as portas para o sinistro Estado Islâmico.

No Egito, todos olhámos com esperança para a “primavera árabe” que emergiu da praça Tahrir, que derrubou Mubarak e possibilitou eleições. Depois, foi o que se viu: a experiência democrática levou os radicais islâmicos ao poder, os quais, de imediato, tentaram hegemonizá-lo. Regressaram os militares e o mundo ocidental parece hoje aceitar, embora de sobrolho democrático cerrado, o novo regime ditatorial.

Quem é que quer responder a esta questão? É preferível conviver com um ditador, por mais sinistro que seja, que preserve uma estabilidade nacional e regional pela força ou, por um proselitismo democrático, devemos arriscar abrir as portas ao caos?

Temo que, um destes dias, venhamos a ser tentados a repetir a frase de Franklin D. Roosevelt sobre o ditador nicaraguense Somoza: “Ele pode ser um filho da puta. Mas é o nosso filho da puta”.

(Artigo que hoje publico no "Jornal de Notícias")

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Confiança

Ontem, ouvi na televisão o presidente do Montepio Geral afirmar, com plena e determinada convicção, que os respetivos depositantes podem, em absoluto, estar descansados quanto à possibilidade de terem os seus depósitos e aplicações garantidos.

Há uns anos, uma afirmação destas, feita com toda esta solenidade, dar-me-ia uma imensa garantia. Eu ficaria sossegado quanto aos riscos que estava a correr e, em especial, determinaria as minhas decisões fortemente ancorado nestas "rassurantes" declarações.

Porém, ao ouvi-las ontem, a minha primeira reação foi precisamente oposta: "se ele se sente na obrigação de vir a público dizer isto, é porque alguma coisa vai mal". 

Há uns meses, todos assistimos a declarações de importantes titulares de cargos políticos a dar garantias solenes de que o BES era uma entidade acima de toda a suspeita de insolvência. Depois, foi o que se viu.

Mais tarde, assistimos a afirmações perentórias a assegurar que os portugueses não gastariam "um único euro" com a solução dual mau/bom banco. Hoje já todos perceberam que, salvo um improvável "milagre das rosas", o contribuinte português vai ter de esportular algum para a fatura final daquela imaginativa "engenharia financeira".

Cada vez mais, os portugueses estão a habituar-se a olhar a realidade político-financeira como olham as declarações dos dirigentes do futebol sobre a estabilidade dos treinadores: está tudo bem, até ao dias em que esteja tudo mal.

Muitos olharão para isto com um sorriso irónico. Como se de uma inevitabilidade se tratasse. Eu acho que isto é uma imensa tragédia.

A Rússia em Bruxelas

Para o influente comentador do "Financial Times" Wolfgang Munchau, uma eventual saída da Grécia do euro, se viesse a ser acompanhada de uma ajuda financeira da Rússia ao país, traduzir-se-ia numa verdadeira "compra" por Moscovo de um lugar no Conselho Europeu. Sendo um cenário hipotético e longínquo, não deixa de suscitar a importante questão sobre o que poderá vir a suceder se um membro da União vier a criar dependências ou razões estratégicas para se colocar numa posição contra ou independente do "mainstream" das orientações comunitárias. A União Europeia ainda nos pode trazer muitas surpresas.

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Pires de Miranda e a diplomacia económica


Era um cavalheiro urbano e elegante, com mundo, inteligente e sabedor das coisas económicas, com um sorriso social algo distante, mas de trato pessoal simpático. Pelo menos, foi essa a imagem que dele guardei do escasso tempo em que foi ministro dos Negócios estrangeiros, quando Cavaco Silva chefiava o governo, bem como dos poucos contactos anteriores e posteriores que com ele tive. Já antes havia sido ministro do Comércio e Indústria e presidente da Comissão de Integração europeia. Profundo conhecedor do mundo dos petróleos, havia também sido nomeado "embaixador político", para especificamente tratar dessa questão. Nasceu em 1928 e morreu ontem.
 
Na sua breve passagem pelas Necessidades (1985-87), deu sempre ares de estar sempre algo desconfortável no seu papel. Na gíria da casa, atendendo à sua formação, era conhecido como o "petroleiro", sendo então chamado "cacilheiro" ao seu secretário de Estado da Cooperação, o comandante (da Marinha) Eduardo Azevedo Soares.
 
Embora nunca tenha tido a certeza de quem foi o verdadeiro "pai" da ideia, foi com Pires de Miranda na chefia da diplomacia que se processou uma das mudanças estruturais mais polémicas que o MNE sofreu. Tratou-se da eliminação da Direção-geral dos Negócios económicos, que foi fundida com a Direção-geral dos Negócios políticos, para dar origem à Direção-geral dos Negócios político-económicos, de que viria a ser titular José Cutileiro, também "embaixador político". Esta reforma acabou por fazer desaparecer parte significativa da dimensão económica do MNE, que acabou por ser claramente ultrapassada pela dimensão política, numa casa onde, como costumo dizer (para desagrado de muitos), o tropismo natural é para "mais Kosovo e menos batatas". Só não esperava isto quem desconhecesse o MNE. Concedo que a ideia parecia teoricamente boa: dar maior coerência ao tratamento integrado dos espaços regionais. Mas falhou redondamente e a máquina diplomática portuguesa sofreu imenso com isso. 
 
Anos mais tarde, procurar-se-ia corrigir a medida com a criação do Gabinete de Assuntos Económicos (GAE) e, mais tarde, da Direção-geral dos Assuntos Técnico Económicos (DGATE). Com o governo que agora cessa funções, a machadada na dimensão económica do MNE seria definitiva: a DGATE foi extinta, a AICEP "pareceu" integrar o MNE por algum tempo, isto é, até ao momento que Paulo Portas, irrevogavelmente, a levou no seu bolso político para o palácio das Laranjeiras, como veículo para o seu saltitar entre aeroportos, na versão moderna do "Oliveira da Figueira", a promover os nossos produtos. Conjunturalmente pode ter sido um remendo útil, institucionalmente é mais um desastre.
 
Volto ao engenheiro Pedro Pires de Miranda (na foto, à direita, com Jacinto Nunes e Mota Pinto), para aqui deixar registada uma sentida nota de pesar pela sua desaparição.   

Os comentadores económicos

Com o debate que aí vai sobre o documento económico apresentado pelo PS, dei-me conta de que há dois grupos bem distintos de comentadores: aqueles que são "próximos dos socialistas" e os "independentes". 

Não faltará ninguém?

Memorabilia diplomatica (XXVIII) - Lei seca


Lembro-me como se fosse hoje, e já passaram cerca de quatro décadas. Levámos aquela delegação líbia a jantar ao "Faz Figura", que estava então muito na moda. À mesa, notámos que nenhum deles tocou em álcool, optando por sumos ou água mineral. Um grande contacto posterior com muçulmanos veio a ensinar-me que a leitura dos ensinamentos do Corão, no tocante às bebidas alcoólicas, é muito variável. Na Líbia, Mouammar Khadafi tinha proibido, em absoluto, a importação e o consumo de álcool. Por essa razão, não estranhei a atitude coletiva do grupo.

No dia seguinte, um dos motoristas que nos acompanhava na ronda de visitas empresariais e institucionais à delegação líbia, deixou cair: "Sabe que a noite de ontem foi longa, senhor doutor...".

Não percebi. Tínhamos saído do restaurante bastante cedo! Entre risos, ele explicou: "Os líbios sabem "da poda": pediram-nos logo para ir ao Tamila. Alguns saíram de lá "aos bordos"! E a festa continuou no hotel!" Não cuidei de saber mais pormenores.

Onde estarão hoje esses líbios?

Democracia(s)


Contado por um amigo alemão, num jantar na noite de ontem.

Falava ele com um militar e fez-lhe notar que era incoerente que um exército moderno mantivesse uma estrutura interna quase "ditatorial", com uma pressão hierárquica esmagadora e uma pressão psicológica sobre os soldados às portas da violência e da humilhação.

O militar foi muito claro: "Nós existimos para proteger a democracia, não para a praticar".

Ficou tudo dito!

terça-feira, 21 de abril de 2015

Os penduras

Este blogue está aberto à crítica, nela se incluindo, naturalmente, a expressão de posições contrárias àquelas que são defendidas nos seus posts. Espero, assim, poder continuar a acolher nos comentários as opiniões de quantos decidam exprimi-las.

O que este blogue não está aberto é a servir, no espaço para comentários, para mera colagem de extratos de sites, blogues ou outros veículos de opinião, aqui colocados por quem não diz o que pensa e se limita a "pendurar" as ideias dos outros.

Preconceitos

Devo confessar que sou um pouco preconceituoso: estava intimamente à espera que a maioria cessante viesse dizer mal das propostas económicas apresentadas pelo PS. É um defeito meu não acreditar num mínimo de abertura de espírito daquela gente. Reconheço isso! 

Em que posição é que eu ficaria se as propostas tivesse sido acolhidas como uma contribuição positiva e construtiva para o debate económico nacional? Qual seria a minha reação se os porta-vozes do poder de turno tivessem vindo a terreiro dizer que saudavam algumas das ideias agora propostas e, em especial, se se mostrassem dispostos a discuti-las e a encarar, à luz de uma serena abertura de espírito, uma revisão das suas próprias ideias? Nem quero pensar no que seria a minha cara de contumaz preconceituoso!

Felizmente, a maioria "arrasou", em poucos minutos, as propostas do PS! Se eu ainda fosse mais preconceituoso do que já sou, diria que mal tiveram tempo para ler o que foi divulgado. E, se o cúmulo do preconceito fosse mesmo o meu maior defeito, era capaz de afirmar que, fosse qual fosse o conteúdo das propostas, a reação desta ex-maioria que está de saída seria basicamente a mesma.

É o que dá ser preconceituoso! Nunca mais aprendo!

Olha!


Ontem, ao (re)ler o "Só", de António Nobre (para o que me dá!), deparei com este extrato do poema "A vida":

(...)

Olha essas rugas que têm certos diplomatas!
Olha esse olhar que têm os homens da política!
Olha um artista a ler, soluçando, uma crítica...
Olha esse que não tem talento e o julga ter
E aquele outro que o tem... mas não sabe escrever!

(...)

Paris, 1891

Richard Anthony

 
Nunca soube bem porquê, mas o "Ce Monde" disse-me sempre muito.
 
Por isso, mais do que o "C'est ma fête", do que o "Tchin tchin" ou do "Donne-moi ma chance", é dela que me lembro mais, no dia em que o Richard Anthony desapareceu. E por que será que sei ainda, de cor, as letras patetas de todas estas canções? 

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Gente a sul da sorte


A ideia de que centenas de pessoas morreram afogadas num porão de um navio, no meio do Mediterrâneo, quando tentavam chegar às costas europeias, em busca de um futuro distante da miséria das suas origens africanas, é um murro no estômago de todas as pessoas com consciência.

Como sempre acontece perante casos destes, as boas almas europeias sobressaltaram-se, na maioria dos casos, presumo, com real sinceridade. E, para darem um ar "operacional", as autoridades anunciaram logo vão fazer reuniões de emergência e coisas de igual quilate (e talvez um "rigoroso inquérito", como por cá é moda...) 

Não quero ser cínico, mas não consigo deixar de perguntar: o que é que vão fazer? Já sei que a resposta vai ser "lutar contra as máfias do tráfico de pessoas", que vivem à custa da exploração daquela pobre gente, com travessias de imenso risco. 

Até aí estamos todos de acordo. E depois? Está a Europa disponível para acolher no seu solo os muitos milhares de africanos que chegam às costas da Líbia (onde hoje não há Estado)? E quantos? E como os distribui? Ou será que se está apenas a aproveitar esta indignação para, através do pretexto da luta contra as máfias, tentar, afinal, evitar que os africanos entrem no continente europeu? Será que a Europa está disponível para dar uma solução de vida a essa gente? Ou será que apenas pretende um modelo como aquele que existe em Ceuta, com centenas de pessoas penduradas nas redes de metal que encerram a primeira praça da nossa expansão? Não será isso, lá no fundo, o "sonho" europeu?

A Europa tem de ter a coragem de dizer, alto e bom som, sem eufemismos, que não tem condições para receber milhares de cidadãos oriundos de Estados africanos (e outros) que se revelam incapazes de dar condições de vida decentes a essas pessoas. E tem de ter a frontalidade de dizer que, apesar dessa gente passar por lá fome, violência e imensas provações, não está disposta a abrir-lhes as suas portas. Mas tem de assumir isto, caramba! Andar com discursos piedosos a "fingir que faz" é de uma imensa hipocrisia política. 

O que a Europa podia fazer, e não faz, é promover políticas decentes e eficazes de cooperação para o desenvolvimento nos Estados emissores de emigrantes, que fossem estímulos para a fixação das populações. Basta consultar as conclusões das cimeiras entre a UE e os países africanos para se ter um completo e bem elaborado catálogo do que nelas se proclamou, assinou e não se cumpriu.

Memorabilia diplomatica (XXVII) - Um charuto e um cognac


Era um diplomata bastante atípico, como algo atípica tinha sido a sua carreira. Solteiro e "loner" por opção, o 25 de abril apanhou-o no estrangeiro e o facto de se ter mantido sempre em postos distantes da Europa, bem como a circunstância de viver desligado da escassa família que tinha em Portugal, não ajudava a que conhecesse bem a especificidade dos conflitos políticos que marcaram os nossos agitados anos 70 e se refletiam sobre o ambiente nacional.

Um dia, Mário Soares chegou ao país em que ele estava estava colocado como embaixador. Ia na sua qualidade de líder do PS, que estava então na oposição, para uma reunião da Internacional Socialista, acompanhado de Maria Barroso.

O embaixador tinha ido buscá-lo ao aeroporto. No carro, a caminho do hotel, para fazer conversa, Soares disse algumas generalidades sobre a situação política em Portugal. Corria o ano de 1980. Sá Carneiro era primeiro-ministro do governo da Aliança Democrática (PSD/CDS), Ramalho Eanes presidente da República. O embaixador, contudo, não parecia muito interessado na situação interna de Portugal, mas lá foi deixando uns comentários esparsos, sempre vagos e de circunstância. Preenchia, com esse comportamento, o "cliché" e a caricatura de uma certa carreira que então havia.

A certo passo da conversa, Soares, tendo-se dado conta de que o representante diplomático português estava muito distante da complexa situação interna, deixou uma nota de tonalidade pedagógica.

- Sabe, senhor embaixador? Vivemos em Portugal tempos muito difíceis. As relações entre o presidente da República e o primeiro-ministro são hoje muito tensas. Eu próprio, como saberá, tenho uma relação complexa com o general Ramalho Eanes. E, com o dr. Sá Carneiro, as coisas também não estão brilhantes.

É então que o embaixador, parecendo sair de outra galáxia, avançou com esta:

- Bom, nós sabemos que as coisas, na prática, não serão exatamente assim. Mas percebe-se que a ideia de que esses conflitos existem é essencial para animar a vida democrática, para alimentar os jornais e os comentadores. Mas estou em crer que os senhores, não obstante as divergências que os possam separar pontualmente aqui ou ali, mantêm, como em muitas democracias modernas, um espaço para um entendimento de fundo e para um bom relacionamento pessoal. Por isso, não me admiraria nada se, por vezes, ao final do dia, o dr. Mário Soares, o dr. Sá Carneiro e o general Eanes, se encontrassem para um charuto, à volta de um cognac e de uma boa conversa. E também entendo que o não queiram revelar. Estão no seu pleno direito.

Mário Soares deu um salto no banco do carro!

- Um charuto e um cognac?! Ó senhor embaixador. Eu nunca me encontraria com o dr. Sá Carneiro às escondidas! E muito menos com o general Eanes. Mas o senhor embaixador faz ideia do que é Portugal nos dias de hoje?

O embaixador balbuciou alguma coisa, Soares bufava, Maria Barroso abafava uma elegante e discreta risada  e um silêncio pesado caiu sobre o carro. A despedida entre Mário Soares e o embaixador, à porta do hotel, não foi das mais calorosas, "to say the least".

domingo, 19 de abril de 2015

Etiópia


Há dias, ao olhar o catálogo da exposição - que imagino excelente! - organizada sob o patrocínio do embaixador português em Adis Abeba, António Luís Cotrim, sobre a fase contemporânea das relações entre Portugal e a Etiópia, que agora fazem 500 anos (!), descobri, na respetiva capa, a fotografia que me faltava. Eu explico.

O anedotário popular português durante a ditadura, era feito de pequenas historietas, que se pretendiam ridicularizadoras do regime e das suas figuras. Vistas à luz do humor de hoje, essas graças têm uma inocuidade quase infantil. Mas, à época, repetidas à boca pequena nos empregos e nos cafés, constituiam-se como um subtil discurso de resistência, denegridor da seriedade formal com que as personagens do poder sempre gostam de se revestir.

Uma dessas anedotas dizia respeito à chegada a Portugal, em 26 de julho de 1959, do imperador da Etiópia, Hailé Selassié. Esta visita de Estado, integrada numa frustrada sedução de líderes "do sul" para amenizar a pressão internacional sobre a política colonial portuguesa, processava-se cerca de um ano depois da grande "chapelada" eleitoral que havia colocado o contra-almirante Américo Tomaz no palácio de Belém. O sufrágio havia sido comprovadamente recheado de fraudes, o que, para muitos, terá inviabilizado a eleição do candidato opositor, o general Humberto Delgado. Por essa razão, a legitimidade política de Tomaz, como presidente, era, à época, ainda muito contestada em largos setores portugueses.

O Negus, com um capacete esplendoroso coberto de penas, foi recebido no Cais das Colunas, em Lisboa, em "grande estadão", pelo novo presidente da República, este com o "bicórnio" de gala. E é assim que a pequena "história" humorística regista o que teria sido o primeiro contacto entre os dois:

- Eu sou Américo Tomaz, presidente de Portugal.

- Eu Selassié (leia-se "sei lá se é")...

*Até agora, não tinha conseguido a fotografia ilustrativa do momento caricaturado. Ela aqui fica agora, imagino que extraída dos arquivos etíopes.

sábado, 18 de abril de 2015

Conversa


Uma longa e agradável conversa de mais de três horas, sintetizada com excecional arte profissional por Nuno Saraiva, subdiretor do "Diário de Notícias", ilustrada por este excelente desenho de André Carrilho, preenche quase duas páginas da edição de hoje do jornal (pode ler texto completo aqui)

A política foi o prato forte do menu deste nosso almoço, amesendados no "Poleiro", onde, há 30 anos, os meus amigos Aurélio e Manuel Martins me proporcionam o seu saber de cuidada restauração.

José Amaral


José Pena do Amaral, um homem de cultura, plurifacetado nos interesses, de extrema competência, que aprecia as coisas boas da vida e a gere com inteligência, sensibilidade e lealdade face ao valores em que acredita e aos muitos amigos que soube criar, vai dirigir a Casa da Música, no Porto.

Um forte abraço de parabéns para ti, Zé. E prometo não pedir borlas!

José Mariano Gago (1948-2015)


Morreu o José Mariano Gago.

Era um bom amigo pessoal, há mais de quatro décadas, quando nos cruzámos no associativismo académico. Voltámos a reencontrar-nos, anos mais tarde, nas lides da governação.

Na área política, deve haver poucas figuras a quem o país tanto tenha ficado a dever, pela sua patriótica lucidez, pela sua capacidade de colocar a Ciência no lugar que lhe competia, num país que sonhava voltado para o futuro.

Pelo mundo, vivi anos da "glória" de ser amigo do Zé Mariano, de quem me falavam sempre com imensa admiração: da sua inteligência, do seu brilho, da extraordinária obra feita em Portugal, do prestígio académico granjeado junto dos seus pares.

Quero deixar uma palavra muito especial para o Manuel Lousada, lá em Brasília, grande amigo comum, cujo imenso pesar, neste instante, posso imaginar.

Há pouco, fui à Estrela despedir-me do Zé. Dia após dia, começo a ficar tristemente cansado de perder os amigos.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Emergências


Na espuma dos dias, não nos damos por vezes conta de como somos subliminarmente condicionados a construir raciocínios com base em circunstancialismos que vêm a revelar-se com alguma precariedade.

Vem a isto a propósito dos "países emergentes". Por alguns anos já, assistimos à criação, no imaginário mundial, de uma espécie de deslocação inexorável do poder do velho e decadente mundo ocidental para os novos "tigres" económicos, cujas taxas de crescimento e crescente afirmação em determinadas áreas produtivas prenunciavam uma definitiva reversão dos equilíbrios de poder à escala global.

Tendo a China a servir de farol, uma “nova ordem” mundial foi anunciada, sob a pressão de níveis impressionantes de crescimento, do aproveitamento das rotas da globalização, de modelos de projeção estratégica de poder tidos por imparáveis.

Com a crise, e com o colapso das economias ocidentais, prenunciador de uma fragilidade dita irreversível, foi mesmo passada uma "certidão de óbito" ao velho G8, com o G20 (que hoje acolhe quase o dobro de países) a surgir como o modelo institucional alternativo, quase já só em busca de uma consagração institucional na ordem multilateral. Por detrás dele, os BRICS e outras “estrelas” despontavam como o eixo desse mesmo poder. Várias outras economias surgiam nesse horizonte, tido já como o do futuro, de que a Turquia ou mesmo Angola foram também heróis do dia.

A realidade, porém, tem muito mais imaginação do que os homens e, às vezes, troca-lhes as voltas.

O Brasil vive a crise que todos conhecem. A economia angolana passa por um sufoco, com a queda do petróleo. Fruto conjugado deste e de outros fatores adversos, a Rússia está em sérias dificuldades. China e Turquia, sem terem problemas de igual dimensão, e cada um à sua maneira, passam por uma redução sensível das perspetivas de crescimento e acumulam tensões políticas. E vários outros “emergentes” revelam debilidades estruturais que provam que a sustentação no tempo do seu êxito ainda não está garantida.

E o mundo ocidental? Os Estados Unidos estão a sair da crise com a economia saneada dos pecadilhos financeiros e com níveis invejáveis de crescimento e emprego. A economia europeia, não tendo a mesma pujança, mostra já uma tendência de retoma, tendo atrás de si modelos de bem-estar global e de estabilidade social que nenhum dos “emergentes” poderá, por muitos anos, vir a disputar.

Quero com isto dizer que, apesar das suas crises e limitações de competitividade, a economia euro-americana bem pode dizer, como Mark Twain, que as notícias sobre a sua morte são muito exageradas.  

(Artigo que hoje publico no "Jornal de Notícias")

Rodrigo Rato


O antigo ministro espanhol e diretor-geral do FMI, Rodrigo Rato, foi há poucas horas detido em Madrid, por acusações de improbidade.

Neste momento dramático para aquele que já foi nº 2 de José Maria Aznar, apetece-me lembrar um episódio com ele ocorrido, em 1999.

Era o dia 27 de maio. Eu estava em Paris, chegado de Londres nessa manhã, para o reunião ministerial da OCDE onde, na ausência do ministro das Finanças, Sousa Franco, chefiava a delegação portuguesa. Na véspera, na capital britânica, falando com o meu contraparte inglês, Keith Vaz, havia-me dado conta de que anteriores objeções para a nomeação de Javier Solana para Alto Representante para a Política Externa e Segurança Comum, que se sabia existirem por parte do Reino Unido (ao que se dizia, por pressão americana), tinham aparentemente "caído". Nessa manhã fora ver ao Eliseu o assessor diplomático de Jacques Chirac, Jean-David Levitte, e notara que a opção por Solana era forte. Ao almoçar, nesse mesmo dia, com o meu colega francês, Pierre Moscovici, notei que essa era também a posição do governo (vivia-se em "coabitação"...). Isto parecia tornar a nomeação de Solana irreversível.

Porém, como havia rumores de que o meu colega alemão, Gunther Verheugen, era candidato ao posto, telefonei-lhe. Apanhei-o na Bulgária. À minha questão sobre se era candidato ao cargo, deu uma gargalhada nervosa e respondeu: "Terias de perguntar isso ao Gehrard (Schroeder). Já não sei se ele ainda apoia minha candidatura. E não vou insistir...". A Alemanha estava na presidência da UE e os equilíbrios no seio da coligação SPD/Verdes eram muito complicados, com Verheugen (que viria a ser comissário europeu) a ter grandes dificuldades de relacionamento com o seu ministro, Joshka Fischer, como um dia me confessou e foi tornado público. E o apoio total do primeiro-ministro Schroeder ao seu secretário de Estado dos Assuntos Europeus, embora fossem ambos do mesmo partido, nunca foi muito evidente. Concluí que Verheugen estava, definitivamente, "out".

Fechado no quarto do hotel, somei dois mais dois e telefonei a António Gueterres. Se os espanhóis viessem a obter o lugar de Alto Representante, seriam obrigados a abandonar a candidatura de Pedro Solbes ao cargo de presidente do Banco Europeu de Investimentos. Nos equilíbrios europeus, uma coisa não era compatível com a outra. Por isso, estava aberta uma oportunidade para nós. Guterres concordou, falei em três nomes (Guterres discordou de um deles), mas pediu-me para falar com Sousa Franco sobre os outros dois. Não queria avançar com nenhum dos nomes sem ouvir previamente o seu ministro das Finanças. Na conversa comigo, Sousa Franco concordou que era uma excelente oportunidade e disse-me que Vitor Constâncio era, dos dois sugeridos, o nome mais adequado como nosso candidato. "Espero é que ele se decida a tempo", gracejou. Ficou de falar com Constâncio. Dois dias depois, este viria a aceitar ser o candidato português.

Ainda antes de jantar, o que é um milagre no "decision-making process" português, consegui ter "luz verde" para preparar a candidatura, não sem antes ter sido informado Jaime Gama (porque, nisto de hierarquias, nunca "brinquei em serviço"). Mas, naturalmente, não poderíamos avançar antes de consultarmos os espanhóis. Ainda por cima, sem ter um nome garantido. Ora eu ia jantar nas instalações da OCDE com o ministro das Finanças espanhol, Rodrigo Rato, que chefiava a sua delegação.

Recordo bem a conversa. Rato é um homem muito agradável e mostrara-se sempre cordial comigo, não obstante nos separarem muitos furos nos nossos respetivos "rankings" governamentais. Expliquei-lhe a crescente consolidação da hipótese Solana e, nesse caso, a impossibilidade da Espanha poder vir a ter os dois lugares. Rato esteve, naturalmente, de acordo. Disse-lhe então que, nesse caso, teríamos, com certeza, um nome a apresentar, mas que não podia confirmá-lo, em absoluto, pelo facto de não sabermos se a pessoa escolhida aceitaria ou não.

Guardo a resposta de Rato na minha memória: "Se a Espanha não tem candidato e se Portugal tem, posso garantir-te, desde já, o nosso apoio. A 100%!". Ainda argumentei que António Guterres falaria, no dia seguinte, com Aznar, mas Rato voltou a ser perentório: "Não preciso de consultar Aznar. Dou-te desde já o nosso apoio. Portugal pode avançar".

"To make a long story short", Constâncio acabaria por não ser escolhido, numa noite negocial complexa, num jantar a anteceder um Conselho Europeu, num palácio nos arredores de Colónia, em 3 de junho, ocasião em que Solana foi entronizado como "Sr. PESC". Mas a Espanha, nessa reunião, pela voz de Aznar foi, até ao fim, o Estado que mais defendeu o candidato português.

Nesta que é uma noite triste para Rodrigo Rato, recordo, aqui de Varsóvia, este seu gesto simpático para connosco. Que eu não esqueci.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Memorabilia diplomatica (XXVI) - A pá


Naquela Luanda dos anos 80, o Grill do Hotel Trópico era "o" local para almoçar ou jantar em Luanda. Com poucos lugares, as disputadas reservas eram difíceis e a comida pretendia-se ligeiramente sofisticada. Uns andares acima, no restaurante normal do hotel, a realidade era um pouco diferente: dias havia em que, ao almoço, era Arroz com peixe frito e, para variar, ao jantar, era Peixe frito com arroz. Claro que podia ir-se ao Hotel Presidente, mas era muito pior e muitíssimo mais caro. No Hotel Panorama, a oferta era ainda mais triste e errática. Com conhecimentos, podia reservar-se uma mesa para almoço na Escola Hoteleira ou, nos fins-de-semana, no "Pezinhos na Água", onde desisti de ir depois de uma carne de porco a saber a peixe - os porcos da Ilha de Luanda era alimentados com os restos da pesca... Às vezes, sabe-lá por que sortes, surgia um local para comer aberto em sítios improváveis, quase sempre de existência episódica, por mor da incontrolável instabilidade dos fornecimentos. Estava longe de ser fácil a vida da escassíssima restauração luandense, nesses dias de guerra civil, recolher obrigatório e fortes privações para a generalidade da população.

Como disse, o Grill do Trópico era o lugar "trendy" da cidade. Como hóspede do hotel (onde vivi mais de quatro meses), eu tivera a sorte de conseguir por lá uma "reserva permanente", circunstância invejada por meia Luanda. Verdade seja que repetir, cada dois dias, o "émincé de vitela", regado a "Corredoura", seguido inevitavelmente pelo "Bolo Trópico", não configurava o melhor dos cenários culinários. Mas, sendo as opções o que eram, não podia queixar-me.

Pelo Grill passava o "tout Luanda", embora fosse evidente que a classe político-militar dominante não era muito dada a misturar-se com a "fauna" do Trópico, feita de empresários de passagem, dos escassos diplomatas ocidentais em posto, dos tripulantes da TAP (que, pouco depois, mudaram de pouso) e alguns privilegiados com boas "cunhas" junto da Angotel, a estrutura estatal hoteleira dirigida pelo Zé Mário, um simpático jovem quadro angolano, casado com a louríssima "Boneca" (que será feito deles?). Olhando retrospetivamente, só posso agradecer a simpatia de quem, por esse Grill do Trópico - a começar pelo chefe Smith e a acabar no magnífico Sambo - nos ajudou a atravessar esses tempos complicados de uma cidade em penúria de recursos e em guerra.

Um dia, cruzei-me entre as mesas do Grill com uma figura que nos entrava em casa todas as noites, um locutor da única estação de televisão, a TPA - Televisão Popular de Angola. Era um homem novo, mulato, uma daquelas vozes da rádio que mantinham os tiques de uma certa locução "à antiga", que em Portugal tinha praticamente desaparecido com o 25 de abril. Sem sotaque local, tinha uma pronúncia magnífica e até posso imaginar que, num ambiente marcado por uma certa "angolanização", a sua vida não devesse ser fácil. Através de um amigo comum, tínhamos criado uma relação superficial mas simpática, que renovávamos sempre que nos encontrávamos, quase sempre em jantares em casa de amigos.

Naquele dia, à sua entrada e à passagem pela mesa do Grill em que eu almoçava, deixou cair um "Temos de falar!". Quase tinha esquecido a frase quando, ao final da nossa refeição, o vi levantar-se para vir ter comigo. Em voz baixa, por razões óbvias, numa Luanda de grandes carências, ouvi-o dizer: "Tenho lá em casa uma excelente pá de vitela! Quando é que lhe dá jeito?"

Várias vezes tínhamos combinado almoçar ou jantar, mas tal nunca se tinha proporcionado. Os dias de Luanda, para quem, como eu, estava "solteiro" na cidade, eram feitos de um permanente saltitar entre jantaradas e sessões de petiscos, nessa vida diplomática nos trópicos que me fez "dar o fígado pela pátria". Por isso, mentalmente, libertei uma data ou duas na minha agenda e disse-lhas, como alternativas para o ágape. Por isso, estranhei muito a reação: "Prefere de manhã ou de tarde?"

"De manhã ou de tarde?" Que raio de coisa! A minha cara deve ter traduzido essa perplexidade, mas a vedeta televisiva não deve ter notado, pelo que acrescentou: "Como é para si, faço-lhe um preço muito bom: duas garrafas de whisky. Novo, claro".

Como dizem os brasileiros, nesse instante "caí na real". O homem não me estava a convidar para jantar em sua casa, estava a oferecer-se para me vender uma peça de carne, numa Luanda onde, à época, era praticamente impossível, por meios legais, conseguir tal produto. Como não tinha ainda a minha casa montada, e para grande desilusão do homem, não aceitei o "deal". Que tal seria a carne?

quarta-feira, 15 de abril de 2015

O exílio

Fui ontem ao lançamento do novo livro de Manuel Pedroso Marques, "Os Exilados - não esquecem nada mas falam pouco". Com a sala a abarrotar, a fila para a aquisição do livro era tão grande que desisti de o comprar na ocasião (fá-lo-ei mais tarde). Mas dei um abraço ao autor, pessoa que estimo e considero. E dei por bem empregue o tempo, porque a evocação feita por Manuel Vilaverde Cabral e pelo autor deram-me alguns motivos para pensar.

O exílio foi sempre algo que me fascinou. A ideia de que alguém, por perseguição política do governo do seu país, é obrigado a abandoná-lo e a reconstituir vida noutro país é algo que, de há muito cativou a minha imaginação. A literatura sobre a matéria (aliás, pouco abundante no caso português) ajudou ao resto. 

Na apresentação que fez do livro, Vilaverde Cabral distinguiu os exilados de outros "E" - os emigrados e os expatriados - elaborando um pouco sobre o modo como essas categorias, de diferente tipologia, se cruzaram no Portugal fora de Portugal, ao tempo da ditadura. Deu alguns exemplos e pistas para reflexão.

Na minha vida diplomática, cruzei diversos portugueses que haviam saído do país para fugir à perseguição política. Encontrei alguns a quem o 25 de abril não estimulou o regresso a Portugal. Parte deles tinha, entretanto, organizado a sua vida pessoal e profissional no estrangeiro, as oportunidades que o novo Portugal lhes oferecia eram, provavelmente, muito menos apelativas do que aquelas que os países de acolhimento lhes proporcionavam. E foi sempre muito interessante para mim, que sempre fui um "voyeur" curioso da luta exterior contra a ditadura, ouvir essas pessoas sobre esses tempos de chumbo, sobre quem então haviam conhecido, os grupos com que haviam colaborado, as ações em que haviam estado envolvidos. Falei com alguns deles no Brasil e em França, mas também no Reino Unido e nos Estados Unidos. E com vários outros já em Portugal. E aprendi bastante.

Desde logo, aprendi a complexidade e o peso psicológico da condição de exilado. Fiquei ciente de que as culturas de exílio, com o secretismo e a desconfiança que lhes são inerentes, são pasto fácil para a conflitualidade, para a intriga, para algumas traições e para o "vir ao de cima" daquilo que de mesquinho pode existir em qualquer de nós. Mas também ouvi casos de despojamento, de solidariedade, de ajuda desinteressada, criadores de amizades duradouras, de cumplicidades para o resto da vida. Porém, o facto da política - e a política de um emigrado tem, com naturalidade, algum radicalismo associado - sobredeterminar todo o contexto em que a existência no exílio se processa acaba, com alguma naturalidade, por marcar fortemente esses núcleos, onde também se disputam ambições e projetos pessoais e coletivos contrastantes. Ouvir falar sobre o exílio português no Brasil nos anos 50 ou 60, sobre as tensões em Argel nos anos 60 ou 70, bem como sobre esse microcosmo que foi Paris na década que antecedeu o 25 de abril, ensinou-me muito sobre o exílio. E, em definitivo, esclareceu-se sobre quão violenta a ditadura foi para essas pessoas, a quem destruiu a estabilidade, as carreiras e, muitas vezes, a própria esperança. 

Por tudo isso, logo que puder, vou ler o livro de Manuel Pedroso Marques. 

terça-feira, 14 de abril de 2015

Quatro anos


Expliquei ao “Les Echos” que a embaixada não fazia qualquer declaração. Não obstante a insistência da “BFM-TV”, reforçada com uma “cunha” de um jornalista português, disse estar indisponível para entrar em direto na sua edição da noite, como fizera, por duas vezes, em semanas anteriores. Repeti o mesmo à “France 24”, que me queria na sua emissão em inglês. Não sabia (ainda) o que dizer. Era o dia seguinte ao pedido de ajuda de Portugal. Foi há quatro anos.

É talvez cedo para se saber como os vários embaixadores portugueses, nas principais capitais europeias, viveram esses meses. Cada um falará por si. No meu caso, em Paris, acompanhava, dia após dia, as diligências que as nossas autoridades desenvolviam para tentar escapar ao pedido de ajuda externa e as mensagens que, nesse âmbito, eram por nós passadas às congéneres francesas, com o objetivo de garantir um apoio europeu (e, essencialmente, alemão) para a nossa posição oficial. Parte substancial dos contactos passava-se entre os gabinetes dos chefes de governo. A nós, cabia-nos explicar a racionalidade das nossas posições e enquadrar, sob a matriz da (real) normalidade democrática nacional, a fortíssima tensão política que se vivia em Lisboa, do PEC IV aos dissídios partidários em crescendo.

Com o passar dos dias, sentia, cada vez mais, que as coisas se aceleravam. (Tenho pena de não ter guardado quaisquer notas). Era o tempo das movimentações das agências de notação, o crescente “downgrading” português, o disparar do “spread” dos nossos “bonds” a 10 anos, que eu acompanhava, todas as manhãs, ao abrir o “Financial Times”. Passei então a ser chamado a falar nas rádios e, um pouco menos, em televisões. Nunca antes, como embaixador em Paris, me fora dada tanta “atenção”. Só que não era pelas melhores razões. Sem a menor dificuldade, publiquei alguns artigos na imprensa. A minha “narrativa” era quase sempre a mesma: defesa dos índices favoráveis conhecidos, denúncia do exagero das agências de “rating”, afirmação de que era possível dispensar a ajuda externa. Como dizem os americanos, “my country, right or wrong”. 
  
A partir de certa altura, Lisboa, como fonte de instruções, foi desaparecendo. Falava com colegas portugueses noutros postos, mas todos comungavam do mesmo desconhecimento. Para além das declarações públicas, nada mais transpirava. Os escassos responsáveis políticos portugueses com quem consegui contactar também já não ajudavam. Por aqueles dias do fim, senti uma inédita solidão e, essencialmente, a angústia de não saber o que fazer (ou se devia fazer algo) como representante de Portugal junto de um dos mais importantes países do mundo. Recordarei para sempre uma conversa telefónica com um alto responsável do Eliseu, que teve a sensibilidade de não me inquirir para além daquilo que ele sabia que eu podia dizer (e saber) e que me deixou palavras de discreto conforto, sem, contudo, as fazer soar de forma paternalista.

Depois, a toalha caiu no ring. O discurso mudou. A vida de um diplomata é assim.

(Artigo que hoje publico no "Diário Económico")