sexta-feira, 3 de julho de 2015

As voltas do Eusébio

Um turista, de chanatas, olhava há pouco o passeante féretro de Eusébio por Lisboa, a caminho da companhia de Garrett, Sophia e Aquilino.

Viu escrito num cartaz "o rei morreu" e, com o português já aprendido entre as casas de fado e os balcões do absinto, perguntou a um transeunte:

- Has the king died?

O rapazola, camisola vermelhusca no dorso, inglês de engate, respondeu:

- Yes! The king! "Eusibio", como ele achava que se diz Eusébio p'ra camones.

A pergunta/resposta do turista, ciente, apesar de tudo, de estar em pátria jacobina e sem coroas, foi deliciosa:

- Was he in exile? Where?

Ao lado, um meu amigo, lagarto de coração de leão, que acaba de me contar a cena, não terá tido a coragem de explicar ter sido precisamente o Lumiar o lugar de "exílio"...

(Obrigado Tó Luis!)

A Grécia e a irracionalidade


O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schultz, uma figura altamente estimável, por quem tenho elevado apreço pessoal e que, por mais de uma vez, deu mostras de ser um bom amigo de Portugal, também se deixou contaminar pela irracionalidade. Schulz propôs que fosse criado um governo "tecnocrático" em Atenas, o que, em especial nesta delicada conjuntura, é uma inaceitável ingerência nos assuntos internos do país, vindo de uma das mais altas figuras da constelação eurocrática de poderes. A resposta que mereceria dos gregos devia ser um forte "mind your business!".

Mas a irracionalidade não fica só por este lado. Percebo que a defesa do "não" seja assumida como um gesto com uma forte justificação emocional, como denúncia indignada de um modelo de austeridade que, de facto, também não funcionou por ali, deslegitimando assim a aceitação de um novo pacote de sofrimento nacional imposto pelos credores. Mas, para além disso, o "sim" também me não parece ser solução para nada, dado que vai criar um imenso impasse político, com obrigatoriedade de novas eleições e um período de grande indecisão quanto ao futuro. Mas, voltando ao "não", devo dizer que ainda não encontrei alguém que me explicasse (para além do "porque sim!") a racionalidade da ideia de que, com ele no bolso, o governo grego chegará a Bruxelas e conseguirá, de imediato, melhores condições para negociar do que as que teve até agora. Tudo isto me parece muito "wishful thinking", mas admito que possa ser eu quem está a ver mal as coisas. Resta-me a vantagem de não ser grego e, por isso, não ter de optar.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Notas para dois amigos

                     

Caro Sérgio

Com a vida a ocupar-nos as agendas, ainda não falámos desde que trocámos mensagens por ocasião da tua nomeação para diretor de informação da TVI. E, podes crer, não é com gosto que esta minha nota, que tem de ser pública, seja para lamentar a decisão de afastamento do Augusto Santos Silva da sua "coluna" de comentário semanal. Sei que as coisas às vezes são mais complexas do que parecem. Por isso, por não conhecer os detalhes da decisão, imagino que eles possam eventualmente ser mais esclarecedores do que aquilo que já veio a público. Mas, para já, e antes que esses possíveis factos sejam conhecidos, apenas me posso pronunciar sobre os resultados. E esses são claros: o pluralismo dentro das nossas televisões sofreu um imenso "trambolhão" e, até ver, isso foi da tua responsabilidade pessoal. Sentir-me-ia mal se não to dissesse. Já nos conhecemos há muito tempo e, como sabes, nunca me dei ao luxo de esconder o que penso. Principalmente aos amigos, como tu és.

Um forte abraço

Francisco


                    


Caro Augusto

Agora que o teu mano-a-mano com o Paulo Magalhães saiu de cena, quero deixar-te um abraço de gratidão. Ao longo de muito tempo, foste capaz de dar voz a uma visão das coisas que, estando muitas vezes bem longe de ir com "l'air du temps", era importante que fosse conhecida. Só aos patetas soava como uma visão partidária oficiosa. É de quem te não conhece! A tua palavra, serena, inteligente e acutilante, com a dignidade de quem pensa sempre pela sua cabeça e sabe, como poucos, exprimir organizadamente as ideias, vai fazer falta nas noites da TVI 24, e digo-o agora mesmo ao Sérgio Figueiredo. Alguns, claro!, estão a exultar já, pelo mundo das "redes sociais", com a tua saída de cena. Não imaginam que é o maior elogio que te podem fazer! 

Um solidário abraço do

Francisco

Ubiquidade

Cruzei-o ontem à saída do Procópio onde fui beber uma cerveja, depois de sair da universidade, cerca das onze da noite, logo depois de duas horas de aula aos esperançados e atentos candidatos a serem futuros diplomatas.

- Eh, pá! O que é que se passou ontem? Liguei um canal e estavas, todo engravatado, a falar da Grécia. Num "zapping" apanho-te, colarinho aberto "à Syriza", noutro canal, sobre o mesmo assunto. E à mesma hora! Fui-me deitar e até contei à minha mulher. Sabes o que é que ela disse? "Pode lá ser! Tás c'os copos, é o que é. Já te disse: bebe menos whisky à noite..."

Não estava com os copos. Aconteceu. Como dizia o outro, "hard times"...  

quarta-feira, 1 de julho de 2015

UNESCO

Em 2012, este governo decidiu que a nossa missão junto da UNESCO deveria deixar de ter um embaixador dedicado exclusivamente à organização e que o lugar deveria passar a ser exercido, cumulativamente, pelo embaixador em França. 

Várias vozes se fizeram então ouvir contra esta decisão, tentando mostrar a insensatez da mesma, num tempo em que o país comemorava ainda a elevação do Fado a "património imaterial" da UNESCO, quando, no seio da organização, levávamos a cabo uma delicada negociação para a compatibilização da construção da barragem Foz Tua com o estatuto do Alto Douro Vinhateiro como "património material", para além de outros dossiês complexos em curso. 

Procurou-se mostrar que não tinha sentido Portugal enfraquecer uma das principais frentes de defesa e promoção da língua portuguesa, numa organização a que o Brasil ou Angola dedicavam embaixadores e grande atenção, onde um modelo como o português, no quadro da União Europeia, só era seguido por um grupo reduzidíssimo de minúsculos países. Finalmente, explicou-se que o acompanhamento das questões do Mar, a que Portugal dedicava uma atenção, pelo menos retórica, ficaria debilitado por este gesto. Nada feito: a decisão de retirar o embaixador dedicado à UNESCO era definitiva.

O diplomata que ocupava o posto da UNESCO estava nele há menos de um ano e foi transferido para outro destino. Mudar um embaixador é caro, envolve encargos importantes, significa a perda de uma rede de contactos entretanto estabelecidos. Encerrar uma residência de uma embaixada também, com finalização de contratos, despedimento de pessoal, transporte de mobiliário, etc. Mas a decisão do governo, e do ministro que a titulou, cumpriu-se. E o embaixador em Paris (que, por acaso, era eu) assumiu as funções e as respetivas tarefas.

Passaram três anos. O governo decide agora recolocar um embaixador na UNESCO. Nunca o devia ter retirado. E lá vamos agora ter que realugar uma casa, mobilá-la, recontratar pessoal e toda a imensidão de passos necessários à instalação do novo chefe da missão, o qual, entretanto, nem gabinete passou a ter nos escritórios junto da UNESCO, dispensado então por desnecessário. 

O que é que se terá passado para justificar que o mesmo governo que, com "sólida" argumentação, tomou a anterior decisão assuma agora uma posição inversa? Mudou o ministro? Ora essa! Então as decisões não são colegiais, do governo? E nesse governo não é hoje vice-primeiro-ministro a mesma pessoa que, em 2012, era o ministro dos Negócios estrangeiros? 

Andam a brincar com o dinheiro e a dignidade do Estado, com este ao sabor de humores de quem conjunturalmente o titula. 

Norte-Sul



É hoje entregue em Lisboa o prémio que o Centro Norte-Sul, do Conselho da Europa, anualmente atribui a duas personalidades - uma do Norte e outra do Sul - que se destacaram na defesa do princípio da solidariedade e entendimento entre os povos.

O Centro Norte-Sul foi criado no nosso país há precisamente 25 anos. Nos últimos tempos, o Centro tem vindo a lutar pela sua existência, por virtude do facto de alguns do Estados originalmente integrantes terem decidido afastar-se, por considerarem que a panóplia de iniciativas que hoje ligam o Norte e o Sul é servida instituições que desenvolvem um trabalho paralelo, nomeadamente no quadro da União Europeia.

Portugal não tem o mesmo entendimento e, em especial através da sua delegação junto do Conselho da Europa, tem vindo a desenvolver uma luta persistente com vista à manutenção do Centro, vindo a conseguir, paulatinamente, uma retoma no interesse pela sua atividade, demonstrado já por novas e recentes adesões.

Entre 2013 e 2014, tive o gosto de dirigir o Centro, sob proposta portuguesa e nomeação do Secretário-Geral do Conselho da Europa. Nos dias que corre, o Centro é liderado por José Frederico Ludovice, que tem conduzido a estrutura com grande eficácia. Aproveito para saudar aqui o pequeno mas muito competente grupo de especialistas que hoje compõe o Centro Norte-Sul, a cujo empenhamento e entusiasmo se deve a possibilidade dele cumprir agora o seu orgulhoso e merecido quarto de século de existência.

terça-feira, 30 de junho de 2015

Lembrar algumas coisas muito simples

Vamos a ver se nos entendemos. Tal como todos os países fizeram, Portugal aproveitou a "bonança" criada pelo efeito positivo das políticas intervencionistas do BCE para adquirir no mercado de capitais nova dívida, a juros mais baixos. São esses os "cofres cheios" de que falava a ministra das Finanças. Esse dinheiro (essa nova dívida, volto a sublinhar) servirá para liquidar as próximas responsabilidades de Portugal, no termo das maturidades de dívida anterior. Foi um bambúrrio conjuntural, infelizmente irrepetível, no curto prazo: como se viu, para Portugal, os custos de nova dívida dispararam já com o caso grego e, a menos que uma nova (e por ora não expectável) política financeira europeia viesse a gerar um outro "milagre", num futuro não muito longínquo Portugal ver-se-á de novo em apertos. Porquê? Porque o seu serviço de dívida (os juros a pagar) é elevado e porque os mercados não acreditam na sustentabilidade de uma dívida que ultrapassa em 30% a riqueza total que o nosso país pode produzir num ano (quando pedimos ajuda à "troika" a dívida era 90% do PIB, hoje é de 130%). Como se pode ter essa certeza? Basta olhar para o modo como as agência de rating olham Portugal, avaliando o nosso crescimento potencial, à luz da nossa continuada escassa produtividade. É por essas agências que os investidores se orientam e elas, que se regem por índices técnicos, continuam a colocar-nos no nível "lixo". As coisas são, na sua complexidade, bastante simples. Para além da propaganda, claro.

Memorabilia diplomatica (XXXVII) - A telefonista


Aquela telefonista era muito rigorosa e precisa: tudo o que não fosse relacionado com o serviço da Embaixada era imediatamente reencaminhado.

A chamada que recebeu nessa manhã teve a resposta devida. O interlocutor perguntou quem, na Embaixada, o poderia informar sobre as datas de nascimento e morte do rei dom João I.

A funcionária não hesitou: "Nascimentos e falecimentos não é connosco. Isso são coisas consulares. Vou dar-lhe o telefone do Consulado-Geral". E deu...
 
(Reedição)

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Sectarismo

Foi há poucos dias. Aquele meu amigo tinha vivido muitos anos no Brasil. Adorava o país, gostava das gentes, casara com uma brasileira, por lá tinha nascido o seu filho. O Brasil era a sua memória de anos felizes, Agora, vivendo em Portugal, seguia com atenção a situação brasileira, preocupava-se com a tensão política e social, lamentava a quebra económica do país, ansiava o momento de voltar lá, em férias.

O jantar, aqui por Lisboa, tinha portugueses e brasileiros. A certa altura, chegou um convidado vindo na véspera do outro lado do Atlântico. O meu amigo, interessado na situação política, lançou-lhe uma pergunta sobre como estavam as coisas por lá, como evoluía a apreciação da presidente. A resposta, "grossa", gelou a sala:

- Se alguém aqui é "petista", acaba já a conversa sobre política! 

O meu amigo, ao contar-me esta história, disse saber que os ânimos, nos dias de hoje, andam bem exaltados em muitas cabeças brasileiras. Mas nunca pensou que as coisas pudessem chegar àquele ponto. Nunca vira nada igual.

No fundo, o meu amigo é um ingénuo. Se acaso lesse o Facebook ou os blogues, logo veria que, sobre a Grécia, as opiniões por cá não são menos sectárias.

As leituras e as ideias

Alimento, com regularidade diária, desde há mais de seis anos, este blogue. 

Amigos e conhecidos perguntam-me, por vezes, que outros blogues leio. Ficam surpreendidos quando lhes confesso que, por falta de tempo, raramente leio blogues alheios. Mas mais surpreendidos ficam quando lhes asseguro que, desde há muito, deixei de ler blogues cujos autores professem ideias que sei, à partida, que são próximas das minhas. Procuro alimentar-me cada vez mais do contraditório e, em prioridade, só leio aqueles com quem, em princípio, sei que não vou concordar. Faço isso, não por masoquismo, mas porque o estímulo intelectual é-me cada vez mais essencial, para não me sentir preso a um mundo a-preto-e-branco, em que nos sentimos acomodados às palmadas nas costas das ideias confortáveis.

O maniqueísmo que o caso grego introduziu no debate entre nós, é um sintoma doentio, bastante triste e muito empobrecedor. Ontem, numa mensagem de Facebook, um leitor sugeria-me que eliminasse um link para um artigo de Jean Quatremer. Porquê? Porque entendia que as ideias nele refletidas tinham uma visão errada da situação grega...

Sobreviver no terror

 
Há dias, um amigo chamou a minha atenção para o facto de, nos últimos anos, se ter adensado uma infernal rede de controlo dos dados pessoais dos cidadãos, seja no fisco, na segurança social ou nas múltiplas áreas deste admirável mundo novo informático, onde uma simples busca no Google nos atulha de sugestões publicitárias subsequentes, também por via da geolocalização. Ele concluía que, por ora, como ainda somos servidos por um modelo democrático, permanecem alguns controlos de natureza jurisdicional que permitem atenuar o caráter "kafkiano" do processo, para concluir: "imagine que, de um momento para o outro, se implantava um regime autoritário e com menos garantias. Com o aparato já criado, os cidadãos ficavam totalmente nas mãos de um sistema infernal, como nunca aconteceu no passado".

Há cerca de duas semanas, com mais três convidados, fiz parte da mesa de oradores de uma conferência organizada pela Comissão Nacional de Proteção de Dados sobre esta temática. Devo dizer que foi para mim uma agradabilíssima surpresa verificar que a entidade que nos convidava cultivava uma saudável preocupação quanto à necessidade de uma consciência pública que esteja muito alerta para estes problemas. Foi um debate muito interessante em que um dos oradores, José Pacheco Pereira, deu alguns exemplos chocantes do modo como o controlo se começa a "apertar" em torno dos cidadãos e alertou para diversas dimensões desse novo mundo "orwelliano" que por aí anda, às vezes sem que disso tenhamos uma clara consciência.

Pela minha parte, embora tivesse centrado o que disse em algumas dimensões internacionais do problema, não me coibi de denunciar aquilo que considero um grave erro do "centrão" político (PS e PSD), ao dar sinais de partilhar a ideia da fusão dos dois serviços de informação existentes e, muito especialmente, ao ter permitido um aligeiramento da proteção do tratamento dos dados pessoais acessíveis aos serviços de informações, embora num modelo embrulhado em supostas garantias dadas por um punhado de magistrados. Lamento, em particular, que os socialistas, que entre nós deveriam estar na primeira linha de uma cultura estrita de liberdades, tenham sistematicamente nestes domínios uma tentação de se mostrarem "responsáveis", a armar ao "sentido de Estado", não percebendo que são utilizados como inocentes úteis para dar uma caução de esquerda a medidas fragilizantes dessas mesmas liberdades públicas. Não deixa de ser irónico que os cidadãos que se preocupam com estas questões se vejam obrigados a dar razão às objeções colocadas pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda, que a mim me parecem totalmente pertinentes.

Na minha intervenção, também não deixei de destacar a incoerência em que incorremos ao darmos aval, sob pressão de uma agenda securitária movida pelo primado absoluto da luta contra o terrorismo e a criminalidade organizada internacional, à partilha de dados com Estados e sistemas que, não só não têm "standards" mínimos em matéria de garantias, no que respeita ao grau de "intrusão" na vida privada dos cidadãos, como levam mesmo a cabo - como agora se viu pelas escutas telefónicas americanas denunciadas pelo Wikileaks - ações de espionagem dos próprio parceiros internacionais que com eles colaboram. Se isto não é masoquismo político, não sei bem o que será.

Quem aceitar que, no binómio segurança-liberdade, "vale tudo" sempre em favor do primeiro elemento, acabará por dar razão aos métodos de Guantanamo ou, no caso da paróquia, às torturas preventivas a que Salazar chamava "abanões a tempo".

Volto ao que disse o amigo que referi no início deste texto. Se, sob a pressão dos atos terroristas, que devemos combater com firmeza, nos deixarmos colonizar por uma onda securitária obsessiva, onde as liberdades passem a ser uma espécie de luxo instrumental para os dias menos preocupados, acabaremos por criar sociedades "impossíveis", talvez mais seguras, mas onde viver passará apenas a ser sinónimo de sobreviver.

domingo, 28 de junho de 2015

O MNE e as insinuações

Ontem, ao ler uma notícia do "Expresso" dedicada a decisões sobre postos diplomáticos, fiquei chocado por uma referência nela feita ao embaixador Luis Barreira de Sousa. Nessa notícia diz-se que ele foi transferido de Bangkok para Lisboa por "alegados problemas financeiros e não esclarecidos".

Para um cidadão comum, que desconheça totalmente o assunto, como é o caso da esmagadora maioria dos leitores do "Expresso", a utilização de uma linguagem deste género, mesmo com a atenuação da palavra "alegados", poderá facilmente levar à ideia de que se estará perante um comportamento culposo de natureza financeira daquele diplomata. Já estou mesmo a ver a tradicional má-vontade existente em alguns setores contra a carreira diplomática mobilizar-se em insinuações mesquinhas sobre o tema, tendo a notícia como pretexto.

Ora quem conhece o problema - e há muita gente no MNE que o conhece - sabe que não é nada disso que se passa. Desde há décadas, a embaixada portuguesa em Bangkok usufruiu de um modelo de financiamento de algumas das suas despesas correntes muito próprio, atípico no universo das nossas missões diplomáticas, cujo detalhe não vem para o caso aqui desenvolver. Ao que julgo saber, o embaixador Barreira de Sousa, pessoa que conheço há muitos anos e cuja probidade me não oferece a menor dúvida, tomou decisões que conflituaram com o modo como o MNE pretendia gerir alguns problemas surgidos nesse âmbito. São estes, e tão só, os "alegados problemas financeiros", que, naturalmente, em nada colocam em causa a honorabilidade daquele funcionário.

Ficaria bem ao MNE dar-se ao trabalho de esclarecer o assunto, nos devidos termos. 

Ver-se grego

A língua portuguesa cunhou, desde há muito, a expressão "ver-se grego" para significar "encontrar-se numa situação difícil".

Há pouco, ao ver as caras dos cidadãos de Atenas em fila para os bancos, atazanados pelas meninas das televisões à cata de uma frase para comporem a reportagem, senti uma imensa solidariedade com a silenciosa dignidade de toda aquela gente anónima, nestes dias e horas atravessados por uma imensa incerteza face ao seu destino. Gente comum que foi apanhada em jogos políticos que tem muito escassos meios de influenciar.

Tenho alguns bons amigos gregos. Posso imaginar como se sentirão nestes momentos de grande dificuldade, em que o desespero deve estar a marcar a sua vida e das suas famílias. Não tenho sequer coragem para lhes falar, porque, francamente, não sei bem o que lhes dizer.

Entre nós, nos últimos meses, transformámo-nos numa espécie de aproveitadores oportunistas da situação grega para finalidades políticas próprias. Num imenso "prós e contras", Portugal dividiu-se entre os adoradores do Syriza e quantos o diabolizam. Pelas conversas, jornais e televisões, todos acabámos por "syrizar" o nosso quotidiano, num "achismo" de bitaites pseudo-informados, no fundo, utilizando o caso grego para sublinhar as nossas próprias clivagens internas e expressar o nosso sentimento face à Europa. Foi assim que nos transformámos num país de "voyeurs" da tragédia alheia, fazendo, à distância, as apostas sobre como as coisas vão acabar na Grécia.

O que me parece que talvez não tenhamos interiorizado verdadeiramente - embora eu saiba que pensar assim não é cómodo nem popular - é que um certo destino da Grécia acelera bastante a possibilidade de que, um destes dias, à nossa medida, também nos possamos "ver gregos".

sábado, 27 de junho de 2015

Ferraz de Abreu



Foi há bem mais de 40 anos. Eu conduzia, numa noite fria e chuvosa, pelo Campo Grande. O movimento era intenso. De súbito, numa fração de segundo, surgiu um vulto, que atravessou o capot do meu carro, foi projetado e só por milagre não foi apanhado por uma outra viatura que seguia em paralelo. O trânsito atrás de mim parou. 

Fora um soldado que, imprevidente, atravessara do quartel para o jardim, sem saber medir o tempo de travessia. (Ao que se soube, era da Madeira, e não estaria habituado às grandes cidades. Seria mais tarde conduzido ao hospital, em estado grave).

À minha volta, começou a juntar-se uma turbamulta irada. Sei lá bem porquê, eu era dado como inegável culpado. Ninguém ouvia as minhas razões, nenhuma voz me defendia. Do quartel ia saindo mesmo uma crescente "tropa" contra mim. O soldado, não obstante ter atravessado fora de qualquer passadeira, numa zona escassamente iluminada, juntava, na sua tragédia, testemunhas simpáticas, parte das quais claramente não tinham presenciado o acidente, mas já falavam com facilidade do meu "excesso de velocidade" e outras criativas agravantes.

Foi então que se aproximou um cavalheiro, baixo, de "papillon", com ar sereno, um cabelo que recordo esbranquiçado. Tinha parado o seu carro uns bons metros adiante e viera, a pé, sob a chuva. Chegou junto do ferido, fez algumas constatações sobre o seu estado, preparou-o para a ambulância que ia chegar e disse:

- Este senhor não teve a menor culpa! Eu ia a conduzir na faixa ao lado dele, ambos havíamos saído do semáforo numa velocidade moderada. A pessoa foi atingida pelo carro dele como podia ter sido pelo meu. Sou testemunha deste senhor. Agora, chamem a polícia.

O ambiente desanuviou-se. A "tropa" começou, progressivamente, a "destroçar". A voz serena e firme daquele cavalheiro, que era médico, contribuiu para a imediata descida da tensão. As autoridades chegaram, tomaram as devidas notas. Graças àquele cidadão, que se tinha dado ao cuidado de parar, ajudar no possível e que agora se voluntariava para testemunhar, atestando a inocência de uma pessoa que ele não conhecia, as coisas mudavam, para mim. Aprendi, nessa noite, uma lição de civilidade, que nunca mais esqueci e que passou a marcar o meu comportamento futuro perante situações semelhantes, mesmo com todos os incómodos possíveis.

Passaram alguns anos e o nome do cavalheiro que me tinha ajudado começou a surgir em público. Chamava-se Ferraz de Abreu e chegou a presidente do Partido Socialista. Um dia, não há muito tempo, cruzei-me com ele numa cerimónia e agradeci-lhe o gesto.

Acabo de ler, há minutos, que morreu. Tinha 98 anos. Deixo-lhe aqui o preito do meu respeito.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Mangas


O cliente olhou o menu para escolher a sobremesa. O jovem empregado do restaurante esperava.

- A manga é boa?

O rapaz hesitou. Sabia lá ele! O patrão não lha dera a provar.

- De onde é a manga? Pergunte se é de Alpaca! As melhores mangas são as de Alpaca...

O rapaz virou costas e foi falar com o patrão, na zona da cozinha.

O comensal e os amigos, logo que o empregado desapareceu, entraram em gargalhadas. Tivera muita graça a "trouvaille" da "manga de alpaca". O empregado era demasiado novo para conhecer a expressão. O que diria o patrão?

O empregado regressou e todos olharam para ele:

- O meu patrão diz que, afinal, não há manga.

E acrescentou:

- Disse que só podemos servir-lhe um manguito.

Foi o bom e o bonito, lá no restaurante...

Um poder europeu


Desde o início da crise grega, um certo poder europeu destaca-se em movimentações para ajudar a evitar a rutura entre Atenas e a União Europeia. É o mesmo país que, embora não seja vizinho da Ucrânia, tem demonstrado o seu apoio a quantos vivem hoje muito preocupados com a Rússia. Mas, não obstante a atenção que dedica aos problemas do continente, esse país não dá mostras de ter uma confiança cega no comportamento dos seus parceiros. O poder europeu de que falo tem um nome: Estados Unidos da América.

O final da Guerra Fria e o surgimento da UE com uma vocação política com expressão internacional criou a ilusão de que os EUA, de há muito os principais titulares da chave da segurança do continente europeu, poderiam vir a descansar na organização autónoma dos seus parceiros deste lado do Atlântico, no que toca à sua parcela de responsabilidade no quadro geopolítico comum. Essa ilusão acabou cedo. À problemática idiossincrasia francesa e à fragilidade crescente do Reino Unido como poder global somou-se, aos olhos de Washington, a relutância da Alemanha para assumir capacidades à altura do seu poder económico relativo. E o resto da Europa, em termos político-militares que sejam relevantes para o jogo com Moscovo, é pura paisagem.

Sejamos honestos: a UE, como força política, percebida pelos outros como capaz de se mobilizar em termos de “hard power”, não existe. Os primeiros a perceberem isso foram, aliás, os Estados do Leste europeu, para quem a adesão à UE, sendo embora importante, surgiu sempre, na escala gradativa dos seus interesses, abaixo das garantias que a NATO lhes podia trazer. E a NATO, por muito que custe aceitar, continua a ser apenas um heterónimo dos Estados Unidos.

Não é assim por acaso que são os americanos quem agora surge a reforçar militarmente os vizinhos NATO da Ucrânia.

O poder europeu dos EUA, através de gestos apaziguadores, emergiu também numa geografia pouco comum: a Grécia. É mesmo uma singular ironia ver os EUA preocupados, por precauções ligadas à segurança do sudeste do continente, com a estabilidade do euro. E quem sabe se não será Washington a chave para flexibilizar a rigidez do FMI para o compromisso final.

No auge destas movimentações americanas pelo seu território estratégico europeu, surgem finalmente as acusações de que os EUA andarão a espiar conversas telefónicas dos seus líderes - hoje Hollande, como ontem fora Merkel. Mas, caramba!, afinal não é a Europa que frequentemente se queixa de não ser ouvida pelos Estados Unidos?

(Artigo que hoje publico no "Jornal de Notícias")

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Forças amadas?


Descontentes com as políticas que hoje afetam as Forças armadas, que sentem já não serem forças amadas pelos atuais poderes, militares de antigas hierarquias reunem-se hoje em jantar por onde perpassaram as suas aspirações corporativas.

Vão muito longe os tempos em que o tilintar dos sabres prenunciava borrasca político-militar, intentonas ou pronunciamentos que colocavam a vida quotidiana dos portugueses à mercê da conjugação sediciosa dos humores castrenses.
 
Hoje, com a democracia, nas mãos dos militares apenas tilintam os talheres. Decididamente, invertendo Marx, os nossos militares optaram pelas armas da crítica em saudável detrimento da crítica pelas armas.
 
Contudo, talvez seja oportuno lembrar que o ambiente de liberdade que hoje vivemos se deve precisamente ao movimento protagonizado pelas nossas Forças Armadas, "coroando a longa resistência do povo português e interpretando os seus sentimentos profundos", como reza o preâmbulo da Constituição da nossa República. 

Crónica de costumes ?


"Gosto das tuas crónicas de costumes!"

A frase de um amigo, numa ocasião pública, ao final da tarde de ontem, deixou-me surpreendido. Nunca me tinha passado pela cabeça qualificar aquilo que escrevo de "crónica de costumes". Só gente de uma certa idade - como a minha, aliás - é que lembraria de utilizar esta expressão quase queirosiana. Mas, devo dizer, não desgostei...  

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Ribeiro e Castro


O deputado do CDS-PP José Ribeiro e Castro anunciou que não fará parte das listas de candidatos a deputados para a próxima legislatura. 

Nos últimos anos, foi patente o progressivo isolamento de Ribeiro e Castro no partido que ajudou a criar, um pouco como tem acontecido com Mota Amaral no PSD. Os partidos convivem mal com quem tem ideias próprias, com quem pensa pela sua cabeça e, por vezes, não está disposto a aceitar que a cega obediência à estratégia conjuntural ponha em causa princípios por que se bateu por muitos anos. Não há nada que mais irrite as "nomenklaturas" do que pessoas que, perante algumas questões concretas, tendem a vocalizar o que muito bem entendem, não apenas porque é essa a sua opinião mas porque acham que essa deveria ser a orientação da formação política a que historicamente estão ligados.

Os partidos de hoje, com o nosso modelo centralizado de escolha de deputados, tende a facilitar a ascensão de quem ecoar, sem reticências, a voz do "patronato" político. Se o fizer com alguma capacidade de expressão, o partido não deixará de dar uma palavra junto das televisões ou jornais para que essas pessoas sejam convidadas para os representar em debates ou nas "balcanizadas" colunas - onde, com maior ou menor originalidade, se sabe quase sempre o que vão dizer, nesses "tempos de antena" que, por serem baratos, são alimentados com gosto pela comunicação social. Depois, se as coisas continuarem a correr bem, lá terão um lugarzinho de secretário de Estado, quando o poder vier a sorrir ao seu partido. É assim, um pouco por todo o lado.

Ribeiro e Castro não fazia parte desse grupo. Democrata-cristão desde sempre, líder, em tempos, da Juventude Centrista, mostrou, em todos os lugares e causas por onde passou, uma coerência e uma firmeza de princípios que, de facto, não vão bem com os ventos dominantes. Recordo a sua excelente prestação como presidente da Comissão dos Negócios Estrangeiros da Assembleia da República, onde inaugurou a saudável prática de ouvir os embaixadores portugueses. Envolveu-se em várias iniciativas de raiz nacional, como foram a luta pelo feriado do Primeiro de Dezembro ou a recente denúncia do abandono na obrigatoriedade da língua portuguesa no processo europeu de patentes. Lutas pouco populares, às vezes solitárias, mas que o identificam como uma personalidade de uma qualidade que faz falta à democracia portuguesa.

Deixo-lhe aqui o abraço de consideração e respeito de quem, andando por outras áreas políticas e tendo dele frequentemente discordado ao longo das últimas décadas, reconhece contudo o elevado mérito e a elevada seriedade que tem marcado a sua intervenção cívica.

Laura Antonelli


Morreu Laura Antonelli. Só me ocorre uma coisa: a fantasia já não é o que era.

terça-feira, 23 de junho de 2015

O meu São João com tulipas...


Viagens


De há muito que penso que há poucas coisas mais tristes do que um hotel de negócios, talvez com exceção dos hotéis de aeroporto. Cavalheiros (sorry, mas as damas aparecem menos) de fato escuro, que já começam a chegar do aeroporto sem gravata (mais uma vitória colateral do Syriza ou será do calor?), com malas negras com rodinhas (a minha é prateada, sei lá porquê), espalham cartões "corporate" pelos balcões das receções, atendidos por meninas de sorriso plástico ("How are you today?"), que têm como primeira preocupação dar-lhes a "password" para o wifi, tão importante para eles como o oxigénio. O ambiente é tão asséptico que chega a ter-se saudades de um lóbi de hotel com criancinhas aos berros.

Hoje, na fila do "check out", olhei com mais atenção o cenário por detrás das meninas. E vi por lá esta imaginativa decoração, memória de outros tempos, outra gente e, pela certa, outras mentalidades. Tempo em que havia mais tempo, muita mais conversa.

O amigo americano

Nos processos negociais, há sempre cenas de bastidores que só com o tempo acabará por tornar mais claras. 

Neste braço-de-ferro entre a Grécia e os restantes membros do euro, o papel do governo americano parece ter sido importante para pressionar os diferentes parceiros a mostrarem mais flexibilidade. Para além das suas preocupações geopolíticas, será interessante vir a conhecer um dia o que é que os EUA carrearam, em termos concretos, para todo este processo.

Adensam-se os sinais de que as movimentações europeias do secretário do Tesouro americano durante as últimas horas, quer junto do presidente do BCE quer em contactos com o PM Tsipras, somando-se às “démarches” mais políticas junto de Angela Merkel, poderão ter sido um fator determinante.

Não deixa de ser irónico que os americanos possam ter contribuído, pelos seus temores estratégicos, para aquele que pode vir a constituir-se como um importante passo positivo no reforço da zona euro.

Em tempo: resta ainda saber em que medida esta movimentação tem como principal justificação a potencial influência da Rússia no processo. Se assim for, e porque os EUA não costumam atuar de forma tão determinada sem um real fundamento, será necessário começar a coletar dados para "desconstruir", de forma mais "fina", o conteúdo exato dos possíveis entendimentos entre Atenas e Moscovo.

Berrar baixinho


Paulo Castilho, no seu novo livro “O Sonho Português”, coloca uma personagem a descrever-nos: “fervemos em pouca água e no instante seguinte caímos na resignação e na tristeza, não somos um país, somos uma melancolia politicamente organizada”.

Nada pode ser mais verdade. Os portugueses são de rompantes, de emoções fortes, de ameaças de “partir a loiça”, de deitar abaixo tudo, de mudar de vida. Depois, com o calendário a passar, desejosos, bem lá no fundo, de “viver habitualmente”, como bem os topava Salazar, os nossos concidadãos entram numa progressiva apatia, o que era chocante deixa de o ser tanto, o que foi inaceitável passou a ser digerível, até certas caras, tão “impossíveis”, passam a ser convivíveis.

E, no entanto, é bom ver o país mobilizado por causas. A democracia deu espaço para isso. Recentemente, temo-nos entretido com os méritos do Tribunal Constitucional, o Acordo Ortográfico, a privatização da TAP, está mesmo aí a chegar a “saison” do debate sobre as touradas. Uma grande parte do país detesta José Sócrates, outra defende-o. Desde há meses, a Grécia excita-nos as colunas: os gregos ou são uns madraços ou uns heróis que acabarão por derrotar os “troianos” berlinenses. A história, por cá, faz-se sempre de índios e cowboys, ambos com adeptos legitimamente irados.

O país precisa destas polarizações. Elas não assentam em racionalidade: baseiam-se no debate emocional, simplificado, caricaturado. O maniqueísmo é uma deriva que demonstra a mediocridade de uma vida cívica onde, às vezes, fica a ideia de que quem falar mais alto tem (pelo menos por algum tempo) a razão.

Os resultados da última sondagem de avaliação político-partidária são um barómetro desta nossa ciclotimia emocional.

Não vai para muito tempo, esta maioria tinha “os dias contados”, Passos Coelho estava “politicamente morto”, o país saía à rua e grandolava, irado, contra a falta de sensibilidade social do executivo, com o experimentalismo de governantes sem jeito. Lembro-me de falar com pessoas que olhavam para o lado, quase com o receio de serem escutadas, quando afirmavam que mantinham a sua confiança no governo.

Do lado da oposição, Seguro era visto como o único travão à afirmação de uma alternativa credível. Recordo a tensão, quase “bélica”, no seio da minha família política, entre os “seguristas” e os “costistas”. Tive conversas arruinadas por altercações entre amigos, nas vésperas das “primárias”.

Hoje, as coisas vão sendo o que são. Bem cantava o Carlos do Carmo, em “Os putos”: “quando a tarde cai, vai-se a revolta”. A TSU, as pensões, as rendas, a emigração, o caos do ano letivo, o estado do “citius” judiciário, a Tecnoforma, as listas VIP, todas as imensas trapalhadas e incompetências de um ciclo, tudo isso passou à história, tudo isso foi antes de Jesus caminhar sobre as águas da “segunda circular” e parar as televisões.

Somos um país curioso. Um amigo meu resume bem isto: os portugueses, a partir de certa altura, optam por “berrar baixinho”.

(Artigo que hoje publico no "Diário Económico")

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Uma carreira diferente


Começaram no passado sábado as provas de acesso à carreira diplomática.

Um cidadão acaba o seu curso superior. No final, com cerca de 2000 (não leram mal, é o número deste ano!) e tantas outras pessoas nas mesmas condições, resolve apresentar-se ao mais exigente concurso que existe na função pública portuguesa - a uma imensa distância de todos os outros! Desta feita, entrarão 25! 

Começa por ser sujeito a uma prova eliminatória de cultura geral. Depois, faz exames escritos de português e inglês. Vê muitos dos seus colegas eliminados, pela obrigatoriedade de não terem menos que 14 valores no uso escrito da nossa língua. 

Começa em seguida um calvário temático, para o qual se preparou longos meses: Relações internacionais, História e história diplomática portuguesa, Política económica e Relações económicas internacionais, Direito internacional e Direito da União europeia. Provas escritas sobre aqueles temas, num cruel sorteio. 

O universo dos competidores vai-se entretanto reduzindo. Seguem-se os exames orais, igualmente sobre esses temas, sob o escrutínio de professores universitários da especialidade. Ficam agora umas escassas dezenas de candidatos.

Entretanto, passaram já alguns meses. Suspenderam-se as profissões, as famílias têm-nos em casa em "part time". Falta uma última prova, decisiva, a entrevista profissional. Meia hora de exigente escrutínio. Eliminatória, como as anteriores. E, no termo desse penoso processo, 25 são admitidos na carreira diplomática.

Entraram para a carreira? Não necessariamente. Se, ao final de dois anos, não forem dado "confirmados", por serem dados como "não aptos", recebem um agradecimento pelo serviço prestado e vão ter de ir à procura de novo emprego.

Os admitidos vão começar a subir as várias categorias da carreira. Iniciam-se como adidos de embaixada, passam a secretários de embaixada e, decorrida que for mais ou menos uma década, podem fazer concurso para ascenderem a conselheiros de embaixada. Nove ou dez anos mais tarde - isto é, com cerca de vinte anos de percurso profissional, podem vir a ser promovidos a ministros plenipotenciários. A partir desta categoria, já podem vir a ser designados para chefiar embaixadas, começando normalmente por postos mais pequenos e mais difíceis - em condições de vida, de segurança, etc. Quando, em média, tiverem feito 26/27 anos de carreira, alguns (muito escassos) podem, finalmente, ter hipóteses de ascender aos menos de 30 lugares da categoria última, o "generalato": podem ser nomeados embaixadores (ditos "full rank" ou "de número"). Só muito poucos conseguem aí chegar.

Entretanto, nas duas décadas que levam de "casa", já saltitaram por várias embaixadas e consulados, muitos viram os cônjuges ter de abandonar as profissões para os acompanhar, os filhos tiveram de saltitar de escola em escola, ou ficaram em Lisboa, onde os diplomatas têm sempre de manter uma segunda casa, para os períodos que passam nas Necessidades.

É uma profissão exigente, dura e competitiva. Mas servir o país no exterior é uma imensa honra.

"Mandela Prize"


Jorge Sampaio acaba de ser indicado como o primeiro vencedor do Mandela Prize, um prémio atribuído pela Assembleia Geral da ONU apenas de cinco em cinco anos, distinguindo personalidades que "dedicaram as suas vidas ao serviço da humanidade, promovendo as finalidades e os princípios das Nações Unidas". O prémio é sempre atribuído, simultaneamente, a um homem e a uma mulher, tendo cabido igualmente à médica namibiana Helena Ndume.

Muitos parabéns, caro amigo! 

Cruzamentos políticos



Falei aqui há dois dias de Eurico Figueiredo, por estas horas muito nas notícias por via do seu conflito com Marinho Pinto, no âmbito do PDR.

Anoto agora uma história antiga, para mim curiosa, em que com ele me "cruzei" na política interna.

Estávamos em julho de 1999. Eu era então, desde há três anos e meio, secretário de Estado dos Assuntos europeus. Um dia, informei o gabinete do primeiro-ministro de que necessitava de falar com António Guterres, com alguma urgência. Horas depois, foi-me perguntado o motivo da reunião, para justificar a pressa com que pedia o encontro. Mandei dizer que não revelava. No dia seguinte, já um pouco irritado, voltei a insistir. Ao final desse dia, o primeiro-ministro recebeu-me.

António Guterres acolheu-me com um sorriso e grande simpatia com que sempre me tratou.

- Este seu pedido de reunião, com caráter de urgência, criou por aqui alguma especulação, como já deve ter percebido.

Eu já então presumia essa especulação. Num segundo, liguei-a ao facto de, três dias antes, ter estado numa audiência, também a meu pedido, com o presidente da República, Jorge Sampaio. Que diabo um simples secretário de Estado, lugar subalterno no governo, quereria, na mesma semana, das duas principais figuras do Estado?

Esclareci então António Guterres que a razão da minha visita nada tinha a ver com aquilo que fora tratar com o presidente. No seu caso, eram assuntos estritamente ligados às questões europeias, mas que exigiam uma orientação urgente do primeiro-ministro. A particular sensibilidade do tema recomendava, porém, uma conversa pessoal. Só isso.

Guterres disse-me então das razões da especulação em S. Bento.

- Como você sabe, estamos em pleno processo de formação das listas de candidatos a deputados à Assembleia da República. E, como também é público, Eurico Figueiredo deixou vago o lugar de cabeça de lista por Vila Real, que também é a sua terra. Houve muita gente que pensou que você, sendo embora independente e não militante do PS, poderia estar interessado no lugar e que era essa a razão por que pretendia falar comigo com urgência. Eu, contudo, conhecendo-o, devo dizer que nunca pensei que quisesse ser deputado. Mas também achei que seria legítimo se acaso o quisesse ser.

E tinha toda a razão. A vida parlamentar nunca me seduziu minimamente. Mas, à distância, fiquei sempre com a curiosidade de saber o que teria acontecido se eu, de facto, tivesse tido essa pretensão. Assim, salvo na boataria entre S. Bento e o Rato, não me "cruzei" com o meu amigo Eurico Figueiredo nos caminhos da representação política de Vila Real. 

domingo, 21 de junho de 2015

Vida megalítica


O ambiente, e em particular a animação, que se viveu hoje, dia do solstício de verão, no Cromeleque dos Almendres e em Stonehenge não se pode comparar.

Mas a visita ao monumento alentejano, neste que foi o dia mais longo do ano, valeu a pena.


O lançamento

Foi muito difícil encontrar lugar para o carro. A Bucholz fica numa rua de escritórios e, até muito tarde, um espaço para estacionar é quase um milagre. Fui brindado com esse milagre. Só que não tinha moedas para o parking e desfiz-me em sorrisos num café para trocar uma nota de dez euros. Ao mesmo tempo, mantinha um olho no carro, porque a EMEL não brinca em serviço. Quando meti as moedas, o limite do ticket eram as dez e tal da manhã do dia seguinte. Com a precipitação, tinha colocado dinheiro a mais.

Entrei na livraria, pouco passava das seis e meia. As cadeiras estavam dispostas no primeiro andar, já havia gente sentada, mas não vi ninguém conhecido. Teria eu feito confusão? Seria só às sete? 

Ao fundo, junto a uma estante, descortinei uma pessoa que faz parte de um grupo de gente com quem, embora nunca tenha tido uma conversa, integra a minha silenciosa intimidade pública, porque eu sei quem ele é e ele sabe quem eu sou. É um grupo de umas dezenas de figuras, um género a quem sorrio a medo, deixando cair um "boa tarde" e com quem, a espaços, troco duas ou três palavras de circunstância, tipo conversa de elevador. Perguntei: "o Marcelo ainda não chegou?" Ele olhou-me, inexpressivo, e disse "não vi"... (Ele lerá este blogue?)

Continuei por ali. Olhei uns livros e, para matar o tempo, decidi descer ao andar de baixo. O lançamento devia ser às sete, era isso! Vasculhei umas vagas "stationaries" alemãs (carotas, aliás), folheei alguns guias turísticos (não sei se notaram que os editores deste tipo de guias teimam em esconder a data de edição, para os fazer "durar" no tempo) e voltei a subir. Nada de caras conhecidas! Estranho! Sentei-me na assistência e dediquei-me, por uns minutos, ao iPhone, que agora funciona como entretem, como aquelas revistas sebentas que há nas salas de espera dos médicos. 

A certo ponto, ouvi vozes mais altas, levantei a cabeça e vi umas figuras aproximarem-se dos lugares onde se sentariam o autor e os apresentadores da obra. Tudo gente que me era, em absoluto, alheia. Do lado esquerdo da mesa, vislumbro um livro em posição vertical. Era a obra que ia ser apresentada. Não era o "Diário da Abuxarda"! Eu tenho o livro, que já li e do qual até já aqui falei. Era outro livro! Eu estava no lançamento errado! 

Saí de fininho, como quem não quer a coisa. Nem perguntei nada às meninas do balcão, junto à porta. Meti-me no carro, humilhado comigo mesmo e com vagos pensamentos sobre os sinais de Alzheimer. Tocou o telefone. Era um amigo. Disse-lhe o que me tinha acontecido. Respondeu-me: "Mas isso foi ontem! Eu fui lá".

Regressei a casa, furibundo. Este relato não é um alibi para me desculpar por não ter ido ao lançamento do "Diário da Abuxarda", do meu amigo Marcello Duarte Mathias. Mas, pensando bem, também pode servir para isso.

sábado, 20 de junho de 2015

Grécia


Já aqui escrevi um dia que, se a tática "diplomática" do atual governo grego viesse a ter sucesso, estaria disponível, com todo o gosto, para rever tudo quanto aprendi numa vida dedicada a essa profissão. Parece que não vou ter essa oportunidade. O "método" diplomático grego não me convenceu e, mais importante do que isso, não convenceu ninguém por essa Europa. E convém que se diga que nem todos somos "lacaios" da senhora Merkel, como parece de bom tom apelidar quem seja minimamente crítico do modo de atuar do novo governo grego.

A vitória do Syriza assentou quase exclusivamente no forte sentimento nacional de rejeição de mais austeridade. O voto dos gregos, mais do que na ideologia do Syriza, foi uma manifestação limite de cansaço: com os partidos tradicionais e com a Europa que, mancomunada com eles, os conduziu ao desastre a que chegaram.

Ora a posição dos restantes governos europeus é precisamente a oposta: mais austeridade é necessária para a Grécia poder ter mais dinheiro. Os europeus não sentem e não vivem a tragédia que é o dia-a-dia grego, vivem apenas na necessidade de responderem aos interesses seus contribuintes. Uma coisa não joga com a outra. Definitivamente.

Pode ser muito chocante estar a afirmar isto, mas numa negociação como esta ter ou não ter razão, não sendo irrelevante, não é, em si, decisivo. O mundo não é "fair". O que é essencial é ter força para impor os argumentos de cada um. E é evidente que, sendo a Grécia o "weakest link" deste jogo, teria de ter uma tática muito sofisticada para poder compensar o poder que não tinha. E a Grécia foi por um caminho errado - embora simpático, já sei, mas, como diz a Teresa Guilherme, "isso agora não interessa nada!", como se está a ver.

A aposta do governo grego pareceu-me sempre relativamente simples: a Europa (leia-se, a Alemanha) não estaria disposta a "comprar" uma grave crise, com efeitos reputacionais sobre a estabilidade da zona euro, por um montante que, simultaneamente, era pequeno em termos europeus globais mas, apesar disso, politicamente significativo nas perdas (públicas) para os cofres dos grandes Estados europeus. Por isso, a Europa "que manda" tenderia a um compromisso.

Das "contas" gregas faria também parte uma peça que não se confirmou: a Europa, então em pleno debate interno sobre os termos da austeridade, iria acabar por mostrar-se sensível à circunstância das receitas da "troika" terem conduzido o país a uma situação humanitária à beira da rutura. Mas a Europa oficial, num tempo pouco dado a solidariedades, não se comoveu minimamente.

O mais surpreendente em todo este processo negocial foi a aparente inexistência de um "plano B", grego, como que a colocar todas as cartas numa mesma solução. Parece ter havido aqui um excesso de voluntarismo teórico, talvez tributário das ideias de Varoufakis. Tudo isto surge somado às "mãos atadas" do mandato imperativo que o Syriza colocou ao seu próprio governo e que não lhe dá um mínimo de flexibilidade negocial.

Dois fatores (interligados) de pressão internacional parece ainda terem estado sempre nas "contas" gregas. Por um lado, os Estados Unidos e o respetivo temor de que um isolamento limite da Grécia levasse o país a derivas estratégicas, com consequências nefastas para o equilíbrio político-militar daquela zona do Mediterrâneo. Por outro, e relacionado com o primeiro, a avaliação de que a Rússia poderia significar uma escapatória da saída em matéria de alianças - ou melhor, que isso poderia ser brandido como uma sólida ameaça. Não excluo que o primeiro possa ter algum efeito nas contas alemãs, mas o segundo é uma "carta" claramente pouco significativa.

Uma aposta (mas nem sempre ganho as minhas apostas): os dirigentes europeus não se reunirão numa cimeira na próxima segunda-feira para constatar um fracasso. Dessa reunião vai sair uma proposta dilatória que vai permitir à Grécia ganhar algum espaço de manobra (embora seja quase impossível que o pagamento ao FMI até ao final do mês seja feito). Terá de ser uma proposta "craftly worded", de forma a não dar a sensação de que a Europa cede aos seus princípios e, ao mesmo tempo, de que o PM regressa humilhado a Atenas. Tudo indica, contudo, que será sempre uma solução com curto prazo de validade.  

Memorabilia diplomatica (XXXVI) - No topo

O jovem diplomata tinha chegado àquele posto há poucos meses. O seu chefe era uma figura da velha escola das Necessidades, algo severo, um pouco ácido e nada dado a confianças com os subordinados. Recebia-os o mínimo tempo necessário e não criava um ambiente propício a conversas. Apesar de tudo - havia que reconhecer -, não se podia queixar: era tratado por ele com atenção e, profissionalmente, a experiência estava a ser interessante.

Um dia, o chefe chamou-o: deveria, nos três dias seguintes, acompanhar um velho embaixador vindo de Lisboa, que fora destacado para executar uma missão especial naquela cidade, ligada a uma qualquer estrutura internacional. Pela forma como o seu chefe lhe referiu o assunto, percebeu logo não se tratar de alguém com quem ele tivesse uma relação de simpatia muito forte. Aliás, o visitante nem sequer tinha prevista, no seu programa, uma deslocação à Embaixada.

O contacto com o diplomata chegado de Portugal revelou-se, para o nosso jovem, uma surpresa muito agradável. Era um "gentleman" - cordial, falador, contador de histórias interessantíssimas sobre a carreira e a vida diplomática. Estava a ser um prazer acompanhá-lo.

Uma noite, no bar do hotel onde o velho embaixador estava instalado, e talvez abusando um pouco da familiariedade com que estava a ser tratado, o jovem diplomata ousou perguntar:

- O senhor embaixador vai-me desculpar mas, dado o seu profundo conhecimento da nossa carreira diplomática, gostava de lhe colocar uma pergunta um pouco delicada...

- Ó homem, esteja à vontade!, diga lá o que quer saber - responde-lhe, condescendente, o colega mais antigo.

- Como sabe, estou há poucos meses neste posto. Tenho uma boa relação com o meu embaixador, mas já deu para perceber que tem um feitio complicado e dizem-me que está longe de ser uma pessoa consensual na nossa carreira. Tinha, por isso, alguma curiosidade em saber como é que ele é, de facto, cotado no âmbito do MNE.

- Mas isso é muito fácil, caro colega: o seu embaixador está, sem a menor sombra de dúvida, qualificado no topo dos nossos colegas!
- Ah! sim? É tido como um dos nossos melhores embaixadores?
- Não, homem! Nada disso! Está no topo dos maiores estupores da nossa carreira, claro!
Não tenho registado o historial de conflito que terá existido entre os dois velhos diplomatas. Mas coisa séria deve ter sido...
(Reedição)

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Marinho Pinto & Eurico Figueiredo


Conheci Marinho Pinto no final dos anos 60, em Vila Real. Tivemos longas e interessantes discussões políticas, à mesa da Gomes, bem antes do 25 de abril. Depois disso, fomo-nos encontrando a espaços e, naturalmente, acompanhei com interesse a sua expressão pública, primeiro na comunicação social, depois na vida corporativa dos advogados e, mais recentemente, na política. Nunca tive dúvidas da sua inescapável tentação pela afirmação política ativa.

Só vim a conhecer Eurico Figueiredo, figura mítica do associativismo académico português e do exílio político, depois do 25 de abril. Fui amigo e "discípulo" do seu pai, o saudoso democrata Otílio Figueiredo, com quem tive a honra de colaborar na aventura da oposição à ditadura, nas "eleições" de 1969. Acompanhei à distância o regresso de Eurico a Portugal, assisti de perto ao seu percurso inquieto dentro do PS e ao seu posterior afastamento do partido. Pelo meio, até apresentei um livro seu.

Mantenho hoje uma boa relação com ambos. Porém, conhecendo-os minimamente, e desde o primeiro dia, fui sempre de opinião - como muitos amigos se recordarão - de que a sua presença comum no seio da formação partidária que ambos criaram seria "sol de pouca dura".

Hoje, isso confirmou-se. As espadas desembainharam-se. Não sei se tenho pena, devo confessar.

A herança de Sócrates


Os governos chefiados por José Sócrates tiveram dois tempos distintos, no que respeita ao controlo das contas públicas. Depois de um período notável de contenção, a forma que assumiu a sua reação à crise global, na sequência de recomendações europeias, seguiu um caminho que conduziu a um descontrolo do défice. Uma forte injeção de dinheiros públicos não teve os esperados efeitos no crescimento e na recuperação da economia. Tudo foi agravado pela conjugação de fatores negativos, em especial pela retração económica dos nossos principais parceiros. Foi um tempo penoso, com uma Europa hesitante. Até que chegou a “troika”.

A atual maioria foi capaz de instalar no imaginário público a ideia de que o PS de Sócrates foi o único culpado pelo descalabro financeiro a que se chegou a 2011. Contudo, puxando pela memória dos anos imediatamente anteriores a essa data, não consigo recordar o catálogo de cortes orçamentais que os partidos dessa mesma maioria então propuseram. Pelo contrário, quase só me lembro de propostas para mais despesa. Era o PS que estava no governo, mas a oposição não deu então sinais da uma grande responsabilidade financeira. E disto, curiosamente, ninguém fala.

António José Seguro herdou um partido derrotado, num país com uma “troika” sob a sua principal assinatura. Esmagado pela “culpa” e pela necessidade de recredibilização como força de governo, cometeu o erro de deixar passar em quase silêncio a onda de diabolização do património dos governos de Sócrates, sem cuidar em valorizar as suas inúmeras virtualidades. Isso foi-lhe fatal, porque o PS não lhe perdoou.

Sócrates regressou entretanto ao país e, perante o embaraçado silêncio socialista, encarregou-se de defender a sua própria herança. Sem assumir um único erro, justificou-se e personalizou o debate com o presente. Em perspetiva, considerando o modo divisivo como já era então visto, somos forçados a concluir que ter Sócrates a promover a ação dos seus próprios governos acabou por não ser algo muito eficaz.De um dia para o outro, contudo, o mundo mudou. 

Sócrates foi preso e António Costa chegou à liderança de um PS incomodado consigo mesmo. Se defender parte do património dos governos de Sócrates iria sempre exigir um trabalho de “filigrana”, depois do terramoto da prisão a tarefa tornou-se muito mais difícil. Reconstruir uma proposta socialista credível nesta delicada conjuntura é a sua nova “quadratura do círculo”. E António Costa demonstra estar a conseguir fazê-la.

(Artigo que hoje publico no "Jornal de Notícias")

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Do bom!

 
Rafael Ansón, presidente da recém-criada Academia de Gastronomia da União Europeia, é, nos seus 80 anos, uma figura de grande elegância, onde se não nota o efeito, que poderia ser considerado natural, de uma vida dedicada à arte da apreciação da boa mesa.
 
Num recente almoço em Lisboa, perguntei-lhe qual era o seu segredo: "Só como pouco e do bom". Antes que eu registasse a máxima, acrescentou: "... e do bom, muito!"
 
Não sei se vou conseguir seguir o conselho.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

António Paes de Andrade (1927 - 2015)


Acabo de ter conhecimento da morte, em Brasília, de António Paes de Andrade.

Paes de Andrade foi um advogado e político brasileiro, tendo presidido à Câmara de Deputados, entre 1989 e 1991. Entre 2003 e 2007, foi embaixador do seu país em Lisboa. 

Encontrei-o, pela primeira vez, há pouco mais de dez anos, na véspera da minha partida para o Brasil, onde iria ser o seu contraparte. A nossa relação pessoal foi sempre excelente, o que não impediu que tivéssemos uma leitura diferente - e, a espaços, fortemente contrastante - de algumas situações que afetaram as relações luso-brasileiras por esses tempos. Mas tudo conseguimos resolver "numa boa", com muito humor à mistura e com sua gargalhada franca a sublinhar, nas nossas divertidas conversas, o relato de episódios da história política brasileira de que também fora protagonista. 

Há dois anos, quando a comunidade empresarial luso-brasileira do Nordeste me convidou para ir ao Ceará, para aí receber um prémio pela contribuição dada ao relacionamento económico bilateral, tive o gosto de receber esse galardão das mãos, já então frágeis, de António Paes de Andrade. Foi a nossa despedida.

Deixo à família de António Paes de Andrade o meu sentido pesar.

Lisboa e Jacinto



Lisboa anda afogueada com os turistas. Uma amiga, chegada do Chiado, dizia-me: "É gente a mais! Já não cabem!". O último "Prós e Contras" explicava que há zonas das cidade onde o conflito entre os visitantes festivos e os nativos está à porta da da explosão. Os políticos, nada oportunistas, tentam aproveitar a onda. Os hoteleiros, anafados de lucros mas tementes da concorrência, reeditam, em mais urbano, o confronto com as varinas da Nazaré, sentadas à soleira da sombra, com a placa clássica "Rooms / Chambres / Zimmer". Li, há minutos, que hoje houve pancadaria entre um taxista e um condutor de tuk-tuk. Isto vai bonito, vai!

Somos assim. O turista, que agora faz fila para comer o "típico" pastel de bacalhau com queijo da serra (ainda um dia vamos ver um pudim abade de Priscos lardeado com tripas, podem crer!), vai acabar por dar razão a Pessoa: "Afinal, a melhor maneira de viajar é sentir / Sentir tudo de todas as maneiras, / Sentir tudo excessivamente, / Porque todas as coisas são, em verdade, excessivas / E toda a realidade é um excesso, uma violência ..."

Não sei porquê, lembrei-me da frase do Grilo, o criado do Jacinto, no 202 dos Champs-Elysées, em "A Cidade e as Serras", quando perguntado pelo Zé Fernandes sobre o que se passava com o seu patrão, que andava tão "murcho". "O venerando preto declarou com uma certeza imensa: Sua Excelência sofre de fartura!"

Lisboa "sofre de fartura". Os comerciantes da Baixa, infelizes, têm de encontrar uma nova "narrativa" para responderem às "Yolandas Brígidas" dos diretos das televisões, porque, coitados, já não podem usar a resposta com décadas: "Isto está cada vez pior, menina!". Já falta pouco para dizerem: "Isto são camones a mais, minha senhora! Mas ninguém põe uma mão nisto! Estragam-nos a cidade!"

Memorabilia diplomatica (XXXV) - A fotografia



Encontrei-o um dia, por acaso, no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro. Ele era um oficial superior da polícia brasileira. O avião para Brasília estava atrasado. Ficámos à conversa.
Desde que eu chegara ao Brasil, havíamos criado uma boa relação pessoal, graças à intermediação de colaboradores meus. A cooperação entre Portugal e o Brasil na área policial era exemplar.
A nossa conversa foi divagando até que, a certo ponto, ele me perguntou:
- Conhece "fulano"?
O nome não me dizia rigorosamente nada.
- Não, porquê?
O meu amigo da polícia brasileira hesitou um pouco, talvez evitando ir mais longe no assunto. Mas eu estava já curioso.
- É um empresário brasileiro (e referiu o ramo de negócio). Tem a certeza de que nunca o encontrou?
Nunca podemos essas certezas. Um diplomata, em especial se é embaixador, cruza-se com muitas centenas de pessoas, fixa o nome de algumas, guarda a cara de outras tantas e esquece as restantes. Como poderia eu ter a certeza de não ter encontrado essa pessoa? Mas, para ele me falar nela, era, seguramente, alguém com problemas com a polícia. Insisti em saber um pouco mais.
- Esse homem está a ser alvo de um processo complicado. Falei-lhe nele apenas por uma razão, que motiva a nossa curiosidade: há no processo uma fotografia dele consigo...
Caí das nuvens, embora ainda faltasse algum tempo para o voo. O tal fulano tinha uma fotografia comigo? Quem diabo seria? Onde fora tirada a fotografia, tanto mais que eu nem me lembrava sequer do nome do homem?

Comecei a preocupar-me! Só me faltava, a mim, embaixador de Portugal no Brasil, ter o meu nome envolvido com o caso de um potencial delinquente! Agora é que eu queria mais pormenores.
E eles vieram. A fotografia tinha sido tirada num encontro em casa de uma empresária brasileira, aquando da visita de uns industriais portugueses ao Brasil.
Fez-se-me luz. Meses antes, uma amiga, empresária de sucesso em Brasília, convidara-me para um jantar em sua casa, onde reunia uns portugueses que pretendiam investir no Brasil com empresários brasileiros do ramo. Eramos quase vinte pessoas, se bem me lembrava. Desde essa noite, nunca mais tivera notícias do negócio.
Porém, de repente, num "flashback", recordei-me que um dos convivas pedira para tirar uma fotografia comigo. Não fazia ideia de quem era. Tratava-se de algo muito frequente no Brasil, porque havia gente que achava graça a ficar com uma recordação de um encontro com o embaixador de Portugal. Ele sabia isso, não sabia?
Sabia. E também presumia que a fotografia não tinha qualquer significado, embora figurasse no processo. Aproveitou então, como profissional da polícia, para me dar um conselho:
- Sempre que alguém que não conheça quiser tirar uma fotografia consigo, peça a pessoas que estejam próximas para se juntarem à "cena". Dessa forma, a naturalidade da situação fica automaticamente assegurada e não corre o risco de ser "apanhado" numa aparente cumplicidade pessoal com alguém que não sabe nem quem é nem o que pode vir a fazer no futuro...
Nunca mais me esqueci disto!

terça-feira, 16 de junho de 2015

Sons de casa


Um dia, em Brasília, numa magnífica casa em frente ao lago Paranoá, um amigo queixava-se-me de que, todas as manhãs, era acordado por um chilrear infernal de passarada, que isso lhe era extremamente incomodativo e que, se soubesse que tal ocorreria, não tinha alugado aquela moradia. Fiquei siderado! É que se havia coisa que me agradava na casa onde eu então vivia, a uns quilómetros de distância da dele, era começar o dia a ouvir o descansativo som musical das aves. E sentia mesmo pena por não poder ter ali comigo o meu pai, "birdwatcher" militante, que, nos seus noventa e muitos anos de então, se dedicava ainda a distinguir e identificar o gorjeio dos pássaros, que toda a vida o entretivera.

Nos dias que correm, por um bambúrrio acústico por que sempre me felicito, e que tem muito a ver com a casual barreira de prédios circundantes, vivo no centro de Lisboa numa casa em cujas traseiras, para além de um muito vago rumor de fundo da cidade, só ouço os pássaros que andam pelos jardins e os sinos de uma igreja (que nunca percebi se é de a Santos ou a da Estrela), complementado, em parte dos dias da semana, pelo "chilrear" da pequenada de um infantário próximo. De longe a longe, lá do rio, ouço o ronco da sirene de um navio de cruzeiros. E é tudo! A vizinhança é sereníssima, os barulhos da rua não chegam a grande parte da casa e, mesmo no bulício da manhã lisboeta, usufruo de um magnífico quase silêncio. Se há um "paraíso" sonoro em Lisboa, ele anda ali pelas traseiras e pelo jardim da minha casa.

Gabava-me desta "felicidade", há uns dias, a um amigo. Perguntou-me se os elétricos que passam à minha porta não se faziam sentir, inquiriu sobre o efeito das aceleradelas na minha movimentada rua, tive de garantir-lhe que as rotas dos aviões não cruzavam o meu "share" de céu. Por fim, sempre com um olhar cético, não resistiu a inquirir: "Mas será que tu ouves bem? É que, com a idade..."

Direita(s)

Há dias, publiquei no JN um artigo, que aqui já reproduzi, em que adiantava a ideia de que uma certa direita portuguesa não conseguiu, até hoje, fazer o "luto" da ditadura e tende a desculpar esta última sempre que pode. Com isso, facilita a que a esquerda mais radical teime em identificar toda a direita, em bloco, com esses tempos, o que faz com que esta tenda a evitar auto-qualificar-se como tal, como seria normal numa sociedade democrática. Enquanto o salazarismo continuar a ser desculpabilizado, enquanto a repressão de décadas e os crimes da Pide forem considerados coisas de somenos, enquanto se mantiver o discurso nostálgico sobre "os bons tempos" da ditadura e sobre os tempos coloniais - isto é, enquanto a direita democrática não tiver a coragem de dizer, alto e bom som, que, tal como a esquerda, repudia esse passado autoritário do país, a sua "diabolização" continuará a ser possível. 

Noto que, em França, a direita democrática denunciou sempre a extrema-direita, repudiou Vichy e foi de grande severidade para com o colaboracionismo. E não há nela laivos de saudades da "Algérie Française", sem deixar de saudar a memória de todos quantos, em qualquer circunstância, combateram pelas cores da bandeira nacional.

Por cá, mal se fala dos crimes salazaristas, saltam logo a terreiro os fantasmas "equiparadores" do comunismo e do estalinismo: ora em Portugal houve 50 anos de ditadura de direita e pouco mais de um ano de tentativa antidemocrática de esquerda. Comparar ambas as experiências é apenas desonesto.

Ontem, coloquei aqui uma foto de uma mesa em forma de suástica, ornada com a simbologia nazi e da ditadura portuguesa. Tratava-se de um jantar, promovido em Setúbal em 1938, para acolhimento de uma organização nazi. 

Logo surgiram, no blogue e no Facebook (neste caso em comentários a partilhas feitas por leitores), esfarrapadas justificações, tentando defender que aquele tipo de eventos seguramente tinha sido feito à revelia do regime salazarista, que à data "ainda não havia nazismo", que tudo se deveria a uma iniciativa de Rolão Preto e dos seus nacional-sindicalistas (que já estava há três anos exilado em Espanha...). Embora todos saibamos (ou devamos saber) que só por má fé se pode argumentar que, num sistema tão controlado como era o do Estado Novo de então, uma iniciativa como esta podia surgir espontaneamente, configurando uma linha ideológica em que a ditadura se não revia.

Alguma direita portuguesa, de facto, não tem emenda e, com este seu comportamento, ajuda ao "guetto" em que alguma esquerda quer fazer acantonar a verdadeira direita democrática. E enquanto esta se não distanciar da primeira, isolando-a, denunciando-a e "exorcizando" as memórias da ditadura, não há muito a fazer. Mesmo com cravos na lapela um dia por ano.