quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Chile

A propósito do salvamento dos mineiros chilenos, alguém me dizia ontem, num jantar, que é muito bom para o mundo que haja uma história famosa que acabe bem.

De facto, fartos andamos nós de desgraças e tragédias, como alimento do nosso quotidiano mediático.

11 comentários:

Anónimo disse...

Sem dúvida, foi um dos fatos mais emocionantes que pudemos presenciar por intermédio da mídia nos últimos tempos. Foram 33 momentos de forte emoção, únicos. A América Latina está muito orgulhosa por vivenciar uma história tão complexa, com final feliz, onde tudo funcionou com perfeição e profissionalismo. Muitos criticam porque o fato assumiu dimensões espetaculares, mas é acontecimento inusitado resgatar com tamanho sucesso 33 homens que poderiam estar mortos.
Mágda Cunha, jornalista, professora e pesquisadora, PUCRS/Porto Alegre, Brasil

Anónimo disse...

É,
Quando o fim é recomeço...
A espera ponto de partida à chegada
luz na escuridão em abraço encontrada
Despertando Até
Virtude pró vida alegria de arremesso
É...

Isabel seixas

elisabete disse...

As boas noticas fazem-se raras, infelizmente! Não é que elas não existam, mas os jornalistas acabaram por pô-las de lado, porque sabem muito bem que as más noticias é que dão lucro. No mundo em que vivemos, uma grande maioria da população prefere sensações fortes, ligadas a catastrofes e misérias, à sensação de alegria, paz, e bem estar, que provoca uma boa noticia.
Se o Senhor Embaixador é amante de boas noticias, como eu, aqui lhe deixo um link para o Jornal das Boas Noticias, que até tem newsletter: http://www.boasnoticias.pt/
Boa leitura e esperemos que jornais destes continuem a existir.

Julia Macias-Valet disse...

Tem piada, o meu marido fez o mesmo comentario ontem ao jantar.

Helena Sacadura Cabral disse...

E agora como é que cada um destes homens vai viver o que lhe aconteceu?
E as autoridades chilenas que lição tiraram do que se passou?

Mônica disse...

Sabe que gostei de ter comentado isto. Mamae e eu ficamos um tempão para ver os ultimos resgates e o que o presidente do Chile quanto o lider dos mineiros disseram foi um sucesso.
Eu gostei porque o que a gente ve de acidentes não é brincadeira!
E também voce contou algo que eu não precisei pensar muito.
com carinho MOnica
Já fiz o sorteio. quer saber o resultado?

elisabete disse...

Eu acho que os mineros chilenos vão lembrar-se mais que nunca desta linda canção de Violeta Parra "gracias a la vida":

http://www.youtube.com/watch?v=UW3IgDs-NnA

Cunha Ribeiro disse...

A grande história que um dia eu gostaria de narrar aos meus netos seria mais ou menos assim: " Quando o vosso avô chegou ao vigésimo quinto ano de trabalho, o seu salário e de muitos outros colegas de trabalho, que estava ao nível do rés-do-chão, sofreu uma queda brusca, despenhando-se até ao 25º andar, no subsolo... Mas, eis as forças de todo o país de mãos dadas, e, um ano depois, o salário do vosso avô veio de novo à superfície, mais forte e pujante que nunca...

Anónimo disse...

O Chile deu uma lição ao mundo... É pena que outros países não façam o mesmo pelos seus compatriotas. Quem não se recorda do naufrágio do submarino russo Kursk? Os 118 membros da tripulação morreram na tragédia e Moscovo demorou vários dias para aceitar a ajuda estrangeira. São tristes acontecimentos que não devem ser apagados da História de um país!

Anónimo disse...

Interessante a grande história presumindo claro que cada andar na descida corresponderia a um montante que mesmo no subsolo mantivesse o saldo positivo.

Já a ascensão no valeu a pena o cíclico sangue suor e lágrimas, traria a euforia do impactante horizonte infinito e rosa dos contos de fadas... Aí já com Bisnetos nestlé em carrinhos Chico artilhados com tecnologia de ponta com mães unisexo a tempo integral.
Isabel Seixas

Helena Sacadura Cabral disse...

A propósito do post de Anónimo surpreendeu-me, de facto, bastante o "esquecimentos" do Presidente chileno em releção à NASA e à sua contribuição na construção da cápsula Fenix. E, também, ao especialista americano que se deslocou do Irão para dar uma ajuda na manobra da perfuradora.
Mas a política é assim.Tem memória curta e pouca gratidão.
Felizmente que há sempre alguém com memória de elefante!
E se o presidente chileno prometesse que tudo faria para tal não voltar a acontecer? Não seria melhor?