segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Fundo

Sou amigo de dois dos três dos organizadores da conferência “Portugal 2011: Vir o Fundo ou Ir ao Fundo?”, que hoje teve lugar em Lisboa.

Isso não me impede de lamentar que esses amigos não entendam que o trocadilho redutor que inventaram é mais próprio de portugueses com razões para terem pena de si mesmos.

10 comentários:

Santiago Macias disse...

Torna-se preocupante uma certa nonchalance ante a previsível necessidade de ajuda a Portugal. Pior, não me parecem que estejam "interiorizados" os custos que se vão ter de suportar.
Não tinha conhecimento da conferência. Fiquei espantado com o tom revisteiro do título. Espero que tenha sido só o título.

Anónimo disse...

Realmente...
Espero que tenham concebido estratégias de fazer melhor para vir ao cimo...

Bem se abarcarem a probabilidade de ingresso a curto prazo no poder logo veremos... Se não é muito fácil, ao fundo que é como quem diz abaixo todos os santos ajudam...
Claro que sou pecadora... Assumida
Isabel seixas

Helena Sacadura Cabral disse...

Ficava melhor o trocadilho "Vir o Fundo ou sair do fundo?" Era mais otimista. Mas exigia admitir que chegámos ao fundo.Seria o meu caso. Mas não é o seu, estimado Embaixador!

Francisco Seixas da Costa disse...

Cara Dra. Helena Sacadura Cabral: eu preferia, de facto: "No fundo, não precisamos do Fundo".

Helena Sacadura Cabral disse...

O Senhor Embaixador consegue sempre surpreender-me. E desarmar-me. Em termos futebolísticos, lá foi um golo na minha baliza! :))

Anónimo disse...

Pro fundo...
Efetivamente sem contexto não há culpa nem culpados...

Há desencontros de pontos de vista, há pontos de vista semelhantes nos desencontros, também há quem diga mal só por dizer, estatisticamente nas medidas de tendência central é moda um esgrimir da verdade assusta a razão, mas é profunda a tristeza da queda livre sem ser desporto radical.

Isabel seixas

DL disse...

O problema aqui é que sempre que se vai ao fundo, o fundo desce um bocadinho mais... metafórica ou literalmente falando.

Anónimo disse...

Mas há quem “reze” para que “no fundo, o Fundo venha”. Com piedosas preocupações, designadamente para com o “estado de saúde” da Banca…e dos “portugueses”, essa palavra que certos políticos da oposição usam para exprimir aquelas suas “sinceras” preocupações.
P.Rufino

Jeronimo disse...

Aparentemente, tornámo-nos todos especialistas instantâneos em macro-economia. Mas tenho uma certa curiosidade em saber de onde vem a profunda experiência que fundamenta a autoridade dos defensores da vinda do fundo.
Anteciparam a crise ?
Já passaram por crises semelhantes ?
Em que outros países se está a aplicar com sucesso as medidas propostas ?

Anónimo disse...

No fundo, no fundo...é o que se quer.