sexta-feira, 22 de outubro de 2010

América Latina

Ontem, ao intervir na Fundação Gulbenkian, a convite da Casa da América Latina e do Instituto Diplomático, dando uma visão portuguesa sobre aquele sub-continente americano, recordei uma obra histórica de Marcel Niedergang, um livro que li no final dos anos 60: "Les vingt Amériques Latines". 

Ao ouvir vários dos intervenientes, dei-me conta de como pode ser redutor o conceito "América Latina", da imensa variedade de realidades que ele esconde, sob a capa federadora da língua e de alguma cultura comum.

Organizei o que disse na minha intervenção em tópicos, a que talvez algum leitor pode achar interesse:

  • Há uma política de Portugal para a AL?
  • O Brasil. A América hispânica. As "Américas Latinas". A retórica e a realidade.
  • O tempo das ditaduras (na Europa e na AL). Portugal: uma política bilateral errática e de oportunidade. O Brasil e a AL no esforço internacional de defesa colonial de Portugal. Migrações e culturas.
  • A integração europeia e o início de um novo "olhar europeu" sobre a AL. Portugal e a Espanha na política exterior europeia. Papel da França e Itália.
  • Integração latino e sul-americana. Limites, frustrações e dúvidas.
  • Crescente comunidade de valores euro-latinoamericana. Ação comum nos fóruns multilaterais. Problemas: Cuba e outros. Haverá um agravamento futuro das divergências? Desenvolvimento e comércio. Protecionismo. A conflitualidade intra-AL como possível problema.
  • Processo íbero-americano: as dificuldades e os equívocos. O "gigantismo" do Brasil. A "tutela" espanhola. Os limites realistas do exercício. Portugal e Espanha no exercício.
  • O Brasil e a sua vizinhança hispânica. Bom gigante ou "big brother"? Conceito de "América Latina" não existe para o Brasil: só "América do Sul".
  • Brasil e EUA: manter a "América do Norte"...a Norte - questões Colômbia, Amazónia e IV Frota.
  • Para fazer em comum: reforma da ONU? Agenda do Milénio? Multilateralismo comercial e ambiental? Defesa e segurança? Atlântico Sul, droga e terrorismo numa possível agenda renovada.
  • Portugal e a AL: sempre velhos amigos mas não amigos velhos.

8 comentários:

Anónimo disse...

Credo... É melhor contar desde logo com uma semana de jornadas... Sem espaço para debate logo nem chatos de plateia.
Isabel Seixas

Julia Macias-Valet disse...

Caro embaixador...
Va, por favor, até Brasil, 5/12/2009 e veja o titulo e a foto....

Que aborrecidos que sao os leitores atentos...e com boa memoria : ))

Francisco Seixas da Costa disse...

Cara Júlia: há limites para a criatividade e eu padeço deles, reconheço.

Margarida disse...

"há limites para a criatividade"?!

Julia Macias-Valet disse...

Eso, ni usted se lo cree...

: ))

Anónimo disse...

Ou seja coloca-se um freio ABS...
Criativemo-nos doseando a criatividade.
Isabel Seixas

Mário Machado disse...

Um item chama a atenção a questão da verdadeira paranoia (sei que o Sr. Embaixador não usaria este termo, mas eu posso..:)) brasileira com os EUA que leva boa parte dos analistas e dos políticos a ver a NATO como mera extensão do "Império" e portanto desconfiam muito da tal guinada para o Atlântico da OTAN.

Acho que esse será um campo excelente para atuação de Portugal. Aqui há um verdadeiro pânico com frotas estrangeiras no Atlântico Sul.

Pelos tópicos o senhor e eu temos uma opinião muito similar quanto a noção de América Latina no Brasil que só existe no discurso, na prática só trabalhamos com América do Sul. Perdão pelo comentário longo e meio mal ajambrado.


Abs,

patricio branco disse...

estamos muito ausentes da AL,investimentos, cooperação, cultura,lingua, representações, excepto um pouco no brasil e na venezuela, através da comunidade portuguesa. Estamos completamente fora da america central e caribe (só em cuba é que temos uma minuscula embaixada). a TAP só vai ao brasil e venezuela. Institutos camõoes, quantos nesses 30 paises?
Até do brasil os espanhois nos tiraram brutalmente a vivo (humilhante)