05 fevereiro 2016

Transições

Ontem à tarde, os membros do Conselho da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa, de que faço parte, votaram um novo nome para diretor da Faculdade. O anterior diretor havia pedido a demissão. Crise? Nada disso! Esse anterior diretor, bem como a diretora da Instituto de História Contemporânea da mesma Faculdade, passaram a integrar o novo governo, como secretários de Estado. Estas são as contingência da vida de uma instituição de prestígio. Ou será que, se o não fosse, lhe recrutavam os membros para altos cargos?