sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Direito à gargalhada

Foi suspensa, no Twitter, uma conta humorística que havia sido criada há dias, incluindo frases imaginárias atribuídas ao primeiro-ministro António Costa, em jeito de recomendações ridículas para hipotéticas poupanças. Tratava-se de uma evidente iniciativa de gente hostil ao executivo, no exercício pleno do seu inalienável "direito à gargalhada".

As frases eram, em geral muito divertidas e, em nenhum momento, criavam a menor dúvida sobre o seu caráter fictício. Conhecendo-o, estou seguro que o próprio António Costa deve ter achado graça à brincadeira, que saudavelmente se insere na histórica tradição nacional de "gozar" com o poder. Ai do dia em que a percamos...

Não quero crer, por um segundo, que por detrás da suspensão da conta possa ter estado a iniciativa sisuda de alguém ligado ao atual governo, cioso de "proteger" António Costa. Não acredito. Porém, se por absurdo isso aconteceu, voluntario-me para disponibilizar os meus espaços nas redes sociais para uma contra-ação com o vigor necessário para pôr a ridículo quem se atreveu a tal. 

Era o que mais faltava que o país deixasse de ter o direito de se rir do poder político! O José Vilhena daria voltas na tumba!