domingo, 21 de fevereiro de 2016

Livros da Resistência (1)

"Horizontes Fechados", de Raul Rego

Nos próximos tempos, vou notar por aqui, de quando em vez, alguns livros que, para a minha geração política, tiveram importância ou marcaram um tempo. Serão notas muito breves, contextualizando esse textos e os seus autores. Não seguirão qualquer ordem cronológica, resultando quase do acaso da passagem pelas minhas estantes.

Hoje, vou falar de "Horizontes Fechados / Páginas de Política", um livro de Raul Rego, uma edição do autor, de 1969, distribuído pela Editorial Inquérito. Publicado creio que em setembro, tenho anotado que comprei o meu exemplar em Lisboa, em 22.11.69, pouco tempo depois das "eleições" de outubro desse ano.   

Raul Rego (1913-2002) era, à época, uma das figuras mais destacadas do jornalismo político em Portugal. Escrevia então no "Diário de Lisboa" e, na clandestinidade, estava ligado à corrente socialista da oposição democrática.

Vivia-se um tempo de encerramento de toda e qualquer esperança política. Tendo assumido a chefia do governo em setembro de 1968, rapidamente Marcelo Caetano deixou claro que eram apenas semânticas as mudanças que pretendia introduzir na política portuguesa: os presos políticos, a repressão e a guerra colonial continuavam a ser a marca continuada do regime.

O livro, que teve um certo impacto (surgiu depois dos "Escritos Políticos" de Mário Soares, mas a sua ligação à atualidade era bem maior), tinha como evidente objetivo denunciar a hipocrisia do "marcelismo", a contradição cada vez mais evidente entre a "primavera" alardeada pelo regime e a realidade efetiva das coisas.

A meu ver, o texto mais interessante é a comunicação feita por Raul Rego ao II Congresso Republicano de Aveiro, dedicado à censura à imprensa e as suas perversidades mais recentes. Um outro capítulo curioso analisa o caso do bispo do Porto, D. António Ferreira Gomes, que Salazar tinha banido do país e com quem Rego se encontrou em Espanha. Mas são também de agradável leitura perfis sobre várias figuras da República e da intelectualidade democrática, bem como um conjunto de excelentes e irónicas notas sobre o quotidiano da "situação".

Como não podia deixar de ser, a edição foi logo colocada "fora de circulação" e apreendida pela polícia nas livrarias. Lembro-me de ter conseguido o meu exemplar através de um contacto na Livraria Barata, na avenida de Roma.