terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

"Interesting times"

Há um curioso tropismo que faz com que a chefia municipal de Londres, criada em 2000, tenha sempre caído em mãos mais ou menos radicais, ainda que de sinal contrário.

Durante oito anos, uma figura da ala esquerda do Partido Trabalhista, Ken Livingstone (o "Red Ken") ocupou o cargo de "mayor". Livingstone, que tinha um histórico de fazer a vida negra às lideranças trabalhistas, não "desiludiu": Tony Blair soube-o bem.

Desde 2008, um conservador heterodoxo, Boris Johnson, é o "maverick" de serviço. O primeiro-ministro David Cameron não conseguiu assegurar o seu apoio à campanha pelo "sim" à Europa e, dessa forma, atendendo à sua imensa popularidade, Johnson acaba por converter-se no seu principal obstáculo ao sucesso no referendo. E, se Cameron perder o sufrágio, Boris Johnson será, ao que tudo indica, o próximo primeiro-ministro do Reino Unido - ou do que dele restar, depois da mais do que provável secessão da Escócia. 

Enfim, "interesting times", como Hobsbawm deu por título à sua biografia (que vivamente recomendo), embora referindo-se a tempos em que a turbulência europeia era de uma outra natureza.