03 dezembro 2012

O meu barbeiro

Já aqui falei, um dia, no meu barbeiro. Eu sei que agora se diz "cabeleireiro", mas o meu amigo Joaquim Pinto não leva seguramente a mal que eu me exprima assim. O Sr. Pinto é uma figura que tenho gosto em ter como amigo, há quase 30 anos, um homem de invejável qualidade humana, uma pessoa que revejo sempre com grande prazer.

A que propósito vem isto? É muito simples! Há dias, "traí-o" pela última vez. É que vivendo no estrangeiro, e para não correr o risco de andar com um "cabelame" imenso, não indo a Lisboa com grande regularidade, tive de recorrer, ao longo dos anos, a outros profissionais do ramo. Mesmo sendo frequentemente de qualidade, é como visitar um médico que nos não conhece e a quem temos de explicar tudo deste o início, sem o que nos arriscamos a ficar, por algumas semanas, com uma imagem diferente daquela a que nos habituámos.

Na Noruega, sei lá porquê, foi um islandês que me calhou na rifa, com o qual me entendia por gestos, porque quase não falava inglês. Em Luanda, recorria a um velho barbeiro português que "ia a casa", com uma malinha de madeira com os apetrechos, para as sessões que decorriam... na cozinha. Em Londres, tenho ideia de ter visitado um barbeiro também português, numa qualquer periferia, creio que a conselho do Rui Knopfli. Em Nova Iorque, quase não me deram tempo a que me crescesse o cabelo e, tenho a certeza, em Viena apenas vi "O Barbeiro de Sevilha" à distância, na ópera. No Brasil, a memória dos barbeiros que me saíram em sorte não é das mais positivas. Até o Sr. Pinto, que é institucionalmente corporativo, um dia não resistiu: "Ó senhor embaixador. Quem é que lhe cortou o cabelo da última vez? É que isto não ficou lá muito bem..." Aqui por Paris, passei da vedeta portuguesa do ramo, o Mário Lopes, vencedor de prémios, para o Pierre, profissional francês, geograficamente mais à mão.

Mas isso acabou. Há dias, fui ao Pierre pela última vez. E, já em janeiro, regressarei, e em definitivo, ao sr. Joaquim Pinto, no Apolo 70, passe a publicidade. É um sossego, poder voltar às mãos hábeis de quem sabe o que pretendo, sem que eu nada tenha de dizer. E, neste tempo de "cortes", muito bom seria que eles fossem tão previsíveis como são os do meu barbeiro, pronto!, cabeleireiro de homens.

PS - O Sr. Pinto tem um blogue, onde fala da sua profissão e da sua arte. Um dia dei-lhe uma sugestão para o nome do blogue, que ele não aceitou, mas que eu acharia bem adequada: "Pêlo sim, pêlo não"...