terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Portas


Paulo Portas é um dos mais talentosos políticos portugueses. Goste-se ou não da sua forma de estar na vida pública, qualquer opinião independente será forçada a constatar que ele tem sido, ao longo dos anos, um dos grandes "performers" do nosso espetro partidário.

Portas teve o azar de "encalhar" num partido que atingiu o seu "princípio de Peter" político há bastantes anos. Surgido dos conservadores (e muitos reacionários) inquietos com a Revolução de 1974, o CDS nunca conseguiu superar a preeminência do PSD na direita portuguesa. Portas, que se iniciou na juventude do PSD, fez do jornalismo (foi um excelente jornalista, no que à qualidade da escrita diz respeito) a sua trincheira, até que aportou à liderança do CDS, num dia em que se fartou de ser "ponto" para um ator em cujo sucesso deixou de acreditar. Tentou então transformar o partido, que parecia condenado à insignificância. Crismado de Partido Popular (coincidência de iniciais?), deu-lhe uma coloração eurocética e soberanista, colocou a democracia-cristã na gaveta e, a partir de um certo momento, assumiu as cores liberais que os tempos pareciam justificar. Contudo, nunca enveredou pela direita pura e dura, do populismo extremista, hiper-securitário ou xenófobo, há que reconhecer.

Por uns tempos, o CDS/PP pareceu protagonizar os interesses de nichos sociais mais frágeis, das pessoas idosas e pensionistas à "lavoura" familiar, colocando-se no campo mais renitente às causas fraturantes da modernidade, que sacodem incomodamente um certo Portugal tradicional. Era talvez o seu lado democrata-cristão a emergir, diziam uns; era um saco de votos à mão, acharam outros. Mas foi sol de pouca dura e logo partiu para outra. Com Paulo Portas, o CDS pareceu uma "barata tonta", andando de um lado para o outro. Se se perguntar hoje a alguém "onde está" ideologicamente o CDS, ninguém saberá responder. Porquê? Porque Portas teve necessidade de "romper" por onde tivesse mais ganhos potenciais, saltitou de causa em causa, à procura de um mercado político próprio, que nunca chegaria a encontrar. Não obstante ter conseguido uma fatia de poder, isto é, uma capacidade de representação de alguns interesses e de conquista de lugares para prosélitos, falhou no essencial: não chegou ao verdadeiro poder, à chefia do governo. À direita, o poder está e estará, por muitos e bons anos, no PSD. Em Belém, é agora Marcelo Rebelo de Sousa, de um certo PSD, quem, por cinco anos, tem as hipóteses maiores. Portas guarda-se para 2021?

Por ora, Portas deve ter-se cansado. De toda a direita desiludida pela hábil manobra de António Costa, o desespero de Portas mostrou ter sido ele o mais afetado. A demarcação que Passos Coelho dele quis fazer também acabou com um capítulo da sua vida política.

Era tempo de sair de cena, com ar de estar a dar o lugar aos novos, que se desunharão entre eles. Agora, Portas vai querer ganhar distância, vai tentar assumir "gravitas", vai procurar "senadorizar" a sua imagem. Uma empresa ou uma instituição, talvez lá por fora, vai ser o seu Vale de Lobos. Com Portas, como o passado provou, aquilo que, no presente, é definitivo pode passar a ser revogável no futuro. Sem dramas e sem corar, porque ele sabe bem que este é um país de crédulos de memória flácida. Como já aconteceu com Marcelo, lembremo-nos. Por isso, aguardemos pelas cenas dos próximos capítulos. Daqui a uns tempos falaremos.

31 comentários:

Anónimo disse...

São artistas portugueses.

José Martins disse...

Senhor Embaixador,
Eu não penso que o Paulo Portas tenha sido um político talentoso, mas mais um oportunista que procurou singrar na dita e acabou pela saída de sendeiro.
.
Nunca se viu um Portas à vontade no discurso e um atabalhoado nas suas acções. Um mau vendedor de banha de cobra. O CDS há muito que entrou na área parasitária e o Portas bem disso sabia e por tal aproveitou-se e foi aproveitado pelo PSD pelo jeito que fazia.
.
Como jornalista foi péssimo, um inventor de casos falsos. Fundou o Independente para atingir objectivos que seriam o entrar na política e iniciou-se a enganar, a beijar e a dar mansadas a gente pelos mercados e feiras de Portugal.
.
Quando jornalista teve mais de uma centena de processos no tribunal que deles (nunca se soube) se haja livrado.
.
Nas duas coligações procurou lugares chaves (ministérios) que deles entendia como eu de lagares de azeite.
.
Na última coligação com Passos Coelho, logo à cabeça, entra pela porta da frente do Palácio das Necessidades e o senhor da diplomacia portugesa que desta não percebia patavina.
.
Nesta sua pasta praticou imensas cavaladas, entre elas a mudanças de embaixadores para países em que deveria estar outros diplomatas de prestígio e não os colocados.
.
Portas disparado pelo mundo fora apregoar o AICEP e a diplomacia Económica e a vender banha de cobra.
Criou os Vistos Dourados e negócios da China etc.etc...
Paulo Portas em Belém?
Senhor embaixador só quando as galinhas tiverem dentes!!!
O Portas acabou politicamente e sem hipótese de voltar...
O rabos de palha são muitos...
Saudações de Banguecoque

Joaquim de Freitas disse...

Para mim, é o Bayrou português : Sempre pronto, como o bom escuteiro! Não o conheço, mas leio-o e segui-o desde há muito nos meandros da política portuguesa.
Creio que é um pragmático, que está convencido que é preciso adaptar-se constantemente às situações económica, social , política e societal presentes.

Uma espécie de cata-vento mas com algumas convicções. Mas capaz de prometer o paraíso na terra, de facto não importa quê, sabendo que não poderá respeitar as promessas.

Mas tenho a certeza, que se lhe chamarem cata-vento, vai dizer,como Edgar Faure, que " é o vento que muda de direcção" e não ele!

De facto, Portas não tem côr, nem sabor! Porque não é democrático, nem social. E no fundo, é como muita gente da esquerda, que se diz "vermelha", mas na realidade são como os rabanetes : "vermelhos" no exterior," brancos" no interior, e nunca muito longe do prato onde está a manteiga!

Anónimo disse...

"foi um excelente jornalista, no que à qualidade da escrita diz respeito".

Noto aqui uma cortante e fina ironia queirosiana, senhor Embaixador. Ficava bem em "A Capital" para descrever a forma apuradinha, com todas as virgulas en su sítio, como os jornalistas escreviam nos jornais de Lisboa. Entretanto, como se sabe, a excelência na profissão de jornalista exige outros predicados, muito para além dessas prendas gramaticais. Ainda se o Paulo Portas fosse conhecido pelo valor literário dos seus textos... mas não consta, não.



David Lencastre disse...

Tenho uma opinião diferente. Portas não é, nem nunca foi, um talentoso político. Fazer Política é uma coisa, ser um encenador de políticas é outra. Portas é um egocêntrico. Nunca quis saber do Partido (CDS), nem do País, apenas lhe importava a gestão da sua imagem político-pessoal. O Partido, esse transformou-o num veículo de propaganda de si mesmo, daí o CDS passar a CDS-PP. Quanto ao País, explorou e manipulou, demagogicamente, determinadas situações de fragilidade, como a dos reformados, para chegar ao Poder. Portas nunca teve qualquer sentimento de ordem social. Mesmo o seu catolicismo não é mais do que uma maquilhagem política. Não existe uma ponta de sinceridade em tudo o que diz e defende. Nem ele próprio acredita nele e ele sabe-o. Portas é a personificação da Demagogia política, do teatro político. Portas é, sempre foi, um ilusionista da Política. É uma espécie de vendedor de banha da cobra de camisa lavada. Percebe-se também uma certa frustração nele. Nunca poder ser PM magoa-o. Vaidoso, pomposo, gongórico, Portas é, bem vistas as coisas, com a devida atenção e distância, uma patética figura. A cena do sai e entra do governo passado, fingindo que saía para depois continuar, depois da oferta de uma prebenda como Vice-PM, uma espécie de “Quase-PM”, mostrou bem a massa de que é feito Paulo Portas. E do seu carácter. É possível que por detrás de mais uma pantominice política, esta de deixar a liderança do CDS-PP (o “seu” Partido), esteja, como diz, a ideia de tentar resguardar a sua imagem para um outro salto, o de vir a ser um dia candidato a PR. Não me admiraria. E, deixando de aparecer, opinando pouco, talvez apenas através da pena, num qualquer jornal, procurará dar de si a ideia de um “senador político”. Para esse tal desejo, o de um dia poder concorrer a PR. Estou porém convencido de que o Tempo se encarregará de um dia de o tratar como uma nota de rodapé na história da política. E, entretanto, sabe-se lá o que ainda se lhe poderá vir a deparar. A vida traz-nos por vezes algumas surpresas. Umas boas, outras nem por isso.

Majo disse...

~~~
~ Uma análise demasiado diplomática que me choca...

Portas nunca escondeu a sua enorme ambição pelo poder

e para o conseguir passou por cima de muitos dos seus

princípios (irrevogáveis).

A sintonia e humor que partilhava com Passos e Relvas,

a 'caridadezinha', conluios, birras e ressabiamentos há

muito roubaram ao Paulinho respeito democrático.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

aamgvieira disse...

Artistas portugueses da mais fina(?) origem são os cataventos de esquerda (?) que assaltam o poder......com a maçonaria como tripé.

aamgvieira disse...

Era bom que o PS não esqueça o seu passado.....já não falando do recente passado... ......feito de "rabanetes-conforme-a-época"-macau-brasil-europa-china-bildeberg... um caleidoscópio de matizes....

Tem a "Colecção de Ilusionistas Famosos-séc XX" (cromos), quase completa.

António Lourenço disse...

Paulo Portas é aquilo que sempre foi uma rameira da politica um oportunista e um hipócrita representa tudo aquilo que de pior há na politica, mas ele vai andar por aí não tenhamos dúvidas porque é um actor habituado aos grandes palcos.

Manuel do Edmundo-Filho disse...

Saber reconhecer o talento daqueles de quem politicamente discordamos ou de quem somos até adversários políticos é uma dificuldade que nos é muito própria. Depois, quando esses em quem não discortinamos qualquer mérito atingem lugares relevantes, resta-nos o ódio de estimação, a acusação baixa, que se verte na primeira oportunidade. É claro que Portas é um político (tacticamente volúvel e demasiado "saltitante", como diz o embaixador), mas com talento e culto. E convenhamos, se a política se se limitasse apenas a aplicar os programas ideológicos de cada partido não seria necessárioa talento algum e era uma "seca" insuportável.

Anónimo disse...

Vieira, fino de certeza não era o artista Cavaco que usava meias brancas para grande gáudio no jornal de sarjeta do Portas. Mas isso é discurso facista, tal como o do "seu" assalto ao poder: Já leu a constituição ou a escolaridade oficial impediu-lhe a compreensão do art. 187º?

Portas até pode vir cruzado de Albuquerque que não é isso que o torna asseado.

Leia-se também o Jumento, de um senhor que foi perseguido por Passos e Portas e de grandes afinidades electivas aqui com o Embaixador que, fruto do passado profissional, decerto, descobre virtude em quase tudo, até neste Portas - [curiosamente na esquerda da esquerda e nos sindicatos, não]:

Em http://jumento.blogspot.pt/2015/12/a-geringonca-mandou-paulo-portas-para_29.html

"... Gasta a imagens do partido dos reformados, do partido das feiras e do partido dos contribuintes Paulo Portas esconde-se para recuperar fôlego.

Paulo Portas é [...] vítima da encenação que ajudou a construir com Passos Coelho e [com] a ajuda de personagens como o então presidente da Comissão Durão Barroso ou Cavaco Silva criaram uma falsa realidade com início da famosa saída limpa.

[...]

Paulo Portas é um predador oportunista, uma hiena da vida política portuguesa, aparece quando sente o cheiro podre do poder e desaparece quando o cadáver não tem mais nada a dar. A sua passagem à clandestinidade significa que percebeu que António Costa veio para ficar [...]"

Última nota, Seixas da Costa tem tazão quando ao que Portas agora quer.

Nuno de Magalhães (mas sem azeite)

Anónimo disse...

Este tipo de "artistas" são de duração limitada, como se acaba de ver. Como é que um partido destes consegue colocar militantes em ministérios-chave?! Só com um pm Passos.

Anónimo disse...

Sou de Esquerda, mas efetivamente gabo a coragem e a persistencia que Paulo Portas tem tido todos estes anos em colocar um partido médio duas vezes no governo. Qualquer Pinto de Sousa ou qualquer Coelho pode levar o PS ou o PSD ao governo. Mas levar o CDS nao é fácil.

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Senhor Embaixador

Vou contra a corrente esquerdista que predomina aqui no seu blogue.

Para mim Paulo Portas é um homem com um tremendo e inegável legado politico, com uma inteligência e astucia muito acima da média e um "animal" politico como não há.

É o mais inteligente e talentoso, e o maior político da sua geração, tem um enorme sentido de estado

Teve a capacidade de fazer ressurgir novos talentos políticos, igualmente inteligentes assertivos e com um discurso perfeito.

Espero vê-lo na política outra vez.

Finalmente que é um presente merecido para a Mãe, a Senhora Dona Helena Sacadura Cabral para quem a vida não tem sido fácil.

Seja como fôr, vai fazer falta naquela bancada.

Anónimo disse...

Mas afinal o quê que o homem fez, em concreto, pelo País e pelos Portugueses?
Isso é o que interessava ser lembrado. Dele e de todos os políticos. Bem eu dou uma dica: fechou a Casa do Douro. A mando do governo é certo!
Mas ele não se demite. Diz que não se recandidata! E se ninguém se candidatar?

José Rico disse...


Paulo Portas representa a personagem de uma "Morte em Veneza" anunciada, neste caso em Lisboa. PP sai de cena frustrado, incapacitado por papeis que tentava representar, mas que a sua bipolaridade facilmente demonstrava serem de falsete. Usava boinas, chapeus, e cachecois, como se fosse a maquillage ideal, para lhe esconderem a alopécia galopante, tal qual o vazio das suas ideias, sem ideário político convincente, que não fosse o imediatismo pragmático das suas ambições pessoais.

Paulo Portas, num curto espaço tempo imediato, irá ser assediado com casos da sua vivência política ainda mal resolvidos, em que, ele, sem a capa protectora do manto da governação, terá bastas dificuldades em se haver com a sanha que ele despontou nos seus adversários, porque os tem; dentro e fora do seu partido. E aqueles que têm contas por acertar, não lhe irão proporcionar vida tranquila.

Nos próximos tempos, iremos assistir ao desenvolvimento de vários episódios folhetinescos prenhes de muita emoção e gáudio social, em que o anedotário da sociedade pícara fará dele a personagem principal.

Não é nada fácil ser-se político de carreira em Portugal, sem que se tenha de recorrer a apoio psiquiátrico. E desse apoio, Paulo Portas irá necessitar bastante.

ARPires disse...

Paulo Portas ganhou créditos que o guindaram ao poder.
No poder perdeu toda a credibilidade que tinha conquistado e o melhor exemplo que temos é mesmo a decisão irrevogável que no minuto seguinte revogou.
Sai de cena porque não teria ele mais coragem para ir a feiras e mercados dar beijos e beijocas e prometer o paraíso quando já todos o conhecem que dali só vem mesmo o inferno.
Por mim pode ir para bem longe passar uns tempos de férias e até pode emigrar que não me deixa saudades.
Se uma língua viperina diz adeus, uma bífida a substitui esta regressada após o estágio feito em Bruxelas.

iur areixiet disse...

Quando, o Dr.José Ribeiro e Castro, tomou conta do partido,foi humilhado por este artista, quem for a seguir leva a mesma,receita.Paulo Portas nao e homem honesto, nunca foi e nunca será.Portas e um vendedor de sonhos, se analisar-mos de todas as afirmações, que sempre fez na sua vida politica, e mesmo antes, ele era falso. Só me admiro, de todas as malabarices, que fez , como submarinos, vistos golden, as vendas de tanta coisa importante, que era nosso, e nenhum juiz teve ou tem a coragem de o enfrentar. Esperem para vermos quem será a próxima vitima, vão ver se Nuno Melo se vai candidatar, ao lugar, nao vai e sabem porquê?
e que Nuno Melo, se parece irmão dele.

David Lencastre disse...

Vou retirar algumas das observações que o comentador José Tomaz de Mello Breyner, que está no seu pleníssimo direito de ser Monarquico, Católico e Conservador faz:
"Para mim Paulo Portas é um homem com um tremendo e inegável legado politico, com uma inteligência e astucia muito acima da média e um "animal" politico como não há.
É o mais inteligente e talentoso, e o maior político da sua geração, tem um enorme sentido de estado.". Como é possível fazer-se semelhante comentário é o que espanta! Uma criatura que nunca foi leal com quem partilhou o Poder (o PSD tem razões de sobra dele), que sempre apadrinhou uma política que foi aos bolsos dos mais fragilizados socialmente, veja-se o que o carrasco da Segurança Social do governo Paf fez, Mota Soares, nunca teve qualquer sentido de Estado, basta olhar para o seu comportamento e atitude enquanto Ministro e depois Vice-PM, prefiro não entrar em pormenores, enfim, e vem este comentador de Direita tecer-lhe elogios! é de bramar aos céus! Haja pelo menos alguém de Direita que tenha discernidade e distância para fazer uma análise sobre o que foi Portas ao longo da sua vida política. E nunca esqueçamos o seu papel destruidor - sobretudo do Poder PPD/PSD - que depois ele, Portas, viria a apoiar e a aliar-se em vários governos, para além do outro apoio, a Cavaco Silva/PR, que ele denegriu, vezes sem conta, no seu Independente. A Direita/CDS, como JTMello Breyner nos prova é inacreditável! Chocante!

Dor em Baixa disse...

Agora há que atravessar o deserto. Outros que o façam.
Se a travessia for curta reaparece no momento oportuno e derruba quem estiver a dirigir o CDS. Tem homens de mão para o catapultarem.
Se for demorada e o PSD entrar em autofagia como antigamente, desliga-se do CDS, entra para o PSD e será finalmente... Primeiro Ministro, a ambição da sua vida e único desiderato nacional que o motiva.

Bettencourt de Lima disse...

Truque com resultado positivo em duas situações anteriores; Manuel Monteiro e Ribeiro e Castro. A opinião publica é lesta a considerar a atitude de PP na senda de um grande rasgo. Trata-se tão somente de utilizar um truque antigo e com resultado garantido, sai agora o partido cai abruptamente nas sondagens e a sua «corte» pede-lhe encarecidamente que volte pois os lugares disponíveis estão a reduzir-se exponencialmente. E ele volta, sorrindo com ar de gozo. Resultou outra vez !

Dor em Baixa disse...

Agora há que atravessar o deserto. Outros que o façam, que isso é atividade pouco mediática.
Se a travessia for curta, aparece no momento oportuno, retira quem estiver a dirigir o CDS catapultado pelos homens de mão do costume.
Se for demorada e o PSD voltar à autofagia de antigamente, desliga-se do CDS, adere ao PSD e será finalmente... Primeiro Ministro, a ambição da sua vida e único desiderato nacional que o motiva.

Joaquim de Freitas disse...

David Lencastre disse...
Vou retirar algumas das observações que o comentador José Tomaz de Mello Breyner, : "que está no seu pleníssimo direito de ser Monárquico, Católico e Conservador faz:

Oh Senhor David Lencastre:

Na sua frase designou, Os Três Cavaleiros do Apocalipse ! ao socorro dum ingrato, que grande finório disfarçado em político, aprendeu desde há muito a conjugar o verbo gerir ... em todas as manjedouras! Vedeta espectacular, horrivelmente egocêntrico, que sempre soube retirar vantagem das suas declarações tonitruantes ocas ( à l'emporte pièce)!

Gostaria bem de ver um dia com que véu se cobrirá este malabarista, se a justiça portuguesa se põe a trabalhar com eficácia e abre devidamente as gavetas fechadas dos negócios ilícitos e criminosos , que prejudicaram o povo Português.

patricio branco disse...

é o ano sabático de pp, já teve outros, quando este acabar, voltará para novamente comandar o cds.
não é politico para se sentar no parlamento, isso é pouco para ele, gosta de governar, um lugar de mando e de evidencia.
é um caso pessoal, de ambição, não de ideologia política que não se percebe qual é como bem diz o texto.
um dia quererá candidatar-se a pr.

Joaquim de Freitas disse...

Jose Tomaz Mello Breyner:

"Vou contra a corrente esquerdista que predomina aqui no seu blogue."


En 1939, la dictature, franquiste s'installe L'idéologie officielle de ce nouveau
régime vante une Espagne
traditionaliste et fondée sur la religion catholique, ( l'allégeance au roi viendra plus tard), l'évocation mythique d'un passé glorieux et le rejet de la franc-maçonnerie, du socialisme et de la démocratie.

La censure, c'est-à-dire, le contrôle que fait le régime des divers moyens
d'expression en vue d'accorder ou de refuser leur présentation au public, va
être utilisée volontiers par Franco, à l'aide d'une panoplie de mesures drastiques
et tyranniques.

• L'enseignement est confié à l'Eglise (6000 instituteurs de gauche seront exécutés).

Se Internet e os blogues existissem, os embaixadores e os comentadores de esquerda seriam executados

Anónimo disse...

Como já ouvi dizer, um verdadeiro malabarista que procura incessantemente protagonismo e poder.

Anónimo disse...

Sou muito sincero, sempre desconfiei de pessoas que andaram engalinhados a estudarem em colégios de padrecas e freiras. Ao que temos visto ao longo dos tempos desses colégios nao tem saido grande coisa, só gente cheia de falsa moral e falsa ética. As grandes virtudes sao e foram dadas nos liceus públicos.

Anónimo disse...

Ao Breyner qualquer cheiro a sacristia ou a bidé miguelista serve de afrodisíaco.

Devem ser complexos de subserviência apurados em anos levados atrás de balcões de hospedaria e no convívio com banqueiros, arrivistas e outros plutocratas.

Depois anda aí pela blogosfera acudindo prosélito a desvios em boas casas, e querendo que os outros lhe partilhem amores e preconceitos de oligarcas medíocres.

nuno de magalhães (mas de cabelo lavado)

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Ao Anónimo das 13:07 que nem coragem tem para dizer o nome, desejo um Feliz ano de 2016 desejando que o Ano Novo lhe traga mais coragem para assinar o que escreve

Quanto aos outros que tiveram a coragem para assinar, esses respeito as vossas opinião embora não concorde com elas.

E conforme disse fico contente pela Senhora Dona Helena Sacadura Cabral que sobre esta saída do Dr Paulo Portas da liderança do CDS disse :

“Deus compensou-me e permitiu que, em vida, eu pudesse ter esse conforto. E hoje pude passar um dia tranquilo, sem ler ou ouvir as barbaridades de ódio que, por certo se terão dito, no meio de alguns elogios que, acredito, outros possam ter feito. Esse é o mundo da política. Que, espero, passados uns meses, já não faça mais parte do meu”.

Continuo no entanto a ter pena que um dos Políticos mais brilhantes que Portugal tem tido saia de cena.

As minhas homenagens ao Dr Paulo Portas a quem agradeço ter servido Portugal como serviu.

aamgvieira disse...

Para os "ilusionistas"...e menos educados....

O que me interessa por agora é realçar um facto apenas. Paulo Portas não foi perfeito - e ninguém, excepto um louco, lhe pedia que o tivesse sido. Mas foi um líder. E a capacidade dessa liderança vê-se, em grande medida, na hora da saída. Para o caso de não terem reparado nela durante os últimos anos.
Não fosse Paulo Portas (entre outros, como Miguel Esteves Cardoso, mas com ele à cabeça) e ainda hoje a direita portuguesa vivia entalada entre socialistas cristãos e saudosistas do Estado Novo. Nem que seja por isso, julgo que todos lhe devemos um agradecimento. Eu devo.

Anónimo disse...

Tantos comentários mais o post cheios de censuras e encómios, mas sem algo de substantivo que possa ser imputado a Paulo Portas a mal ou a bem do País e dos portugueses!
É o costume da "crítica" sobre os políticos: Gosta-se porque é dos "nossos" ou o contrário. Ou até, gosta-se porque se gosta!
Mas, bastaria não haver qualquer coisa de substantivo para ser péssimo!
O comentador da Casa do Douro...