sexta-feira, 8 de agosto de 2014

A direita, de Costa a Costa

Durante meses, senão mesmo anos, a direita burguesa, em especial lisboeta, incensou António Costa. Dos "dîners en ville" às conversas mais sérias, Costa era o "enfant chéri" das pessoas "bem" - e podem crer de que sei do que estou a falar. Era sempre sublinhado o seu sentido de Estado, o seu humor e cultura, a sua personalidade forte, a experiência governativa, o saneamento feito na autarquia. Nas redes sociais conservadoras ou mesmo "reaças", era-lhe quase sempre dado um claro benefício da dúvida, o que passava a mensagem subliminar de que, no fundo, "O PS, com o Seguro, não vai lá!" mas que "Ah!, se fosse o Costa, bom, isso então tudo fiava mais fino!".

António José Seguro era olhado com sobranceria, com um "parvenu" de província, com um "boyish style" insuspeito de carisma, o ar  de eterno "calimero", de um "jota" crescido, que dificilmente levaria o PS a parte alguma, muito menos ao lugar de Passos Coelho. Concedia-se, no limite, que "pode ser que seja sério", o que é, nos dias que correm, uma espécie de atestado mínimo de aceitabilidade política, embora às vezes dispensável, como é sabido. Mas era um "coitado". Sempre que apresentava uma medida, a imprensa "desfazia-a" no dia seguinte: era logo qualificada como uma proposta "avulsa", feita a reboque dos acontecimentos, não inserida num projeto político coerente e diferente. Quando, um dia, se decidiu a apresentar uma "batelada" delas, então foram medidas a mais! Não, não ia lá!

Vieram as europeias. Em face do seu próprio descalabro, a direita percebeu, num instante, que a potencial alternativa partidária não tinha sequer aproveitado a sua queda. O desgosto ficou assim mitigado e viu, já com alguma satisfação, instalada a imediata confusão no campo adversário. Observou Costa a desafiar, a sério, a liderança de Seguro, dando voz a um setor do PS que não se conformava com a escassez da vitória. Viu as espadas saírem a terreiro, os caceiteiros desengravatados dos dois lados a afinarem a voz nas tv's, a tecla nas colunas de retratinho ao canto e nas redes sociais, para as grosserias e para as insídias, a acidez em ambos os campos da família do Rato a vir ao de cima, como um "remake" dos tempos "do sótão", só que agora em registo de lota.

Discretamente, a direita começou por se rir da imensa zizania instalada no seio "dos chuchas". E, logo de imediato, tentou cavalgar a onda, pela desqualificação: "Aquilo no PS é um saco de lacraus! Vai ser o bom e o bonito!". A ideia das "primárias" e a perspetiva do longo e penoso desgaste que elas implicavam para o ambiente no PS e a sua capacidade de sustentar uma oposição eficaz encantou-os: "Vão pegar-se todos à estalada. No fim de setembro são um partido totalmente partido". E o sonho, já perdido, de uma vitória em 2015, começou então a renascer, ainda a medo, das catacumbas da S. Caetano a S. Bento. Nem que tivessem de aturar o CDS, uma vez mais! Ficar no poder vale bem uma missa!

Entretanto, Costa começou a mostrar-se, a andar pelo país, com muita gente à volta, com as estruturas partidárias a equilibrarem-se, usufruindo da sua tradicional boa imprensa, a sugerir-se como um potencial PM. E toda essa gente do "outro lado" que, até então, ele encantava nos salões, que gabava a sua firmeza e assertividade elegante, que lhe destacava a irrepreensível urbanidade e abertura, passou a olhar como suspeitos os seus "silêncios" táticos na Quadratura do Círculo, a fazer a exegese de tudo o que ele dizia ou, mais importante ainda!, do que ele, afinal, não dizia. Começou a perceber que, de facto, talvez Costa pudesse vir a converter-se numa grande "chatice", se acaso chegasse a disputar S. Bento com Passos Coelho.

E é assim que, quase de um dia para o outro (a "Opinião" do "Observador" tem sido disso o melhor barómetro), o "olhar" sobre Costa mudou, radicalmente: "Olhem que o homem não fecha a porta a ligar-se aos comunas!", "É a tralha socratista aí de volta, vais ver!", "Já ouviste o que ele disse sobre o cumprimento do Tratado Orçamental? É de uma grande irresponsabilidade!", "E aquela gestão na Câmara é um bluff! Olha o estado em que está o lixo! Ó filha! e os buracos?!", "O homem, afinal, agora vê-se: não tem uma ideia!", "E não é que ele não quer falar do défice? Se calhar também não quer pagar a dívida!?" e coisas assim. O Costa simpático, moderado e consensual, transformou-se, de um dia para o outro, no Costa perigoso, esquerdista, quiçá vermelhusco.

E, nesta deriva mundana saltitante, já um tanto atoleimada, passaram a ouvir-se vozes, em contraponto, a dizer coisas do género: "Ó qu'rida! Pelo menos, o tal de Seguro não se bandeia com o PC, essa é que é essa! Já este...". Ou então: "O "menino" já viu como o Seguro fala agora, bem mais "solto"? Ele, afinal, tem mais garra do que parecia. E vai fazer cara a vida ao Costa, ai vai, vai!". Até que, de uma dessas vozes, feminina e "rouca", muito Linha, "p'cebe" e pulseiras, mas sem nada de parva, veio um angustiado argumento: "Isto não é tão fácil como parece! O Costa, se for montada uma boa campanha a acusá-lo de estar ligado ao Sócrates, pode ser que venha a suscitar rejeição no eleitorado. Mas vai ser difícil, porque ele é bastante popular. Já o Seguro, com aquele ar agora um pouco mais determinado, será que vai conseguir dar a volta? Se arranjar coragem para se distanciar abertamente do "Sócras", com o balanço de uma vitória nas primárias e se a economia descarrilar um pouco, pode final ser bem mais perigoso do que pareceu nas europeias. Mas isto está mesmo muito complicado!"

Devo dizer que, como "voyeur" assumido da direita doméstica, especialidade masoquista em que tenho um MBA com distinção pela universidade do meu bairro, isto é, da Lapa, sigo com grande curiosidade lúdica esta sua deliciosa angústia, esta tragédia de, afinal, ter de escolher entre quem a vai derrotar. Porque, como dizia o outro, lá no fundo, a direita já percebeu que vai perder, só não sabe é com quem e por quantos...

ps - prometi e dedico este post à minha amiga Helena, a de Tróia. A sério!

19 comentários:

Vilela Borges disse...

Gosto

opjj disse...

V.Exª acha mesmo que com o atoleiro onde estamos mergulhados e falidos alguém pode fazer promessas?
Agora que ACosta mostrou uma face de desonestidade é evidente. Teve oportunidade e fugiu porque ainda estava longe.
Tenhamos fé, valha-nos isso.
Cumps.

domingos disse...

Embaixador, vc. sabe tão bem como eu que quem verdadeiramente manda na direita não vive no bairro da Lapa.

Anónimo disse...

"Like", como se diz em linguagem de Facebook.

Maria disse...

Ha mesmo uma Helena em Troia, sem ter a ver com as guerras mitologicas, Menelau, Paris, Aquiles, o dito cavalo para enganar os troianos....pelos arrosais fora?

Chega de divagacoes. BOM FIM DE SEMANA. Ontem fiquei a salivar com o ponto com.
F. Crabtree

Anónimo disse...

No meu "prognóstico" vão todos perder como nas últimas eleições. Depois, todos vão dizer que ganharam. E os da COSTA vão continuar a dizer que a aplicação dos fundos da D. Angela, são deles, sendo um desperdício a sua aplicação em Lojas Interativas de Turismo, entre as quais a de Boticas, que apontam como sendo um “mau uso de fundos comunitários”.
A "quequice" de Lisboa vai continuar a preponderar com os mesmos, sejam de um lado ou de outro, distribuindo as prebendas por todos os queques para levarem as queques aos "IN" (não consigo distinguir o que é esquerda ou direita. Se tivesse ido à tropa tinham que me ter colocado uma pedra na mão...). Pior, prevejo que a imundice a que estamos a assistir vai continuar.
Haja alegria Sr. Embaixador, conte umas anedotas picantes, se calhar alguém o acompanha e, assim, vamo-nos rindo neste verão manhoso, que é o que se levará desta vida, como diziam os meus.
antonio pa

Helena Sacadura Cabral disse...

Francisco
Esta sua amiga, que é Helena, mas não de Troia, só tem um reparo a fazer.
A gente da Linha dos dias de hoje já não fala assim. Quem fala assim são os avós, que se dividiam entre a Lapa e a Quinta Patino.
Na Lapa, onde também vivo habitam, hoje, uns intelectuais que se encontram na Chef ou na Cristal. Os do "p'cebe" já se mudaram...porque o sítio está velho, sujo, cheio de buracos e de tabuletas a dizerem "VENDE-SE"!

Anónimo disse...

Senhor Embaixador, escrevo-lhe a pedido do Senhor Alcipe, que e apoiante declarado desse tal Costa e diz que prefere não vir ao debate. Mas eu, Feliciano da Mata, não tenho medo de debates, não sou dessa carreira diplomática que ainda não conseguiram dizimar (tentaram, e verdade) e só apoio de verdade quem me da o pão e a manteiga para barrar por cima.

O Costa mete medo a direita porque ainda a pode vir a dividir; e o Seguro já se percebeu que esta pronto para uma coligação com os que la estão. O que se vai passar, não sei: não tenho a certeza de nada, ao contrario do Sr. Alcipe, que anda a banhos, a fingir que le o livro do Piketty, mas na realidade le a "Flash", a "Caras" e vá la a "Visão", quando fica mais i
intelectual.

Creia-me, Senhor Embaixador, a sua inteira disposição e se tiver um pingo doce para me dar, eu chego logo aí com a minha mota.

Sinceramente e sem papas na língua

Feliciano da Mata

Albino M. disse...

Fónix, a língua portuguesa é tão bonita... diners EN ville, enfant cheri, boyish style... et j'en passe, pardon my french, que quer dizer desculpe o meu francês.
Mas não é só isso, o que fã também as minhas delícias é ouvir falar da direita, malhar na direita, como dizia outro grande teórico, já não sei qual, eles são tantos ...
E quem malha na direita é a esquerda, tem de ser, senão o mundo não é mundo, nem a lógica seeria a lógica, seria uma batata. Esta esquerda, repito, pura e dura, a esquerda de barba dura, a cheira a old spice, logo pela manhã.
A vossa sorte é que o ridículo não mata, E vós estais carecas de o saber...

Anónimo disse...

Com o pragmatismo que me ficou da escola à "inglesa" vou votar no Costa. E, deixo o seu amigo de verdade Feliciano da Mata a contar mais um voto para os seus (dele) amigos. Voto em consciência, pois sempre achei que votar a 90% em dirigentes partidarios era um "embuste" para quem paga as quotas e para quem os sustenta na eleiço para as listas partidarias... Alguma coisa tem de se fazer para desfazer este faz-de-conta que é eleger - para exercer cargos publicos - gente que na sua vida, e, o unico trabalho que tiveram foi o de se colocarem em lugares elegiveis nas listas dos partidos a que pertencem. De "trabalho efectivo no terreno" é que o pais precisa "no curriculum" dos rapazes. Muita gente no meu tempo ficava na rectaguarda a trabalhar no duro e por pouco dinheiro... Nem espero muitas novidades ou diferenças, pois o mais importante mesmo é mostrarmos que ninguém esta eleito por obra do Espirito Santo... nem que seja por um congresso partidario de "guardadores" de rebanhos!!!

Anónimo disse...

A dita Direita já não fala assim, HSC tem razão. Parte dos seus representantes nem sequer falar correctamente sabe. Essa, que refere brincando, está em vias de extinção e não deixará saudades. Ainda assim, conseguiram deixar como última “atitude de marca” o “um BJ” (só um, a cumprimentar e à despedida. Dois é “parolice”, 3 ou mais é bizarria, ou coisas de estrangeiros, que se toleram a contragosto. Dois é que não. Marca aos olhos deles a “parolice”). A Direita de hoje tem várias origens e é marcadamente nova-rica (quer de otigem burguesa ou campónia). Não olha a meios para atingir fins. É ambiciosa no mau sentido do termo. Olha para a Política como trampolim para alcançar objectivos profissionais, pessoais, etc. Não tendo, como os tais que refere, ideologia, tem na postura e na forma como vive e se comporta nas relações profissionais e pessoais. Esta nova Direita é do mais tinhoso que há. Pouco culta, vaidosa, ambiciosa, insensível, egoísta, videirinha, falsa, oportunista, capaz de tudo.
Quanto a A.Costa, já começou a campanha de certa imprensa de Direita contra ele. Do Observador, ao Sol e não vai ficar por aí. Seguro representa o mais do mesmo do que já vimos nestes últimos 3 anos e picos. Embora Costa não vá mudar substancialmente as coisas, é de crer que possa vir a dar alguma “compostura” e seriedade – e honestidade – ao panorama político a partir de 2015. Caso, sim, caso ganhe a liderança do PS.
Já não seria mau se deixássemos de ser apenas um número, como somos para este governo, e passássemos a ser olhados como gente.
G.Matos

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Albino M. Careca ainda não estou, mas que o cabelo vai andando, lá isso vai!

Anónimo disse...

Sou careca e de Esquerda. Orgulhosamente.
a)Digno Calvo

Anónimo disse...

Para um não-politizado como eu, mascido em casa da família na Lapa como era costume no meu tempo e tendo vivido nessa casa muitos anos, não percebo nada disto. Só depois de meados dos anos 80 é que a Lapa foi transformada num lugar chic. No meu tempo havia de tudo. Alguns com dinheiro outros com pouco mas dava-se tudo bem. Ainda me recordo de algumas regiões mais populares e não só na Madragoa. Um dia achou-se que a Lapa era chic e foi uma correria a quererem ir viver para lá para ganharem estatuto social mas....é apenas uma questão de moda, estragando as carateristicas locais.

Anónimo disse...

A Lapa velha era uma coisa bem diferente da Lapa de hoje que de Lapa já nem o nome tem pois agora é que ela virou Estrela e, esqueceu a Lapa Social em obras e, ajuda e, inter ajuda, essa ficou na velha e, já nada tem...A nova tem tudo e, não tem nada do que tinha virou plástico e, esse é moldável...e, como está a falar da actualidade essa talvez se adapte ao modelo descrito e, não deixa de ser um retrato afiado e, escrito para alguns não outros que se mudaram e, vão-se actualizando no dia a dia conforme a onda vai e vem...Apesar de tudo gostei deste bocadinho....

antonio graça de abreu disse...

Zhuang Zi (369 a.C.- 286 a.C.) um dos maiores escritores e filósofos da China de sempre,explica assim, no capítulo 17 do seu Livro:

“Aqueles que afirmam existir o correcto e o justo sem o seu correlativo, o incorrecto e o injusto, ou o bom governo sem o seu correlativo, o mau governo, não compreendem os grandes princípios do universo nem a essência de toda a criação. Como se pode falar da existência do Céu sem se referir a existência da Terra, ou do princípio positivo sem se referir o princípio negativo? No entanto, ainda há pessoas que continuam estas intermináveis discussões. Essas pessoas ou são loucas ou são ingénuas.”

Esquerda, direita, costa, Seguro, Coelho, as intermináveis discussões.

António Graça de Abreu

antonio graça de abreu disse...

Zhuang Zi (369 a.C.- 286 a.C.) não sabia sequer quem era este homem, um dos maiores escritores e filósofos da China de sempre. Mas estava no bom caminho para aprender com o mestre do taoismo filosófico, que explicava assim, no capítulo 17 do seu Livro:

“Aqueles que afirmam existir o correcto e o justo sem o seu correlativo, o incorrecto e o injusto, ou o bom governo sem o seu correlativo, o mau governo, não compreendem os grandes princípios do universo nem a essência de toda a criação. Como se pode falar da existência do Céu sem se referir a existência da Terra, ou do princípio positivo sem se referir o princípio negativo? No entanto, ainda há pessoas que continuam estas intermináveis discussões. Essas pessoas ou são loucas ou são ingénuas.”

António Graça de Abreu

EGR disse...


Senhor Embaixador : suponho que entendi o significado politico do post.
Quanto as referencias a Lapa, e aos comentários sobre a dita, dada a minha qualidade de tripeiro, e portanto provinciano,que todavia se fosse primeiro ministro não iria passas férias para um casinha alugada na Manta Rota, nao estou não me sinto habilitado a opinar; nunca conheci ninguem que lá vivesse, e apenas sei o que sobre os seus habitantes e respectivo linguajar,de vez em quando, surge na chamada comunicão social.

Anónimo disse...

De acordo com quase tudo o que diz o Sr embaixador e julgo também com o que não disse. Na direita há mais uns bitaites que expresso. É assim a direita delirou com a crise no PS, mas a criação do mito Costa tem origem dentro do PS e para não atear mais o fogo demito-me de explicar consciente de que o Sr Embaixador sabe do que falo. Nem a classificação de Costa como esquerdista, nem a de Seguro como mais de direita é correcta. Estas classificações funcionam e servem vários quadrantes. Costa fez de aprendiz de feiticeiro em 27/5 num esquema construído ao mm. Abriu uma caixa de pandora e saiu-lhe quase tudo mal do início, e agora é tiros nos pés todos os dias. Por mim só vejo um António capaz de tentar/conseguir colar alguns cacos. Não voto no obscuro, Messias , D. Sebatião. Volto pelo Seguro. Conceição