segunda-feira, 30 de março de 2009

Portugal na cidade universitária

Regressei hoje à cidade universitária de Paris, para visitar a casa de Portugal - Residência André de Gouveia - agora remodelada: 169 quartos, ocupados por portugueses e estrangeiros, com as condições mínimas fundamentais para a finalidade a que se destina.

Paris é, ao que sei, a única cidade do mundo onde, num largo espaço, se distribuem dezenas de grandes casas para habitação de estudantes, a maioria das quais com o seu nome ligado aos países que as doaram.

Por aqui passaram muitas centenas de portugueses, desde há décadas. Recordo-me de lá ter visitado, aí por 1973, entre outros, bons amigos como José Carlos Serras Gago, a viver na casa do Líbano, e Joaquim Pais de Brito, na casa da Noruega. Acho mesmo que era tempo de procurar reunir esses portugueses para quem a cidade universitária de Paris foi escala da vida.

A cidade foi palco de cenas complicadas no Maio de 1968, com a residência portuguesa a ser alvo de acções de ocupação contra o regime de Lisboa. E chegou a haver por lá tragédias, como a luta entre facções cambodjanas, ao tempo de Pol Pot.

Criada nos tempos pacifistas dos anos 20, para favorecer o intercâmbio entre estudantes de todo o mundo, a ideia generosa da cidade universitária de Paris não conseguiu, contudo, convencer a União Soviética e os seus aliados, razão pela qual essa parte do mundo continua a não estar por lá representada.

Tem uma arquitectura ecléctica, com alguns belos edifícios, da autoria de reputados arquitectos, outros nem por isso. E há o nosso, originalmente do traço de Sommer-Ribeiro, mas que foi objecto de uma intervenção arquitectónica recente, de um gosto, para mim, um tanto discutível, mas que lhe aumentou a dimensão e funcionalidade.

Sob a orientação de Manuel Rei Vilar, a Residência André de Gouveia, criada pela Fundação Calouste Gulbenkian em 1967 e agora entregue à gestão da cidade universitária, necessita ainda de alguns apoios para ser completada - em especial o seu magnífico espaço de exposições/concertos e a área de teatro.

Esse foi um dos temas que hoje também suscitei junto dos empresários da Câmara do Comércio Portugal-França, que reuniram na Embaixada a sua Assembleia Geral, sob a presidência de Carlos Vinhas Pereira. Apelei à sua ajuda, através do mecenato, para se completarem as obras da residência, que também pode ser aproveitada por estruturas associativas da comunidade luso-francesa.

Se queremos vir a ter uma força colectiva em França, se pretendemos que a segunda e a terceira gerações de portugueses e luso-descendentes afirmem nesta sociedade a sua diferença, temos de saber trabalhar e agir em torno daquilo que reforça a nossa identidade. Como é este caso.

Sem comentários: