quarta-feira, 8 de maio de 2019

O silêncio de Marcelo


Pode ler aqui, o artigo que hoje publico no Jornal de Notícias sob o título em epígrafe.

7 comentários:

OdeonMusico disse...

"naquela que foi a circunstância que, de modo potencial, se configurou como a maior crise para a estabilidade governativa, em toda a corrente legislatura." - apreciei esta formulação (só mesmo de embaixador)

Portugalredecouvertes disse...

às vezes o silêncio vale por mil palavras

Anónimo disse...

Exelentíssimo Senhor Embaixador, um "sonoro silêncio" pode absolver o passado... e até o futuro! Como diz VªExcia: "O presidente fez bem em guardar a sua palavra. O que quer que pudesse ter dito teria sido demasiado.". Já me não sinto confortável com a sua declaração: "Ao deixar o PSD e o CDS tropeçarem em si mesmos(...)" e, ACosta "ficando deliberadamente sozinho" não me parece que tivesse ficado nada, mesmo nada bem, especialmente quando tem de ouvir enxovalhos fortíssimos (como «é mentira» etc)... expondo-se a um "ridículo se paga em credibilidade". Assim, facilitará ao Senhor Presidente brindar-nos com algumas palavras vistas como sensatas.". Pois a centralidade do Senhor Primeiro Ministro, como refere, não propicia, a meus particulares ouvidos, um lugar de sensatez, quer pela argumentação, pelo tom da comunicação oral, quer da corporal...

Gostei muito do termo que utilizou "acalmação"! Saiu-me mesmo, compulsivamente, um fungar de riso.

Descrevo estes meus pensamentos não para apenas ter o prazer de degladiar consigo, que é um imenso prazer...!, mas porque este sistema informático nos dispõe numa espécie de mesa de café, vulgo seguidores.

Anónimo disse...

Uma construção ativa de neutraliade portuguesa: http://www.jornaldaeconomiadomar.com/d-francisco-de-almeida-participa-no-ost-a-partir-de-amanha/ (notícia de hoje, 08.04.2019). Até 13 de Junho a fragata portuguesa treinará com a Royal Navy, após o que concluirá o seu aprontamento para integrar a Força Naval Permanente da NATO, em Agosto

Anónimo disse...

Se calhar, não era má ideia uma "crise" todas as semanas...

Anónimo disse...

C'os diabos, isso é mau !

Anónimo disse...

Contar aos professores o tempo que eles trabalharam era, de facto um escândalo !!!!
Mas pagar aos juizes mais do que ao primeiro ministro parece uma coisa normal...e bem aceite por tanta, tanta gente...
Por absurdo: e se os professores fossem poucos e os juizes muitos ?