quarta-feira, 8 de maio de 2019

Honra a Messi


Desde há anos que, do Manchester United ao Real Madrid e agora à Juventus, “sofro” por Cristiano Ronaldo. Alegro-me quando ele marca e ganha, desespero quando ele falha e perde. Sinto os seus êxitos um pouco como meus, olho as suas conquistas como um orgulho coletivo do país. Acho que ele faz imenso pela notoriedade de Portugal - e isso, para mim, é um valor. (Noto, para que não haja dúvidas, que o mesmo me acontecia com José Mourinho). 

Dito isto, tenho de reconhecer que ver jogar Lionel Messi faz parte dos meus maiores prazeres futebolísticos regulares. Com uma vida a ver bom e mau futebol, raramente observei um jogador tão genial e completo. Messi é um génio, como Ronaldo o é, cada um à sua maneira. Um drible curto de Messi, na área, ou um seu passe milimétrico equivalem àqueles livres, fantásticos e precisos, de Ronaldo, ou aos seus cabeceamentos, “lá de cima”.

Quando ocorre um jogar contra o outro, claro que quero que Ronaldo “esmague” Messi, tal como nos prémios do “melhor do mundo”. Mas nem por um segundo isso faz com que eu alinhe minimamente na cultura anti-Messi que por aí anda, que também leva o Barcelona por arrasto. Ontem, ao ver o Liverpool-Barcelona, apreciei em especial o espetáculo, a “remontada” britânica, com aquele curiosíssimo canto, a fechar o jogo. Ah! E gostei dos cumprimentos entre adversários, no fim.

3 comentários:

Anónimo disse...

"livres, fantásticos e precisos"? Desculpe lá, que Ronaldo anda a ver? :)
Não é o da Seleção, isso é certo.

vitor disse...

O futebol em Portugal há muito que deixou de ser um desporto e é sempre muito complicado dissertar sobre algo que nem sabemos muito bem o que é mas onde não entra de certeza um pingo de fairplay. Claro que são mais dois génios da bola.

Luís Lavoura disse...

Os livres do Ronaldo são coisa que já era. Que eu saiba, ele já há bastantes anos que deixou de marcar os fabulosos livres que em tempos marcou.