quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Indo eu, indo eu...


... a caminho de Viseu, já cheguei, neste belo fim de tarde, à capital portuguesa das rotundas. São 127, dizem! Venho por aqui debater a Grande Guerra, numa iniciativa da Câmara Municipal e da Liga dos Combatentes.

Durante muitos anos, quando as auto-estradas não ainda tinham reduzido o nosso trânsito pelas localidades servidas por estradas nacionais, Viseu foi, para mim, uma passagem obrigatória, nas longas viagens entre Lisboa e Vila Real, em tempos de Natal ou Páscoa. 

Se a jornada estivesse muito atrasada, parava-se para tomar “qualquer coisa” no Monte Branco, um café citadino então muito na moda. Se as horas chegassem, jantava-se no Cortiço (mais tarde, também no Trave Negra), com o Dom Zeferino a insistir para que provássemos uma aguardente “caseira”, o que nos preparava para o resto da jornada. É que, de Viseu a Vila Real era ainda um bom “esticão”, com uma estrada curvosa com frequente nevoeiro, por Castro Daire e dali, pela serra de Montemuro, até começar por descer por Lamego até à Régua. Recordo-me de jornadas noturnas de inverno, a ter de abrir frequentemente a porta do carro, para conseguir perceber o limite sa estrada. Nada que o bagaço do Dom Zeferino, nesses anos complacentes da antiga “Brigada de Trânsito”, não ajudasse a resolver... 

1 comentário:

Lurdes disse...

Interessa-me muito saber mais, sobre a Grande Guerra mas lamento que haja tão poucas referências a esta guerra em África, Moçambique - desastre de Namacurra e outros "palcos". Aí morreram tantos militares e a tanto sofrimento foram sujeitos.