quinta-feira, 22 de novembro de 2018

A estrela transmontana


Ontem, foi uma grande noite para a gastronomia de Trás-os-Montes. O Restaurante G, na Pousada de Bragança, com a cozinha dirigida pelo chefe Óscar Gonçalves, obteve uma “estrela” atribuída pelo Guia Michelin.

Acompanho, praticamente desde a primeira hora, o esforço feito pela família Gonçalves para requalificar o restaurante da Pousada de Bragança, unidade hoteleira que atualmente gerem. Tenho testemunhado o trabalho notável que o Óscar, bem como o seu irmão António, chefe de sala e magnífico escanção, têm feito para erguer a obra agora justamente galardoada. Mas não devo esquecer a importância do trabalho dos seus pais, a chefe de cozinha Iracema e o seu marido Adérito Gonçalves, que dirigem o restaurante bragançano Geadas, o qual, no fundo, acaba por estar na origem do êxito deste novo projeto. 

Nesta hora muito feliz para toda a família Gonçalves, os seus amigos, nos quais me incluo, congratulam-se por este importante reconhecimento. Mas há alguém, em particular, que sei que partilha bem fortemente esta alegria - o meu amigo José Luis Seixas, a pessoa que me recomendou, pela primeira vez, que fosse comer ao Geadas, há mais de 20 anos. O seu entusiasmo constante pelo empreendimento da família Gonçalves faz com que eu saiba que, nesta hora, esta “estrela” é por ele sentida de forma muito particular.

5 comentários:

Joaquim de Freitas disse...

Este restaurante foi a minha grande surpresa, há anos, a ultima vez que fui a Portugal pela estrada, onde comi um bacalhau que me faz sonhar ainda hoje. E aquela cave, que o chefe de sala me permitiu de visitar…. Bravo pela medalha !

Luís Lavoura disse...

o restaurante bragançano Geadas

"bragançano"?!

brigantino!

Anónimo disse...

Bragançano:
Relativo ou pertencente a Bragança, ou, que é seu natural ou habitante.

Brigantino:
Relativo ou pertencente a Bragança, ou, que é seu natural ou habitante.

Unknown disse...

Mais uma razão para irmos todos a Bragança!

Miguel Félix António disse...

Ainda há poucos dias jantei com o nosso comum amigo José Luís Seixas e pude testemunhar a enorme alegria e orgulho que dele transbordava com esta distinção ao Geadas. Não fosse ele um distinto e genuíno brigantino! Bem haja, pois, Senhor Embaixador, pela justa e oportuna lembrança.