8.9.14

Caros Antónios...

Caros Antónios

Sei que, com grande probabilidade, não irão ler estas linhas porque, a esta hora, deverão estar a afinar, com os vossos estrategas de campanha, as frases com que cada um espera "arrasar" o outro, nos três debates televisivos que aí vêm. Mas será talvez por isso mesmo que me sinto na obrigação de vos escrever.

Entrámos um dia no mesmo governo, vai para duas décadas, levados pelo carisma do António Guterres, ao som do Vangelis. À nossa frente, tínhamos o objetivo de dar a volta a um país cansado de bem mais de uma década de cavaquismo. Foram tempos entusiasmantes, em que, juntos, fizemos muitas coisas de que ainda hoje me orgulho e de que, creio, o país beneficiou. Tenho o gosto de dizer que, passado todo este tempo, cimentei, com cada um de vocês, uma boa amizade, que é também de grande e sincero respeito por aquilo que, cada um a seu modo, fez por Portugal. É apenas nesta qualidade que vos escrevo - a de um "compagnon de route", em definitivo afastado da ação política, mas que não abdica de se interessar pela causa cívica.

A vida colocou-vos agora em rota de colisão democrática pela liderança do PS. Devo dizer que me sinto feliz por poder constatar que, cada um de vocês à sua maneira, representa um PS com uma elevada consciência ética. Convosco, os portugueses sabem que estão a tratar com gente de bem, porque vocês fazem parte, em termos de honestidade e de serviço à comunidade, do melhor que o partido tem para apresentar. E essa é, desde logo, a primeira vitória deste tempo socialista que agora vos tem como protagonistas principais.

A campanha que travam era praticamente inevitável. É "chover no molhado" discutir agora se o processo das "primárias" era a maneira mais correta de testar a legitimidade da atual liderança. O António José Seguro entendeu que a vitória em duas eleições, antecedida da consagração num congresso em que abriu espaço aos que o contestavam, lhe conferia a legitimidade que lhe permitia continuar na liderança e consolidar a posição maioritária do PS. O António Costa considerou que não se podia furtar a ser a voz de muitos que se sentiam insatisfeitos, não apenas com a forma da atual liderança, mas principalmente com os resultados que o PS, enquanto oposição, ia obtendo, que viam como prenúncio de um forte risco para as hipóteses socialistas numas futuras eleições legislativas. Nunca me senti muito acompanhado quando exprimi, desde a primeira hora, que a solução das "primárias" era aquela que, muito provavelmente, permitia testar quem tinha razão, mesmo com o desgaste que esta longa campanha necessariamente representaria. 

Reduzir agora ao mínimo esse desgaste ainda está nas vossas mãos. Quero com isto dizer que os debates que aí vêm seriam, se vocês assim o quisessem, um momento de transformar aquilo que todos temem que venha a ser uma lamentável "guerra" fratricida num tempo de assestar baterias naquele que é o adversário comum, não apenas do PS, mas do próprio país em geral - uma ex-maioria a quem os portugueses deram há pouco tempo o mais arrasador voto de desconfiança de que há memória na nossa história democrática.

É mais do que claro que os militantes e os simpatizantes socialistas já sabem muito bem em quem vão votar, no dia 28 de setembro. Por isso, será uma pura perda de tempo da vossa parte estar agora a tentar "esclarecê-los" sobre qual de vocês tem o "direito" a liderar o PS ou pode ser mais eficaz na chefia futura, não apenas do partido como de um eventual governo socialista. Em especial, será tristemente auto-flagelatório se acaso optarem por "deitar sal nas feridas", com acrimónias de cariz pessoal, que só vos diminuirão aos olhos dos portugueses. E que diminuirão também a imagem do PS, por arrasto.

O que muitos gostaríamos - excluo, naturamente, dessa vontade os "talibans" e as "taliboas" de ambos os lados, que enxameiam de acidez "segurista" ou "costista" as redes sociais, as colunas de jornais e as televisões - era ver-vos concentrados na explicação serena da melhor forma de afirmar uma gestão credível para o país, como alternativa futura ao lamentável estado em que a governação que por aí anda deixou Portugal. Essa era a palavra que os portugueses esperariam de duas pessoas politicamente responsáveis, não uma "fulanização" do debate, transformada num fastidioso "eu-é-que-já-cá-estava" contra o "eu-é-que-sou-melhor-do-que-tu". Querem dar-nos uma alegria? Surpreendam-nos!

Estou esperançado de que isso assim aconteça? Aqui entre nós, meus caros, não estou. Mas até ao lavar dos cestos são as vindimas, e como o tempo delas está aí...

Com um forte e solidário abraço do

Francisco

A polémica do dia

Pronto! Com a decisão australiana sobre o tenista sérvio está criado um folhetim com todos os ingredientes: vedetas, política, teorias da co...