domingo, 30 de janeiro de 2011

Cairo

"Comovente", foi como alguém qualificou o cordão humano que  a televisão mostrava hoje de manhã a cercar o museu do Cairo, para defender essa preciosidade sem preço, onde se alberga uma memória que pertence à humanidade.

Os egípcios, orgulhosos da sua história, aprenderam as lições do Iraque, em 2003, onde a barbárie das turbas salteadoras do museu de Bagdad contou com a inculta displicência dos invasores americanos, que nada fizeram para evitar o saque e a pilhagem de peças insubstituíveis.

12 comentários:

Anónimo disse...

"Comovente"...

Não encontraria melhor atribuição qualitativa. no contexto.

Isabel Seixas

Anónimo disse...

Oxalá assim seja! E que se aprendam as lições da História. Como por exemplo, também, o que se passou com a acção destruidora e fanática da barbárie cristã dos séculos IV e V, por exemplo (desde templos pagãos, librarias, esculturas, enfim, tudo, ou quase tudo, o que constituía, ou simbolizava, a herança secular da Antiguidade Clássica Greco-Romana, a quem devemos o que é hoje, em boa parte, a nossa civilização ocidental, que sofreram a raiva destruidora e ignorante daquela plebe, capitaneada por um Clero imbecil, tosco, sanguinário, troglodita e ignorante da época).
Destruir aquilo que hoje se encontra naqueles Museus, designadamente o do Cairo constituiria um horrendo revés para a História da Humanidade.
Quanto ao que se passou no Iraque, faço minhas as palavras do autor deste Blogue. Chocante, aquela inculta displicência! Arrepia! Pobre Mesopotâmia, não merecias ser assim tão maltratada!
P.Rufino

NV disse...

Para além do que ocorreu no Iraque, se nos lembrarmos da destruição das estátuas de Buda em Bamiyan, há para já alguma ilação a tirar.

Anónimo disse...

A protecção peca por ser tardia, pois, segundo a BBC ,ontem já terão sido danificadas pelo menos duas múmias reais quando saqueadores entraram no Museu do Cairo.

LBA

Anónimo disse...

Cairo não é Bagdade... please! 2 vitrinas, com cópias, destruidas, na zona onde se compram os bilhetes de entrada para o museu e a "revolução" é comparada ao Iraque? Calma; calma; please! eu vivo cá, no Cairo! Deixem cair o Mubarak, por favor!! Se for preciso deixem destruir um ou duas esculturas, há tantas por aqui! ele já destruiu tantas vidas, muito mais do que esculturas!!! PLEASE, deixem-se disso:::::::::::::::... disto e de tudo o resto!!! PLEASE!!!!!

patricio branco disse...

simultaneamente às manifestações contra mubarak, exigindo a sua saída e reformas, há toda uma multidão que se tem dedicado a saquear casas particulares,lojas, supermecados, etc.O museu do cairo estaria nas objectivas de mafias de traficantes de arte ou de simples cidadãos que se aproveitariam para levar algo valioso. Felizmente, houve a consciencia, a nivel de grupos de pessoas e da policia-exercito de que haveria que proteger o museu.
Mas saqueios há-os e muitos.
Entretanto, mubarak manda fechar os estudios de al jazeera, que sempre aguentou contrariado, depois que a estação entrevistou um clerigo opositor exilado, proibiu a saida de jornais, etc.
Ao menos que se salve o museu do cairo, no meio de tudo isto que vai de mal em pior.

Anónimo disse...

exacto! sem telefones, sem TV's, sem Internet, nem sem nada! Mais de cem mortos em poucos dias, e é o Museu do Cairo que é um Problema?

Estamos a falar de quê? Meu deus!!! os museus de Londres e até o do Louvre, em Paris, têm tanta coisa roubada do Egipto!!!

Deixem cair o Mubarak por favor! que o Museu não seja um pretexto para matar mais gente!

Anónimo disse...

Um extrato do jornal Liberation:

"Egypte : La police secrète sème la terreur
Le Caire, 29 janvier 2011.

Depuis le 28 janvier au soir des événements inquiétants se produisent en marge des manifestations. Des vitrines du Musée du Caire sont brisées et des sculptures millénaires sont jetées au sol. Des banques sont attaquées. Des dizaines, (peut-être des centaines) de criminels dangereux sont libérés des prisons de Tora, Abou Zaabal, Wadi Natrum el Anater.

Les foyers, à l’échelle de la nation, sont attaqués par des bandes armées jusqu’aux dents qui pillent et terrorisent la population.

La tactique est limpide. Terroriser la population qui demandera à genoux le retour des forces de police qu’elle a combattu."

Anónimo disse...

Continuando: 'Liberation":

"Je vais faire l’impasse sur l’attaque du Musée du Caire qui est une machination médiatique burlesque car nous n’avons pas le cœur à rire.
"

Santiago Macias disse...

Quando visitei o Museu do Cairo havia, no interior, guardas armados até aos dentes de 10 em 10 metros. E o exterior estava protegido ao estilo do Fort Knox. Espero que nesta fase da vida da cidade e do país esses aspectos não sejam descurados.

A máscara está numa vitrina, mas na horizontal (pelo menos quando a vi estava). Parto do princípio que tenha escolhido esta imagem por simbolismo. Ou foi simples acaso?

Nuno Sotto Mayor Ferrao disse...

Caríssimo Senhor Embaixador Francisco Seixas da Costa,

Subscrevo inteiramente as suas palavras, pois o espólio do Museu do Cairo é Património da Humanidade e os saques que nestes períodos costumam acontecer teriam sido uma perda substancial para a nossa identidade humana. Lembro-me bem do actual Prémio Nobel da Literatura, Mário Vargas Llosa, ter denunciado de forma veemente as obras que se perderam em Bagdad.

Saudações cordiais, Nuno Sotto Mayor Ferrão
www.cronicasdoprofessorferrao.blogs.sapo.pt

Sérgio disse...

Só espero que os futuros administradores daquele precioso museu se lembrem desta notícia na hora de contractarem novo pessoal