segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

António Passos Coelho


Quando foi trabalhar para Vila Real, em meados dos anos 40 do século passado, ainda solteiro, o meu pai ia almoçar e jantar todos os dias a casa de um seu conterrâneo, de Viana do Castelo, José Lourenço dos Santos. Como era hábito nesses tempos, na residência desse seu amigo eram alugados quartos a estudantes, com partilha de refeições, num ambiente familiar.

Contava o meu pai, que já desapareceu há mais de uma década, com uma idade a rondar os 100 anos, que havia conhecido por lá um jovem brilhante, vindo de uma aldeia próxima, excelente aluno, que viria a ser um médico distinto. Essa pessoa fez vida por muitos lugares, andou pelas Áfricas e aportou um dia, de novo, à cidade onde tinha estudado, não longe da aldeia onde nascera. António Passos Coelho, era esse o seu nome, montou consultório em Vila Real e, curiosamente, o meu pai acabaria por ser seu paciente.

Um dia, fui tentado à aventura de, como independente, ser candidato à presidência da Assembleia Municipal de Vila Real, na lista do PS. Do lado ”de lá”, encontrei o candidato do PSD, António Passos Coelho. Tivemos um debate radiofónico bem aceso, mas com grande elevação. Perdi a eleição, mas criámos uma estima mútua para sempre. Anos mais tarde, já há quase duas décadas, quando o município nos atribuiu a ambos a medalha de ouro da cidade, António Passos Coelho pediu-me que também o representasse na intervenção pública de agradecimento que então fiz. Este seu gesto deu-me grande prazer.

António Passos Coelho faleceu hoje. Era um homem encantador, estimado na cidade, um príncipe no trato pessoal, muito ligado à memória da sua juventude e da sua terra, um homem culto, que escrevia lindamente e publicou imensos trabalhos. Guardo um seu livro de memórias, com uma dedicatória reveladora da grande simpatia que se estabelecera entre nós. Lamento muito a sua morte.

À família, em especial ao seu filho, dr. Pedro Passos Coelho, deixo uma nota de sincero pesar.

2 comentários:

Anónimo disse...

Chegou a sua vez. Paz à sua alma!

Anónimo disse...

Não conheci mas , como médico deve ter salvo muitas vidas ... enquanto o filho Pedro Passos Coelho tentou salvar Portugal !!!
Merecem os 2 o meu maior respeito .