segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Um fascista a sério


“Queres conhecer um verdadeiro fascista?” A pergunta foi-me feita, em tom de gozo, pelo António Ricardo, um colega que há muito desapareceu. 

Estávamos na Sala Verde do edifício da Junqueira onde funcionava o ISCSPU (claro, com “U” de “Ultramarina”). Em novembro de 1968, há quase 50 anos. Com as aulas concentradas na manhã, as tardes no palácio Burnay passavam-se entre essa sala, de grandes janelas sobre o belo jardim e as três ou quatro bibliotecas de que dispunha o Instituto - era assim que chamávamos à casa tutelada por Adriano Moreira, onde eu então estudava.

A política era muito intensa por ali, por esses dias do segundo semestre de 1968. Eram os efeitos do maio francês, o debate sobre os tanques soviéticos a entrarem em Praga, a queda de Salazar da cadeira, o alvoroço com a chegada ao poder de Marcelo Caetano. Por nós, estávamos a preparar uma lista associativa, sem ainda sabermos que iríamos ganhar as eleições e, depois, ver o resultado do sufrágio “não homologado” por decisão ministerial. Também não podíamos adivinhar que teríamos aquela escola cercada e invadida pela polícia de choque, com Adriano Moreira a ser afastado, meses depois.

“Um fascista a sério, militante contra os judeus, apoiante de Vichy, colaboracionista com os alemães, com a cabeça a prémio em França. Não achavas graça conhecê-lo?” A figura parecia tão caricatural que conferia interesse à ideia. 

E lá me explicou que, num edifício pertença da Emissora Nacional, na rua de S. Marçal (passei por lá há pouco, creio ser o que está na imagem), num esconso gabinete, trabalhava Jacques Ploncard d’Assac, um fascista francês, fugido à democracia de Paris, acolhido e protegido por Salazar, a quem os franceses gostavariam de deitar a mão. 

Membro da Action Française e do partido de Doriot, condecorado por Pétain, viria a trabalhar nas emissões em francês da “Voz do Ocidente”, que a Emissora Nacional ajudava a divulgar. Foi um escritor muito prolixo. Nunca escondeu o seu anti-semitismo, odiava a maçonaria e o comunismo, e teve uma imensa obra doutrinária publicada, tendo sempre como pano de fundo uma perspetiva de extrema-direita, que não renegava. Regressou a França depois da Revolução de 1974, morrendo em 2005.

Naqueles seus dias da Emissora Nacional, sabia-se que tinha gosto em falar com estudantes, aparentemente no sentido de os catequizar. Com a substituição recente de Salazar, posso imaginar que devia sentir-se um tanto perdido. O argumento para a nossa visita era solicitar, como estudantes de Ciência Política, livros publicados pelo regime, a cuja edição ele estava ligado, fingindo estarmos a “informarmo-nos”. Hoje pode parecer bizarro. À época, configurava uma experiência curiosa.

E lá fomos, uma tarde - eu, o Manuel Dinis, o Alexandre Chaves e o Daniel Polónio - conhecer o fascista. Dou-me agora conta que ele tinha então 58 anos. Recordo muito pouco da conversa, apenas que foi simpática mas não muito motivante. Com graus diferentes, nenhum de nós tinha a menor proximidade com as suas ideias. Todos fomos urbanos, conversámos uma boa meia hora, lembro-me apenas de ele ser muito cuidadoso sobre Marcelo Caetano, recém-empossado. À saída, ofereceu a cada um de nós o seu “Dicionário Político” de Salazar, que deve andar pelas minhas bem desorganizadas estantes.

Tempos estranhos esses, em que a ditadura portuguesa deu cobertura a fascistas estrangeiros. Deve haver ainda muitas histórias bizarras por contar, nos bastidores da nossa História contemporânea.

3 comentários:

Anónimo disse...

O homem, hoje, estaria feliz...

https://fr.wikipedia.org/wiki/Jacques_Ploncard_d%27Assac

fico a pensar se JNogueira Pinto também não tera por la passado a pedir algum livrinho!... :)

cmpts

Anónimo disse...

Afinal, encontrar um fascista a sério era difícil num país... "fascista".

Eu, de vez em quando vou ao Parque Jurássico da Atalaia para ver coisas equivalentes: tipos aos saltos proclamando as saudades que têm de invasões de tanques, revoluções feitas a tiro, polícias políticas e coisas semelhantes.

Desde que a gente não lhes permita mandar, estas espécies exóticas até são divertidas (embora, por vezes possam ser particularmente irritantes).

Anónimo disse...

Lido.

Despacho:

Portugal era ainda um país neutralizado. Como recebeu judeus, Gulbenkians,etc, enquanto não fizessem muita bulha, deixava-os ficar. O que os bulhentos nunca lhe perdoaram.

Sem deferimento.