segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Brasil

As eleições presidenciais brasileiras começam a clarificar-se. 

Bolsonaro, quiçá potenciado pelo efeito psicológico do atentado, consolida a liderança com que chegará à segunda volta. A ausência de cena favorece-o: dá-lhe imagem de mártir, poupa-o às suas próprias gaffes e limita muito o discurso dos adversários, que assentava em ser ele o candidato da violência.

Haddad, que contava com um tempo de dramatização em crescendo do caso Lula, que acabou abafado pelo atentado a Bolsonaro, recupera e parece ter condições para acompanhar este no segundo turno. Nesta fase da campanha, cavalga a onda de um “Brasil feliz de novo”, isto é, a memória, que é positiva para muitos setores, dos tempos de Lula. Para passar à fase seguinte basta-lhe não cometer muitos erros. 

Ciro Gomes, se acaso conseguisse chegar à segunda volta, seria um “challenger” muito mais perigoso para Bolsonaro. Porquê? Porque, na polarização esquerda-direita, em que essa etapa forçosamente se transformará, não sofreria da profunda rejeição que afeta o PT e que vai limitar Haddad. Muitos antigos eleitores de Aécio Neves contra Dilma, mas que não gostam de Bolsonaro, terão muita dificuldade em votar em Haddad.

Alckmin parece ter perdido todas as hipóteses. Num debate polarizado e radicalizado, não parece haver espaço para uma direita moderada, que não é ajudada pela imagem gasta e sem novidades do seu candidato. 

Marina não convence e não arranca. O seu discurso e estilo um tanto bizarros não rimam com este Brasil mergulhado em alto contraste, sem espaço para meias-tintas.

Meirelles é um candidato de outro tempo no tempo errado. 

Se eu fosse brasileiro, estaria muito preocupado. Creio que eles já estão.

Sem comentários: