sábado, 20 de janeiro de 2018

Angola e os seus consulados

Será ignorância da nossa imprensa ou será algo mais? 

Ficou-se a saber que, num documento interno de reflexão, o assessor diplomático do presidente angolano suscitou a ideia de encerrar alguns consulados daquele país em Portugal. 

Quererá isto dizer que vai acabar o apoio consular aos largos milhares de angolanos no nosso país? Ou será que o novo poder angolano pode estar a tentar acabar, por essa via, com a dualidade, até agora existente, entre a embaixada angolana em Lisboa e as estruturas de representação consular do país em Portugal? 

Porquê? Porque alguns consideram, e entre esses “alguns” poderá estar o novo poder em Luanda, que é importante colocar sob o claro comando do embaixador angolano em Portugal as atuais estruturas consulares. Como? Por exemplo, criando secções consulares na embaixada angolana em Portugal, ou terceirizando serviços, como muitos países fazem um pouco por todo o mundo.

Será assim tão difícil de entender isto ou dá grande jeito, a um jornalismo especulativo e sensacionalista, criar a ideia de que esta decisão de rearranjo funcional é um ato hostil a Portugal? Alguém procurou o contraditório sobre esta “notícia” ou isso é já um preciosismo de “velho jornalismo”?

1 comentário:

Luís Lavoura disse...

Quererá isto dizer que vai acabar o apoio consular aos largos milhares de angolanos no nosso país?

Mesmo que isto acontecesse, seria um problema essencialmente de Angola e dos angolanos, não nosso. Não temos nada que meter o nariz na vida dos outros.