sábado, 10 de dezembro de 2011

"Tina"

O "The Sun" não foi nada inventivo na sua primeira página de hoje. Num "remake" sem rasgo do celebre, insultuoso e eurofóbico título de Novembro de 1990, sobre Delors (que a proverbial decência deste blogue obriga a não repetir aqui) o tablóide saúda a atitude intransigente de David Cameron em Bruxelas, mas não deixa de alertar para um possível "backlash" detrimental para os interesses britânicos.

Nao estivesse a senhora Thatcher (ironicamente) com a doença do alemão e talvez repetisse ao seu sucessor o acrónimo de que tanto gostava quaando falava do capitalismo liberal: "tina" ("there is no alternative"). Palavra que, paradoxalmente mas noutro sentido, é verdadeira para todos os outros.

É a vida. Foi uma certa e breve Europa.

10 comentários:

Anónimo disse...

Pois e, ja me tinha esquecido desta "tina". Alem do mais nao se faz isso a Tina Turner.... Ainda nao consultei o "Sun" on line(Nao quero sujar as maos com tal desgraca) mas vou ja ver, vou ja ver...

O melhor fim de semana possivel.

Saudacoes

Maria Crabtree

Ana Paula Fitas disse...

Excelente post :))
Um abraço.

patricio branco disse...

um jornal qualquer publica uma imagem do ru à deriva, fora da europa, quase como uma "jangada de pedra" que se separasse.
A verdade é que o ru sempre esteve com um pé dentro e outro fora e se houve pais que pensou primeiro nos seus interesses durante estes anos todos foi esse, não a alemanha integracionista.
A alemanha quer disciplina na união, o ru quer os seus interesses. Bom ou mau para o ru no futuro, não sei, as opiniões dividem-se. Mas uma coisa é certa, o ru mantem intacta a sua soberania enquanto que outros membros pouca têm já (e isto não é uma afirmação anti europeista)
Vendo bem, existem 2 europas, a do euro e a das moedas nacionais. E tambem a do ru e a dos 26.

Em tudo isto há as curiosidades e os exageros como a cidadezinha inglesa cuja assembleia municipal decidiu denunciar a ou terminar com a geminação que tinha há anos com uma cidadezinha francesa e outra alemã.

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador
A posição da Inglaterra pode não agradar, mas tem a vantagem de ter sido sempre muito clara em matéria de Zona Euro. Ao arrepio de outros países que só têm andado a ganhar tempo, ou pela proximidade de eleições, ou porque lhes é, do ponto de vista nacional, mais confortável.
Não sou a Maya para prever o futuro, mas nada garante que os ingleses - ou melhor, Cameron - não se venham a arrepender.
É que num mundo globalizado o mal dos outros acaba sempre por bater à porta.
Dito isto, a posição da Grã Bretanha irritou-me muito. Mas para quem estudou a sua adesão à UE, ela não tem nada de surpreendente.

Anónimo disse...

Percebo a sua desilusão com os Britanicos! Ãfinal eles podem ter sido mais espertos que os pobres portugueses que ainda por cima são governados por gente que acha que as dividas não são para pagar!

O estado Português, fruto da sua governação é a unica entidade empregadora que pode criar postos de trabalho, porque contrai dividas que não paga! Assim os trabalhadores do estado ficam felizes . Entretanto as empresas privadas como não se podem dar-se a esse luxo de contrair divida, porque as receitas provem de clientes e não de contribuintes, e enquanto os contribuintes são obrigados a pagar os clientes só compram se quiserem.
Assim se a actividade economica baixa por falta de clientes, as empresas mandam o excesso de mão de obra para o desemprego , sobrecarregando o estado e reduzindo os contribuintes.

Esta relação de causa efeito é de crescimento logaritmico e portanto exponencial.Logo como a maior parte dos politicos portugueses são pouco dados a contas teremos aqui um problema muito grave para resolver.
Como as contas são muito complicadas de se fazer, os politicos portugueses assinam de cruz e dizem assim: "depois logo se vê"

Como eu lhe fiz o prognostico da cimeira de dia 8 com muita antecedencia vou dizer-lhe o que vai acontecer no novo cenário ,com o novo tratado, por sector economico :

Industria: Fechará o resto, por falta de competividade com os paises de mão de obra mais barata !

Agricultura: Nem vai reagir ,apesar dos preços subirem, pois o desinvestimento feito nos ultimos anos não permite sequer arrancar por falta de conhecimento !

Turismo. Os preço não são convidativos e o nosso principal mercado , Inglaterra prefere paises fora do Euro , onde os preços são mais baixos, como turquia, Chipre e Croacia!

Tecnologia : Os portugues estão fora dos mercados e mesmo na informatica levam um bigode dos Brasileiros!

Serviços : Abrem e fecham. É uma actividade de mão obra cara e portanto não têm hipotese!

Perante isto o que irá acontecer ? O exódo maciço de Portugueses, entre os 25 anos e os 50 anos. Portugal será um pais de avozinhos e netinhos !!

Em 20 anos Portugal, com cultura homogenea e identidade social desaparecerá do mapa !

Anónimo disse...

Apesar de ser mais que perceptivel o comentário anterior é do Ogman

Anónimo disse...

caro ogam

a primitiva de logx é
xlogx-x
assim, meu amigo, um fenomeno de crescimento logaritmico
nao é com certeza um fenomeno exponencial...

Fada do bosque disse...

O Conselho Europeu [CE] não tem autoridade, poder e/ou legitimidade para renegociar o Tratado de Lisboa [TL] — segundo o artigo 47 do TL, é uma Conferência Inter-governamental [CIG], com representantes independentes em relação ao CE, actuando na defesa dos interesses dos respectivos países, e a ser presidida por Van Rompuy [o presidente do CE], que pode rever o TL.

E foi isso que o Conselho Europeu pretendeu ilegitimamente fazer — a revisão do TL — ao mesmo tempo que enviava o Reino Unido pela borda fora. Esta intromissão directa e ilegítima do CE nos assuntos de revisão do TL constitui uma espécie de golpe-de-estado dentro da União Europeia.

Há quem diga que o Reino Unido saiu a perder deste CE; não estou seguro disso. A Inglaterra sempre se deu bem, ao longo da História, com os bloqueios continentais — e sempre saiu a ganhar com os bloqueios continentais europeus. E já agora: talvez seja tempo de Portugal recuperar e reforçar a sua secular aliança estratégica com a Inglaterra…

Em aditamento ao postal, convém dizer o seguinte:

Segundo o Tratado de Lisboa, no Conselho Europeu, os primeiros-ministros dos países da União Europeia são funcionários da União Europeia, ou seja, defendem em primeiro lugar os interesses da União Europeia em detrimento dos interesses dos seus respectivos países;

Em contraponto, a Conferência Inter-governamental que pode rever o Tratado de Lisboa — e embora possa ter exactamente a mesma composição do Conselho Europeu, ou seja, os primeiros-ministros dos países da União Europeia, mas não necessariamente — é composta por representantes dos países que defendem exclusivamente os interesses dos seus respectivos países.

Ou seja, exactamente as mesmas pessoas podem desempenhar funções radicalmente diferentes consoante pertençam ao Conselho Europeu ou pertençam à Conferência Inter-governamental !

Desde logo, por aqui se vê não só a esquizofrenia política da União Europeia — ao bom estilo alemão e nazi — mas também a total arbitrariedade do Tratado de Lisboa.

fonte:https://espectivas.wordpress.com/2011/12/10/assistimos-a-uma-especie-de-golpe-de-estado-anti-democratico-na-uniao-europeia/#comments
São violações em cima de violações do TL, ou é de mim?

Anónimo disse...

Caro anonimo , expecialista de matemática!

Para que você saiba eu quando me referi`à função logaritmica sabia do erro que estava a cometer ao referir-me ao crescimento exponêncial. É só para deixá-lo descansado quanto a isso. Mas deixo-lhe o mérito de ter dado pelo erro!
A evolução da despesa do estado é de facto logaritmica, muito pior que exponencial. O termo exponencial, mais conhecido que o logaritmico , para a maioria dos politicos é para dar a ideia de crescimento rápido ! Muito rápido !

Agora para si, de facto , devo-lhe desculpas e aproveito para pedir-lhe uma replica quanto ao conteudo do comentário, que seria mais util do que na pequena contradição do exponencia-logaritmico!!!

Há aqueles que implicam com os acentos, outros com a sintase das frases, outros com os termos e você apanhou-me na matemática. Isto ajuda provar que a mentalidade portuguesa é propicia a discutir o pormenor e a deixar passar o essencial.
Para o meu caro amigo matemático, o meu comentário só o motivou a encontrar as imperfeições de detalhe microscópico , não o motivou a encontrar matéria de reflexão e de pensamento sobre o futuro negro que nos espera!

Fico à espero dos seus pensamenos!

OGman

Delors o pai do Eurro? disse...

O que não acautelou a unificação monetária

o Tin desde o tempo dos fenícios que vem das ilhas

a insularidade isola e leva a arroubos nacionalistas e anti-con tinentais

mas as ilhas são muito con dependentes