domingo, 11 de dezembro de 2011

A importância da política

Todos se recordam do sobressalto público causado, já há uns tempos, pelo facto de um antigo primeiro-ministro português ter visto interrompida uma conversa que estava a ter com uma jornalista, durante um noticiário televisivo, comentando temas do quotidiano da política pátria, para abrir tempo a um curto direto do aeroporto, para onde a estação havia enviado repórteres, há várias horas, à espera de José Mourinho, num contexto de uma qualquer expectativa que então existia quanto ao futuro do famoso treinador. A figura política, enquanto viu o direto, deve ter ficado a matutar e, quando a emissão regressou ao estúdio, fez uma declaração firme, logo seguida de um abandono de cena espetacular, indignando-se pelo facto do seu verbo ter sido interrompido por um motivo tão corriqueiro. Não saiu a meio do direto, que lhe estaria a fazer perder o seu precioso tempo, mas apenas saiu no fim, para poder bem "explorar o sucesso", utilizando uma imagem militar. Foi talvez pena que à jornalista entrevistadora não tivesse ocorrido interrogá-lo sobre o tema do direto, tanto mais que essa personalidade pública era bem conhecida como comentador regular, bem avençado, das coisas da bola. 

Vem isto a propósito da edição das 20 horas do noticíário da televisão pública France 2, um dos mais vistos em França, no dia subsequente ao recente acordo europeu de Bruxelas. A emissão abriu com o jornalista que a conduzia, David Poujadas, a mostrar, ao seu lado, o primeiro-ministro François Fillon, que iria falar mais tarde sobre a necessidade da França, no novo contexto, ter de introduzir ou não planos acrescidos de austeridade, tema que aqui causa algumas naturais ansiedades públicas. O noticiário prossegiu, com um alinhamento que juntava a crise europeia aos novos horários dos comboios, incidentes securitários e eventos regionais a temas diversos de política internacional, com curtíssimos diretos e todas as notícias do desporto, claro! No estúdio, Fillon permaneceu todo esse tempo silencioso, à espera da sua hora, que apenas foi às 20.24, quando pôde finalmente começar a falar. E o telejornal acabou, claro, às 20.30, porque a meia hora de duração é por aqui coisa sagrada.

A televisão que interrompeu a entrevista do antigo primeiro-ministro português, já há muito fora de funções, era e é privada. A estação que fez esperar vinte e tal minutos um PM francês em pleno exercício é pública. Cada terra com seu uso. Isto não nos ensina nada?