quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Star Wars


Um dia de 1980, o "número dois" americano em Oslo, Paul Bremer (que iria tornar-se "infamous" quando foi o primeiro "administrador" do Iraque, depois da invasão de 2003), convidou-me para uma sessão privada do filme "The Empire Strikes Back", o segundo filme da série "Star Wars", que tinha acabado de sair na América e de que ele tinha uma "advanced copy".

Recordo-me bem desse fim de tarde. Éramos aí umas 20 pessoas e eu passei uma "seca" inenarrável, até se desembocar nas inevitáveis pizzas com cerveja ou Coca-Cola, com que se fechou a noite. Detesto ficção científica, não tinha visto o primeiro filme da série (como não vi nenhum dos posteriores), não tinha a menor curiosidade por aquelas figuras, que todos os circunstantes conheciam de cor e salteado. A série "Star Wars" não me diz rigorosamente nada. 

Ontem, ao ver a excitação que por aí vai com o sétimo filme da série, dei por mim a ter pena de mim: por que diabo nunca consegui entusiasmar-me com a ficção científica, seja em filme, seja em livros? Com uma imensa técnica a servi-los, reconheço que esses filmes são de uma beleza plástica fantástica, como tenho notado nos extratos que observo. Mas levar a sério aquelas figuras de capa e espada luminosa? Pronto, já sei, a culpa tem de ser minha... 

15 comentários:

Joaquim de Freitas disse...

Excelente. Como tem razao! Fico satisfeito de saber que nao sou so eu! Nunca vi nenhum....

Anónimo disse...

Gostos, nem vale a pena discuti-los!
Gosto imenso de fc embora deteste telenovelas espaciais. Comecei por ler J. Verne na escola, durante as aulas mais chatas, c/ os livros escondidos num caderno.

Anónimo disse...

A culpa não é sua. Eu também detesto "este tipo" de filmes. Felizmente ha pessoas de bom gosto.
VW

ARD disse...

Tens razão em ter pena.
Perdeste algumas obras-primas da literatura e do cinema.
"Atar Wars" não é uma obra prima mas é um exemplo acabado de um fenómeno de cultura popular de qualidade.
Digo eu, fã de FC desde a meninice.

Anónimo disse...

Senhor Embaixador, só uma pequena precisão, que vale o que vale. Aquilo não é bem ficção científica. Ficção científica é coisa mais séria: o Asimov, Arthur C. Clarke, etc., na literatura. No cinema, é, por exemplo, o 2001 Odisseia no Espaço, com guião do Arthur C. Clarke. O Star Wars é mais fantasia, ao nível do Robin dos Bosques, ou Indiana Jones, mas no espaço...
Sugiro-lhe, se quiser, para uma introdução à ficção científica, o maravilhoso "Crónicas Marcianas", do Ray Bradbury.

Anónimo disse...

VW, o Star Wars não pretende ser mais do que é: um divertimento no cinema, com todos os ingredientes dos clássicos da aventura, que sempre agradaram a crianças e adultos. Tudo bem que haja quem não goste disso. Mas daí a dizer que as pessoas de bom gosto não gostam desses filmes, enfim... .

Take Direto disse...

Passou-se o mesmo comigo em Blade Runner. Todos acharam o máximo e eu não consegui ver até ao fim. Talvez por ter visto em casa, em vídeo. Certo é que nunca mais tentei ver.

Anónimo disse...

Sr. Embaixador,

Tem aqui um seu par.

Detesto ficção cientifica e não compreendo tudo isto à volta de um filme.

Pouca sarna para se coçar tanta gente deve ter.

Cumprimentos.

Fagundes

ARD disse...

Ao Anónimo das 10:34:
Desde sempre se considerou como um dos temas da Ficção Científica a "space opera", subgénero a que pertence "Star Wars".

ARD disse...

Ainda para o Anónimo das 10:34:
vários dos autores que cita não desdenharam a "space opera", a começar por I. Asimov, com a série "Fundação e Império" e Arthur C. Clark com, entre muitos outros, "Rendez-vous with Rama" e "A Meeting with Medusa".

Anónimo disse...

Estou espantado. É um filme de aventuras, minha gente. Desde que há cinema são aqueles que mais enchem as salas. Ainda me lembro de quando foi lançado o E.T, outro com extraterrestres, que provocava filas no cinema, quando ainda havia cinemas com mais de 50 lugares sentados. Eu já não tenho dinheiro para levar a família toda ao cinema para um filme de aventuras e não iria agora sozinho, mas quem me dera ainda esse prazer. Gostos à parte, não percebo como é que não entendem o fascínio e tratam quem gosta com essa sobranceria.

Anónimo disse...

Tem razão, ARD, esqueci-me do sub-género Space Opera. Fiquei admirado por dizer que a “Fundação e Império” pertence à classe, mas a wikipedia diz que sim senhor, pronto. Para mim, Space opera é mais Flash Gordon, ou o Star Wars, claro, também, e ambos estão a milhas do outro, desde a temática, filosofia, escrita, etc. E até o "Rendez-vous with Rama"? Acha mesmo? E andamos aqui nós dois, feitos tótós, a discutir coisas de aventuras espaciais… ;)

António, o tal anónimo.

Anónimo disse...

Gostos cada um tem os seus como disse e bem alguém mais acima. Eu gostei dos primeiros filmes de star war, como ainda hoje gosto de ver episódios do espaço 1999,caminho das estrelas na versao que passou em Portugal ai por 78, galática etc etc e já agora sempre me considerei uma pessoa de bom gosto em tudo.

josé ricardo disse...

Já somos dois, só com uma (grande) diferença: eu gosto de filmes de ficção científica. O (meu) problema é que o Star wars nunca despertou o meu interesse, talvez por ser demasiado empacotado.


Um abraço,
José Ricardo

Joaquim de Freitas disse...

(Oh Senhor Embaixador : Um erro de navegação levou este comentário para fora da galáxia ! Com muita dificuldade ( um Côte de Blaye de 10 anos torna a tarefa mais difícil !) cá estou a redirigi-la para o bom porto!. Apresento as minhas desculpas para o incómodo!) :

Engraçado, que uma "coisa" como esta consiga ter 15 comentários, enquanto Portugal está perante tantos problemas! Como com o futebol! Nunca compreenderei os meus compatriotas!

Esta "coisa", o "Star Wars", é na realidade, como para o Coca-Cola, uma extraordinária "obra" de marketing, como só os Americanos sabem fazer. E que o mundo inteiro "absorve"!
20 de dezembro de 2015 às 08:43