terça-feira, 30 de abril de 2013

Tempus fugit

Ó diabo! Já passaram três meses desde que cheguei a Portugal. Tenho de ter mais cuidado, porque, se me distraio, o tempo vai por aí fora...

CNN


O nosso embaixador oferecera um almoço a uma importante personalidade de visita àquela capital. Por várias vezes, durante a conversa, o visitante referiu que a sua filha fazia um estágio na CNN, em Atlanta. O relevo que ele dava a esse simples facto começou a irritar-me. Na boca exagerada do babado pai, a jovem estava já a caminho seguro para um estrelato mediático à escala universal. 

Dei por mim a comentar:

- Também tenho na família uma pessoa que trabalhou na CNN. Mas já foi há muito tempo.

E mais não disse. Mas a conversa mudou de rumo.

Quando ficámos a sós, o embaixador comentou:

- Você nunca me tinha dito que tinha tido um familiar na CNN.

- Foi a minha cunhada. Trabalhou por lá há bastantes anos, na CNN, na Companhia Nacional de Navegação...

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Casas mortas

Ontem decidimos fazer um desvio para tentar visitar, numa aldeia da Beira, um casal amigo, já bem idoso, que não víamos há quatro ou cinco anos. Ele era uma figura muito interessante, com atividade cívica no passado e um pensamento crítico sobre o presente. Com ela eu tinha uma longínqua ligação familiar. Costumava falar-lhes para lhes enviar um abraço pelo Natal. Há três anos, fui por ele informado do estado de doença da senhora. Nos dois Natais passados não havia conseguido contactá-los e, por razões que não vêm para o caso, não tinha outra maneira de saber deles.

Ontem, aproximámo-nos da aldeia, devo dizê-lo, com um mau pressentimento. O facto do portão de acesso à moradia estar aberto deu-nos um minuto de esperança. Mas os estores da casa estavam corridos, a campainha já não soava. O descaso das ervas que cobriam o pátio, bem como outros sinais evidentes, indiciavam que ninguém por ali vivia. Perguntou-se a um vizinho. Informou que o cavalheiro tinha morrido há dois anos, a esposa há já alguns meses. Atenta a respetiva idade, não era algo de surpreendente, mas não deixou de ser um choque forte sentir que, para sempre, deixaríamos de poder contar com o acolhimento, caloroso e amigo, de duas figuras a quem, durante muitos anos, visitávamos com grande prazer, quando passávamos nas imediações. Ontem, acabou a única razão que nos levava àquela aldeia serrana.

Esta experiência lembrou-me outra, com poucos meses.

Várias vezes durante a última década, em passagens por Portugal, teimávamos em tentar contactar um amigo que, por uma razão que nunca apurámos, havia deixado de aparecer, já mesmo nos últimos atarefados anos em que por aqui vivíamos. Era uma pessoa com um mundo muito próprio, alguém que se revelara um bom amigo em diversas ocasiões, e que era simultaneamente uma figura interessante, culta, com "mundo" e personalidade. Mas, de há muito, o seu telefone não atendia, as notas que deixávamos na sua caixa do correio, na casa que ocupava num bairro antigo, nunca tiveram a menor resposta. Por muito estranho que isso possa parecer, não tínhamos outros amigos comuns que nos pudessem dar nota do seu paradeiro, nem lhe conhecíamos uma ocupação que a ele nos pudesse conduzir.

Há uns tempos, ainda antes do nosso regresso definitivo a Portugal, passámos uma última vez pela casa desse amigo, mas o seu nome deixara de figurar na campaínha da porta. Meses mais tarde, surgiu-me a ideia de procurar no Facebook pessoas com o mesmo apelido, que não era muito vulgar. Escrevi a cerca de uma dezena, tentando saber "o que era feito" do nosso amigo. Obtive duas respostas. A de um brasileiro, dizendo não ter qualquer ligação familiar com o nosso amigo e a de um irmão, informando da sua morte, já ocorrida há mais de um ano. Sem mais pormenores. Dos restantes possíveis (e alguns bem prováveis, por várias razões) familiares, recebi apenas um estranho silêncio.

Decidi anotar aqui estes dois momentos tristes. Porventura é prova de alguma ingenuidade pensar que as pessoas ficam à nossa espera eternamente, que o tempo não passa para elas, da mesma forma que passa para nós, que os azares as poupam sempre. Mas nem por isso me choca menos confrontar-me com o silêncio destas casas que, para nós, apareceram de súbito mortas, sem que tivéssemos tido oportunidade de trocar uma última palavra com quantos as ocupavam e também faziam parte do nosso mundo.     

domingo, 28 de abril de 2013

O governo Letta

Era um homem discreto, bastante jovem, sempre sorridente, de quem emanava "uma boa onda" e uma natural simpatia, como se lembrarão outros que, como eu, com ele partilharam, durante um ano, a mesa do conselho ministerial do "mercado interno" e as presenças nos "assuntos gerais", naquele final dos anos 90. Enrico Letta era o ministro sem pasta que tinha a seu cargo os assuntos europeus, no governo dirigido por Massimo d'Alema. Hoje, com menos de 50 anos, tem a seu cargo a chefia de um governo italiano em tempo de grave crise.

Para os Negócios estrangeiros desse novo governo entra uma figura que alguns, em Portugal, também conhecemos bastante bem, em especial como comissária europeia que teve a seu cargo a política de defesa dos consumidores, a política de pescas e também as questões de ajuda humanitária. É uma mulher de convicções, com quem não é fácil negociar (sei do que falo!). Com ela, com toda a segurança, a palavra da Itália não se deixará capturar, nos tempos que aí vêm.

Talvez não haja hoje por cá a real perceção de que do sucesso ou insucesso deste governo italiano pode depender muito do futuro próximo da Europa. Um " barco" em que nós também estamos. Por essa razão, para além de devermos desejar que um país amigo como é a Itália recupere uma estabilidade "sustentada" (como agora se diz, a propósito de tudo e de nada), esse é também um voto que devemos formular no nosso próprio interesse. 

Viva a ASAE!

A pretexto de uma qualquer revisão da equipa governamentativa, tudo indica estar em preparação uma operação de desativação da função repressiva e policial da ASAE, instituição que alguns novos ventos pretendem qe se dedique agora mais à "formação" e à "educação". Fico preocupado, porque sei bem "do que a casa gasta". Temo mesmo o pior, porque conheço o Portugal retrógrado que se esconde por detrás das medidas de "compreensão" com "os legítimos interesses do pequeno e médio comércio", com que se pretende "humanizar" a ASAE.

A ASAE sempre incomodou bastante. Incomodou os comerciantes desonestos que fazem concorrência àqueles que pagam regularmente os seus impostos, incomodou alguns donos de unidades hoteleiras, restaurantes e cafés que punham no bolso o que deveriam investir em equipamentos e métodos de higiene para salvaguardar a saúde pública dos seus clientes, incomodou certos industriais e armazenistas para quem a validade e salubridade dos produtos eram identificáveis com preciosismos e rigor excessivo, incomodou os taxistas piratas que sonham passar pelo Estoril no caminho entre o aeroporto e a Baixa. E incomodou muita mais gente, em especial, claro, alguma classe política que sobrevive demagogicamente e faz o seu "fond de commerce" do voto dos supracitados e daqueles que deles dependem ou influenciam, às vezes por mera iliteracia cívica.

Eu já vivi no Portugal do comércio "à balda", das cozinhas imundas das tascas e restaurantes com baratas e ratos, do salve-se quem puder e do arranjismo do comércio e indústria que, com a total complacência dis poderes públicos, não tinha o mínimo respeito pelo público pagante. Eu sou do país que assistiu, por décadas, à "guerra" heróica e quase sempre muito solitária da Deco, ao esforço magnífico de homens "chatos" como Beja Santos, à má vontade e ao amiguismo (e, às vezes, à mais comezinha e disfarçada corrupção) que, por muito tempo, bloqueou a defesa do consumidor em Portugal.

Como governante, e com imenso gosto e empenho, representei, por mais de cinco anos, Portugal no conselho de ministros do "mercado interno" da União Europeia, onde ajudei a ligar o nome do nosso país a medidas de modernidade que o procuraram afastar de um mundo de outros tempos, que hoje só quero esquecer e ao qual me recusarei obstinadamente a regressar.

Não me venham com acusações de "fundamentalismos" anti-tabágicos, de excessos de rigor e de falta de flexibilidade na adaptação às medidas que a mera lógica da defesa do consumidor exigia. Não tenho a menor complacência para uma certa brigada snobe, acantonada na trincheira finaça do Ancão ou da Comporta, que defende a venda, sem condições mínimas de higiene, das bolas de Berlim no quente dos Verões sulistas, elitistas e liberais - para utilizar uma máxima consagrada.

Eu também não gosto do tom Dirty Harry que o diretor da ASAE às vezes assumia, detesto aqueles coletes "operacionais" que o seu pessoal usava (usa?), fiquei por vezes incomodado com o espetáculo mediático com que a ASAE envolvia algumas das suas operações, sob o "voyeurisme" das televisões. E aceito, sem dificuldade, que possa ter havido, aqui ou ali, algum excesso, no cumprimento das leis que a ASAE tem por obrigação fazer respeitar. Mas recuso-me a confundir tudo isso com o essencial: a ASAE foi uma benção para o consumidor português.

Por isso, para mim, e para sempre no futuro, nomeadamente na luta política que sobre isto aí virá, viva a ASAE!

Depois de Cristo

Eu tinha feito um comentário conjunturalmente algo ácido a propósito da "performance" de uma certa personagem político-institucional. Acontece-me cada vez mais, confesso. No grupo em que estávamos, um colega, diplomata ainda no ativo, saiu-se com esta:

- Você diz isso porque já está depois de Cristo!

Nesse instante, essa pessoa foi chamada por alguém e abandonou, por momentos, a sala. Perguntei aos circunstantes se tinham percebido o que ele teria querido significar com o que tinha dito. Ninguém tinha entendido o comentário. Por que raio estaria eu "depois de Cristo" e não "antes de Cristo"?

O colega regressou e eu pedi que fosse mais claro. Foi:

- Você já se pode dar ao luxo de dizer essas coisas, de fazer esses comentários, porque já não precisa "deles", porque já recebeu, creio que há quase 10 anos, a grã-cruz da ordem militar de Cristo, a mais alta condecoração a que poderia ambicionar. Ora eu ainda ando a lutar por ela, pelo que comigo "a coisa fia mais fino", tenho de ter muito cuidado, embora - confesso! - partilhe em pleno a sua opinião...

Percebi a prudência desse colega. Mas não pude deixar de pensar que, precisamente nos tempos imediatamente antes de eu receber "o Cristo" (como na carreira, simplificadamente, sempre nos referimos àquela comenda), eu tinha dito publicamente de alguns "deles" o que Maomé não diz do toucinho. Não de todos, reconheço. Não por receio, mas simplesmente porque o não mereciam.

sábado, 27 de abril de 2013

"Swaps"


Como muito bem lembra hoje Pedro Santos Guerreiro no "Jornal de Negócios", o grande problema que a questão da "negociata" dos "swaps" (aquisição de produtos financeiros para reduzir riscos de variações de preços de fatores não controláveis) suscita pode ser menos a eventual questão dolosa por parte de quem representou o Estado na transação (culpabilidade que, a existir, pressupõe a devida imputação criminal e deveria acabar na prisão dessa gente), mas, muito simplesmente, a discussão da competência de quem tinha por obrigação defender o interesse público. É que poderemos ter de chegar à conclusão de que quem nos (a nós, contribuintes) representou no negócio pura e simplesmente não sabia o que fazia e não tinha habilitação técnica para tal. 

Quem, com regularidade, clama por "menos Estado", e passa os dias a indignar-se pelos gastos do setor público, também deveria interrogar-se sobre se, muitas vezes, tais cortes não afetam já a sustentação da massa crítica mínima, em matéria técnica, para a defesa do interesse público (que é também o seu) e para o funcionamento capaz da máquina oficial. É que fazer omoletes sem ovos é, quase sempre, uma obra difícil. Um destes dias, com a máquina do Estado desativada e desmotivada, começarão, de facto, a ter razão os que proclamam que "o Estado não funciona". Mas esses mesmos deixam de ter a menor legitimidade para protestar sempre que o que "sobrar" desse mesmo Estado, no "estado" em que o deixarem, vier a comportar-se da mesma forma que estes "hábeis" negociadores dos "swaps".

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Abril, ontem

Há vários anos que penso o mesmo: a patética sessão na Assembleia da República, tal como a divisiva descida da avenida da Liberdade, constituem-se num fator de lamentável e reciclada polémica, que apenas contribui para converter o 25 de abril numa data de confrontação, quando deveria ser simplemente uma dia de festa e de celebração da Liberdade.

Este 25 de abril dos "prós e contras" é um péssimo serviço que o país presta à sua melhor memória. Mas também já percebi que esta é uma causa perdida. Das televisões aos jornais, do parlamento aos futebóis, tudo a partidarização leva adiante de si, sem grandes ganhos para uma melhor cidadania. E sem que isso contribua para que as novas gerações sintam a menor gratidão histórica face a uma data cujo significado profundo hoje se podem dar ao luxo de ignorar.

Por razões que a conjuntura ajuda a entender, as coisas tornaram-se ainda bem piores este ano, com protagonistas a justificarem, para eles próprios, as palavras da canção-senha de abril, "E depois do adeus":

Quis saber quem sou
o que faço aqui
quem me abandonou
de quem me esqueci


Ou muito me engano ou já não vão a tempo de obter qualquer resposta.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Gorjeta patriótica

O hotel está a estrear. Muitas coisas ainda não funcionam. Várias "facilities" de que a publicidade faz alarde ainda não existem. O pessoal esforça-se por ser simpático e prestável, mas não há nada que compense a falta de água na piscina. O mais chocante, porém, é o facto do acesso aos andares superiores se fazer... por escadas, sem que existam elevadores. Será que a circunstância de se tratar de um "hotel rural" justifica estas singulares peculiaridades arquitetónicas?

Nesta pausa abrilista, em que me refugiei por uma noite numa unidade hoteleira a preço razoável no oeste do país, veio-me à memória uma historieta ocorrida comigo há mais de uma década, num hotel de Khujand, bem no norte do Tajiquistão, onde também não havia elevadores no caminho para os quartos. Mas esse era um modesto hotel, ainda tributário da era soviética.

Eu chegara, como sempre (nunca aprendi a viajar "light"), com uma pesada mala. Quando me disseram que tinha de subir dois andares a pé, cansado como estava, depois de um dia de trabalho muito intenso, "passei-me" e reclamei. A rececionista, com pinta de "aparatchik", confrontada com o meu mal-estar, mas sem mais comentários, disse-me para eu ir indo para o quarto, que a mala lá iria ter. Largos minutos volvidos, bateram-me à porta. Ofegante, um homem, cuja idade deveria rondar à vontade os 80 anos, apresentou-se com a minha mala. 

Senti-me incomodado. Então aquele senhor idoso tinha subido as escadas, com quase 25 quilos na mão, para evitar o meu esforço? Para além de articular vários "spasiba", entendi dever dar-lhe uma boa gorjeta, que pudesse compensar o meu complexo de culpabilidade. O homem mirou a nota de cinco dólares, revirou-a bem não fosse estar a ver mal e saiu, às vénias, desta vez sendo ele quem se desfez em coisas que entendi como profundos agradecimentos. 

Sabia que a gorjeta tinha sido boa, mas não tinha ideia do que ela significava, à escala local. Quando, ao jantar, contei o episódio a um diplomata holandês que vivia no país, revelando-lhe o montante da gorjeta, o comentário foi, para mim, surpreendente: "Em moeda local, o que você lhe deu deve representar mais de metade da reforma mensal do homem!"

Na manhã seguinte, ao sair do quarto, deparei com o idoso, especado em frente à porta, já preparado para transportar de novo a minha mala. Deduzi mesmo que devia estar por ali já há algum tempo. Com um imenso sorriso, num tom levemente interrogativo, como que a confirmar apenas o que já sabia, disse-me: "Portugaliya!?" Confirmei e lá descemos as escadas, ele ajoujado com a minha mala, comigo ao lado, descansado, apenas com uma pequena saca de pano ao ombro.

À chegada ao lóbi, recordo, como se fosse hoje, o olhar reprovador e prenhe de "righteousness" das minhas colegas de viagem, embaixadoras da Noruega e do Canadá, que condenavam silenciosamente a minha atitude de vil e eurocêntrica exploração da terceira idade tajique. Como poderia explicar-lhes que estava a fazer um "favor" ao homem? Como reagiriam se lhes falasse dos cinco dólares da véspera?

À entrada para a carrinha, ainda hesitei: como a tarefa da manhã tinha sido "a descer", devia dar uma gorjeta inferior à da véspera? Mas, esmagado pela culpa, logo me decidi: voltei a dar ao homem outra nota de cinco dólares. Sorriram-lhes os olhos e despediu-se com um forte e efusivo cumprimento de mão, sempre repetindo, enfático: "Portugaliya! Portugaliya!". Por 10 dólares, a imagem do nosso país subiu, nesse dia, aos píncaros, nessa remota e pequena cidade da Ásia Central. 

A similitude entre o "hotel rural" do oeste, onde há uma hora me instalei, e o pobre hotel de Khujand fica-se pela falta de elevador. Ao menos, por aqui, há "wifi", o que me permite publicar este post com toda a Liberdade que o dia me consente.

"Notas Verbais"

Começou há muitos anos, creio que há mais de 12, se a memória me não falha. O "Notas Verbais" é um blogue que faz já parte da própria história do Ministério dos negócios estrangeiros, cuja atividade acompanha. Se não me engano, desde que foi criado o blogue, o MNE já teve seis titulares, o que é obra! Para o blogue, claro.

Escrito por Carlos Albino, antigo jornalista do "República" e, posteriormente, correspondente diplomático do "Diário de Notícias", o blogue tem tido longas intermitências na sua publicação. Muitas vezes estive em forte desacordo com opiniões e leituras dos factos que o NV publicou, sobre aspetos da vida interna do MNE. Uma vez, cheguei mesmo a insurgir-me, com uma veemência que surpreendeu o Carlos Albino (mas que claramente lhe não era dirigida), por ele ter publicado uma comunicação interna do MNE, que alguém lhe terá fornecido, à revelia da confidencialidade que é o nosso "código de honra". Mas mesmo não concordando necessariamente com muito daquilo que o NV publica, reconheço o imenso esforço do seu autor para acompanhar a nossa vida diplomática.  

Saúdo aqui o regresso do NV "às lides", que observei há dias. Espero que, como o Toyota, venha "para ficar". Faço-o nesta bela data do 25 de abril, porque nesse mesmo dia, em 1974, o Carlos Albino teve um papel decisivo na difusão da senha musical que deu o mote ao "levantamento" da Revolução.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Chapeau!

Nunca me tinha lembrado de uma realidade que o "Le Monde", há poucas horas, descortinou: os britânicos têm hoje precisamente um modelo de Europa que sempre quiseram ter. Isto é, uma estrutura basicamente assente no mercado único, cheia de "opt out", alargada ao ponto da diversidade tornar inviável uma cultura comum e um poder coletivo, e cada vez menos federal, dotado de uma representação externa de nível patético, esta última coordenada por uma figura britânica de segunda escolha.

"Chapeau!", como diriam os franceses.

Blogue da semana!

Muito obrigado a Laura Ramos e ao "Delito de Opinião" por terem considerado este "Duas ou três coisas" o seu "blogue da semana".

É bom saber, de viva "voz escrita", que se apreciam estas "escrevivências", bela expressão de David Mourão-Ferreira lembrada por Laura Ramos.

Da coragem em diplomacia

Foi sempre um homem frontal, talvez porque tinha uma competência acima de toda a dúvida e, em vários momentos da sua carreira, em especial nos lugares de chefia que ocupara, dera provas de grande lucidez e capacidade de interpretar, com rápida perceção, aquilo que considerava ser o interesse nacional. Sabia-se que Lisboa temia essa sua forma de estar, que se irritava com a sua independência, pelo que eram raras as ocasiões em que ousava contestá-lo.

Um dia, chegou à embaixada que chefiava uma instrução cujo eventual cumprimento representaria o cometer de um flagrante erro, que iria afetar a imagem de Portugal. Às vezes essas coisas acontecem, por uma má avaliação das circunstâncias, por falta de ponderação das consequências da decisão, no seio de uma administração que vive sob a pressão do tempo. As embaixadas existem precisamente para isso, para fornecerem a perspetiva local, para ajudarem a adequar o processo decisório lisboeta às realidades concretas do posto.

Porém, dessa vez, a instrução vinha de muito "alto", tinha um tom de urgência imperativa, pelo que era difícil contestá-la com uma mera comunicação escrita. O ministro-conselheiro da embaixada foi encarregado pelo embaixador de fazer um contacto telefónico, com vista a chamar "Lisboa" à razão. Confrontou-se com uma total intransigência, que logo reportou ao embaixador. 

Este resolveu, então, tratar a questão pelas suas próprias mãos e telefonou ele mesmo ao colaborador próximo da alta figura em nome de quem a instrução tinha chegado. A conversa não foi longa. O embaixador expôs, com a inteligência e bom-senso que eram os seus, as razões pelas quais não poderia executar o que lhe era pedido. A certo ponto da conversa, que começou a azedar pela obstinação do interlocutor, o embaixador deixou cair:

- Meu caro, você já tem experiência suficiente para perceber que o que me está a pedir para fazer é uma estupidez!

Do outro lado da linha, o colaborador próximo da figura política terá dito, em desespero argumentativo defensivo, que a decisão não era sua, que fora tomada pelo seu chefe. Aí, o embaixador não se conteve:

- Ó homem! Eu não disse que a decisão era sua! Eu apenas disse que ela é estúpida, quem quer que seja que a tenha tomado...

Para a pequena história, diga-se que a instrução não foi cumprida, porque a sua absoluta falta de razoabilidade acabou se tornar evidente. Como evidente ficou a excecional coragem do embaixador.

Ontem, ao final da tarde, o embaixador e o ministro-conselheiro de então deram um forte abraço de amizade, num salão das Necessidades, onde ambos tinham ido ouvir uma palestra de uma amiga comum. Gosto sempre muito de encontrar esse meu antigo embaixador, por quem tenho um imenso respeito e com quem muito aprendi.

Meteorologia

São interessantes as declarações do presidente da Comissão europeia, nas últimas horas abundantemente relatadas pela comunicação social, nas quais afirma a sua convicção de que as políticas de austeridade, se bem que formalmente corretas, não resultam e chegaram ao limite do exigível. 

Estas tomadas de posição do presidente da Comissão europeia contradizem, se bem se lembram, as que foram proferidas, há escassas semanas, por uma "outra" pessoa: o dr. Durão Barroso, que ameaçava os países "do Sul" da Europa, em especial Portugal (o "Expresso" ajudou-o, depois, a adocicar a gaffe), em termos imperativos, em caso de desvios das metas macroeconómicas. 

Felizmente que estes países "do Sul" têm agora quem os defenda. Precisamente a pessoa do presidente da Comissão europeia, o qual, nada menos do que contra o que pensava o dr. Durão Barroso, tece, nas declarações de ontem, largos elogios aos países "do Sul" e coloca em causa o elevado esforço que lhes está a ser pedido.

Dirão alguns que tudo isto tem escassa importância, que estas contradições fazem parte da vida política, em particular europeia. Não estou nada de acordo. Tendo em atenção que certas figuras nos habituaram a "não dar ponto sem nó" e a medirem bem de onde sopra ou vai soprar o vento, talvez possamos presumir que nos esperam dias mais agradáveis, no tocante à pressão constrangente das instituições europeias em matéria de imperativos de aperto macroeconómico. Será assim?

Em tempo: afinal, depois de Berlim o ter chamado "à pedra", o dr. Barroso lá veio dizer que o que o presidente da Comissão europeia disse afinal não era o que todos o ouviram dizer. Aquela frase interrogativa de Juan Carlos a Hugo Chavez cada vez se torna mais atual.

terça-feira, 23 de abril de 2013

Dinheiro em Caixa

Ouvimos hoje de um governante a indicação de que irão ser dadas ordens muito claras à Caixa Geral de Depósitos no sentido de reforçar as linhas de crédito às pequenas e médias empresas, como forma de favorecer a exportação e fornecer meios financeiros para estimular a economia. E a engrossar a voz para que o resto da banca reduza os seus "spreads".

É tão bom poder ter uma banca ao qual o Estado possa dar ordens, não é? Por uma questão de coerência, espero, com ansiedade, ver sair a terreiro, liberalmente escandalizados como a decência recomenda, todos quantos defenderam a privatização da Caixa, cujos nomes por caso já esqueci.

A mala e o seu conteúdo

Era um posto diplomático longínquo, onde nada se passava de importante. Para ele fora mandado como embaixador um funcionário com um passado pouco distinto e com um futuro a termo certo, dado ser essa a sua última colocação. A sua relação com a "secretaria de Estado", a designação que a carreira se habituou a dar aos serviços centrais em Lisboa, era muito complexa, por virtude de contenciosos antigos que mantinha com setores da hierarquia. Assim, volta e meia, a sua peculiar e errática "performance" era objeto de sérios remoques de Lisboa, fosse por falta de resposta a diligências pedidas, fosse por queixas da inação da embaixada, apresentadas por terceiros. Até notas depreciativas sobre o programa preparado para certas visitas haviam sido recebidas. Mas não havia jeito a dar: um ambiente de tensão com as Necessidades era o seu pão de cada dia. Aliás, tendo perdido já qualquer estímulo profissional, o embaixador apenas "sobrevivia" no posto, no pouco tempo que aí lhe restava. 

Uma vez por semana, chegava à embaixada a mala diplomática. Partir os "selos" e o fios metálicos que fechavam o saco de lona, conferir os envelopes com a "guia" de remessa, abrir a correspondência, que nesses tempos se concentrava nos "ofícios"   - tudo isso constituía um momento de alguma excitação para o único colaborador diplomático do embaixador, um jovem secretário, que vivia a sua primeira experiência no estrangeiro. 

À segunda ou terceira vez em que percebera que a chegada da mala diplomática desencadeava um muito escasso interesse ao seu chefe, teve a coragem de referir-lhe isso mesmo, a sua surpresa por não o ver curioso sobre o que chegava de Lisboa. O embaixador, "batido" e cansado de anos frustrantes de experiência, teve uma frase que ficou nos anais do anedotário da nossa carreira: 

- Meu caro, a mala diplomática só tem três coisas relevantes: os vexames que nos infligem, os cheques com que nos pagam e as autorizações para férias que recebemos. 

Eram embaixadores de outros tempos, agora que os dias da "troika" até já se abateram sobre o ritmo das malas diplomáticas. E nem falo nos cheques...

segunda-feira, 22 de abril de 2013

O mistério do nó de Francos

- Sabes onde é o nó de Francos?

A pergunta não me apanhou totalmente de surpresa, porque tinha sido antecedida de um comentário do tipo: "Então lá vi, no teu blogue, que és muito "entendido" no Porto!"

Devo dizer, contudo, que estranhei o facto daquela amiga, empedernida lisboeta e que eu achava distante das peculiaridades da "Invicta", me estar a colocar tal questão. Mas lá lhe respondi que sim, que sabia onde era o "nó de Francos".

- Olha! Ele sabe onde é o nó de Francos! disse com um ar de espanto, voltando-se para o marido.

Senti-me o "Vasquinho" no exame de Anatomia, na "Canção de Lisboa", quando revelou conhecer o "esternocleidomastoideo".

- E Bessa Leite, conheces?

Que diabo! Que raio de interrogatório portuense era aquele? É que logo se seguiu uma questão sobre a avenida AEP.

A explicação veio logo:

- Conhecemos muito mal o Porto, mas fartamo-nos de ouvir, todos os dias, aqueles nomes, nas notícias sobre o trânsito. Já nos são familiares. Um dia vamos ao Porto contigo, para nos mostrares esses sítios. Andamos com uma imensa curiosidade...

Se acaso eu vier a levar esses meus amigos para conhecer o Porto, acho que há sítios bem mais interessantes do que pô-los a passear pela avenida AEP...

Esta historieta, passada há dias, lembrou-me uma conversa com um amigo timorense, há muitos anos, em Nova Iorque. Falávamos de Lisboa, cidade que ele só tinha visitado por escassas horas De repente, inquiriu: "Você sabe onde é a segunda ponte do Feijó?" Disse-lhe que sabia que era na margem sul do Tejo, mas não tinha a certeza que localidades ligava. Mas qual era a curiosidade? Riu-se e disse-me que, na rádio portuguesa que chegava a Timor pela onda curta, relativa à manhã lisboeta, ouvia frequentemente que "as filas de trânsito começam na segunda ponte do Feijó"...

Afinal, as notícias do trânsito podem ser bem instrutivas.

domingo, 21 de abril de 2013

Giorgio Napolitano



Há quase dois anos, escrevi aqui isto:

Durante seis meses, em 1997, Portugal presidiu ao acordo de Schengen. Organizámos então uma importante reunião de ministros em Lisboa, na qual, devo hoje confessar pela primeira vez, como alguns especialistas portugueses então lá presentes poderão testemunhar, só consegui fazer vingar um compromisso final... pela fome! Prolonguei a reunião por horas, com sucessivos "drafts", até conseguir o que pretendíamos. O almoço oferecido aos delegados, no CCB, só começou quase às 4 horas da tarde, com alguns a perderem aviões. Nessa reunião foi longamente debatida a questão da calendarização do processo de adesão da Itália. O ministro italiano do Interior tão contente ficou com a fórmula que adoptámos que, no final, me pregou dois repenicados beijos na cara. Chama-se Giorgio Napolitano e é hoje presidente da República do seu país. Durante a presidência portuguesa da UE, em 2000, acabaria por ser graças a ele, como presidente da comissão institucional do Parlamento Europeu, que conseguimos o "avis" que permitiu o lançamento da negociação da Conferência Intergovernamental. A Europa faz-se também destas retribuições.

Ontem, Giorgio Napolitano, com os seus 87 anos, aceitou, bastante contra a sua vontade e apenas para ajudar a resolver a grave crise política que atravessa o seu país, reassumir a chefia do Estado. 

Foi graças a Piero Fassino, hoje presidente da Câmara de Turim e ex-ministro da Justiça de Itália (grande amigo do antigo secretário de Estado português, Victor Neto, ao tempo do exílio deste em Itália), que conheci Napolitano. Eu havia criado com Fassino uma forte relação, que se mantem até hoje, desde o tempo em que tivemos responsabilidades similares nos nossos respetivos governos. Napolitano e Fassino eram oriundos do Partido Comunista Italiano, tinham colaborado no "aggiornamento" de Berlinguer e faziam parte de quantos, com d'Alema, haviam trazido o velho PCI de Togliatti (e de "Peppone", claro) para o "mainstream" da política italiana, também muito graças ao "compromisso histórico" que pode ter custado a vida a Aldo Moro.

Napolitano recebeu-me no seu soberbo gabinete do ministério do Interior, em Roma. Foi em 1996, tinha ele 70 anos e já parecia ter os 87 de hoje. Os seus movimentos eram lentos, as palavras também, mas o seu raciocínio era muito ágil. Recordo sempre o comentário do meu então chefe de gabinete, Miguel de Almeida e Sousa, hoje embaixador em Tel-Aviv, no final da reunião: "o velho é muito vivo!". Reencontrámo-nos depois por diversas vezes, desde essa tarde em Roma. Sendo uma grande figura da política italiana - como o provou à saciedade nos últimos anos -, tinha uma atenção sempre muito delicada para o jovem secretário de Estado que eu então era. Na reunião de Lisboa de 1997 sobre Schengen, ficou-nos imensamente grato com a cuidado especial que tivemos para com a Itália. Em janeiro de 2000, depois de lhe expor as dificuldades com que nos confrontámos, no início da presidência portuguesa da UE, disse-me, no seu gabinete de parlamentar europeu em Estrasburgo: "nunca esqueci a ajuda preciosa que nos deste, há três anos, em Lisboa. Agora, farei tudo o que puder para te ajudar." E fê-lo, com grande empenhamento, auxiliando-nos num momento particularmente delicado. Eu também não esqueci isso, pelo que só posso desejar o melhor ao meu amigo Giorgio Napolitano, nesta "nova" fase da sua imensa carreira, aos 87 anos.

sábado, 20 de abril de 2013

Aeronáutica lusófona

Era uma sexta-feira, tal como ontem. Eu saíra de Brasília de manhã, em direção a Salvador. Tive um almoço de trabalho com um grupo de empresários portugueses com quem, a meio da tarde, fui recebido, a meu pedido, pelo governador da Bahia, Jacques Wagner. Tratava-se de desbloquear uma questão pendente há vários meses, por um misto de má vontade de alguém e de atavismo burocrático de outros. Wagner era um homem prático, quis resolver o problema que eu lhe colocara e convocou toda a gente relevante para uma reunião. Uma hora depois, percebi que o assunto já estava encaminhado favoravelmente, Pedi então escusa ao governador, dado que a minha presença passava a não ser essencial, e, porque se aproximava a hora do avião de regresso a Brasília, deixei o João Sabido Costa, cônsul-geral, a representar-me, junto dos já radiantes empresários.

À saída da sede do governo estadual, o Zé Carlos, simpático motorista do consulado, deu-me uma má nova: não ia dar tempo para apanhar o avião! Eu saíra imprudentemente tarde da reunião e o acesso rodoviário para fora de Salvador estava congestionado, nesse início de fim-de-semana. Nem mesmo com a ajuda do Paulo, o disponibilíssimo funcionário da "sala de autoridades" do aeroporto, que já tinha feito o "check-in" e emitido o meu cartão de embarque, havia possibilidade de embarcar.

(Um ano antes, o PT tinha ganho o governo da Bahia. Poucos dias depois dessa vitória, fui a Salvador para uma visita de cumprimentos ao novo governador, Jacques Wagner. Porque a política não apaga a obrigação da gratidão, recordo-me que havia ousado oferecer, nessa mesma noite, um jantar ao grande derrotado desses dias, uma das mais relevantes figuras da política brasileira, o histórico "coronel" da Bahia, António Carlos de Magalhães. ACM, como era conhecido por todo o Brasil, era uma personalidade marcante da direita brasileira, ligado à ditadura militar mas decisivo na democracia, antigo ministro, presidente do parlamento e governador do estado. António Carlos de Magalhães havia sido sempre um grande amigo de Portugal e, nessa hora difícil da sua estrondosa derrota, eu havia entendido dever fazer-lhe um gesto público de apreço. À chegada à "sala de autoridades" do aeroporto de Salvador, notei que o responsável pela mesma, que eu conhecia apenas pelo nome de Paulo, estava um pouco cabisbaixo. Logo me explicou porquê: com a mudança de governo no estado, ia haver uma razia total em muito pessoal dos serviços oficiais, com uma onda de substituições. Ele, que os novos poderes ligavam ao tempo do "outro lado", sabia que estava nessa lista e, muito provavelmente, era aquela a última vez que me recebia, com a sua habitual simpatia e boa vontade. Na política brasileira as coisas são assim mesmo, mas devo dizer que fiquei um pouco chocado. Uma hora depois, na conversa com o recém-empossado governador Jacques Wagner, não pude deixar de dizer-lhe que sentia muita pena que o jovem que tão atencioso era para todos os embaixadores, no aeroporto da cidade, aquando das nossas visitas à Bahia, viesse a ser afastado. Wagner não fazia a mais pequena ideia de quem se tratava mas, logo ali na minha frente, deu instruções para que o Paulo se mantivesse no lugar. E, um ano depois, ele por lá continuava.)

Voltemos ao meu atribulado regresso a Brasília. Constatada a impossibilidade de poder chegar a horas ao aeroporto, pela estrada normal de acesso, vi com surpresa que o motorista, depois de umas crípticas chamadas por "celular", começou a seguir trilhos de terra batida, bem fora do asfalto. Pensei que era a tentativa desesperada de encontrar um qualquer atalho. Minutos depois, percebi finalmente o mistério. Chegámos junto de uma imensa cerca metálica, que tinha um portão. Estávamos do outro lado da pista do aeroporto. Ao fundo, bem ao longe, vislumbrava-se a aerogare. Olhei para o relógio e imaginei que o avião, da TAM ou da GOL, devia ter fechado o embarque para Brasília, já há uns bons minutos. Mas, sendo assim, que diabo fazíamos naquele lugar recôndito, até perigoso, na penumbra da noite que caía rápida? Em princípio, tinha de voltar para a cidade, "arrumar" um hotel e preparar a ida para Brasília na manhã seguinte. Foi então que, dentro do perímetro do aeroporto, numa carrinha que se aproximava velozmente do portão, vi o vulto do Paulo, ao lado do motorista. Com uma chave, abriu o gradeamento e disse-me: "Baixadô! O sinhô tem di corrê! Parei o avião p'ró sinhô embarcá!" E, minutos depois, perante a perplexidade incomodada dos restantes passageiros e a nunca explicada cumplicidade sorridente da tripulação, lá entrei eu no avião, com a ajuda ímpar do imprescindível Paulo, através de uma escada de serviço, sem qualquer revista de segurança, conseguindo regressar, nessa mesma noite, a Brasília.

Porque conto isto hoje? Porque há umas horas, no aeroporto de Orly, chegado atrasado a Paris num voo da Air France proveniente de Estrasburgo, passei ao lado do avião da TAP, cuja ligação para Lisboa perdi, por escassíssimos minutos. Lembrei-me muito do meu amigo Paulo, de Salvador. Com ele, eu não perderia esse avião. Sem ele, estou aboletado pela Air France num sinistro Ibis, ao lado do aeroporto, para só amanhã regressar à pátria. Decididamente, gosto cada vez mais de aeroportos lusófonos.

Boa noite!

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Eduardo Nunes de Carvalho

escaliers du pont sur l'Ourthe, Chênée, bridge stairs, © photo dominique houcmantFolheava o "Público", num avião, quando fui surpreendido com a notícia da morte de um colega mais velho de quem não era íntimo, mas que estimava bastante, Eduardo Nunes de Carvalho. Para além de conversas muito agradáveis em Lisboa, encontrei-o algumas vezes pelo mundo, em Maputo, em Nova Iorque, em Harare ou no Cairo. Ao longo dos anos, estabeleci com ele uma relação de amizade e respeito que muito prezava.

Nunes de Carvalho, conhecido na carreira e entre os amigos pelo "petit nom" de "Iá", era um homem elegante, educado e sereno, corretíssimo com os outros, com um sorriso permanente e um trato impecável. Gostava de ter colaboradores inteligentes, nos quais apreciava o contraditório sólido, como é próprio das pessoas seguras de si mesmas. Era, além disso, um diplomata muito culto (num período em que muito se fala da cultura exigida aos aspirantes à profissão), que refletia de forma elaborada sobre os interesses portugueses, projetando-os numa leitura histórica do país. Era sempre um gosto encontrá-lo, o que me acontecia em espaços tão insólitos como o salão do nosso comum barbeiro, Joaquim Pinto, um bom amigo que sei que vai sentir a sua falta.

Como todos os que o conheceram sabem bem, o "Iá" tinha uma relação muito peculiar com o ritmo do tempo. Era um homem que vivia, pelo menos aparentemente, sem sentir a pressão, não apenas do relógio, mas mesmo do próprio calendário. Já aqui referi um episódio curioso passado com ele. Ficaram históricas as suas idas noturnas ao serviço de Cifra do MNE, antecedidas por telefonemas, com vista a procurar corrigir telegramas que mandara horas antes, num esforço de perfecionismo que tinha muito a ver com o imenso cuidado que dedicava à escrita. Num determinado posto, foi tão detalhado nas obras na residência oficial, introduzindo alterações sucessivas muito ao seu ritmo, que praticamente viveu todo o tempo no hotel. Fazem também parte dos anais das Necessidades os adiamentos, às vezes por dias sucessivos, de viagens que devia fazer a partir dos postos onde estava colocado. O que, curiosamente, nunca afetou a eficácia do essencial do seu trabalho.

Um dia dos anos 80, cheguei ao Zimbabué integrado numa delegação que acompanhava um membro do nosso governo. No aeroporto de Harare, esperava-nos Eduardo Nunes de Carvalho, embaixador naquele país. À saída, notei que ele levava na mão uma pesada mala (esse era um tempo em que ninguém se tinha ainda lembrado de colocar rodas nas malas). Presumindo que se tratava de bagagem de alguém da delegação, lembro-me de ter feito o gesto de o tentar ajudar, porque me parecia menos curial que coubesse ao chefe da missão diplomática, que caminhava lado-a-lado com o governante, ocupar-se dessa tarefa. Para minha estranheza, o "Iá" disse-me: "Deixe estar, não se preocupe. Esta mala é minha". No caminho para o hotel, comentei o episódio com alguém: o "Iá" estava com uma mala dele? Fui então esclarecido, por um colega mais perspicaz ou melhor informado: ele tinha chegado a Harare apenas escassos minutos antes da nossa delegação, num voo com outra origem. Fora atrasando, durante dias, a sua viagem e, por pouco, não perdia a nossa chegada. Mas, no fim de contas, lá estava, no momento certo, no seu posto! Como sempre.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Zaventem

Passei por lá há poucas horas, coisa que não fazia há uma dúzia de anos. Está muito diferente o aeroporto de Bruxelas. Confesso que não reconheci o espaço.

Ao contrário do que comigo quase sempre sucede, senti alguma nostalgia da antiga aerogare de Zaventem, construída para a exposição universal de 1958 e que, com o tempo, chegou a atingir momentos de lamentável decrepitude, com os pássaros a voar pelos corredores, com redes para travá-los, e os grandes vidros de outro tempo cinzentos de sujidade. Assisti ao nascer do "satélite", no fundo do antigo grande corredor. Vi depois construir, do outro lado, a nova ala, que tornou o aeroporto igual a todos os outros, como hoje acontece com a Portela. E descobri espaços novos, naquilo que já se aparenta mais com um grande centro comercial. Já não me reconheço neste Zaventem. Mas o aeroporto é bem mais agradável.

Por ali passei  os meus primeiros banhos de "cosmopolitismo", na segunda metade dos anos 70, como portador da "mala diplomática", na descoberta do "glamour" das viagens aéreas, quando esse "glamour" ainda existia. À porta, esperáva-nos então, rezingão, o senhor Rézo, um motorista francês, "exilado" na nossa delegação junto da NATO, que nos arranjava uns hotéis manhosos onde tinha comissão.

Mais tarde, depois de 1986, o aeroporto de Bruxelas passou a ser um meu destino habitual, pela TAP ou pela desaparecida Sabena, nas deslocações regulares a "grupos de trabalho" da então CEE - o nome por que era conhecida a atual União Europeia. Um comboio triste levava-nos, pela noite, para o centro da cidade, com os diplomatas e técnicos portugueses a saírem nas estações do Midi ou do Nord, para daí rumarem aos hotéis, como o Métropole e outros bem piores destinos da "moda" que cabia nas nossas ajudas de custo. Hoje recordei esses tempos com uma amiga, que viajou a meu lado desde Lisboa, a qual, por muitos anos, partilhou idênticos tempos e experiências.

Finalmente, o aeroporto ficou-me, na memória eterna, ligado a tempos que acabaram por ser de um imenso cansaço - os anos de governo, a partir de 1995 e até 2001. Chegava a Bruxelas esgotado de dias incessantes em Lisboa ou noutras capitais, ajoujado de papelada, ensonado e esfalfado. No cenário no fim da manga, tentava descortinar a figura amiga do senhor Barreiros, o simpático funcionário da Representação Permanente (Reper, para os iniciados), que me aliviava o peso e me conduzia, por corredores que sempre presumi VIP, até ao parque de estacionamento, onde me aguardava o fiel Wilhelm, um motorista flamengo, tão calado como discreto.

Por aquele aeroporto passei dezenas de horas de atrasos, de conversas, de esperas, de compras. Por lá me deixei adormecer de fadiga, num banco, num final de tarde, perdendo um voo para o Luxemburgo, o que me obrigou a dormir num hotel próximo. Por lá adquiri coisas que ainda hoje estão na memória familiar, num tempo em que, em Portugal, a oferta das lojas era muito diferente das da "estranja". Por lá festejei "vitórias" arrancadas nas lides europeias e me atulhei de livros que comprava para entreter os minutos que antecediam os aviões - minutos que, no meu caso, são sempre mais, porque faço parte dos que, por regra e para desespero dos atrasados crónicos, chegam a tempo e horas.

Lembrei-me disso, ao final da tarde de hoje, na minha breve passagem por Zaventem. Com alguma nostalgia, assumo. Serão saudades doutros tempos ou saudades de mim nesses tempos?  

O governo e a Europa

Tenho por aí ouvido, com crescente frequência, que o atual governo português não tem uma política para a Europa. Não faço ideia se assim é, dado que, por razões seguramente ponderosas, o discurso europeu do executivo tem sido parcimonioso e, na prática, quase que se tem limitado às questões financeiras e, também nesse contexto, tem-se subsumido na gestão nominativa dos efeitos do processo de ajustamento. A entrada para o governo de Miguel Poiares Maduro, uma figura com uma sólida formação em matéria de assuntos europeus, abre assim uma expectativa de que possamos vir futuramente a beneficiar de uma iluminação nessa decisiva dimensão programática da nossa política externa.

Provavelmente por deformação de quem passou mais de cinco anos a coordenar a política europeia do país, devo dizer que sinto falta de ouvir uma explicação cabal sobre a filosofia subjacente àquela que terá sido a posição nacional na recente negociação do quadro financeiro pluri-anual da UE (2014-2020), porque, pelo menos para mim, ela esteve longe de ser explícita. Por exemplo, gostaria de ter percebido um pouco melhor o grau de envolvimento de Portugal na luta pela preservação da política de coesão, de cujo resultado vai depender a grande fatia do investimento público disponível para os próximos sete anos. Também me não foi totalmente percetível a lógica da gestão feita, nessa negociação, quanto ao equilíbrio entre os dois "pilares" da Política Agrícola Comum, nomeadamente tendo em atenção o muito diferenciado interesse que o nosso país tem nessas duas áreas, embora com lóbis internos inversamente proporcionais à dimensão desses interesses. O debate que sobre todos estes assuntos foi feito na sede parlamentar especializada pareceu-me marcado, aliás, por um espantosa superficialidade, com o executivo a não necessitar de desenvolver uma linha argumentativa para além do nível de exigência que a oposição foi capaz de sustentar.

Uma outra grande temática que é urgente abordar publicamente diz respeito às propostas de aprofundamento das políticas económicas e de governação europeias - para uns de natureza para-federal, para outros de mero reforço centralista -, que têm vindo a ser aventadas pelo principal protagonista do teatro continental, até agora perante o considerável silêncio de muitos dos restantes atores, em especial os secundários e os figurantes. Onde está Portugal neste debate? O que pensam os responsáveis políticos, da maioria ou das oposições, sobre o que tais propostas implicam para a capacidade de autodeterminação do país? Tenho uma imensa curiosidade em saber.

A política europeia de um país como Portugal, que nesta fase está refém do ambiente de ajuda externa, deve ser objeto de uma discussão alargada. É que, como nunca no passado, a política europeia é hoje altamente condicionante, não apenas de grande parte da nossa política externa, mas também de muitas das opções de natureza interna, dado que ela sobredetermina um conjunto alargado de políticas públicas. Além disso, se se confirmar que novas partilhas ou cedências de soberania virão a ter lugar, o país necessita de saber, a tempo e horas, o que os responsáveis políticos, de ambos os lados do espetro, nomeadamente os nossos deputados, bem como a chefia do Estado, sobre isso pensam. E é importante que esse debate incorpore uma explicitação muito concreta sobre a margem de manobra que o país passará a ter, nomeadamente em matéria da sua influência no processo decisório, se essas alterações entrarem em vigor. Essa será uma interessante oportunidade, aliás, para revistar as "vantagens" do chamado tratado de Lisboa.

Imagino que este post possa ser algo "árido" para alguns leitores. Lamento se assim foi. Mas tenho alguma dificuldade em ser menos hermético em questões desta natureza. Do que escrevi, resulta a conclusão de que não são hoje para mim muito evidentes aspetos fundamentais da política deste governo para a Europa. Ao invés, conheço bem melhor a política da Europa face a este governo.

terça-feira, 16 de abril de 2013

Sindicalismo diplomático

Nem sempre os funcionários diplomáticos portugueses foram sindicalizados. Quando entrei para a profissão, em 1975, não havia nenhuma estrutura sindical representativa dos diplomatas. Um dia, creio que dois ou três anos mais tarde, foi criada uma Associação dos Diplomatas Portugueses. Por algum radicalismo que à época partilhava, decidi não entrar como associado dessa estrutura, por não ver a palavra "sindical" incluída no respetivo nome, condição de representatividade que achava indispensável. Cheguei mesmo ao ponto de mobilizar um grupo de jovens colegas como forma de tentar obstruir essa iniciativa, que considerava "recuada" e pouco ousada.

Mais tarde, nos anos 80, as coisas mudaram e foi, finalmente, criada a Associação Sindical dos Diplomatas Portugueses. Dela cheguei a ser vice-presidente, nos anos 90. Alguns colegas mais antigos não apreciaram a mudança registada e reagiram fortemente à dimensão sindical da nova Associação.

Porque o tema dos diplomatas terem um sindicato era verdadeiramente novo e o "Expresso", por discreta sugestão de alguns de nós, tinha trazido uma notícia sobre o assunto, tive a ideia de escrever uma carta ao respetivo diretor, em nome do "ministro plenipotenciário Pedro Leite de Noronha", na falsa qualidade de um dos contestatários do novo sindicato. Nessa carta, escrita num tom snobe, expressava o "desgosto" por ver os diplomatas do MNE "banalizarem-se" e enveredarem "tristemente" pela via sindical, trazendo a público questões que, no passado, eram sempre resolvidas "entre os claustros e a tapada" das Necessidades. O "Pedro Leite de Noronha" ia mais longe e considerava que o facto dos diplomatas andarem a colocar "nas bocas públicas do mundo" as peculiaridades da sua vida profissional refletia, muito simplesmente, "o facto do nível social do seu recrutamento ter baixado", fruto dos "lamentáveis ventos de abril", de terem "deixado, na sua maioria, de possuir fortuna própria", o que os tornava "permeáveis às pulsões materiais da vida".

Nos dias subsequentes à publicação da carta, os comentários sobre a mesma motivaram muitas conversas "entre os claustros e a tapada", muito embora ninguém alimentasse a menor dúvida sobre a autenticidade do texto, tanto mais que não havia, nos quadros do ministério, nenhum "Pedro Leite de Noronha". Deve reconhecer-se que o nome tinha um toque onomástico suficientemente "bem" para poder abrir caminho à sua credibilização em áreas para fora da casa. E todos perceberam que o absurdo do argumentário da carta mais não era de que uma forma de ridicularizar o reacionarismo primário de quantos se opunham à nova associação sindical.

Só tempos depois vim a saber que, por essa altura, numa embaixada portuguesa numa importante capital europeia, por onde curiosamente eu viria a passar alguns anos mais tarde, o embaixador comentara o assunto com uma colega (hoje também já embaixadora) com uma observação do género: "É evidente que este nome é falso: não temos nenhum colega que se chame assim. Mas que ele tem bastante razão, lá isso tem!"

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Pedagogia (pelos vistos) necessária

Não me considero um maníaco da exatidão, nem sequer tenho competência para dar grandes lições em matéria de línguas estrangeiras, mas devo dizer que começo a cansar-me de ver mal escritas, entre nós, com intensa regularidade, algumas palavras inglesas. 

É esse o caso de "welcome", em que muitos insistem em colocar dois "ll" (aparece com frequência em tabuletas à entrada de algumas localidades): Mas é também o da expressão "wishful thinking", cuja primeira palavra surge muito, e erradamente, com dois "ll". Neste domínio, também já tenho encontrado cultores de "helpfull", de "colorfull", de "usefull" e até de "beautifull". De uma vez por todas!: estas palavras não se escrevem com dois "ll".

Por outro lado, valerá a pena lembrar, nomeadamente a alguns autores de legendas de filmes televisivos, que a palavra "eventually"* (no fim) não significa "eventualmente", do mesmo modo que "actually" (de facto ou na realidade) não quer dizer "atualmente". Nesta escola de erros, já tenho encontrado os que acham que "constipation" (prisão de ventre) quer dizer "constipação". Para já não falar dos que entendem que "disgrace" (vergonha) significa "desgraça", dos que traduzem "spectacles" (óculos) por "espetáculos", "anthem" (hino) por "antena" ou, no limite, dos que ainda estão convencidos que "library" (biblioteca) é "livraria".

Tudo isto pode parecer um preciosismo, talvez mesmo um pretensiosismo, mas, já que o inglês se está a transformar no novo esperanto, ao menos forcemo-nos tratá-lo de um modo aceitável.

*curiosamente, saibam que é isso mesmo que o tradutor da Google indica!!!

domingo, 14 de abril de 2013

Azul, senhor Branco!

Alguns amigos são de opinião que este blogue tem publicado histórias em demasia sobre Vila Real, cidade que poucos leitores conhecem e para cujas idiossincrasias a curiosidade do mundo estará escassamente mobilizada. Talvez assim seja. Eu, porém, tenho a sensação, porventura errada, de que muito desse pequeno universo de província pode acabar por ser uma espécie de amostragem de todo um país que, com mais ou menos nuances, também se revia, um pouco por toda a parte, em muitas figuras e historietas simples, mais ou menos caricaturais, que eram o retrato quase ingénuo de um outro tempo. E que, também por isso, tem graça fixar por escrito.

Recordo-me do senhor Branco já como uma figura idosa, à porta da centenária livraria e papelaria que leva o seu nome e que constitui um dos marcos da vida comercial de Vila Real, na sua rua Direita. A seu respeito, toda a cidade do meu tempo contava um episódio, que se crê verdadeiro, e que deu origem a uma expressão que passou para a posteridade local.

Ao que se sabe, o senhor Branco teria um fraco especial por uma "criada" (era assim que se dizia, claro) lá de casa. O namorado da rapariga era por esta acolhido discretamente, com regularidade, no vão da íngreme escada que dava acesso do primeiro andar para a rua. Numa dessas ocasiões, ao dar-se conta que o senhor Branco vinha a entrar, a rapariga foi ter com ele aproveitou para pedir-lhe, quiçá como legítima compensação pela sua complacência face aos seus avanços, se ele lhe poderia comprar uma gabardina que o "seu irmão" muito necessitava - na realidade, correspondia apenas a um desejo do namorado, o qual, pelos vistos, tinha bastante bom "feitio" e não se importava por aí além de partilhar os favores da rapariga.

O senhor Branco, enlevado como andava pela jovem, terá dado mostras de poder aceder ao pedido e, passando à parte prática do assunto, perguntou que cor de gabardina quereria "o irmão". A criada hesitou por um instante. Foi então que, do vão da escada, talvez inquieto pela possibilidade da opção escolhida poder vir a não ser do seu agrado, se ouviu, a medo, a voz do rapaz:

- Azul! Azul, senhor Branco!

A história pode não ter sido bem assim. Mas pouco importa. Julgo que, na minha geração, nenhum vilarealense deixava de conhecer este episódio e esta frase, que aqui recordo, com um abraço amigo ao Alfredo, neto do senhor Branco.

sábado, 13 de abril de 2013

A democratização da Economia

A crise e a abundância das "narrativas" sobre ela converteram todos os portugueses em economistas de trazer por casa, num espécie de instantâneas "novas oportunidades" tiradas na "tele-escola". Há um ano, um taxista falava-me, com desembaraço, dos "spreads". Depois, o país acordou na rua a berrar contra uma TSU de que até à véspera desconhecia a existência. Ontem, num café do Porto, o rapaz do balcão perguntava-me se eu achava bem "os gajos só nos darem sete anos nas maturidades".

Isto vai bonito para o pessoal da Economia, vai! A verdade é que, dada a sua brilhante "performance" nestes últimos anos, eles legitimam que cada um possa "mandar bitaites" à vontade sobre a sua "ciência". É bem feito! Estavam mesmo a pedi-las...

... e o Porto aqui tão perto

Fui ontem ao Porto, para uma reunião de trabalho.

Após o liceu, vivi dois anos no Porto, como estudante. Desde então, volto lá, com um renovado prazer, sempre que posso. Sinto-me em casa, no Porto. É uma cidade que me induz um imenso bem-estar. Por lá tenho familiares e muito bons amigos - porque a amizade, no Porto, é uma coisa séria. Conheço o Porto bem melhor do que muitos portuenses, desde as lojas aos cafés, passando (que surpresa!) pelos restaurantes e pelas livrarias. Em tempos, cheguei a pensar ir viver a minha aposentação para lá. (Como ela é hoje um pouco "atípica", pensarei nisso mais tarde.)

Às vezes, dou-me conta de que me movo no Porto, de carro ou a pé, quase melhor do que em Lisboa. Na viagem de ontem, ia com um colega de trabalho, lisboeta de gema. À saída do aeroporto, porque antes da reunião tínhamos almoços em locais diferentes, expliquei-lhe onde nos deveríamos encontrar, em função do restaurante onde ele ia: "É fácil. Você sai dos Poveiros por S. Lázaro, segue a Rodrigues de Freitas e, logo depois do Prado do Repouso, entra no Heroísmo - lembra-se onde era a PIDE? - corta na primeira rua à direita, um pouco antes da "Cozinha do Manel". É logo ali". O meu colega olhou para mim, com o ar de quem estava a ouvir falar da toponímia de Ulan Bator, e retorquiu: "Você desculpe, mas eu do Porto quase só conheço a Boavista e a avenida dos Aliados. No resto, perco-me".

Nem ele sabe o que perde. O Sérgio Godinho, que é do Porto, sabe.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Palavras de ontem

A palavra pública tem um preço: fica eternamente em letra de forma e pode ser revisitada, como juízo da coerência de quantos se mobilizam no apoio a protagonistas de orientações que foram alvo das suas críticas.

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Amesendação


Na intervenção que há pouco fiz, na apresentação do excelente livro "Os mistérios do Abade de Priscos e outras histórias curiosas e deliciosas da gastronomia", da autoria de Fortunato da Câmara, para o qual tinha escrito um prefácio, decidi prestar uma singela homenagem a dois grandes críticos gastronómicos portugueses: o desaparecido David Lopes Ramos e José Quitério, que esteve presente no lançamento. 

No que disse, deixei claro que, na crítica na imprensa portuguesa, há um tempo antes e um tempo depois da entrada em cena de José Quitério, que há décadas mantém, ininterruptamente, uma coluna no "Expresso", onde publica o que qualifiquei de "crónicas sábias, escritas num português culto, recheado de História, de bom gosto, de humor e de um sentido magnífico de aproveitamento dos prazeres da vida".

No que me toca, José Quitério foi responsável por muitas e boas experiências de "amesendação" - um neologismo que ele próprio criou - por esse Portugal fora. Reconhecê-lo e agradecê-lo era o mínimo que entendi dever fazer.   

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Cutelarias

Era um homem bastante calado aquele ministro. O jovem diplomata, que o acompanhava no carro, no caminho noturno entre o aeroporto de Barajas e a nossa embaixada em Madrid, quase não conseguia arrancar uma palavra ao governante, que teimava em olhar insistentemente pelo vidro da viatura, naqueles subúrbios da capital espanhola, nesses anos 60 em que o caminho se fazia por uma estrada ladeada de casas comerciais.

O mutismo do ministro suspendeu-se, porém, a certo ponto, ao inquirir o diplomata: "você tem alguma noção da importância da cutelaria na produção industrial da Espanha?".

O rapaz caiu das nuvens. Cutelaria? Que raio de pergunta! Fazia lá ele ideia da produção de cutelaria em Espanha! E ainda muito menos do valor relativo dessa atividade na indústria! Que chatice! Se calhar, o ministro ia ficar com má impressão dele. Mas a verdade é que aquele era um assunto que desconhecia, por completo. E, embora algo constrangido, decidiu assumir essa sua falha: "Devo confessar, senhor ministro, que não tenho presente o peso da indústria da cutelaria no cômputo geral da economia espanhola".

O ministro não pareceu surpreendido, nem mesmo especialmente preocupado. Apenas comentou: "Não tem importância. Apenas tenho vindo a notar a quantidade de anúncios a talheres, que se veem por todo o lado. Olhe! por exemplo, ali!" E apontou para um reclame luminoso onde se lia "Taller".

No banco da frente, o motorista, português, deu uma gargalhada surda. Nessa mesma manhã, tinha ido a um "taller", a oficina onde sempre ia mudar o óleo.

terça-feira, 9 de abril de 2013

Gulbenkian

Por curiosa coincidência, o avião da TAP em que, há minutos, cheguei de Paris chamava-se "Calouste Gulbenkian". E foi a Fundação Calouste Gulbenkian a razão pela qual dei "uma saltada" de 24 horas à capital francesa, para participar na primeira reunião do Conselho Consultivo, agora criado, que tem como função orientar o trabalho da Delegação da Fundação em Paris, composto por seis personalidades portuguesas e francesas e que é presidido pelo professor André Gonçalves Pereira.

A representação da Gulbenkian em Paris, que funcionou até 2011 na antiga casa de Calouste Gulbenkian e que agora está instalada no boulevard La Tour Maubourg, desenvolve, há quase cinco décadas, uma interessantíssima obra cultural, que muito tem prestigiado o nosso país e que, simultaneamente, tem contribuído para honrar a memória de alguém a quem Portugal muito deve. Os tempos mudaram, a presença portuguesa tem hoje uma dinâmica nova na sociedade francesa, as representações em França das culturas que se expressam em português têm de encontrar formas de potenciar a língua comum e, por essa razão, à representação da Gulbenkian apresentam-se hoje novos desafios. 

Dispus-me assim, e com gosto, a colaborar, a partir de agora, na reflexão sobre o futuro da Delegação da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris. E, podendo ser coincidência, gostei que esta primeira reunião do Conselho Consultivo tivesse tido lugar no dia 9 de abril, data da batalha de La Lys, em que, em 1918, os portugueses ajudaram à defesa da França e da liberdade na Europa.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Margaret Thatcher (1925-2013)

Chegado há pouco a Paris, capital de um país sobre o qual Margareth Thatcher tinha sentimentos muito pouco simpáticos, acabo de saber da morte daquela que, por quase 12 anos, chefiou o governo britânico. Eu vivia em Londres ao tempo do seu afastamento do poder. Por uma quase coincidência, tive o privilégio de assistir, na Câmara dos Comuns, ao seu último e histórico discurso parlamentar, como já contei aqui.

Goste-se ou não das ideias de Thatcher, ninguém pode deixar de reconhecer que ela foi uma estadista que, como poucos, marcou o seu país e o tempo internacional: na sua visão e influência sobre a relação transatlântica, no modo como formatou a singular posição britânica face à Europa, no seu sentido premonitório do papel de Mikail Gorbachev no futuro da URSS, na sua teimosia patriótica face às Falkland/Malvinas e em tantos e tantos outros dossiês. E, naturalmente, com tudo o que isso ainda significa para o mundo de hoje, com a sua promoção de uma agenda liberal radical.

Uma das expressões que ficaram ligadas à imagem de Thatcher é a palavra "tina" - "there is no alternative" -, lema que, pelos vistos, continua a ter ardentes seguidores noutras paragens. 

Milhão

Não sei se estas coisas se comemoram. Devo dizer, contudo, que não posso deixar de sentir um certo orgulho pelo facto do número de visitas deste blogue ter, há algumas horas, ultrapassado o milhão. Um milhão?! Caramba!

Em tempo: para comemorar, e também para descansar de todos os "sermões" de domingo, hoje não escreverei mais nada. Amanhã, espero que o meu "spread" psicológico face a todos eles não seja muito grande.

domingo, 7 de abril de 2013

A realidade

No último número da revista "Sábado", no âmbito de uma entrevista*, surjo a dizer o seguinte: "O governo segue uma receita e a falta de resultados ainda não o levou a mudá-la. Não sei por quanto tempo vai ser possível manter esta aproximação à realidade sem que a realidade lhe caia em cima".

Hoje, apetece-me repetir aqui o que disse.

* Uma versão mais completa da entrevista foi publicada aqui.

O futuro da democracia

Em democracia, há sempre soluções. Esta é uma frase-chavão que todos teimamos em utilizar, à saciedade, porque nos sossega e deixa alguma margem de esperança. É claro que é bom que as pessoas pensem assim, porque essa é a garantia de que, enquanto acreditarem nisso, continuarão a privilegiar a via democrática para a resolução dos problemas do país.

Há dias, ao ouvir um daqueles programas em que os espetadores telefonam a dar a sua opinião sobre tudo e alguma coisa, dei comigo a refletir na incoerência e na irracionalidade de alguns desses comentários, construídos em torno de preconceitos, de uma crescente acidez com o mundo e de um muito alargado desprezo pela classe política. Embora só concordando marginalmente com alguma coisa que ouvia, fui levado a concluir que essas pessoas, na simplicidade dessas opiniões, apenas refletem, com uma inegável legitimidade, o desespero e a falta de esperança que os atravessa - cumulados de impostos, de familiares sem emprego, de projetos de vida arruinados. E vi-me obrigado a ter de aceitar a legitimidade dessa expressão irada do seu imenso desconforto.

Aquilo que eu me pergunto é se as lideranças políticas que temos têm a verdadeira consciência de que, ao conduzirem essas pessoas para evidentes limiares de desespero ou, do outro lado do espetro, ao não lhes fornecerem soluções credíveis de esperança, não estarão elas próprias a ajudar à progressiva deslocação de muita dessa gente para áreas que, de um dia para o outro, podem vir a situar-se fora do contexto democrático. Como entendo que não é plausível que isso possa acontecer no contexto de uma reorganização partidária, temo sinceramente que a próxima eleição presidencial possa vir a ser o terreno ideal onde sejam adubados alguns projetos populistas. E a História alheia já nos mostrou que não é evidente que todos quantos são eleitos por via democrática sejam, necessariamente, os melhores defensores futuros do sistema que os escolheu.  

sábado, 6 de abril de 2013

Os telefones e a crise

Um dia, no decurso de um Conselho de ministros em que se discutia um assunto sensível, um membro do governo saiu da sala e fez um telefonema através de um telefone fixo. De seguida, desconfiada, uma outra pessoa decidiu usar o mesmo telefone e, primindo a tecla de repetição, encontrou no outro lado da linha uma figura que dirigia um jornal. Jornal onde, no dia seguinte, o debate tido no Conselho de ministros apareceu descrito em pormenor.

Há minutos, dois jornalistas televisivos, sem qualquer pejo, estranhavam não estarem a receber SMS's que indiciassem o modo como as coisas estavam a correr no seio do Conselho de ministros, potencialmente decisivo para a crise política em curso. A certo passo, um deles disse que acabava de ser informado, seguramente "de dentro", de que "as coisas correram bem".

O tempo passa, mas os vícios são os mesmos. Ou, como dizem os ingleses, "old habits die hard".

Notícias da Noruega

Há já algumas décadas, vivi alguns anos na Noruega. E por lá aprendi algumas coisas. 

Nos termos da constituição do país, o parlamento da Noruega não pode ser dissolvido. Em nenhuma circunstância, por maiores que sejam as crises (aprovação de um voto de censura ao governo, rejeição de um voto de confiança, "implosão" do governo, etc). Se uma crise se verificar, compete curiosamente ao chefe do executivo cessante, segundo a prática local, sugerir o nome de um seu possível sucessor, oriundo de outro partido, que possa encarregar-se de formar nova equipa governativa. Isto passa-se sempre assim, qualquer que seja o equilíbrio político resultante das eleições legislativas, e nunca a Noruega ficou sem governo. Assim, por lá, as eleiçöes têm invariavelmente têm lugar de quatro em quatro anos, realizadas até ao final do mês de setembro, sempre numa segunda-feira. Os partidos políticos noruegueses são forçados a um exercício de responsabilidade e, por isso, são sempre obrigados a encontrar soluções de governabilidade para o país. Se tal não acontecesse, a opinião pública - isto é, os seus eleitores futuros - puniria seguramente os partidos que inviabilizassem a formação de compromissos. Várias vezes, ao longo de mais de século, a ideia da introdução da figura da dissolução do parlamento foi discutida, mas as propostas (que necessitariam de uma maioria dois terços para serem aprovadas) foram sempre afastadas, porque os noruegueses consideraram que isso reduziria o ambiente para a cooperação entre os partidos, para soluções de interesse nacional.

Inspirados em "A Ceia dos Cardeais", agora que Júlio Dantas surge como clássico de cultura geral no concurso de acesso à carreira diplomática, bem poderíamos dizer: como é diferente a política em Portugal!

Futuros diplomatas à prova

À polémica em torno do modelo da prova de cultura geral a que foram sujeitos os candidatos ao acesso à carreira diplomática, assunto de que já aqui se falou, acaba de ser somado um novo capítulo: o exame foi anulado, aparentemente não por um qualquer juízo de inadequação sobre a prova, mas por irregularidades detetadas na respetiva execução. Na blogosfera fala-se também de outros episódios, como o recurso ao Google por parte de alguns concorrentes, o que, a ser verdade, revelaria outras deficiências na fiscalização. 

Não gosto de ver o "meu" Ministério envolvido em processos polémicos e só posso lamentar que um ato tão importante como a escolha de novos diplomatas possa ficar inquinado por um episódio desta natureza. Episódio que - convenhamos - com algum cuidado poderia ter sido evitado. 

O acesso à função pública, em particular num momento tão complexo como aquele em que vivemos, tem de ser um processo cristalino e "irreprochable". Há que esperar que a repetição da prova anule agora todas as dúvidas e consagre um processo incontroverso, apurando os mais competentes e, já agora, pessoas com um nível cultural à altura do privilégio e da honra que significa representar Portugal no mundo.