7.1.13

Lisboa

Menos de 24 horas em Lisboa

1. As pessoas estão tristes. Pior: a cidade está triste. Às tantas, é mesmo o país que está triste. Logo verei.

2. É impressão minha ou os taxistas estão mais simpáticos? E passam fatura sem a pedirmos: estamos (estão) a chegar à Europa!

3. Os hotéis estão baratos, mas tenho a sensação de que, um destes dias, vamos passar a pagar pela utilização dos elevadores.

4. Os pratos de alguns restaurantes mantêm preços razoáveis, mas a avalanche dos "petiscos" das entradas (não solicitados) torna-se quase assediante.

5. Foi preciso uma crise para a livraria do Apolo 70 fechar à hora de almoço, coisa que não acontecia há muitas décadas. Acabei por ir à Bertrand do Campo Pequeno: o empregado tinha judiciosas interpretações sobre a colonização portuguesa no Brasil e o modo como os brasileiros lidam com isso. Notável!

6. É lamentável, mas compreensível, a extrema rarefação do atendimento nas lojas.

7. Magníficas, as castanhas assadas pela rua.

8. O que pensará um estrangeiro a quem alguém traduza que o autocarro 736 vai para o "Senhor Roubado"? O mesmo, com certeza, que o espantará (ou, então, não, o que é pior) ao verificar que dois dos maiores palácios de Lisboa sejam o da "Ajuda" e das "Necessidades". E há tantos anos que se chamam assim...

9. Temos de dar a volta a isto. À tristeza, claro. Antes que ela nos dê a volta a nós. Já faltou menos.

Em tempo: leiam o comentário (assustador!) de Isabel BP, que eu gostaria de ter escrito: é isso mesmo!

A polémica do dia

Pronto! Com a decisão australiana sobre o tenista sérvio está criado um folhetim com todos os ingredientes: vedetas, política, teorias da co...