quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Palhaçadas

Nos últimos dias, a internet foi inundada por um vídeo no qual a actriz brasileira Maitê Proença revela ideias fortemente preconceituosas em relação aos portugueses. Trata-se de graçolas de quem, finalmente, tornou clara uma lusofobia que, com inegável sucesso, há anos que vinha a disfarçar bastante bem. Entretanto, fez já um acto de contrição, porque, afinal, o mercado português sempre lhe dá regular jeito à conta bancária.

Quando fui embaixador no Brasil, defrontei-me, por mais de uma ocasião, com situações idênticas. Algumas vezes em que achei oportuno, respondi a esses comentários. Outras, optei por não reagir.

Este é um problema que se coloca, de forma recorrente, a muitos embaixadores: avaliar se devem ou não actuar, em face de ataques públicos ao seu país ou aos seus cidadãos. Há que ponderar se tal reacção não acabará por ter um efeito desproporcionado, isto é, se não ajudará a chamar mais atenção para a questão, do que aquela que ela teve no momento em que ocorreu. E, depois, nos casos em que decidirmos intervir, há que ainda que escolher e medir o tom que essa intervenção deve ter. Podem crer que é uma questão nada fácil.

Também aqui em França, o problema se coloca. Um conhecido cómico de "stand-up comedy", Patrick Timsit, tem feito, num espectáculo público em exibição em Paris, comentários desagradáveis sobre os portugueses. Vários compatriotas sugeriram uma reacção a esse "sketch". Também acho que devemos tê-la: rir dele. Não é isso que os palhaços querem?

26 comentários:

José Martins disse...

De facto o meu correiro electrónico foi inundado com o video e críticas, muitas chegadas do Brasil, onde me parece que a comunidade "lusófoba" se teria espinhado com a peça filmada (havia dois anos) pela actriz Maité Proença (com um palminho de cara para não desprezar).
.
Não liguei importância nenhuma à peça só que esta começou a estender-se e escarrapachada na Comunicação Social, escrita, falada e visual.
.
Nós cá dentro (refiro-me a Portugal) também nos "chalaçamos" uns aos outros...
.
E vamos mais adiante com a parada da paródia da chalaçada, porque nós os portugueses e os latinos temos o nosso próprio humor, contado em histórias reais ou inventadas.
.
Bem melhor sorte teria a Maité ter topado o nosso portuguesíssimo "emplastro", seguir atrás dela para se quedar nas imagens...
.
Todo o mundo, lá no Brasil e os "lusófobos" achariam piada!
.
Nunca vi nenhum Alentejano andar à "cacetada" pelas adenotas que lhes são dirigidas pelos seus compatriotas.
.
Igualmente, os nossos irmãos, da Galiza, os madeirenses, açorianos e as histórias relacionadas com os espanhois que bem vivas, ainda, as anedotas aos "nuestros hermanos" que tantas as haja ouvido de quando era criança na minha Serra da Estrela".
.
Cada um e cada qual tem o humor que melhor lhe der na real gana porques este é uma componente do ser humano que até o ajuda a viver.
.
Para mim, os dois palminhos de cara da Maité Proença e o video que produziu nem me aqueceu tão pouco me arrefeceu.
.
E aqueles que gelaram que se descongelem porque a Maité Proença não ofendeu ninguém, mas apenas tentou e deu humor aquilo que viu e levou para o Brasil e transmitido pelos canais de televisão.
.
A montanha pariu um ratito e não será necessário que Sua Excelência o Embaixador do Brasil acreditado em Lisboa, de casaca à grilo e laço no pescoço, se apresente em grande uniforme diplomático, nas Necessidades e pedir desculpas, formais, ao ministro Luis Amado pelas impensadas "chalaças" da atriz Maité Proença que para alguns "sisudos" não tiveram chalaça alguma.
.
Por fim: "rir faz bem e o que seria de nós, os portugueses, se o riso se fosse dentro de nós"...
.
Uns tristinhos deste mundo e voltamos nuns "lusofobianos/fabianos" sem graça nenhuma.
De Banguecoque
José Martins

Paulo M. A. Martins disse...

Caríssimo Embaixador,

Confesso que estou bastante surpreendido e indignado com tudo o que se está a passar em relação à buçalidade de Maitê Proença.

Passados alguns anos e desenterrarem, agora, esse malfadado vídeo, decerto, há mais intenções e objectivos provocatórios no horizonte...

A indignação é generalizada, entre portugueses e brasileiros, o que revela a leitura que eu sempre tive dela: Uma babaca, menina mimada e ensonsa! Mas perigosa e mal intencionada!

Em minha opinião, já se está a dar demasiada importância a quem não merece minimamente o carinho que, desde sempre, lhe tem sido atribuído pelos portugueses.

É óbvio que sempre existem e existiram as "Histórias de Português", mas que eu, pessoalmente, as interpreto como uma certa prova de carinho em relação a nós.

Uma vez, no Rio de Janeiro, passe a publicidade, na Churrascaria Copacabana, havia sempre engano para muito mais da despesa a pagar... E, confesso, perdi a estribeira, com um sonante murro na mesa, virei-me para o maître e disse-lhe, em voz alta e bom som:

- Porra, isto já parece História de Brasileiros!

Toda a gente, apercebendo-se do meu sotaque português ficou perplexa e muitos viraram-me os olhos e menearam as cabeças...

Hoje, ainda estou para saber como consegui sair dali sem uma beliscadura e sem que alguém tivesse reagido verbalmente...

É caso para dizer: Sorte a minha!

O mesmo também já sucedeu comigo em Portugal, em que reagi negativamente e os garçons brasileiros que me serviram não gostaram de ouvir...

Senhor Embaixador, na realidade, há sempre que lamentar estas e outras situações preconceituosas, mas as relações Portugal - Brasil são muito mais importantes e não podem nem devem ser prejudicadas por uma babaca qualquer de baixo nível e sem estofo moral e intelectual que até, à pressa, já se veio a revelar publicamente descendente de portugueses...

É bom que se reflicta sobre o conteúdo das suas mais recentes declarações, pois a provocação repete-se de forma ignóbil mas inteligente, como se os portugueses fossem os responsáveis por todos os males que acontecem e têm acontecido no Brasil!...

Que ela merece uma declaração de "personna non grata" e um boicote generalizado e sistemático às obras em que ela intervêm não resta a menor dúvida a ninguêm!

Por menos, tanto quanto julgo saber, o nosso Sérgio Godinho foi expulso do Brasil, desconhecendo, de momento, se já pode entrar e circular no País livremente.

É chegada a hora de aprendermos e sabermos dar-nos ao respeito! Mas o caso da babaca Maitê Proença não é motivo para se desenvolver uma Guerra Santa, pois, apesar de tudo, há muitos inocentes que não têm culpa e, inclusive, têm estado a fazer ouvir a sua voz e a manifestar o seu descontentamento e indignação.

No Brasil é comum ouvir-se:

- Falem mal do Brasil, mas falem!

Provavelmente, é isso que agora se pretende fazer:

- Falem mal da Maitê Proença, mas falem!

E ela, como boa babaca que se preza de ser, até agradece comovida, como se tivesse sido elevada ao Quadro de Honra!


Paulo M. A. Martins
Fortaleza (CE) - Brasil

Margarida disse...

Formidável.
Podia discorrer sobre um dos exemplos do que pode ser ser-se 'embaixador', mas cada 'post' neste blogue define e esclarece-o belissimamente.
E os (meus) comentários não acrescentam nada.
:)

João Antelmo disse...

Discordo total e frontalmente da desculpabilização das anedotas étnicas sob pretexto de que revelam "carinho" ou porque "todos contamos anedotas sobre outros grupos" ou porque "há anedotas de alentejanos".
Este tipo de graçolas, independentemente da maior ou menor piada que possam ter, são objectiva e essencialmente preconceituosas, inserem-se em contextos racistas e revelam perigosos sentimentos de inferioridade. Incluem-se aqui as anedotas de alentejanos.
De resto, há uma análise simples de nos certificarmos do fundo preconceituosa dessa anedotas: experimente-se substituir o “uma vez um alentejano” ou “o Manuel” ou “um judeu” ou “o Samora Machel” por “uma vez eu” ou “o meu pai” ou “o meu filho”; se a troca não agradar, não se conte a anedota.
Nos anos 30 na Alemanha poderia dizer-se (e dizia) o mesmo sobre o Judeu Suss e sobre as caricaturas de judeus de nariz comprido e sobrancelhas farfalhudas: eram graçolas de vizinho para vizinho e "eu até tenho amigos judeus"; depois, foi o que se viu.
Vivi e trabalhei no Brasil e tive, como todos nós, que aturar "piada de português" contada, as mais das vezes, por caipiras ignorantes e de higiene duvidosa. Sempre reagi, mesmo que com bonomia. E apercebi-me de que os portugueses que recebiam essas "provas de afecto" rindo sonoramente, o faziam só para não serem incomodados e não acirrarem a lusofobia. O mesmo se passa, neste momento, com os emigrantes brasileiros em Portugal, que estão preocupados com o perigo de o infeliz vídeo da lambisgóia poder acirrar a besta xenófoba que já viceja em Portugal.
Dito isto, penso que se deve pesar cuidadosamente cada circunstância e que só em casos de excepcional gravidade deverão os representantes de Portugal reagir publicamente. Como diziam os romanos “de minimis non curant praetores”. Mas, por vezes, é necessário. Se o palhaço der com um dos seus sapatões na cabeça de um espectador, deve levar, em troca, um bom par de estalos.
No caso vertente, claro que houve uma reacção desproporcionada, porventura também ela imbuída de anti-brasileirismo primário (de primata). A flausina está na decadência física e profissional, é obviamente ignorante e não vale a pena gastar cera com tão ruim defunta.

bloom disse...

sendo quem é o namorado da maitê, compreende-se melhor a lusofobia...

Alcipe disse...

Responder à Maitê Proença? Haja senso... Vocês acham que as embaixadas em Lisboa andam a escrutinar (como dizem os Gatos) as piadas do João Baião? Pelo amor de Deus...

Fábio Ferreira Durço disse...

Prezados,
É realmente lamentável o vídeo da Maitê; fiquei com raiva.
Podemos deixar uma mensagem no site do programa Saia Justa, exibido na GNT, um dos canais (TV a cabo) de propriedade da Rede Globo. O link é http://gnt.globo.com/Saia-Justa/.
Preocupa-me a Rede Globo tenha dados espaço a ela.
Fábio Ferreira Durço
Brasília - Brasil

Anónimo disse...

Foi um momento infeliz duma pessoa pública - como é costume designar este tipo de pessoas nas revistas sociais. Um momento infeliz que revelou falta de senso, de educação e até falta de humor. Enfim, não vai ser o último capítulo protagonizado por um cidadão brasileiro,mais ou menos conhecido, sobre as famosas piadas de "português". No entanto, este momento, mesmo que por mais insignificante que seja, faz, mais uma vez, repensar as relações entre dois países que se dizem irmãos.

Penso que não existe lugar para uma "lusofobia" pois feliz, ou infelizmente, os brasileiros não nos dão assim tanta importância para se criar um conceito deste tipo. O que existe é um profundo desconhecimento sobre o Portugal actual e sobre as novas gerações de portugueses. A "culpa" deste facto mora nos dois lados do Atlântico, o Brasil não procura conhecer o país que deu origem à "sua" Língua e os portugueses ainda não entenderam verdadeiramente a importância do Brasil. Se somos irmãos, conhecemo-nos muito mal.

Da mesma forma que a grande maioria das cidadãs brasileiras que estão em Portugal não correspondem ao estereótipo criado pelas "mães de Bragança", os portugueses, que agora chegam ao Brasil, já não são apenas o "Manuel e Joaquim" da padaria.
As gerações de portugueses que chegaram ao Brasil no século passado, salvo as excepções, fizeram-no por entenderem ser das poucas saídas que teriam para melhorar as suas debilitadas condições de vida. A mesma razão daqueles que foram para França, África do Sul, Venezuela, Alemanha etc etc Muitos chegaram ao Brasil com menos que a antiga quarta classe e, apenas com o seu trabalho, conseguiram, em muitos casos, almejaralgo que seria totalmente impensável quando saíram de Portugal. Temos vários exemplos. Gente que trabalhou, que ainda trabalha e que quase que a única linguagem e estilo de vida que conhece é o trabalho. Não é gente "sofisticada" ou "glamurosa" mas não vai ser por isso que não serão um motivo de orgulho para todos os portugueses. Podem contar no Brasil piadas de português mas ninguém coloca em causa a sua honestidade e capacidade de trabalho. É este o português que é conhecido no Brasil, foi sobre esse português que a actriz brasileira fez piadas.
(continua)

Anónimo disse...

(parte 2)

O conceito de "português" e Portugal ficaram (ou estão) "parados" durante décadas mas POrtugal não ficou, propriamente estacionado no tempo. O que aconteceu é que Portugal nunca se voltou verdadeiramente para o Brasil. As novas gerações de portugueses que agora chegam ao Brasil, para trabalharem nas multinacionais portuguesas e estrangeiras, também não fazem questão em mostrar o Portugal actual. Geralmente não convivem com os portugueses que "chegaram antes" nem com os luso-descendentes. Não lhes peçam para irem à Casa de Portugal ver um "show" do Roberto Leal ou para assistir a um rancho folclórico. Esse já não é o Portugal das novas gerações. Os executivos ou empresários portugueses que chegam a São Paulo (por exemplo), consideram-se mais ou menos de passagem, vivem e convivem mais entre eles e frequentam círculos relativamente restritos. A presença deles é relativamente discreta entre a sociedade, entre o "povão". A imagem que subsiste no brasileiros é mesmo a do Senhor Manuel da padaria ou a do Senhor Joaquim do mercado.
(continuação)

Anónimo disse...

(parte 3)
Portugal precisa de se mostrar ao Brasil, precisamos de entender o potencial e importância do Brasil. Não podemos continuar a ser uns ilustres desconhecidos de onde apenas sabem que vem um vinho fantástico e o melhor azeite. Temos muito mais para apresentar e, com certeza, que os brasileiros irão receber bem aquilo que fazemos com qualidade.
A Mariza tem que ir ao Brasil frequentemente, uma vez de dois em dois anos não chega pois tem público para muito mais. Os Madredeus são adorados no Brasil tal como a Teresa Salgueiro. As novas bandas têm que aparecer - Clã, peixe:avião, Wraygunn, Deolinda, etc etc - pois têm muita qualidade e podem encontrar no Brasil um público e um mercado muito interessantes. A literatura portuguesa é por demais apreciada, que apareçam os novos exemplos, que apareçam os "outros" Gonçalos M. Tavares no Brasil. Os empresários portugueses da àrea de TI têm que apostar verdadeiramente no Brasil, temos casos de sucesso mundiais. Portugal tem que promover a qualidade do seu Turismo para seduzir aqueles brasileiros que viajam frequentemente para a Europa mas nunca foram a Portugal.

Quando Portugal se mostrar verdadeiramente ao Brasil, com os seus encantos e também com os seus (poucos) desencantos, todos irão concluir que as piadas da Srta. Maitê apenas servirão para nos rirmos dela e não com ela.
Para já somos ainda dois irmãos em que, aos seis anos, um foi para a casa do Pai e outro para a casa da Mãe e raramente nos encontramos. Portugal e Brasil precisam de se conhecer melhor.

José Barros disse...

Não compreendo a importância que se tem dado ao caso da “palhaçada” em questão! Seria uma operação publicitária sem custos sugerida pelo seu agente? Se foi parece não lhe ter levado grandes resultados porque mesmo se permite “popularizar” a rapariga esta operação não lhe proporcionará benefícios financeiros e, apesar de a não conhecer, penso que será disso que ela pretende viver...
Quanto a Timsit e o seu “sketch” sobre os portugueses, este humorista já teve tempo de aprender porque já andou envolvido em tribunais por causa de piadas de mau gosto ao comparar os deficientes mentais portadores da trissomia 21 com os camarões dizendo deles que: “à part la tête, comme les crevettes, tout est bon”. Ora esta piada foi insuportável a muitos pais de crianças deficientes que o processaram. Consta que ele teria ficado sensível às dificuldades daqueles deficientes e teria contribuído, além do que o tribunal exigiu, com somas circunstanciadas para organismos de apoio àquelas pessoas.
Será Timsit um homem inteligente ou estulto? Às vezes as leis do comércio não estão muito conformes com a ética mas não é a diplomacia que deve descer para este terreno lamacento.

Anónimo disse...

O blogue está animado.
O MST anda à caça, lá pela zona do "Afonso" de Mora, com a Maitê? A caçar? Ou a espantar a caça? Temos os belgas, alvo dos franceses; temos os alentejanos, alvo das anedotas de todos os portugas; e temos os habitantes de Lepe (zona de Huelva), alvo das anedotas dos espanhóis.
Maité a.MST, ou Maité d.MST? Como as eras: a.C. (antes de Cristo) ou d.C. (depois de Cristo).
Cá por mim, faço de alentejano, de belga ou de lepiano: é para o lado que eu durmo melhor!
Prefiro ir à bola: dar bitaites, insultar o árbitro, os jogadores e respectivos progenitores, comer uns coiratos, agradecer ao Liedson, ao Deco and so on que marquem golos.
E quem se lembra que o Ferreira de Castro andou pelo Brasil? E o Jorge de Sena?... Jazem mortos e arrefecem...
Leiam o Leite Derramado do Chico Buarque, grande livro!

Anónimo disse...

Lá na terrinha

Jantei com Maitê Proença em Lisboa, possivelmente na mesma altura em que a atriz gravou o vídeo que agora está na internet. Nele, Maitê (sempre bem tratada pelos portugueses, que inclusivamente lhe compram os livros) dá por adquirido que os portugueses são inábeis, atrasadinhos, enfim – o costume. Durante esse jantar, Maitê mostrou-se encantada com Portugal, e creio que era mais do que simpatia. Mas no Brasil é outra coisa. Faz parte do gene brasileiro esse apetite saudável por Portugal, a velha metrópole de padeiros, açougueiros e gente desajustada. As jovens nações, entusiastas e adolescentes, acham gracinha a tudo. Comportam-se como crianças quando descobrem a careca dos avós. É natural e compreensível. Depois crescem. Ou pedem que lhes apreciemos as pantomineirices

Francisco José Viegas
no "Correio da Manhã"

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro José Barros

A diplomacia não está acima dos problemas. Está onde eles estiverem, se considerar que eles o são. A minha filosofia é a de "sujar as mõs", sempre que achar necessário. Questão diferente é saber escolher o modo como os aborda.

Anónimo disse...

Gostei do texto deste seu Post, estimado FSC!
P.Rufino

Anónimo disse...

"EXPRESSO"

Polémica Maitê Proença: Embaixada do Brasil lamenta vídeo
São já dezenas as queixas de cidadãos portugueses apresentadas junto da Embaixada do Brasil em Lisboa contra o vídeo feito por Maitê Proença. Carmen Moura, ministra Conselheira, afirma ao Expresso que o Governo brasileiro não se associa ao incidente e lamenta "que uma figura pública tenha feito um trabalho de tão má qualidade".

As queixas apresentadas por dezenas de cidadãos portugueses junto da Embaixada do Brasil em Portugal, contra o vídeo realizado pela actriz Maitê Proença, estão a ser encaminhadas para a Rede Globo no Brasil, a cadeia televisiva responsável pelo programa "Saia Justa". A embaixada diz que "se trata de uma matéria de imprensa televisiva" e afirma que o Governo brasileiro se demarca totalmente do caso.

Indignação dos portugueses é compreensível
A ministra Conselheira Carmen Moura confirma ao Expresso que as queixas dos portugueses são cada vez mais e entende "que os portugueses estejam zangados". Carmen Moura acrescenta que lamenta "que uma figura pública tenha feito um vídeo de tão má qualidade". Recorda, porém, que "a liberdade de expressão não impõe censuras".

A Ministra Conselheira afirma ainda que agora é necessário "minimizar" um episódio que classifica como "um lamentável erro de imprensa", estando segura que "não vai afectar as excelentes relações entre Portugal e o Brasil".

Carmen Moura acredita que o vídeo "de mau gosto" não trará consequências de maior aos emigrantes brasileiros a viver em Portugal. "Não podemos dar-lhe uma importância que ele não tem", conclui.

Anónimo disse...

NÃO PERCAM ISTO, POR NADA DO MUNDO:

http://www.youtube.com/watch?v=xSX3uO7Yw2Q

Mayra disse...

Li todos os comentários, pois tal atitude da actriz, quase que me deixa doente de verdade.
Porém a melhor atitude é repetir e agir de acordo com o que diz o Sr. Embaixador Francisco Seixas: "rir dela. Não é isso que os palhaços querem?"
Desejo um óptimo final de semana para todos.
Mayra

Voz do Seven disse...

Senhor Embaixador, desculpe a frontalidade: este caso não seria para sujar as mãos?

Anónimo disse...

Apenas um comentario a José Martins : "Quem nao se ofende nao é filho de boa gente ! " diz o ditado popular.

Julia Macias-Valet

Anónimo disse...

Também concordo que a melhor expressão é "rir Dela" com pena, pelo video de mau gosto...
Isabel Seixas

Anónimo disse...

A Maitê Proença - Santa Ignorância (1)

Cara Senhora,

Se a sua intenção foi ridicularizar Portugal e o Povo Português, deixe-me avisá-la que somente se ridicularizou a si mesma, revelando a sua Ignorância e falta de civismo, passando uma péssima imagem da sua personalidade e até, infelizmente, do seu país.

Os Portugueses e muitos Brasileiros, devo dizê-lo, estão chocados !!

Eu confesso que, para mim, a Maitê Proença nunca foi nada mais do que uma cara agradável. Nem sequer boa actriz a considero e muito menos, escritora.

Acredito no entanto que, tanta droga, tanta vaidade, tanta plástica e colagénio a tenham atrofiado ao longo dos anos e deixado sem tempo para se instruir e cultivar, mas nunca é tarde e uma das qualidades dos Portugueses é também a generosidade, por isso partilho aqui um pequeno resumo da informação que poderia ter pesquisado com extrema facilidade antes de fazer aquela suposta "reportagem". Informação essa, que até a minha pequena de 11 anos faria com melhor qualidade e preparação...mas claro, nós sabemos utilizar a internet e os computadores, e até, os "mouse", que em Português corrente, se diz "rato".

"Sintra que é uma Vilasinha perto de Lisboa" - Cara Senhora, Sintra é uma Vila lindíssima, riquíssima em património e para sua informação, Património Mundial da UNESCO. Revelador é que no meio de tanta beleza, de tanto património, de tantos monumentos, de tanta cultura, a única coisa que tenha reparado e destacado em Sintra tenha sido seja o três invertido!!!!

"O três invertido" que menciona está colocado num edifício centenário e que,por norma é colocado assim, ou por questões esotéricas, que nós respeitamos, ou para identificação de famílias pertencentes à Maçonaria. Não vou explicar o que é Maçonaria, pois estou certa que seria informação a mais para essa sua cabecinha loira, mas posso garantir que entre outros adjectivos alguns dos que representam a Maçonaria é a Educação, Inteligência e Cultura .

Anónimo disse...

A Maitê Proença - Santa Ignorância (2)

"Borrada" do Tejo - O Tejo é um rio e como quase todos os rios e em toda a parte do mundo, até mesmo no Brasil, desagua no mar. Não "tá no mar", nem "é o mar"!

Salazar - António de Oliveira Salazar foi um ditador sim, que governou quase 40 anos. Não "mais de 20" e mal ou bem, ditador , em 40 anos deixou obra feita, é portanto legitimo, que em votação livre tenha sido elegido como o Grande Português. Concordemos ou não com essa decisão, a mesma foi tomada democraticamente.

"Camões já não está mais enterrado aí, porque não gostou, por problemas e então saiu" - Esta nem merece comentários!!!! É quase infantil.... Ou será que confundiu o grande Poeta Camões com a escrita paranormal do Paulo Coelho??? Luis Vaz Camões e Fernando Pessoa são dois grandes Poetas Nacionais que merecem todo o respeito de qualquer cidadão. Seja civilizada!

A sua imitação da Língua Portuguesa,(sua lingua mãe) foi, como não poderia deixar de ser, fraquissima e lamentável! A Língua Portuguesa é das mais antigas e riquíssimas do mundo. Falada e escrita em muitos Países. O seu Português, no entanto, enrolado e arranhado, que nem bom Brasileiro é, traiu-a várias vezes no tipo de linguagem e construção de frases que utilizou nesta pseudo reportagem.

Diz-nos agora que nunca quis gozar com Portugal, mas o cinismo foi tanto que assumiu que não poderia contar o episódio do Hotel senão nas "costas" da Equipa Portuguesa....muito revelador do seu carácter....que dizermos então da marca dos brasileiros? Favelas, Criminalidade, Exploração infantil?

Você é que me saiu uma boa capivara....Nem todos os Portugueses saberão o que é um "mouse" (tradução - rato), admito, mas generosos, voluntariosos, hospitaleiros, cheios de vontade de ajudar, foram!!! Mas...."o Português é assim esquisito", não é?

Agora a "gota de água" (neste caso, cuspo) foi mesmo a sua falta de civismo e de educação quando cuspiu na fonte de um monumento nacional, na água de Um mosteiro. Que vergonha!!!

Aqui não há beleza que a desculpe. A falta de civismo é altamente lamentável e condenável. A educação é algo que revela a nobreza de personalidade e de carácter, e no seu caso, é medonha!

As restantes colegas, participantes do Programa Saia Justa", no canal GNT acabam a rir. Não se percebe muito bem de quem ou de quê. Terão rido da sua ignorância, da sua descompostura??? Não sei, mas de qualquer modo, nada neste vídeo nos parece correcto.

A burrice até desculpo, a má educação e falta de civismo nem tanto, mas que estamos perante um grave incidente diplomático, estamos! Não volte a Portugal Maitê! Nem precisa de vender o seu livro aqui na "terrinha". Nem volte a dizer que ama Portugal e que somos irmãos, porque tudo o que vier de si só ofenderá este grande País e a si, só ridicularizará ainda mais.

As últimas noticias a que tenho acesso neste momento sobre este triste episódio são as de que a Maitê Proença recusou até ao momento apresentar um pedido de desculpas pelo incidente e declarou no seu twitter que «a verdadeira sabedoria está em saber rir de si».«Que chato o pessoal que não sabe lidar bem com o humor», desabafa.

Minha Senhora, o que fez naquele video de saia justa não foi Humor! Foi sátira! Sátira a uma Nação, a um Povo, ao Português, aos Monumentos Nacionais, aos Poetas Portugueses. O que fez foi humilhar-se e expor a sua estupidez.

Já que gosta de frases feitas, digo-lhe com toda a sinceridade que a arrogância e a falta de humildade são sempre companheiras da ignorãncia e da mesquinhez. E já que fala em humor, vou contar-lhe um segredo: Sei que há muitas anedotas sobre Portugueses no Brasil, mas posso garantir que a Maitê Proença já virou anedota em Portugal.

Anónimo disse...

Exmo. Senhor Embaixador,
Concordo plenamente consigo quando diz que perante certas situações devemos medir o grau de inervenção. No caso da Maitê, o melhor é rir mesmo, porque como sabemos o ridículo mata. Mas para que a visada actriz saiba que os portugueses sabem fazer humor com o ridículo dos outros, tomo a liberdade de lhe enviar este link, no qual encontrará a resposta á dita senhora, numa versão humorística.http://fredscp.blogspot.com/
Tomás Azevedo

Patrick disse...

Caros amigos portugueses, como brasileiro peço desculpas pelas bobagens desse vídeo. Mas tenham pena da gente, Maitê Proença só esteve por uma semana em Portugal. Aqui no Brasil ela permanece as outras 51 semanas do ano ...

Francisco Seixas da Costa disse...

De: Gnt Globosat [mailto:gnt@globosat.com.br]
Enviada em: sexta-feira, 23 de outubro de 2009 16:46
Para: 'Gnt Globosat'
Assunto: Re: Fale Conosco GNT

A direção do canal GNT, no Brasil, afirma que não houve qualquer intenção em ofender os portugueses e Portugal ao exibir o vídeo no "Saia Justa", em março de 2007.
O canal sempre primou por um tratamento respeitoso com os portugueses. Durante quase dez anos, o GNT Portugal exibiu uma programação pautada pela valorização da cultura lusitana promovendo uma forte interação entre os dois países. O "Marília Gabriela Entrevista" já gravou programas especiais com ilustres personalidades, em Lisboa, e os debatedores do "Manhattan Connection" fazem questão de inserir opiniões e comentários dos assinantes portugueses na mesa de discussão.
O GNT lamenta a repercussão negativa do quadro "Saia de Vídeo" e pede desculpas aos cidadãos que se sentiram atingidos.

Atenciosamente,
Equipe GNT