quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Boa memória (2)


Há pouco, ao apanhar um táxi para o aeroporto, ainda tive a esperança do carro ser conduzido por este conhecido motorista, que chegou "à praça" lisboeta em 1989. Não era. É que, nos dias que correm, já tudo é possível...

10 comentários:

aamgvieira disse...

À volta, pode ser que seja o Nódoa da empresa "TEMPO NOVO", em concorrência com a UBER.

Anónimo disse...

Ó Embaixador, por essa hora vi eu o dito a mergulhar no tejo, junto ás colunas da Praça do comércio.

disse...

O Sr. Embaixador é, como a grande maioria das pessoas da sua carreira, um elitista. Mas neste post exagera. Marcelo, que é Professor Catedrático na Faculdade de Direito de Lisboa há anos, que serviu o país como secretário de estado, ministro, líder da oposição etc, que é um jurista com méritos reconhecidos, dispõe-se a conduzir um taxi para se aproximar das pessoas, vai sem motorista para os eventos da sua campanha, é abordado pelas pessoas na rua e devolve-lhes sempre um sorriso amigo e uma palavra de apoio. Qual é o mal? Isso faz dele pior pessoa porquê? Esta é a pessoa que ele é: um homem excepcional e excepcionalmente bom. Não é um elitista; é todo o seu contrário: é um anti-elitista que não se crê desqualificado por conduzir um taxi ou por falar às pessoas na televisão (é por isso que as pessoas o vêm e é por isso que gostam dele).

Apetece-me só contar um fait-divers. Marcelo voa frequentemente na TAP, onde um grande amigo meu trabalha como assistente de bordo. Ora, não é que Marcelo, das poucas vezes que falou com ele, decorou o nome do meu amigo e agora quando se cruza com ele quer na rua quer num avião o cumprimenta com um gentil: “Olá Nuno. Está bom?” Isto diz tudo sobre a pessoa que Marcelo Rebelo de Sousa é. Diz mais do que os títulos, mais do que as histórias de menino prodígio, mais do que tudo. Diz que Marcelo está sempre disposto a olhar para o seu interlocutor como a pessoa única que ele é e não apenas como um instrumento da sua vontade. Felizmente, relatos destes há às centenas, de ex-alunos, de ex-colaboradores, de pessoas que se cruzaram com ele, de toda a parte!

Como já se disse em Portugal: "Tu Marcellus eris! Tu serás presidente do Conselho.” Os elitistas podem começar já a chorar as mágoas nos habituais restaurantes étoilés e nos lobbies dos hotéis do costume. Nós, o povo, temos pena!

josé ricardo disse...

Se persistisse alguma teimosa dúvida sobre a pretensa nova roupagem de Marcelo, esta campanha está, deslumbradamente, a dissipá-la.
O lado entertainment do comentador Marcelo é mais forte do que ele próprio supõe.
No mesmo sentido, tem transparecido, neste seu relacionamento diário com o povo (o povo que a sua área política tanto aprecia), uma infrutífera tentativa de o perceber. Infelizmente para Marcelo, o povo não tem a sua tão apregoadamente estafada inteligência.

Anónimo disse...

Tempo de conduzir táxi! Tempo para mergulhar no Tejo! Dir-se-ia: Há um tempo para tudo! Vamos esperar para ver o seu tempo destes tempos...

Anónimo disse...

A Nódoa que "aamvieira" se refere é o Marcelo? Deve ser, pois nódoa nesta campanha só vejo essa.
a) Bento

Anónimo disse...

Não é que desta vez estou com o Zé! E, não tem nada a ver com o facto do candidato Marcelo ter tido muitas horas "no ar"... Nesta campanha, a indiferença das pessoas às eleições presidenciais é tão grande, que até Marcelo é quem aparece com mais "povo".

Septuagenário disse...

Marcelo, mesmo que não ganhe as eleições, historicamente, ficará no espírito dos portugueses, como o "Candidato de todos os portugueses".

Mesmo, e involuntariamente, ficará como o candidato presidencial de todos os seus adversários políticos e de todos os outros concorrentes.

Não haverá nenhum português nestes 105 anos de república, mais "exposto" do que ele.

A Biografia de Marcelo, é actualizada diariamente por toda a gente, aliados e adversários.

Ali não há sombras.

Bartolomeu disse...

Não foi este taxista a transporta-lo, por já estar a meio de um serviço. Estava a transportar um grupo de altas individualidades estrangeiras para o almoço num lar de idosos, com a candidata Maria de Belém.

Pedro Vendas disse...

Marcelo vai ser um bom presidente. Os ataques pessoais e de caracter são esclarecedores quanto ao que sentem os seus adversários, em principal aqueles que o atacam por muito se conhecer dele, por sempre se ter exposto, enquanto eles estavam noutro sitio, ignoto e, engraçado, que não assumem de forma concreta onde era e porque lá estavam. Marcelo foi fundador do PSD, do Expresso(e director), do Semanário, autarca em Lisboa e Celorico (de Basto), Presidente do PSD (que votou 3 orçamentos do PS minoritário,....), professor, comentador politico... Isto é um mau CV? É simpático, faz vida local. É preciso calma.