terça-feira, 13 de outubro de 2015

Futurologia

E se António Costa conseguir criar condições políticas para a formação de um governo minoritário PS, com apoio parlamentar formalizado com o PCP e o BE?

E se Cavaco Silva recusar esse governo, por considerar que, à luz dos critérios de exclusão partidária que enunciou imediatamente após as eleições, não aceita essa solução?

Nesse cenário, que não é totalmente implausível, ambos "ganhariam".

António Costa poderia dizer, alto e bom som, para os ouvidos da esquerda, que tentou tudo para tirar o PCP e o BE do "guetto" político onde se encontravam, o que seria verdade, mas que foi a obstinação do PR que impediu essa solução, a qual, no seu entender, tinha condições para assegurar uma estabilidade governativa.

Cavaco Silva, cujo último desejo é deixar o país com uma "maioria de esquerda", sossegaria assim a sua consciência, faria os mínimos perante a sua família política e regressaria aliviado ao Possolo. Ah! e deixaria a "batata quente" para o seu sucessor.

Nunca ganhei no totoloto, mas acho que esta é uma combinação com hipóteses. 

21 comentários:

Anónimo disse...

vejo que o conceito subtil do "win-win" das minhas paragens actuais já é transposto para as mais diversas situações... :)

ab

JRyder

Anónimo disse...

E, no meio disso tudo, Portugal que se lixe.

Eu continuo na minha. Havia um governo de maioria absoluta entre dois partidos que, salvo erro, não se apresentaram coligados aos eleitores em 2011. Esses dois partidos perderam a maioria absoluta, quer em votos quer em mandatos, e não conseguem chamar para si, a fim de constituirem uma nova coalição, um terceiro partido - o PS. Por que raio o PS se iria agora juntar àqueles a quem se opôs nos últimos anos e de quem só recebeu insultos pela política que havia seguido anteriormente e pela oposição que vinha fazendo? É óbvio e natural que o PS ae alie aos outros partidos que tambem não transigiram com Passos e Portas. Quer Catarina quer Jerónimo abdicaram já de muito ( Europa e Nato ) para permitirem uma solução PS, mesmo que não entrem no Governo.

Se houver boa-fé nos acordos assinados, e se o PS não transigir quanto à NATO e adoptar quanto à Europa e ao Euro uma política patriótica e que saia da posição de cócoras em que este Governo nos meteu, ê bem possível que haja ( bom ) governo para quatro anos.

E não nos esqueçamos que este governo deixou ao próximo uma confortável almofada financeira ( Maria Luís dixit ). Esperav certamente que fosse para os mesmos. Não irá mas irá para Portugal. Espera - se que ainda exista.

JPGarcia


Anónimo disse...

Espero bem que a profecia se concretize... Gostei da combinação!

Jaime Santos disse...

Sr. Embaixador, não estou a seguir o seu raciocínio. Imaginemos que Costa apresenta uma solução de Governo Maioritária, tal como desejado por Cavaco (uma Inovação sua), seja com um Acordo de Incidência Parlamentar com PCP e BE, seja mesmo com participação do BE e do PCP no Governo, ao estilo Esquerda Plural. Isto teria que ser feito antes de Cavaco indigitar quem quer que fosse como PM. Cavaco recusa essa solução e indigita Passos Coelho, pelas razões que apontou na sua posta. Como Costa sabe que se chumbar o Programa de Governo não haverá Governo em Plenitude de funções até à Primavera, eventualmente até Junho, se o próximo PR dissolver esta AR, é obrigado a deixar passar o Governo da Direita e depois o Orçamento de 2015. Ou seja, o PR forçou uma solução ao PS. A batata quente nunca poderia ser deixada ao sucessor de Cavaco, porque isso obrigaria o País a viver de duodécimos...

Anónimo disse...

Essa é a sua vontade, não é? Há uma oportunidade histórica de se governar à esquerda. Não é que saiba o que é: o senhor não passa de um aburguesado que gosta de se dizer de esquerda, mas tem uma conduta de direita desde sempre. Pode haver governo estável para 4 anos (à esquerda), mas o burguês do embaixador prefere que haja uma aliança com a direita austeritária, prepotente, arrogante e aldarabona e mentirosa que colocou o país em estado de crise social. Burgueses como você deixam-me doente.

Anónimo disse...

Há um mal estar generalizado. Com o PPD/PSD-CDS tudo foi ultrapassado, tudo, sem respeito por nada nem ninguém; Saúde, educação, justiça, juventude, emigração, trabalho, finanças, impostos e perante o ar sobranceiro mentiroso e descontraído dos governantes. Quantos Conselheiros de Estado há do PCP ou do BE? 20% dos Portugueses não representam NADA no consenso nacional?. Isto é um vexame social. Eu assisti em 40 anos pela primeira vez a despedirem uma trabalhadora grávida, sem mais. Cortam-se salários, pensões, despede-se, reduzem-se horários de trabalho tudo em nome de quê? A Segurança Social que sempre financiou o Estado, desde o tempo de Salazar agora, dizem, que é deficitária.
Bom seria que o PS conseguisse resistir até porque a direita perdeu mais de 800 mil votos.
A Alemanha, a Inglaterra... também são da Nato e desde finais do século XIX que os idosos têm uma pensão intocável generalizada a toda a população idosa tenha ou não contribuído para o sistema previdencial.
Peço Desculpa.
JC


Anónimo disse...

o comentário do anónimo da 1:06 é eloquente quanto ao tipo de discurso que nos espera, a lembrar um filme já antigo... Só os trabalhadores e os proletários têm legitimidade no regime democrático-constitucional PREC 2.0...

Anónimo disse...

Não sr. Embaixador. Mais provável é que a direita vai implodír confrontada com a realidade bem escondida atrás das mentiras da campanha e o PS vai pagar o mesmo preço. O BE acima de 15% será a única certeza.

Reaça disse...

Os comunistas portugueses já se converteram (inverteram).
Embora depois da Rússia e de Castro, devemos ir hoje dia 13 a Fátima agradecer.
Antes tarde que nunca.

Em 1917, 13 de Outubro a Senhora rezou e mandou rezar para isto acontecer.

Abraham Studebaker disse...


Que cada um siga o seu caminho,mas não sejam missionários da vossa verdade.Conhecemo-nos,não há surpresas. Boa-viagem,saltem para o colo do Coelho e do Portas.

Manuel do Edmundo-Filho disse...

Que Cavaco acabe por deixar a "batata quente" nas mãos do próximo PR é o mais provável, caso, e começa ser também o mais provável, o PS não viabilize um governo da coligação. Mas caso o PS consiga obter apoio (formal) parlamentar que viabilize um governo seu, passaríamos a ter, formalmente, um governo com uma maioria parlamentar. Ora, era exactamente isso que Cavaco, antes das eleições, exigia para poder empossar um governo. Todos sabemos, claro, que não era propriamente numa maioria parlamentar PS/PC/Bloco que ele estava a pensar... Depois das eleições inventou uns "critérios de exclusão" que muito dificilemente têm acolhimento constitucional. Como poderá ele descalçar estas "botas" que ele próprio, precipitamente, calçou? O mais provável é morrer politicamente com elas. Paz à sua alma.

opjj disse...

Caro Dr. Seixas da Costa,só se Cavaco Silva perdesse o senso por completo é que indigitaria Costa depois de ter sido enxovalhado pelo PS,PC e BE durante 10 anos com a intenção deliberada de o apoucar. Mais, depois das consequências de Sampaio ter derrubado uma maioria que nos conduziu ao caos.
Só um cego é que não vê que Costa é um inconsistente,catavento, manipulador e falta de caracter conforme demonstrou ao atraiçoar o colega SEGURO.
Falta-lhe CHARME.
Cumps.

Anónimo disse...

Então, Sr. Embaixador, respondendo à questão fundamental que deixa no ar, tudo isso sublinharia a enorme hipocrisia política de que António Costa padece.
A inovação aqui é a posição de António Costa. Quanto a Cavaco Silva, tal como o Sr. Embaixador bem descreve, fará o que se espera que faça. Portanto, fazendo fé no que diz, o 'jogo' de António Costa consiste em insistir numa 'mistura explosiva' à esquerda, que o PR reprovará, para posteriormente 'ganhar' iludindo os partidos mais à esquerda com base na moralidade de tudo ter feito para os incluir numa solução governativa.
Valente contorcionismo! Muito bom, hopócrita mas muito bom!

Anónimo disse...

As pessoas que não votaram na coligação que ganhou a eleição, e que não têm categoria para admitir o facto, procuram todos os artifícios para demonstrar o contrário!
Ninguém se lembra da esmagadora maioria dos que não votaram! (eles pagam impostos também…)
No regime atual a solução é óbvia: Ou a coligação consegue governar com o seu programa base que pode e deveria ter adaptações à realidade parlamentar, ou não consegue e, assim, tem que haver novas eleições.
Qualquer outra solução é subverter o sufrágio, quanto mais não fosse, pela esmagadora maioria dos não votantes!

Anónimo disse...

A hipocrisia atingiu o seu estado máximo nos últimos dias em Portugal.

Então os Barões do PS querem uma aliança à direita???? Mas está tudo doido???

Luta-se por um País socialista, com ideias de esquerda e agora os Barões querem aliança à direita?

Majo disse...

~~~
~ Que acabe a ideia peregrina
de comparar as eleições legislativas a um jogo de futebol.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

~ AC já tem o mérito de provar
que é possível criar pontes de entendimento à esquerda...
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

~ Igual mérito dos partidos de
esquerda que mudaram o xadrez político nacional numa frente contra a posição subserviente de Portugal nas organizações europeias e opondo-se à mentira e descalabro.

~ Acabou o rotineiro impasse de bipolarização nas eleições,
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

que poderá desbloquear, para sempre, a acentuada abstenção.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Anónimo disse...

Este cenário é inimaginável. Só da sua cabeça! A que propósito é que Cavaco iria recusar um governo que tem condições para governar com estabilidade, mesmo sendo de esquerda?
O Post reflecte tão só o estado de alma, de direita, do seu autor. Como foi possível inventar este cenário? A não ser que espere que Belém leia o que escreve!
Não me admiraria, tal a vaidade de FSC. Veja-se o outro Post, da agenda do dia!
Mas, aquilo que importa é perceber o desespero em que se encontra a ala mais conservadora do PS, de que FSC faz mentalmente parte.
Oxalá Costa, que um tipo integro, resista a esta provoações e cenários fantasistas e tenha a coragem de impedir e de não facilitar um governo de direita, PSD/CDS.

Anónimo disse...

Pois, eu deixaria o Costa governar com os dois partidos democrático-populares.

E esperava...é tudo uma questão de tempo.

Costa que esperava ter maioria absoluta não teve e arranjou esta "estrangeirinha", para se agarrar ao poder,mesmo aliando-se a dois partidos pouco democráticos, o PCP nunca o foi, o BE mais update-para-jovens-sem-saber-da-evolução-histórica.

Costa não conhece o seu "princípio de Peter": CML.

Alain Demoustier disse...

tanto caviar, até enjoa
AD

Anónimo disse...

Cara "Majo",

As "ondas" que coloca nos comentários devem refletir o seu estado de alma: a navegar em pleno alto mar - porque deve a única a acreditar naquilo que escreveu.

a) Ondinha da Costa

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Acho uma enorme cobardia insultar o autor deste blog a coberto do anonimato. Tenham no mínimo a coragem de assinar com o vosso nome pois o Senhor Embaixador Seixas da Costa publica sempre tudo, mesmo as opiniões mais disparatadas