segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Pedaço de asno

Gosto da expressão "pedaço de asno". O meu amigo Ferreira Fernandes, numa das suas imperdíveis crónicas no DN, utilizou-a, há dias, para crismar um determinado escriba da imprensa a que temos direito. É um qualificativo forte, mas (pensando bem!) tem algo de elegante. Ao utilizá-lo em relação a alguém, foge-se do plebeísmo, não se usa "burro", "besta" ou mero "animal", recorre-se ao termo mais erudito, hoje protegido pelo politicamento correto da preservação das espécies. Asno é, no fundo, um "upgrade". E então se se usar o apóstrofo - "pedaço d'asno" - ascendemos mesmo à nobilitação do conceito. Além disso, quem assim é designado é apenas um pedaço, um bocado, uma fatia de um asno, pelo que, numa determinada leitura, fica mesmo "à porta" de ser um verdadeiro e completo asno. Numa perspetiva menos gloriosa, poderia dizer-se que nem dessa total categoria subequídia se pode reclamar. Mas, se se olhar pelo "bright side" das coisas, numa leitura benévola, a pessoa assim qualificada não chega a ser um verdadeiro asno, o que, de certo modo, pode ser, para ela, um elogio. E, para alguns, é mesmo.

Cá por mim, aprendi de há muito uma expressão para designar esses pobres em espírito: "paralelepípedo batizado". Há décadas que ouvi esta fórmula e acho que a irrecusável solidez do conceito, associado à sua dimensão telúrica, lhe confere uma dignidade que reforça a sua autenticidade. A um paralelepípedo, na sua rusticidade, não se pode exigir que pense mas, ao mesmo tempo, o facto de ser beneficiado com um nome permite-lhe poder reivindicar-se de uma identidade própria. O que não é pouco, para certos cretinos. Na minha terra, bem para o norte, quando a bondade nos leva a escapar dos qualificativos, costumamos atirar a essas figuras uma fórmula definitiva: "quem te atasse um arado!" Fica tudo dito!

Mas tem razão, Ferreira Fernandes, seja como for que os designemos, isto está cada vez mais cheio "deles"!

19 comentários:

Francisco Agarez disse...

Alimária é um substantivo que ocorre com frequência. Será só a mim?

patricio branco disse...

essa expressão é injusta e feia para com os burros ou asnos, simpaticos animais, humildes e trabalhadores e com personalidade.
pedaço de cavalgadura está bem melhor para os fins que se querem ou que o articulista quer

Ssalgueiro disse...

Um pedaço d'asno pde ser uma orelha.

"Os burros perfeitos não pertecem á Humaidade. O homem não é um todo; é um pedaço; uma orelha de burro desenvolvida e adaptada às formas dum ser completo. Mas, no intimo, não é mais do que uma orelha, onde arde a perisca de um cigarro, para que o triste miserável trote, salte, escoicei, meta o focinho entre as pernas e se empolinhe e rebole no chão, com as patas no ar desesperado!"

Teixeira de Pascoaes em "O Pobre Tolo"

Anónimo disse...

Censurazinha?

Francisco Seixas da Costa disse...

Ao Anónimo das 14.20: não, que ideia! Só "exame prévio"...

Joaquim de Freitas disse...

Portanto foi ele o meio de transporte do Menino Jesus e dos seus Pais na fuga para o Egipto ! Falta de reconhecimento!


La prière d'un âne
Seigneur, je ne suis qu'un âne.
Depuis tant et tant d'années que l'on me dit stupide, paresseux et têtu,
je finis par croire qu'il doit en être ainsi,
que je suis ce raté, dernier des animaux, Aliboron de cirque,
juste digne d'un bât, et parfois d'un chardon.
mais souvent, Seigneur, je suis triste et bien fatigué,
de cette charge d'indifférence et de mépris,
que jamais je ne peux ni déposer, ni oublier.
On m'a tant frappé,
que mon dos est marqué de deux raies en forme de croix.
On s'est tant moqué de moi,que j'en ai honte et baisse la tête en ne disant plus rien.
Aujourd'hui pourtant, en trottinant dans la poussière du chemin,
je me souviens... ...
Je me souviens de cette nuit froide de Judée,
quand je fus choisi,
avec un boeuf aussi misérable que moi,
pour réchauffer de mon haleine,
un Enfant-Dieu !
Jamais, jusqu'à ce soir-là, personne ne m'avait, comme Lui, regardé et souri.
Je me souviens de la longue traversée du désert,
vers le pays d'Egypte,
lorsqu'il fallait trotter vite pour sauver de la mort
celui qui venait apporter la Vie au monde.
Jamais, jusqu'à ce jour-là, je n'avais porté fardeau plus doux et plus léger.
Je me souviens d'une entrée triomphale à Jérusalem,
au milieu d'une foule en délire qui chantait des "Hosannah",
et qui pleurait d'espérance et de joie.
Jamais, jusqu'à cette heure-là, je n'avais osé croire au jour de fête,
quand tout paraît si facile et si beau.
Aujourd'hui, en trottinant dans la poussière du chemin,
je me souviens et je rêve... ...
Je rêve q'un jour, peut-être,
je m'en irai par les chemins étoilés de Tes prairies éternelles,
qui sentent bon le thym et le romarin.
A une croisée fleurie, Francis Jammes sera là,
avec son bon sourire et sa douce amitié.
Avec confiance, je le suivrai timidement,
sur le sentier de gloire qui monte vers Ton Ciel.
J'arriverai chez Toi, tout ému et tremblant,
et te dirai doucement :
Seigneur, je m'appelle Martin,
je n'ai rien d'important, ni de beau, ni de grand à T'offrir,
rien qu'une pauvre vie,
toute faite de patience et d'humiliations.
Mais si Tu veux bien de moi dans Ton Paradis,
fais que je reste, tout simplement, un âne,
un peu moins stupide,
pour comprendre la grandeur de Ta gloire et l'infini de Ta bonté,
un peu moins têtu,
pour ne plus faire que Ta seule volonté,
un peu moins paresseux,
pour chanter Ta louange éternellement !
Amen.

Robert Dartevelle

Francisco Seixas da Costa disse...

Tem razão, Francisco. E daqui, da "Bila", quer bola da Gomes ou pitos do Lapão? Ou tripas do Chachoila? Ou Reca d'Aleo do Paulo? Ou alheiras do Silva do Museu dos Presuntos?

Francisco Seixas da Costa disse...

Isso mesmo, Anónimo das 14.30. Porque não usa o Facebook, com retratinho e coragem? É o usas...

Anónimo disse...

Com a actual PIDS - Polícia Internacional de Defesa do Sócrates, e a rede de aventais, todo o cuidado é pouco, principalmente com os velhos pensadores de relógo tipo cebola.

Ésse Gê (sectário-geral) disse...

Dizia uma minha amiga:
"Tem a inteligência de um tiro de pedreira"

Tatas disse...

Ah! Senhor Embaixador, a bola, as tripas, a Gomes, o Chachoila, o Paulo, mas quer-me matar de saudades...

Luís Silva disse...

Contava-se na cidade onde estudei (Braga) que um professor chamou a um aluno "pedaço d'asno". Ao que este respondeu em verso, por escrito:

Chamaste-me pedaço d'asno
Chatear-me para quê?
Pedaço é apenas uma parte
Do todo que é você!

Joaquim de Freitas disse...

Não é "the right place" para este comentário, e sei que o Senhor Embaixador está atento ao que se escreve no "New York Times", mas o artigo de Friedman vale a pena. Está na direita linha do seu post sobre a Alemanha ...e a França. Cumprimentos.

Being Bad Europeans NOV. 30, 2014


" In other words, to the extent that there’s anything like a competitiveness problem in Europe, it’s overwhelmingly caused by Germany’s beggar-thy-neighbor policies, which are in effect exporting deflation to its neighbors."

Anónimo disse...

Já tínhamos o "cabeça de vaca"... haja misericórdia para os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.

Anónimo disse...

edtoon forPara além do justo epíteto ele é um o verdadeiro 'fala-barato', como se dizia antigamente.

Anónimo disse...

In "Observador", excelente Rui Ramos:

“Sócrates nunca existiu e Costa é um génio”.

JOSÉ LUIZ FERREIRA disse...

Besta quadrada também não está mal. Pode ser uma besta ao quadrado ou uma besta aos ângulos rectos - o que lhe confere alguma afinidade com um paralelipípedo, embora sem benefício de baptismo.

cunha ribeiro disse...

Boa tarde, Sr Embaixador,

Não conheço bem nenhum dos jornalistas, portanto vou comentar a partir dos dados de que disponho.
Ao usar a expressão "pedaço de asno" referindo-se a JMT, FF perdeu a razão. Razão que nem me parece que tenha... Mas esse é outro assunto.
O que me espanta é que o Sr Embaixador defenda este tipo de tratamento entre jornalistas. E estranho porquê? Custa-me ter de dizer isto , mas como é o que penso, lá vai: Porque o Sr Embaixador é um apreciador de "debates de ideias", onde os insultos não cabem.. Pelo menos assim aconteceu quando tomou posição sobre os debates entre A.SEGURO e ANTÓNIO COSTA.

NOTA: É possível não concordar com o Sr Embaixador sem ser ANÓNIMO... Penso eu.

Anónimo disse...

caro cunha ribeiro

JMT jornalista? nao me lembro de ver um unico artigo dele que nao de opiniao. A que tera direito com certeza, tal e qual como FF

cumprimentos