sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Mensalão

Um dia de junho de 2005, no "salão de autoridades" do aeroporto de Manaus, a minha atenção foi despertada para as inesperadas revelações que estavam a ser feitas, na televisão, por um deputado brasileiro, de seu nome Roberto Jefferson, sobre a existência de um suposto esquema de compra de votos no Congresso brasileiro. Não o sabia então, mas esse iria ser o "dia 1" daquilo a que se chamaria o "mensalão".

Seguiram-se meses de debates, inquéritos, denúncias, em torno de uma singular operação que envolvia pagamentos e desvio de verbas de natureza pública. O Brasil colou-se às televisões e passou a conhecer a figura de Marcos Valério, o "arquiteto" dessa habilidosa montagem. Com a passagem do tempo, o processo foi-se aproximando do número dois do governo Lula, o poderoso ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu. Quase quatro dezenas de outros réus se lhes juntaram. Dirceu acabaria por ser afastado. A sua substituta chamava-se Dilma Roussef.

O processo demorou anos. O Brasil nunca mais foi o mesmo depois do surgimento do "mensalão". E a imagem do PT, Partido dos Trabalhadores, que havia sido criado em torno de Lula da Silva, foi afetada de uma forma que mudou, radicalmente e para sempre, a perceção dessa força política aos olhos dos brasileiros.

O processo do "mensalão" poderá estar a chegar ao seu termo. Anteontem, o Supremo Tribunal Federal (que, no Brasil, conjuga as funções de corte suprema e de corte constitucional) decidiu mandar proceder à imediata prisão efetiva dos réus já condenados, não esperando por alguns recursos pendentes. Não tenho dúvidas que este radical ato de "coragem" só ocorreu porque os juízes do STF, um tribunal que tem muito de político, perceberam que a "rua" exigia isso mesmo, depois das recorrentes manifestações dos últimos meses.

A luta contra a corrupção está muito longe de estar ganha no Brasil, por um conjunto de vícios instalados para cuja desaparição as condições ainda não estão criadas. Mas o caso do "mensalão" foi uma experiência que ensinou muito aos brasileiros e os tornou incomparavelmente mais exigentes com as suas instituições.     

9 comentários:

ignatz disse...

com um bocado de sorte pode ser que ainda prendam o color de melo

Anónimo disse...

Posso estar errado, mas tenho a impressão de que tudo o que de "incorrecto" o Collor de Melo tenha feito fica muito aquém da dimensão do caso do "Mensalão".

patricio branco disse...

por mais que nos custe admitir, por simpatia para com lula e seus governos, esse tempo foi de alta corrupção politica.
o próprio filho de lula, correm sobre ele várias histórias de favorecimento, não só sobre governantes, politicos, parlamentares, governadores.

dilma correu com muitos ministros que vinham das equipas de lula à medida que histórias de corrupção vinham ao de cima.
mas a justiça brasileira foi actuando e actua, o que não pode deixar de ser exemplar num país onde a contestação de rua e popular está muito forte, etc

Anónimo disse...

infelizmente em portugal, os unicos casos de corrupcao a serio sao os do brasil e os de angola.

os nossos nunca sao julgados...

cumprimentos

Anónimo disse...

E é o chefe desta gangue, homem que o Senhor Embaixador tanto admira (fiquei triste), o único que sairá incólume. Nada sabia, nada sabe. Que puro homem.

Pergunto-lhe, Senhor Embaixador, se, ao longo de sua carreira diplomática, não terá o Senhor conhecido Homens que realmente merecem nossa admiração? Deve haver poucos, mas ainda os há, creio eu.

Conheceu o Senhor - mero exemplo - Nelson Mandela?

Para se discutir futebol e receitas de drinks o Senhor escolheu a pessoa certa.

A pessoa que o Senhor admira é um homem inteligente e ardiloso. Assim sempre o foram e serão os grandes embusteiros do mundo.

Tive pena pela escolha do Senhor.

Cumprimentos.

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Anónimo das 19.47: a Justiça brasileira foi justa ao condenar os réus do "mensalão"? Presumo que pense dessa forma. Mas, pelos vistos, essa mesma Justiça já deixa de ser "justa" quando iliba Lula da Silva de responsabilidades no processo. A "justiça" da Justiça só é válida quando está de acordo com aquilo que pensamos?

Anónimo disse...

mas... o chefão ficou de fora.
Elel disse:
"Eu não sei de nada"
A justiça acreditou.
capo di tutti capi
Luiz Inácio Lula da Silva

Anónimo disse...

Parabéns pela sua explanação anônimo das 19:47.
Do Brasil

Anónimo disse...

A justiça do Brasil é pouco justa. Diz o povo brasileiro que é ela a "Justiça 3 P´s". Só existe para Pretos, Pobres e Putas. Continua sendo assim e desta vez também foi e funcionou para os Pobres, que de tanto roubarem se tornaram ricos, continuando, no entanto, paupérrimos de espírito, de vergonha na cara, de ética, de moral e de tudo o mais que faz com que um homem se apequene.
No dizer do povo "o amor é cego" e "a justiça tarda mas não falha". Oxalá assim seja e que "seja o amor cego, enquanto dure" ...
Melhores Cumprimentos, Senhor Embaixador, e meus parabéns pela "vingança".

Anónimo das 19:47