terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Imigração

A imprensa portuguesa dá hoje conta do facto de cerca de 38 mil estrangeiros, imigrantes em Portugal, terem pedido a nacionalidade portuguesa, durante o ano de 2008.

Algumas vozes, de forma mais ou menos audível, são contra aquilo que consideram ser a criação "artificial" de cidadãos portugueses, por um mero motivo de interesse e oportunidade. Outros entendem ser de toda a justiça dar, a quem contribui para a criação de riqueza no nosso país, o direito de poder usufruir, em pleno, dos nossos direitos de cidadania.

Tenho uma visão muito positiva do efeito global da presença e integração dos estrangeiros em Portugal, embora não desconheça alguns dos problemas por elas suscitados. Mas, historicamente, foi o facto de ser um porto de chegada para muitas gentes, um cruzamento e ponto de passagem de várias nacionalidades, que deu a Portugal a imagem de país acolhedor e simpático que hoje tem no mundo e que, por outro lado, acabou por tornar a nossa cultura mais aberta e tolerante.

Nos dias que se vivem na Europa, quanto ao modo de lidar com os estrangeiros, devemos ter orgulho na nossa diferença.

3 comentários:

Jose Martins disse...

Senhor embaixador,

Não vejo aonde estará a artificialidade de cidadãos portugueses...

Eles de qualquer forma, são cidadãoes portugueses, pela descendência.

Ora essa gente chegou das ex-províncias portuguesa (nunca as considero colónias) de África, Ásia e Índias Orientais (Timor), em procura de trabalho e colocar em ordem, a identidicação de suas raízes, que de facto era a portuguesa.

Não me vou adiantar mais.

São passadas do erradio e perdeu-se, para sempre a homogeneidade de raças, vivendo em harmonia, como aquela que foi encontrar no Brasil.

Anónimo disse...

Identifico-me plenamente com tudo o que expressou...Sem favor, muito menos qualquer tentativa velada de sequer ter a pretensão de retribuir o prazer e o comodismo de me dar o mote para um novo olhar... novas reflexões...

Penso ser consensual que a noção e a forma de sentir individual logo subjectiva de Pátria, transcende a noção de Naturalidade aliada ao local de nascimento. Hoje, Pátria adquiriu maior mobilidade e dinamismo para cada cidadão do Mundo. A procura deliberada do nosso País por qualquer cidadão do mundo simplesmente ...para viver, dando continuidade à consecução de necessidades humanas básicas de subsistência prosseguindo para a realização pessoal é do meu ponto de vista um indicador de qualidades reconhecidas.A proactividade do sol da nossa simpatia, a aceitação da nossa oferta de trabalho, o respeito efectivo pela diferença sem a despromoção pobre de espirito à desigualdade,a personalização do nosso País como alternativa... A genuinidade de estar com.

Como acredito efectivamente que só existe uma raça a humana como aglutinadora e inclusiva de toda e qualquer espécie e identidade,permita-me que o subscreva e reforce a concordância do estou bem com quem vier por Bem

Isabel Seixas

Rui M Santos disse...

É sempre bom ver que ainda há quem defenda, e respeite, os estrangeiros que vivem em Portugal.
É uma pena que muita gente esqueça que somos um povo de emigrantes, e os emigrantes portugueses em França conheceram bem as dificuldades de integração....
Como sempre, o Embaixador de Portugal no seu melhor !!!

Rui M Santos