sexta-feira, 22 de setembro de 2017

As Nações Unidas têm futuro


As Nações Unidas são uma "criação" americana, como já o havia sido a sua antecessora Sociedade das Nações. No termo da Segunda Guerra mundial, de que foi o mais destacado vencedor, a América considerou que um órgão regulador dos poderes à escala global seria a solução mais eficaz para a preservação da paz e da estabilidade. E convenceu disso o mundo. Claro que pretendia que fosse uma "pax americana", porque o "America first", lá no fundo, sempre sobredeterminou todos os gestos de Washington, o que, convenhamos, não deixa de ser natural.

A Guerra Fria transformou a ONU numa espécie de arena diplomática, com lugares marcados. O espetáculo principal tinha dois lutadores e acabou com a exaustão de um. As lutas secundárias foram, quase sempre, reflexo do prélio central, da Coreia ao Vietnam, do Afeganistão a Angola. Sob o ponto de vista do seu papel resolutivo de crises, a ONU passou por alguma obscuridade até à queda do muro de Berlim.

Mas, entretanto, a ONU não foi apenas isso. Na constelação das suas estruturas e agências, as Nações Unidas revelaram-se um formidável instrumento da História, na construção do sistema multilateral que hoje estrutura toda a ordem internacional. Foi nesse universo onusino que o "terceiro mundo" encontrou expressão institucionalizada depois da Conferência de Bandung, foi através dele que conquistas de modernidade, como os temas ambientais ou as grandes questões de desenvolvimento, encontraram o seu espaço, onde a defesa dos Direitos Humanos garantiu um terreno de prestígio, por maiores que sejam as limitações que ainda condicionam a respetiva implementação. 

Com todas as suas deficiências, o património – não hesito em escrever “moral” – das Nações Unidas não deixa de ser enorme e essencial para um ciclo importante do percurso da humanidade. O mundo deve imenso à ONU, isto é, deve congratular-se consigo mesmo por ter conseguido estruturar e manter esta instituição “do bem”.

Ao terem impulsionado a criação da ONU, os Estados Unidos geraram  um “monstro” que já não conseguem dominar, quanto mais não seja pelo facto da “ideologia” multilateral já não ser reversível na consciência universal. É-lhes possível, nos intervalos da sua história nacional em que a decência é raptada pela prevalência de uma agenda escandalosamente egoísta, bloquear a capacidade resolutiva da organização e enveredar pelo unilateralismo. Mas o resto do mundo continua lá, não dá a mínima mostra de deixar de acreditar em que aquele é o caminho – desde o acordo climático de Paris à proteção dos refugiados, passando por milhares de outros dossiês da modernidade civilizacional. 

As Nações Unidas não apenas têm futuro como são, elas mesmas, o futuro da ordem internacional. Um futuro depois de Trump, claro.

2 comentários:

carlos cardoso disse...

De acordo com tudo menos com a ONU ter sido terreno fértil para a defesa dos Direitos Humanos. Antes pelo contrário, a Comissão dos Direitos Humanos da ONU tornou-se tão ridícula que teve que ser substituída pelo Conselho dos Direitos Humanos.

Portugalredecouvertes disse...

penso que
'e que bom que exista , os valores precisam de um "altar" onde possam estar expostos mesmo que por vezes lhes seja colocado um pano escuro por cima, alguem de vez em quando pode levantaro veu e todos verificam que os valores existem !