quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Os ingleses e o continente

Há um resultado que não deveria ocorrer, no debate que hoje e amanhã tem lugar em Bruxelas, no qual o Reino Unido quer consagrar, se possível ainda mais, a sua singularidade face ao resto da União Europeia: um acordo apenas sobre alguns temas, deixando outros para um eventual futuro entendimento.

Porquê? Porque uma negociação é sempre um todo, não deve converter-se num processo "fatiado", em que certas coisas se dão já por aceites e outras ...  "logo se verá". Quem admite uma cedência, sem quaisquer contrapartidas (e, nesta negociação, o resto de Europa não tem rigorosamente nada a ganhar, exceto o abrandamento da pressão britânica) perde todo e qualquer "leverage" para o segundo "round". A regra diplomática é muito simples: "nothing is agreed before everything is agreed".

Mas os britânicos são mestres nestas artes...

6 comentários:

Manuel do Edmundo-Filho disse...

Os ingleses vão levar a melhor! Sempre foi assim. Vale uma aposta?

José Lopes disse...

é uma maestria muito canhestra. Mas result da cobardia dos outroc contricantes

Anónimo disse...

ó embaixador, julguei que ia fazer um post sobre a decisão do tribunal ter absolvido o Correio da Manhã e ter provado a vida de luxo do senhor Pinto de Sousa em Paris. Pelo menos nest round já perdeu. Mas sei como é uma pessoa séria vai fazer um post a falar desta decisão.

Majo disse...

~~~
Concordo consigo.

~~ Mais uma vez,

o governo da ilha dos lordes

a querer um estatuto especial...

Pantomimices de 'gentlemen'...
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Joaquim de Freitas disse...

Eu nao aposto com o Senhor Manuel do Edmundo-Filho, porque perco!

Antonio Cristovao disse...

Vejo sempre com grande desagrado as excepções que os anglosaxonicos beneficiam nas diversa regras internacionais; e a passividade informativa vergonhosa, apesar de compreensível dado o seu peso e qualidade no panorama dos media mundiais.