sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

A dívida

Há quem se surpreenda pelo facto dos socialistas não se associarem à proposta do PCP no sentido de relançar o debate sobre a reestruturação da dívida pública portuguesa.

Não sei qual é a surpresa! Os socialistas - e não se confundam os socialistas com algumas vozes socialistas, por muito qualificadas que elas sejam - sempre disseram, enquanto entidade com responsabilidade política, que o problema de uma eventual renegociação da dívida pública portuguesa era uma matéria que apenas poderia ser abordada num contexto de debate no seio das instituições europeias, pelo que nunca tomariam qualquer inicativa unilatetal sobre a matéria. Fazê-lo seria passar uma mensagem de desconfiança quanto ao empenhamento de Portugal cumprir internacionalmente os seus compromissos.

2 comentários:

Anónimo disse...

Caro Sr. Embaixador

Não posso deixar de concordar consigo mas a não ser que apareça algum "Ceausescu" ( tenho a impressão que dentro das nossas "elites" há candidatos..), temos de convir que a nossa dívida ( pública e privada ) é impagável para sermos honestos intelectualmente e não meramente retóricos, exceptuando o facto de não querermos assustar os "mercados" ! E estamos a falar de reduzir até 60% a dívida !!!

Jaime Santos disse...

Se não estou em erro, o PS concordou com o BE, no acordo de coligação, em lançar um grupo de trabalho para discutir justamente esta questão. E esta é uma discussão eminentemente política, não apenas técnica, pelo que não deve ser feita só no recato dos gabinetes... Dito isto, aprovar o projeto do PCP, sem sequer devidamente estudar essa questão, seria uma tolice pegada, e faria os juros disparem para níveis inimagináveis. O PCP quer apenas marcar posição e se dispusesse de apoio parlamentar para fazer aprovar tal medida, nunca a apresentaria... Isto assumindo que os comunistas se mantém fiéis àquela máxima de que não se travam batalhas que se sabe que não se pode ganhar...