quarta-feira, 23 de julho de 2014

A pena do comissário

A cara de Jacques Chirac não era das mais satisfeitas. Tive o privilégio de assistir a algumas "cenas" do antigo presidente francês e, por isso, era muito evidente para mim que estava mal disposto, naquela manhã em que eu acompanhava António Guterres ao Eliseu. A única certeza é que não era nada que nos dissesse respeito, tanto mais que estávamos ainda longe dos dias em que nos havíamos de confrontar fortemente com a França em algumas matérias europeias.

António Guterres, que tinha uma muito boa relação de confiança com Chirac, detetando-lhe o "mood", inquiriu da razão dessa evidente irritação. Chirac permitiu-se a franqueza, perante um amigo, e, com aqueles gestos largos e dasajeitados com que alguns franceses grandes dão corpo físico às palavras (já De Gaulle era assim), deixou cair:

- É a Comissão, António. É essa "impossível" Comissão europeia!

Guterres ironizou: "acontece-nos a todos!". Mas Chirac continuava a agitar os braços, como se não precisasse de palavras para traduzir o que pensava. Alguma coisa importante havia "feito" a Comissão Europeia à França, nesse eterno duelo acrimonioso entre Paris e a burocracia bruxelense, que faz parte da história da Europa comunitária. Chirac esclareceu o que tinha sido e que acabara de saber: uma obstinação na recusa sobre um interesse francês, o qual, por definição, é sempre "essencial". Como Guterres tinha dito, não há país que disso não se queixe, mas a França não é um país qualquer...

Por fim, Chirac distendeu-se e comentou, com uma graça forte, sobre a qual já sorriu:

- Sabes, Antonio? Se houvesse uma só razão para reintroduzir a pena de morte, seria para ela ser aplicada a certos comissários europeus, e deu uma sonora gargalhada, contente em ter despachado o que lhe ia na alma.

Nestes dias em que, entre nós, se fala tanto da nomeação de comissários europeus e da famosa moratória guiné-equatoriana sobre a pena de morte, pareceu-me interessante trazer aqui, numa destas minhas histórias dos outros, uma conversa em que os temas se cruzaram.

2 comentários:

Anónimo disse...

A ignorância é atrevida. Os sound bites também. O Expresso noticia que O PM "liberta Maria Luis se garantir lugar de peso na Europa"(sic). Mas estando já a Política Regional prevista para uma ministra checa e a Economia para um francês, não há obviamente nenhum lugar de peso. Forma de dizer que se preparem para um downgrade que Portugal irá mesmo enviar uma figurinha menor...

Portugalredecouvertes disse...

acho que deve ser uma boa noticia que mais países entrem para a CPLP
assim poderão aprender a falar português e ficarão menos isolados