quinta-feira, 21 de outubro de 2010

A cadeira

A noite já ia longa. O embaixador português esmerara-se no acolhimento dado ao seu ministro, visitante daquela capital onde, há já alguns anos, exercia as suas funções, nesse que era o seu último posto  diplomático, depois de um percurso profissional interessante. Obstinado e frontal, o diplomata tinha consciência de que não projetava, entre os seus pares, uma imagem consensual. O seu caráter truculento grangeara-lhe vários inimigos e apenas uma escassa mão-cheia de amigos. Mas isso, dizia-se, era-lhe irrelevante. Olhava para as reticências com que os outros o viam como a expressão da fragilidade alheia, como um fator desafiante para a sua conhecida postura na Carreira.

Pessoalmente, não tinha do homem uma ideia precisa. Nunca trabalhara com ele, nem nos havíamos cruzado profissionalmente. Era a primeira vez que com ele convivia. O facto de ser uma pessoa frontal, que se "borrifava" para os poderes, era um ponto positivo. Falado, contudo, revelara-se um insuportável pedante. Em suma e em saldo: era-me indiferente.

Essa não parecia ser, contudo, a atitude de um diretor-geral que fazia parte da delegação que acompanhava o ministro. Homem despretencioso e relativamente são, nele pressenti, desde cedo, uma acrimónia contra o embaixador, talvez fruto de histórias antigas, em que a nossa profissão é fértil. Se havia uma "corrente" que passava entre ambos, ela era de "alta tensão"...

O jantar na residência do embaixador fora normal. Acabado o respasto, recolhemo-nos à adjacente sala de estar. O ministro escolheu uma estratégica poltrona. Eu, acompanhado pelo diretor-geral e por um jovem colaborador do embaixador, sentámo-nos num sofá, degustando cafés e as aguardentes de função. Outros se espalhavam pela sala. O embaixador, que sofria do ouvido, alapou numa cadeira próxima do ministro, cuja atenção mobilizou, alimentando conversas nas quais - acontece-nos a todos! - procurava mostrar o seu indisputável domínio da situação política local, que dissecava, aliás, com visível inteligência.

O tempo passou e a conversa fluiu. A certo passo, vi o jovem colaborador do embaixador manifestar o que me pareceu ser alguma inquietude, por uma coreografia movediça do corpo. Em tom baixo, comentou, para mim e para o diretor-geral: "É um perigo! A cadeira em que o meu embaixador está sentado tem uma perna fortemente inclinada. A qualquer momento, pode cair". O jovem estava, sinceramente, preocupado com a sorte potencial do seu chefe.

Num segundo, e tal como o jovem colaborador do embaixador, também eu visualizei o risco: de facto, se a cadeira cedesse, ele cairia desamparado e tudo poderia acontecer, até um grave traumatismo craniano, fruto do embate com a tijoleira da sala.

O jovem secretário, na indecisão provocada pela sua dependência hierárquica, hesitava em interromper o seu chefe, talvez temeroso que um seu alerta pudesse ser interpretado como bajulador. Para mobilizar a sua própria coragem, consultou, em tom baixo, o diretor-geral, que estava a seu lado: "Acha que eu diga ao embaixador que a cadeira em que ele está sentado é perigosa, que uma das pernas pode ceder e conduzir a um acidente grave?"

O diretor-geral olhou-o de viés, sacou uma baforada mais do seu cachimbo e, em tom igualmente com poucos decibéis, aconselhou: "Se você for culpado pelo facto desse estupor não se "esbardalhar" com as fuças no chão, a Carreira não lhe perdoará nunca..."

Resisti a dar uma gargalhada. O secretário de embaixada percebeu a mensagem, manteve-se calado, porque a opinião de um diretor-geral seria indispensável à sua futura promoção e à definição do seu próximo posto. E, vá lá!, o seu embaixador não se "esbardalhou", até ao fim da noite. Aliás, há semanas, vi-o, reformado, numa pastelaria do Estoril, com o  seu eterno e irónico sorriso, prova da qualidade das cadeiras lá de casa.

4 comentários:

Helena Oneto disse...

Se há textos que merecem figurar numa antologia da diplomacia, este é um deles porque "tout y est"!
E mais não digo...:)!

Anónimo disse...

Oh! Não acredito que fosse sequer parecida... À da imagem.
Isabel Seixas

Helena Sacadura Cabral disse...

Senhor Embaixador, se souber, diga-me onde poderei, ainda, obter algumas dessas cadeiras. Ou, até, onde transformar as normais noutras periclitantes. Dava-me bastante jeito para doar em vida ...
Em Portugal as cadeiras têm tido grande importância na vida política do país. Aqui muda-se de cadeira mas não de poiso.
Salazar devia sabê-lo!

Fábio Serranito disse...

É uma história interessantíssima, mas mostra o ser humano no seu pior.