domingo, 10 de abril de 2016

Luís Castro Mendes



Nós vivemos da misericórdia dos mercados.
Não fazemos falta.
O capital regula-se a si próprio e as leis
são meras consequências lógicas dessa regulação,
tão sublime que alguns veem nela o dedo de Deus.
Enganam-se.
Os mercados são simultaneamente o criador e a própria criação.
Nós é que não fazemos falta.


Luís Filipe Castro Mendes


Quando Otelo concorreu a Belém, o cartaz dizia: "Otelo - um amigo na Presidência". Eu agora digo: um grande amigo na Ajuda.

Força Luís!